Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 10.11.22

Coimbra: Coimbra de capa e batina, 4

Para terminar a divulgação do livro Coimbra de capa e batina, volume II, vamos às páginas 219 a 225, rever a conquista pela Associação Académica de Coimbra, em 1939, da Taça de Portugal, em futebol.

AAC emblema.png

Emblema da AAC. Imagem acedida em https://www.academica-oaf.pt/historia/

Final da taça 2.png

Equipa que disputou a final da Taça de Portugal, ganhando ao Benfica por 4-3. Imagem acedida em https://www.academica-oaf.pt/historia/

Bola Académica

Golo!... E o abraço caiu como um raio em cima do companheiro do lado!... 0 homem, porém, era do Benfica! . . .

~Vá lá abraçar um raio que o parta…

A situação foi salva imediatamente por uns companheiros da «claque», que o nervosismo nunca deixava estar parados nos 90 minutos do jogo. Daí o engano da fúria daquele abraço. . .

Mas a realidade era aquela. A Associação Académica tinha metido um estupendo golo...

Ali, nas redes do Benfica e no campo das Amoreiras! com o Tibério a ser «metralhado» por detrás das balizas.

Final da Taça 1.png

Intervenção do guarda-redes da AAC, Tibério. Imagem acedida em https://www.academica-oaf.pt/historia/

No retângulo do jogo, onze rapazes de camisola negra, davam luta de peito aberto a onze homens do Benfica e a uns milhares de adversários, espicaçados por aquele atrevimento dos «gajos» de Coimbra.

Sobre meia dúzia de adeptos da Associação começaram a cair as fúrias dos benfiquistas.

Mas, nem um passo de recuo… Nem uma vibração abalada. O grito era sempre o mesmo e redobrava de fé, a cada instante: é «Briosa»!!

Um fogo sagrado temperava aquela magnífica resistência dos estudantes de Coimbra. Havia ali a defender qualquer coisa de grande e de tradicional. Aquela equipe negra, impunha responsabilidades a jogadores e a adeptos.

Ninguém fugiu a dar. Os que jogavam aceitavam os ataques desleais dos adversários e procuravam destruí-los sem timidez. Os que aplaudiam, metidos entre agressões iminentes, mantinham a mesma atitude e continuavam a aclamar a Associação, que naquele momento se batia com um futebol e com uma alma, que um benfiquista traduziu, nesta expressão:

- Estes tipos são tremendos

Quando o árbitro deu por findo o encontro, o brio académico e a velha tradição da «malta» estavam perfeitamente salvos. O Benfica foi derrotado.

img20220826_14053862.jpg

No final do desafio da Taça de Portugal- Fan, Fan, Fan, Auto Fan… Repare-se na derrota estampada na cara dum jogador do Benfica… Op.cit. 225

Final da Taça. Op. cit. Pg. 225.jpg

No final do desafio da Taça de Portugal. Imagem acedida em https://www.academica-oaf.pt/historia/

Uma espécie de loucura, atacou-nos então e ali, naquele campo das Amoreiras, mesmo nas barbas do Benfica e dos seus adeptos. Esqueceram-se posições sociais, conveniências próprias e o perigo de qualquer manifestação. Médicos, advogados funcionários públicos, alunos da Escola Militar, etc., deitaram cá para fora aquela alegria exuberante de incondicional estima pela Associação.

Que extraordinária vibração a desses momentos. Que admirável e sã energia, dum punhado de rapazes que traziam consigo aquela Coimbra eterna da nossa juventude!

Á saída, os jogadores estudantes, foram «assaltados» por nós. . . Um rapaz do grupo, que nunca estudou em Coimbra – Mas que ainda hoje é capaz duns bons murros para defender a Associação – queria por força abraçar as pernas do Faustino, que, no seu entender, foram as traves do desafio. Não sei se chegou a tal manifestação, o que sei, é que nessa noite levou a família ao Teatro. Chegou mesmo a «decretar» à mulher, que só iria nos dias em que a Associação ganhasse. Um empate merecia cinema. Uma derrota, não se jantava e ia tudo para a cama, com as galinhas, curtir a tristeza do chefe familiar.

Sou testemunha de que estas ordens foram algumas vezes cumpridas.

Nessa tarde, quando no Rossio continuavam as manifestações académicas, descobrimos, a entrar para a «Brasileira», um antigo estudante de Coimbra e diretor da Associação, com profundos traços de tristeza no fácies …  Aquele seu antigo grupo vencer o Benfica era mágoa que o acompanharia até à eternidade … Infelizmente há disto…

Nobre, C. Coimbra de capa e batina. Volume II. 1945. Coimbra, Atlântida – Livraria Editora, Ld.ª.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 12:30

Terça-feira, 08.11.22

Coimbra: Coimbra de capa e batina, 3

Prosseguindo na divulgação do livro Coimbra de capa e batina, volume II, salienta-se que nas páginas 174 a 191 é apresentada a história do nascimento do Teatro Académico da Universidade de Coimbra. Desse texto selecionamos o que se segue.

O Teatro Académico, chegou a ser um sistema pedagógico, não só na Universidade de Coimbra como em outras da Europa. Mestres e alunos tomavam parte em representações e elas, por vezes, constituíam até uma parte do ensino que então se ministrava.

