Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Sexta-feira, 16.04.21

Contributos para a toponímia da região de Coimbra

O Dr. Mário de Araújo Torres colocou mais uma pedra, a quinta pedra, no caminho que vem percorrendo na divulgação de obras sobre a história de Coimbra.

Caminho a todos os títulos louvável e muito meritório que passa pela reedição, acompanhada por comentários da sua responsabilidade, de obras há muito esgotadas. Redições por inteiramente custeadas.

Refiro-me, hoje, ao lançamento do livro Contributos para a toponímia da região de Coimbra.

F 1.jpg

Obra que Mário de Araújo Torres descreve da seguinte forma.

Prosseguindo a reedição de obras sobre a história da cidade de Coimbra e sua região, recolhem-se na presente coletânea um conjunto de textos relacionados com a toponímia conimbricense.

Trata-se de testos originariamente saídos em publicações periódica: os de José Leite de Vasconcelos e de Amadeu Ferraz de Carvalho na revista «O Instituto» em 1934, o de Vergílio Correia na revista «Biblos» em 1940, e o de Joaquim da Silveira na «Revista Lusitana» entre 1913 e 1941, tendo dos três primeiros sido extraídas separatas de reduzida tiragem, o que torna difícil o seu acesso à generalidade do público.

F 2.jpg

Apesar de esses textos partilharem diversificadas preocupações cientificas (arqueológicas, etnográficas, filológicas e etimológicas), em todos se recolhem importantes contributos para a toponímia de Coimbra e região.

Em complemento, reproduzem-se nas partes correspondentes à área do atual distrito de Coimbra, os dados constantes do «Numeramento do Reino de Portugal», ordenado por D. João III, em 1527, integrados nos registos das então designadas Comarcas da Estremadura e da Beira. Esse primeiro censo populacional feito em Portugal, documento fundamental para a história da demografia portuguesa, reveste-se de relevante interesse para o estudo da evolução da toponímia da região.

Pela minha parte fica um agradecimento público, o qual julgo partilhado por muitos outros conimbricenses.

Rodrigues Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 23:02

Terça-feira, 05.11.19

Coimbra: Memórias de um salatina 1

Extrato de uma comunicação apresentada no ciclo de conferências comemorativo dos 900 anos de Almedina.

Diap. 19.jpg

Coimbra. Alta. 1930. Foto Varela Pècurto

A Alta era um bairro, se assim lhe chamarmos, maioritariamente pobre. Muitas das casas eram pequenas para tantos filhos e com muito pouca privacidade, não tinham eletricidade e utilizavam-se, habitualmente, bacios e latrinas.
Ali conviviam, basicamente, três grupos sociais.
O primeiro grupo era o dos donos das grandes casas de famílias de nome conhecido e posses mais ou menos alargadas que incluía alguns Professores da Universidade.

Diap. 22a.jpg

Casa da Família Costa Lobo

Diap. 23a.jpg

Casa do Professor Doutor Costa Pimpão

O segundo grupo eram os estudantes que tanto viviam em Republicas

Diap. 25.jpg

República dos Kagados

Como em casas que alugavam quartos e ainda em pensões.

Diap. 26 a.JPG

Casa da pensão da Aninhas, na Rua da Boavista

O terceiro grupo era os chamados salatinas. Uma mistura de empregados de escritório e de balcão, de funcionários públicos, de operários, de motoristas de táxi, de policias, vendeiras da praça e de artesãos das mais diversas profissões.
Ainda povoam a minha memória.
Quatro sapateiros. O Sardinha, na rua do Loureiro, era o sapateiro da Académica. Perto deste, na mesma rua, havia o sapateiro conhecido por Guilherme e na Rua de Sobre Ribas o Senhor Augusto.

Diap. 28a.jpg

Rua das Flores casa que foi do latoeiro

Latoeiros havia dois. O da rua das Flores que tinha um ramalhete de filhas para as quais os mais crescidos iam olhando. O outro era na ruas das Fangas.

Diap. 29a.jpg

Onde havia uma serralharia, há um bar … vá lá chama-se Bigorna

O Sr. São Bento – seria apelido ou alcunha? – era um serralheiro afamado, junto à Sé Velha, no início da Rua das Covas.