… Uma provisão de El-Rei D. João III, no ano de 1546, ordenou o seguinte, quanto ao Teatro Académico. «O lente de Gramática, da mais alta Regra, que lê no Colégio de São Gerónimo seja obrigado a fazer e a representar, em cada ano, uma comédia nas escolas, no tempo e nos lugares que pelo Reitor lhe for ordenado…»

E foi com muita graça e propriedade, que António José Soares – autor dos vários cenários dos autos de Gil Vicente e artista de rico temperamento – foi desenterrar a referida provisão aos Arquivos da Universidade, para a apresentar como sendo a «certidão de nascimento» do Teatro dos Estudantes de Coimbra que o Professor Doutor Paulo Quintela, com tanto brilho, vem dirigindo.

Talvez pareça estranho, mas é verdade: o Teatro dos Estudantes nasceu do Fado. Esta fatalidade nacional e coimbrã, foi sem dúvida, a origem do renascimento teatral na academia de Coimbra.

 A sua história é esta: Em 1937 existia em Coimbra o «Fado Académico». foi seu fundador e dirigente Jorge de Morais (Xabregas) que à sua volta reuniu todos os guitarristas e cantores que então havia na Academia. O grupo tinha um interesse profundamente romântico. Xabregas, com a sua eterna fé por esta terra ribeirinha, pretendia criar uma escola de cantores e guitarristas ao jeito coimbrão. Profetizava que um dia, deixaria de haver rouxinóis a cantar baladas de amor e de saudade.

Apesar dos seus esforços, o «Fado» morria de dia para dia … Jorge de Morais pensou então em remodelar o seu grupo e surgiu-lhe a ideia dum conjunto dramático.

E assim, em Novembro de 1937, foi eleita uma direção [segue-se uma relação de 12 estudantes]. A ideia da criação dum grupo cénico tomou então, vulto e para ela, foi solicitada a colaboração do Professor Doutor Paulo Quintela.

Paulo Quintela.png

Professor Doutor Paulo Quintela. Imagem acedida em: http://www.cvc.instituto-camoes.pt/seculo-xx/paulo-quintela.html#.Y0RA61LMJPY

Havia, porém, um grande problema a resolver: a inclusão, no grupo, de raparigas universitárias, sem as quais não seria possível realizar obra de vulto.

Mas esta Coimbra, mexeriqueira e maldosa criava sérias dificuldades, pois as raparigas num temor compreensível, negavam a sua colaboração. Até que surgiu a estudante Madalena Coelho de Almeida que de alma erguida se entregou devotadamente à realização de tão simpática iniciativa. Depois de vencer algumas resistências, apresentou uma lista de raparigas que se propunham colaborar no Teatro Académico. Vencido este obstáculo foi constituído o «Grupo Cénico» - designação inicial. [Segue-se uma relação de 9 alunas da Faculdade de Letras e de 10 alunos de diversas faculdades].

Numa sala do Museu Zoológico, iniciaram-se em seguida, os ensaios da peça «Braz Cadunha» do escritor Samuel Maia.

O Prof. Doutor Paulo Quintela, porém, tinha um Plano cultural mais vasto e o teatro clássico português desde o início que lhe merecia uma atenção especial. E assim, simultaneamente com o «Braz Cadunha» começaram os ensaios da «Farsa de Inês Pereira» de Gil Vicente. Estava dado o primeiro passo, para o que mais tarde viria a ser a coroa de glória do Teatro dos Estudantes. Três meses depois, o Grupo Cénico do «Fado Académico» apresentou-se no Teatro Avenida, em récita de gala, com a designação de «Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra». O «Fado Académico» morrera nessa noite.

TEUC logo.jpg

Logotipo. Imagem acedida em https://www.facebook.com/photo?fbid=1007766936661205&set=pb.100022837253956.-2207520000..

TEUC en cena. Op. cit. 117.jpg

Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra. Op. cit. Pg. 177

TEUC cartaz.jpg

O TEUC em 2022. Imagem acedida em: https://www.facebook.com/photo/?fbid=7811227052228113&set=pb.100022837253956.-2207520000

O Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra venceu. A sua fama espalhou-se por Portugal inteiro e em Coimbra.

Nobre, C. Coimbra de capa e batina. Volume II. 1945. Coimbra, Atlântida – Livraria Editora, Ld.ª.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 16:17

Quinta-feira, 03.11.22

Coimbra: Coimbra de capa e batina, 2

As páginas 149 a 153 do livro Coimbra de capa e batina, volume II, são dedicadas à «Orxestra Pitagórica», reinventada nos inícios dos anos 40, do século passado.

Orxestra Pitagórica. Op. cit. Pg. 153.jpg

A «Orxestra Pitagórica». Op. cit., pg. 153

Na legenda desta fotografia pode ler-se: Aires Biscaia, estudante agarrado ás tradições coimbrãs, meteu ombros à empresa e reorganizou há 2 anos a «Orxestra Pitagórica» que se apresentou, sob a sua regência, com um êxito notável. Aqui se «verifica» a referida «Orxestra» em «pleno rendimento musical… Rui Castilho, o romântico diretor da dita «Orxestra» «castiga as meninas de Coimbra, com versos caídos do Olímpio … e assinados por Júpiter com a marca do Rui.

No texto é referido.

A «Orxestra Pitagórica» foi durante muitos anos, um grande atrativo dos saraus académicos. Vários regentes (declaramos à posterioridade que Raposo Marques nunca pegou naquela batuta) afirmaram dela, as suas extraordinárias aptidões musicais, que em princípio, assentavam na base de não saber música … Conhecer o «do ré mi fá sol lá si dó» era «crime» de lesa «orxestra» e como tal punido com a determinação: «é proibida a entrada a estudantes que afinem pelo lamiré do Raposo Marques»…

Aquilo, ali, era só ouvidinho puro e desentupido … Quem sofresse de purgação dos mesmos, não podia ser pitagórico. A coisa era tocada à base do tímpano sem cera…

Figueirinhas, Figueiral, Figueiredo da Figueira da Foz, na vida civil, política, religiosa e no bilhete de identidade José de Figueiredo, foi durante muitos anos o regente da «Pitagórica» e diga-se de passagem, que neste período da sua intervenção naquele «famoso» organismo artístico, ele atingiu um grande apogeu na música mitológica…

As mais extraordinárias partituras do Olimpo, desceram à terra, para serem executadas pelos mais variados instrumentos de corda e de badalo … E mal rompia no palco a «Orxestra Pitagórica» dos estudantes de Coimbra, Condorcet, «enviado especial» de Júpiter, fazia a sua apresentação, ao respeitável público, nos seguintes termos:

Minhas senhoras e vossos senhores

Deram-me em Coimbra os doutores

Missão difícil a desempenhar;

Esta «orxestra» a vós apresentar

Prosseguia a apresentação no mesmo tom, relatando uma incrível zaragata entre os deuses do Olimpo para terminar deste modo:

Aqui o harmonioso penicofone

Além o tilintoso cuecofone

O silencioso cisofone

O telefone, o microfone

O gramofone e o mudo caladofone

Ireis ouvir colcheias desgrenhadas

Bemóis, claves, pausas descompassadas

Semifusas de cabelos à garçone

E contra breves a tocar saxofone

Não falando já, bem entendidos

Nas tremifusas que perdem os sentidos

E dir-me-eis agora qual é mais excelente

Se ser do mundo Rei se de tal … cambada.

A «Pitagórica» depois desapareceu…

A geração que lhe emprestou as cuecas com guizos, os ferrinhos e as pandeiretas, formou-se. A que se lhe seguiu não renovou esse instrumental, nem se dedicou a aprender as «altas» partituras musicais de tão «famoso agrupamento artístico»…

Nota:

Temos conhecimento de que, ao longo do tempo, surgiram tentativas para ressurgir a «Orxestra Pitagórica».

No site https://orxestrapitagorica.pt/ é contada, com omissões, a história deste tipo de música no seio da academia coimbrã. Ali surge uma Orxestra Pitagórica, enquanto grupo da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra que Nasce nos seios voluptuosos da Academia Coimbrã, criada exclusivamente por estudantes da cidade, com intuito de satirizar e dar a conhecer os assuntos principais da cidade, dos estudantes e do país.

São apresentados vídeos das suas atuações de que Zumba na caloira é um exemplo e é feita publicidade do nosso Tour: Pita Trapstar e habilitem-se a ouvir o cagar na primeira fila (promoção limitada ao stock existente).

São certamente outras músicas e outros tempos.

Rodrigues Costa

 

Nobre, C. Coimbra de capa e batina. Volume II. 1945. Coimbra, Atlântida – Livraria Editora, Ld.ª.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 19:23

Terça-feira, 01.11.22

Coimbra: Coimbra de capa e batina, 1

Chegou-nos às mãos, datado de 1945, muito usado e em mau estado, o segundo volume de Coimbra de capa e batina, um verdadeiro retrato de uma época e de uma vivência académica.

Coimbra de capa e batina. Volume II, capa.jpg

Coimbra de capa e batina. Volume II, capa

Este exemplar tem a particularidade de na página de anterrosto ter manuscrita a seguinte dedicatória:

Ao Julio Teixeira, velho e querido amigo dos tempos de Coimbra, com um abraço do Carminé Nobre. Coimbra 21/5/1945

 

Coimbra de capa e batina. Volume II, dedicatória.

Coimbra de capa e batina. Volume II, dedicatória

Carminé Gil Abranches Nobre, natural de freguesia de Vide, do concelho de Seixo, do distrito da Guarda. Em Coimbra, depois de concluir o curso de Magistério Primário, matriculou-se e frequentou o Curso de Ciências Pedagógicas na Faculdade de Letras.

Carminé Nobre.jpg

Requerimento de matrícula no Curso de Ciências Pedagógicas. Imagem decida pelo AUC

Carmine Nobre foi um estudante com uma presença relevante na Academia do seu tempo, jornalista e escritor que faleceu em 1946, precocemente vitimado por um acidente de viação.

Carminé Nbre.jpg

Carminé Nobre. Imagem acedida em https://www.bing.com/images/search?view=detailv2&iss

O livro está dedicado AOS MEUS QUERIDOS AMIGOS: Dr. Guilherme de Oliveira, Dr. Ramiro Valadão, Tenente Manuel Delgado e Silva – ESTA LEMBRANÇA ALEGRE DE COIMBRA.

Na Nota com inicia o texto diz.

Quando em 1937 publiquei o I volume desta obra – que o publico esgotou em pouco tempo – propunha-me escrever a seguir o II volume.