Rodrigues Costa (continua)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 13:22

Quinta-feira, 19.10.17

Coimbra: Colégio de S. Agostinho 2

Foi longo o processo de maturação que, no Mosteiro de Santa Cruz, haveria de conduzir à construção do Colégio de Santo Agostinho que sobrevive... Num ambiente de contenção financeira sempre denunciada pelos cronistas, apenas do Capitulo Geral de 1569 «se comessou a tratar da mudança do nosso Collegio apartado do Convento de S. Cruz» a despeito de todos os obstáculos movidos pelo bispo de Coimbra, contra a eventualidade de que o «Collegio se apartasse do Convento de S. Cruz e se edificasse nas cazas de João de Ruão, que he o mesmo sitio onde depois de muitos annos o fundou» ... no local encostado à muralha, onde, aliás, já anos antes o mosteiro se tinha preocupado em alargar através de compras e trocas de terrenos.

... Tradicionalmente... o edifício do Colégio de Santo Agostinho anda atribuído a Filipe Terzi, mas, intencionalmente ou não, os cronistas nem sempre têm acertado nas atribuições que fazem ... a presença frequente de Jerónimo Francisco em Santa Cruz indicia uma ligação que parece apontar para a hipótese de uma fortíssima contribuição no problema construtivo que, nesta data, mais afetaria os crúzios: o colégio novo.

Colégio de S. Agostinho pulpito.jpgColégio de S. Agostinho igreja púlpito

A estrutura colegial, que sobrevive às transformações posteriores e ao violento incêndio de 1967, ajusta-se à especificidade do terreno ocupado, com a linha da fachada poente assentando os alicerces no antigo pano da muralha da Almedina.

A igreja e o claustro dinamizam o espaço onde se encontraram a estabilidade e o equilíbrio para fornecer aos colegiais um percurso ordenado e inteligível. Tanto quanto é possível apurar pelas plantas do edifício, e depois das reformas do século XIX para albergar o Colégio dos Órfãos, a Misericórdia e, recentemente, a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, a nota mais dissonante à normal constituição dos espaços colegiais é dada pela presença do corredor que estabelece a ligação entre o portal (aberto em 1859) e o claustro (desembocando no ângulo sudoeste), protegendo a entrada principal da igreja e provocando a formação de uma ala com diversas dependências, onde se instala, agora, a Misericórdia.

Colégio de S. Agostinho claustro.jpgColégio de S. Agostinho claustro

... Inteiramente nova na cidade é a conceção plástica que envolve o claustro retangular datado de 1596.

Craveiro, M.L. O Colégio da Sapiência, ou de Santa Agostinho, na Alta de Coimbra. In: Monumentos. Revista Semestral de Edifícios e Monumentos. N.º 25, Setembro de 2006. Lisboa, Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, pg. 68-71

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:19

Sexta-feira, 25.09.15

Coimbra e os ex-líbris

Acha-se a nossa Cidade intimamente ligada a esta temática. Muitos conimbricenses têm sido utentes de marcas de posse bibliográfica – lembrem-se, ao acaso, os nomes de Armando Cortesão, Camilo Pessanha, Eugénio de Castro, Fernandes Martins …; outros celebrizaram-se como colecionadores ilustrados – recordam-se os nomes do General Adolfo Ferreira de Loureiro, o primeiro português a colecionar ex-líbris e a reunir uma coleção, fabulosa para a época, de 15.000 peças, os de João Jardim Vilhena e Henrique de Campos Ferreira Lima, cujas coleções, depois de terem deslumbrado os visitantes da já referida Exposição de 1927, se encontram hoje, respetivamente, na Biblioteca Geral e na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; outros ainda são apontados como estudiosos investigadores de matérias ex-librísticas – e destes nem vale a pena salientar nomes tão numerosos eles são; outros, mais uma vez ainda, são considerados Artistas de ex-líbris – e é a eles que este Guia irá, mais adiante, fazer pormenorizada referência.
As duas exposições já realizadas em Coimbra por altura dos Encontros a que acima se aludiu (em 1979 e 1983) basearam-se fundamentalmente nas coleções Vilhena e Ferreira Lima. A presente baseia-se, na sua quase totalidade e exclusivamente, na coleção de um dos autores deste Guia (Rui Fernando Palhé da Silva)

Pereira, J.T.M. e Silva, R.F.P. 1988. Ex-librística Conimbricense. Guia da Exposição. Coimbra, Câmara Municipal de Coimbra. pg. X e XI

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:59


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2021

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Posts mais comentados