Já passaram 8 ano sobre esse propósito e só agora esse livro aparece para concluir o documentário alegre e despretensioso que me propus realizar sobre a vida académica de Coimbra. Não perdi com a demora. Durante 8 anos de espera passaram muitos e curiosos factos que agora valorizam a obra de 1937.

No I volume fiz a advertência de que não existia nas suas páginas, qualquer pretensão de ordem literária. Neste II volume sigo a mesma rota… A nada sacrifico a graça do «dito», do «acontecimento» ou da «partida». De forma alguma. O que se segue é natural e verdadeiro. E é nesta base que o leitor deve principiar a ler este livro.

CN.

 Na realidade o livro é um documentário escrito sobre a vivência da primeira metade do século XX, nomeadamente do seu segundo quartel.

f777cc9fd8c8396d20566457e10352df

Coimbra de capa e batina. Volume II, pg. 65

Dele iremos, em próximas entradas, destacar três dos relatos ali feitos.

Nobre, C. Coimbra de capa e batina. Volume II. 1945. Coimbra, Atlântida – Livraria Editora, Ld.ª

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 21:39

Quinta-feira, 13.10.22

Coimbra. Concelhos para os Novatos

O Arquivo da Universidade de Coimbra, dedica o Documento do Mês a um pequeno livro datado de 1748, escrito sob o pseudónimo, Paulo Moreno Toscano e, como era uso da época, com o longo título (sic) Concelhos para os Novatos. Occuparem o tempo das Ferias, com a utilidade do seu adiantamento; e dictames para devorarem o «Mino-Tauro» de hum engano enserrado no «labyrintho» de inumeraveis lograções, o qual à instancia do «Minos» de hum Veterano, tributario do mesmo monstro na «Creta» Conimbricense, fabrica o «Dedalo» de hum depravado gosto.

 

AUC. Concelho para os Novatos, capa. Doc. Outubro

Capa do livro. PT/AUC/PFM/JV – Jardim de Vilhena (F) – VI-3.ª- 2-3-12.

O livro é assim descrito.

Neste mês trazemos à divulgação um raro opúsculo, de oito páginas, impresso por Francisco de Oliveira, impressor da Universidade e também do Santo Ofício. Pouco se conhece do seu autor, a não ser o que ele próprio nos diz no citado opúsculo. Era, certamente, estudante da Universidade, como afirma. “E a Deus que se faz tarde, outro dia te contarei o mais que passei no anno de Candieiro”. E logo nesta frase nos dá a conhecer o jargão dos estudantes de Coimbra, pois a designação de candeeiro aplicava-se, como em outra parte do texto refere, aos estudantes do quarto ano, por ser esse ano, “aquele em que os Estudantes com as luzes da Ciencia, costumaõ resplandecer, e luzir...”.

No entanto, o nome deste autor, Paulo Moreno Toscano, não figura no ficheiro de alunos da Universidade, levando a supor que terá utilizado um pseudónimo.

Todo o texto é escrito com humor, não faltando alguma sátira a costumes da academia, os quais só com uma leitura atenta podemos descortinar, tal é a verbosidade do autor. Mas não pode deixar de citar-se a alusão às tradições gastronómicas e à toponímia, com alguns dos locais tradicionais de Coimbra, onde acorriam os estudantes de fora da cidade, mal aqui chegavam, como a Fonte dos Amores ou Santo António dos Olivais. É bem elucidativo o texto, quando se lê (atualizando a grafia): “levando-me a Santo António dos Olivais me fizeram pagar um tabuleiro de tigelinhas de manjar branco, que uma mulher tinha para vender, não me dando mais que duas para provar. Bem via eu que havia de pagar as favas que o asno comeu, por alto preço e agora alcanço que é bem louco o Novato que crê em palavras de veteranos...”.
Os códigos de praxe estavam já instalados e este opúsculo é fértil nos testemunhos do que se passava com todos os estudantes, fossem eles um novato, semiputo, candeeiro ou veterano. Este opúsculo virá a ter sequentes edições, três anos depois, em Lisboa, na oficina do impressor Domingos Gonçalves, em 1751 e uma outra, também em Lisboa, pelo
impressor Inácio Nogueira Xisto, em 1765, estando já nestas edições corrigida a grafia Conselhos.

Esta obra, em toda a sua escrita satírica e jocosa, juntamente com outros títulos como Palito Métrico e a Carta de Guia para os Novatos, são essenciais para conhecer as antigas tradições académicas, a sociabilidade estudantil e tantas outras circunstâncias da vida dos académicos em Coimbra que hoje são desconhecidas de muitos.  

Concelhos para os novatos… / intimados por Paulo Moreno Toscano. Coimbra: Na Officina de Francisco de Oliveira, Impressor da Universidade e do S. Officio, 1748. Acedido em https://www.uc.pt/.../docs/documentodomesdeoutubro2022

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 16:19

Terça-feira, 13.09.22

Coimbra: Vida académica nos anos 20, do século passado 2

Na época distante a que me estou reportando – mais concretamente, no meu tempo - havia poucas distrações. Os académicos, se queriam gozar um bocado tinham que as inventar. Os divertimentos que a cidade lhes oferecia eram o cinema (mudo) no Teatro Avenida

Teatro Avenida.jpg

Teatro Avenida

– o Sousa Bastos estava abandonado e o Tivoli apareceu mais tarde – os arraiais dos Santos Populares, a romaria do Espírito Santo, em Santo António dos Olivais, a festa da Rainha Santa, de dois em dois anos, e os bailes. Isto para não falar nas manifestações de índole puramente académica, tais como a Queima das Fitas (a 27 de Maio) que era a expressão viva da alegria reinante entre a juventude universitária,

Enterro do grau. 1905.jpg

Enterro do Grau, 1905

os saraus do Orfeão e da Tuna (onde nos era dado o prazer inefável de escutar as vozes melodiosas dos saudosos Lucas Junot, Edmundo Betencourt, Armando Gois, Paradela de Oliveira e Serrano Baptista, infelizmente já falecidos), as récitas de despedida dos quintanistas - especialmente de medicina – e o `futebol!...

Equipa de futebol da AAC. 1923.06.03..png

Equipa de futebol da AAC. 1923.06.03.  Acedido em https://www.facebook.com/academica.oficial/photos/

Este, praticado em puro amadorismo, começou justamente por essa altura e graças à virtuosidade desse ídolo que em vida se chamou Teófilo Esquível, a conquistar adeptos e a «eletrizar» as multidões. (Não emprego o termo alienar, hoje muito em voga, por que a demência coletiva pode ser motivada por razões várias, estranhas ao desporto).

Os preços do cinema - vem a talho de foice recordá-los - eram: 3$00 a plateia e 15$00 um camarote de cinco lugares onde cabiam e entravam, sem (pagar qualquer sobretaxa, quantos estudantes quisessem! E a geral ainda era mais barata!...

Representavam-se no dito teatro uma ou outra peça desempenhada por afamadas companhias em digressão. Pelo palco da velha sala da Avenida Sá da Bandeira passaram as grandes figuras da cena portuguesa daquela época: Palmira Bastos, Amélia Rey Colaço, Alves da Cunha, Robles Monteiro, Chaby Pinheiro, Alexandre de Azevedo, Ilda Stiquini, Maria Matos, Lucília Simões, Adelina e Aura Abranches, Vasco Santana, Auzenda de Oliveira, Estêvão Amarante, Raúl de Carvalho - para só falar daqueles que vi. E no seu ecrã projetaram-se os filmes mais reclamados do cinema americano, alemão e francês, então os de maior fama mundial, abrilhantados pela orquestra que Teixeira Lopes regia. Mal esta se quedava silenciosa por instantes, logo se ouvia a voz de um estudante gritar:

-Toca a música!...

Que mal havia nisto?

Nas noites de teatro a «malta» ocupava normalmente a geral, colocada em anfiteatro ao redor da plateia (no rés-do-chão, portanto) enchendo de alegria a vasta sala com seus ditos espirituosos e levando o entusiasmo ao seio dos artistas. Os atores-empresários saiam de Coimbra gratos pelos aplausos carinhosos recebidos da generosa e hospitaleira Academia; e sempre que a casa estava passada - o que sucedia frequentemente – davam entrada gramita aos estudantes que, por falta de recursos, não podiam comprar bilhete, deixando-os ficar sentados nas coxias, da plateia. Resumindo: em noite de espetáculo teatral só não entrava quem não queria!

Teatro Avenida. Sarau, 1946. Col. Resto e Coleçã

Teatro Avenida. Sarau, 1946. Col. Resto e Coleção

Em determinado ano, porém, os empresários levados pela ânsia de progresso meteram-se em grandes e dispendiosas obras. Para alargar a plateia acabaram com a geral no rés-do-chão e implantaram-na lá no alto, perto do palco, mas junto ao teto, estilo «galinheiro». Nunca mais se sentou lá um estudante!... Os camarotes, lugar económico e convidativo para os menos endinheirados, desapareceram também, sendo substituídos pelo balcão. Estragaram tudo! Entretanto apareceu o sonoro, subiram os preços, as «Gretas Garbos» eclipsaram-se, as películas baixaram de nível, a estudantada criou novos hábitos, surgiu o Tivoli a fazer concorrência, e a empresa, que investira seus capitais na melhor das intenções, teve de enfrentar dificuldades. Se o velho Avenida falasse teria muito que contar!...

Os bailes, porém, eram a «perdição» de meia Academia. Havia-os nos clubes recreativos das várias camadas sociais, nas ruas, largos e praças durante o S. João, nas casas particulares - os celebérrimos assaltos onde entravam amigos e desconhecidos! - nos hotéis e em improvisadas salas, não esquecendo os agradáveis serões nos casinos das praias e termas mais próximas, nem os bailaricos nas localidades vizinhas. Lembro-me muito bem de que por mais de uma vez fui parar a Pombal para assistir ao «baile do calcanhar rachado» -calcanhar rachado porque nele tomavam parte as moçoilas do campo, de pé descalço e gretado - que se efetuava no velho celeiro do Marquês, pavimentado a tijolo. Daqui resultava que a partir de certa hora da noite o ambiente tornava-se irrespirável. Levantavam-se horríveis nuvens de pó vermelho que deixavam também vermelhas as nossas capas pretas; e na manhã seguinte a nossa saliva ainda era avermelhada! Mas sabia-nos bem...

Em quase todos os bailes e chás-dançantes que se realizavam em Coimbra e arredores, tinham entrada os estudantes que se portavam como gente civilizada.

O que se comia nessas festanças, Santo Deus! Recordo-me de que uma noite, durante um baile em casa do Violante - atleta do Sport Clube Conimbricense - eu e poucos mais, à nossa conta, «devorámos» um presunto! …

Muito se dançava em tais «festarolas» ... A bailar os rapazes conheciam as raparigas, a bailar se combinavam namoricos, a bailar se faziam e desfaziam casamentos...

Hoje é muito diferente. Tudo muda na vida; até o nome das coisas! Os rapazes novos passaram a chamar-se jovens (tal e qual como as raparigas; é a tendência geral para o unissexo!), os velhos são designados por idosos, os aleijados por diminuídos físicos, os loucos por débeis mentais, as criadas de servir por empregadas` domésticas (e vê-las?), os sapateiros por manufatores ide calçado... e por aí adiante!

Não critico nem reprovo. Apenas registo...

Andava eu por Coimbra, despreocupado, de capa aos ombros e cabeleira ao vento, quando começou a evolução. Pessoas, hábitos e costumes, atividades de ordem vária e preconceitos, ouviram soar, justamente nessa época já tão distante, o «tiro de partida» para a grande «cavalgada» rumo ao progresso; e ninguém vê, nem sabe onde fica a meta-desta corrida vertiginosa. Posso mesmo dizer que foi a minha geração que sofreu o primeiro embate da grande viragem que em poucos anos modificou a histórica e linda cidade de alto a baixo, que é como quem diz da cabeça aos pés: apareceram as primeiras raparigas matriculadas nas várias Faculdades (até aí as poucas que estudavam não iam, geralmente, além do curso liceal), multiplicaram-se os automóveis, duplicaram as linhas e o número dos carros elétricos,

Elétrico n.º 4 com “chora”. Col. Pedro Rodri

Carro elétrico para o Calhabé, com o “chora”. Col. Pedro Rodrigues da Costa

surgiram como grande novidade os recipientes metálicos para recolha do lixo, que o irreverente Castelão de Almeida «batizou» de Jacós - nome que pegou; Jacob era, na altura, o presidente da Câmara - iniciou-se a urbanização da periferia (Calhabé, Montes Claros e Olivais praticamente eram subúrbios), começou (ou recomeçou) a moda do beija-mão às senhoras, e, mais ou menos, todas as atividades escolares, sociais, e citadinas, sofreram alterações. Umas terão sido para melhor, outras para pior. Só o tempo, grande mestre, o dirá. Uma coisa é certa: o progresso não para. Acabaram-se os quartos sem janela e desapareceram os candeeiros de petróleo! Simplesmente, nem todas as benesses terão trazido a felicidade à gente nova. Esta, em meu entender, é hoje mais ambiciosa do que no meu tempo. Ambição aliás legítima. Porém, talvez por via dela, e também por má perceção de quem a devia compreender, a juventude estudantil parece menos alegre do que era há cinquenta anos.... Será?

Sampaio, A. Coimbra onde uma vez… Recordações de um antigo estudante. 1974. Portalegre, edição do Autor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:37

Quinta-feira, 08.09.22

Coimbra: Vida académica nos anos 20, do século passado 1

Armando Sampaio, publicou em 1974, o livro Coimbra onde uma vez … Recordações de um antigo estudante, no qual conta momentos significativos, não só da sua vivência académica, mas de tempos anteriores.

Coimbra onde uma vez, capa.jpg

Obra citada, capa

ANTIGAMENTE ERA ASSIM

Coimbra, quando há quase cinquenta anos fui frequentar a sua Universidade, diferia um pouco do que fora antes; e muito, muitíssimo mesmo, do que é hoje.

Contava meu pai, que andara por lá mais de meio século atrás, que no seu tempo, quando não havia ainda ligação ferroviária entre a Estação Velha e a cidade,

Estação Velha. 1. Primitiva.png

Estação Velha, primitiva

os passageiros desembarcados naquela faziam-se transportar para esta em burros de aluguer, mais ou menos lazarentos.

Os seus proprietários, colocados em fila à saída da gare ao lado dos jumentos, apontavam com o dedo indicador para os viajantes que chegavam, gritando com quanta força tinham:

-Burro, sr. doutor!... Burro, sr. doutor!...

(Já nessa época distante eram apodados de doutores quantos passavam pela velha cidade universitária!)

Claro que os homenzinhos não pretendiam insultar fosse quem fosse. O gesto e a fala eram a forma usual de oferecerem a «mercadoria» ...

Com o rolar dos anos - de muitos anos – estenderam a linha do caminho de ferro um pouco mais, construíram a Estação Nova (conheci-a em três edições e três localizações, qual delas a menos feliz!) e quando um dia fui matricular-me nos preparatórios médicos (F. Q. N., assim se dizia) já me apeei nesta, então implantada de costas para o Mondego, talvez porque sendo muito feia tinha vergonha de olhar o rio e o choupal, ambos cheios de beleza … E os burros, que tantas celebridades teriam transportado em seus dorsos, já haviam desaparecido. É evidente que me refiro aos burros propriamente ditos. Os outros não são para aqui chamados; hão de existir sempre!

Ao desembarcar na Lusa Atenas, apesar da ausência dos jericos e da existência do comboio que até atravessava (e atravessa) perigosamente a cidade, o chamado progresso ainda lá não assentara arraiais.

Estação Nova primórdios final XIX.jpg

Estação Nova, o barracão inicial. Finais do séc. XIX

 Os universitários que iam de longe para tirar seus cursos instalavam-se quase todos em modestos quartos que alugavam na Alta pela módica quantia de trinta a cinquenta escudos mensais – alguns sem janela! – onde, à luz tosca de um candeeiro de petróleo ou, de uma vela, estudavam pela noite fora as matérias que lhes diziam respeito.

Quarto de estudante  1.jpg

Quarto de estudante

 As velas de estearina, para alguns, até faziam serviço de relógio:

- «Já estudei meia vela»! «Já lá vai vela e meia, deve ser tarde», eram frases em voga quando, há cerca de 50 anos, ainda não se usavam relógios de pulso e os despertadores constituíam objetos de luxo...

Contavam-se pelos dedos os automóveis que circulavam pelas ruas, incluindo os dois ou três «Fords calças arregaçadas» do «Paleta», então o maior industrial de carros de aluguer do velho burgo, e os «espadas» do Ginja Brandão e do Biel, se bem me lembro, únicos estudantes que naquele tempo gozavam do raro privilégio de possuir automóvel próprio. O comboio e os autocarros de carreira (aliás raros) eram o transporte utilizado por todos nas suas deslocações, excluindo, claro está, os poucos que ainda faziam uso das velhas e ultrapassadas bestas de carga...

Não existiam as placas de direção proibida, não havia problemas de trânsito ou de estacionamento, nem se sonhava ainda com poluição. Eram desconhecidas as modernas expressões: «descontração», «despiste, «contestação, «na medida em que, «em ordem a, «pois, «pá, «quer dizer», etc., que hoje se usam e de que se abusa escandalosamente. No entanto, todos os académicos viviam descontraídos, alguns se despistavam e muitos contestavam já. Mas faziam-no por graça, por irreverência que nunca era desrespeitosa. . .

Imperava, ao tempo, um certo grau ide aparente infantilidade entre a juventude estudantil coimbrã. Infantilidade até certo ponto salutar, que a levava a preencher aquilo a que modernamente se chama tempos livres (horas vagas se dizia então) com brincadeiras inocentes que raras vezes ofendiam a sensibilidade dos mais sisudos ou molestavam terceiros. Brincadeiras que, repetidas hoje, seriam apodadas de estúpidas; mas que não obstavam a que, mais tarde, os seus autores viessem a ser homens notáveis nas ciências, nas artes, na política ou nas letras...

Note-se que não estou a criticar o presente. Recordo, simplesmente, o passado...

Sampaio, A. Coimbra onde uma vez… Recordações de um antigo estudante. 1974. Portalegre

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:03

Terça-feira, 17.03.20

Coimbra: Uma História da Vida Académica

Da autoria de José Paulo Soares foi recentemente publicada a 2.ª edição, revista e corrigida, da obra Uma História da Vida Académica.

Capa.jpgCapa de Uma História da Vida Académica

Trata-se de um trabalho profusamente ilustrado e, da contracapa, extraímos o seguinte texto:

José Paulo dos Santos Soares é natural de Alcains (Castelo Branco) onde nasceu em 10 de março de 1936. Frequentou o Liceu Nuno Álvares em Castelo Branco, fim do qual se candidatou à farmácia em Lisboa, tendo depois pedido a transferência para Coimbra, onde chegou em 1955.

P. 25.jpg

Eis a “minha” primeira Tuna para onde entrei em Outubro de 1955.
In: Uma História da Vida Académica, pg. 25

P. 26.jpg

Ainda nesse ano fiz a minha inscrição nas Danças Regionais.
In: Uma História da Vida Académica, pg. 26

Integrou a Tuna Académica da Universidade e foi cofundador do grupo universitário de Danças Regionais, tendo sido elemento da ”República Klynic da Alta” (Não oficializada).

O livro traça as memórias da intensa vida académica do Autor. Passa pelas da sua permanência em Coimbra como estudante e também pelas rememorações das peripécias acontecidas a bordo do paquete “Vera Cruz”, aquando do Périplo de África, realizado em 1963, pela Tuna Académica da Universidade de Coimbra.

p. 127.jpg

Itinerário do Périplo de África
In: Uma História da Vida Académica, pg. 127

p. 155.jpg

Desembarque em Luanda
In: Uma História da Vida Académica, pg. 155

Explica o Autor a razão de ser deste livro.
Um dos meus netos entrou para a Universidade e eu, sem querer, senti-me velho! Já tenho um neto “Caloiro”! Então pensei em reviver nele, toda a minha juventude académica. Vida que ele vai iniciar e da qual lhe vou dar algumas “dicas”, do que foi a minha “passagem” pelos bancos da nossa vetusta e sempre querida Universidade de Coimbra.
Desiluda-se, contudo, quem pensar encontrar uma obra literária sobre assuntos académicos. Este “livro” não pretende, de modo algum, ser um documento que possa querer interpretar-se como uma verdade absoluta sobre, Praxe, Queima das Fitas, Latadas, ou quaisquer outras atividades académicas do meu tempo (e não só). Pretende, tão somente, lembrar a minha vida em Coimbra na década de 50, como entrei na Universidade de Coimbra, na Tuna, e principalmente a minha vivência na Tuna Académica da Universidade de Coimbra, no Grupo Universitário de Danças Regionais e na República “Klynica da Alta”.

Livro que se lê com muito agrado e que vai muito além do objetivo atrás referido.

Soares, J.P. 2018. Uma história de vida académica. Coimbra, Edição de Autor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:00

Terça-feira, 21.01.20

Coimbra: República de Coimbra no Porto

Foi recentemente publicado o primeiro volume da obra Os Lysíadas. A epopeia dos Ly.S.O.S. Uma República de Coimbra no Porto, cuja leitura recomendo aos Coimbrinhas como eu.

Os Lysíadas, capa.jpgOs Lysíadas, capa

O seu Autor – o Zé Veloso – um antigo estudante de Coimbra onde integrou o conjunto que alguns de nós bem se lembram, os Alamos, é o fundador do blogue Penedo d@ Saudade – Tertúlia.

Os Lysiades 3.jpg

Os Alamos antes e agora

Numa divertida reformulação de Os Lusíadas de Luís de Camões, conta a história da migração de um conjunto de estudantes de Coimbra para o Porto e da vivência académica da Real República dos LyS.O.S. que ali fundaram.

Os Lysíadas2.jpg

Real República dos Lysos

Cada canto é completado por uma nota explicativa onde são contados factos e memórias da vida académica em Coimbra, em meados do século passado e não só.
Mas o melhor é dar palavra ao que é dito na contracapa:

Os Lysíadas 1.jpg

Os Lysíades, contracapa

Os Lysíadas conta-nos a saga de um grupo de estudantes de Coimbra que em 1959 foram concluir as suas formaturas no Porto, onde fundaram a Real República dos LyS.O.S [leia-se Lisos], segundo a tradição das Repúblicas de Coimbra.
Poema épico de fácil leitura, inspirado n’Os Lusíadas, Os Lysíades segue uma linha paralela à narrativa de Camões, adaptando os episódios mais marcantes da obra do Poeta aos temas que trata e aos tempos que retrata, de forma criativa, irreverente e bem-humorada.
Para além de colocar o leitor dentro da vida de uma República de estudantes dos anos 50 e 60 do século passado, o livro contém ainda informações preciosas sobre a história e as histórias de Coimbra, sua Universidade, sua Academia, suas gentes e suas tradições centenárias.

Veloso, José. 2019. Os Lysíadas. A epopeia dos LyS.O.S. Uma república de Coimbra no Porto. Volume I. De Coimbra ao Porto. Coimbra, Minerva Coimbra.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:32

Terça-feira, 30.04.19

Coimbra: Petições de grau na Universidade

No Arquivo da Universidade de Coimbra encontram-se guardadas cinco pastas forradas a veludo que, até à entrada em vigor da “Lei da Separação do Estado das Igrejas”, publicada a 20 de abril de 1911, depois da implantação da República, eram utilizadas nas cerimónias de imposição dos graus de Bacharel, de Licenciado e de Doutor.

Petição de grau. Faculdade de.jpg

Pasta das petições de grau, utilizada na Faculdade de Medicina

A diferença existente entre elas residia na cor do veludo que correspondia a cada uma das Faculdades. De notar que as cores mencionadas diferem das atualmente usadas.

- amarelo para Teologia,
- vermelho para Direito,
- castanho claro para Medicina,
- azul escuro para Matemática e Filosofia.

Dentro da cada pasta podem observar-se dois documentos impressos, escritos em latim, com as fórmulas que seguidamente se referem.
No primeiro pode ler-se:

Quid petis.jpgQuid Petis?

Os Quid Petis? – o que pedes – são todos de teor similar e eram usados na atribuição do Grau de Bacharel, Grau de Licenciado, Grau de Doutor (Quando há um só doutorando) e Grau de Doutor (quando sam dois os mais doutorandos).

No segundo documento encontra-se o texto do juramento que o candidato tinha de proferir antes de lhe ser entregue o respetivo documento comprovativo da concessão do grau.

Professio Fidei Catholicae.jpg

Professio Fidei Catholicae

Trata-se da atribuição do canudo, como é designado na gíria coimbrã.

Canudo, porque o comprovativo do grau, escrito em latim sobre pergaminho e assinado pelas entidades competentes, incluindo o Magnífico Reitor, fixa ainda umas fitas da cor da respetiva Faculdade presas a uma caixa de prata que contém, no seu interior, o selo da Universidade. O documento encontra-se enrolado e inserido numa caixa de lata com forma tubular.

Canudos e diplomas.jpg

Canudos e comprovativos de curso

Carta de curso Letras selo.JPG

Comprovativo de um curso da Faculdade de Letras, pormenor do selo

Carta de curso Direito selo.jpg

Comprovativo de um curso da Faculdade de Direito, pormenor do selo

Deste ritual resta, atualmente, a cerimónia da imposição de insígnias que concede ao candidato, de forma solene e oficial, o grau de doutor. É evidente que o Quid Petis? se encontra adaptado aos tempos hodiernos.

Doutoramento. 1959.jpg

Cortejo de um doutoramento. 1959

Agradeço à Senhora Dr.ª Ana Maria Bandeira, Técnica do Arquivo da Universidade de Coimbra a ajuda para chegar aos documentos citados.

Fonte: Arquivo da Universidade de Coimbra (Quota: Petições de Graus V-3.ª-Mov. 8-Gav. 1)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:56


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Janeiro 2023

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031