Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 03.04.18

Coimbra: Cidade bela, mas também cidade vandalizada 2

No passado dia 15 de janeiro de 2016 tivemos ocasião de organizar uma visita à Igreja do Salvador em Coimbra guiada pelo historiador Nelson Correia Borges.

Ao iniciar a visita apelámos à necessidade urgente de reabilitar este monumento nacional.

Penso que no final dessa visita as numerosas Pessoas que nela participaram, reconheceram também tal urgência e necessidade.

Recordo que, conforme refere Joana Garcia, Técnica Superior de Arqueologia na Divisão de Reabilitação Urbana da Câmara Municipal de Coimbra, a Igreja do Salvador é de origem medieval, mais propriamente da segunda metade do século XII e pertence ao segundo românico de Coimbra. Este templo terá vindo substituir outro mais antigo, cuja existência está comprovada pelo menos em 1064.

Numa das minhas habituais deambulações pela Alta tive ocasião de, ontem, fazer as seguintes fotografias:

Igreja Salvador 1a.jpg

 Portal de 1179, pormenor 1 

Igreja Salvador 2a.jpg

 Portal de 1179, pormenor 2

Igreja Salvador 3 a.jpg

 Portal de 1179, pormenor 3

Igreja Salvador 4 a.jpg

 Parede lateral, pormenor 1

Igreja Salvador 5 a.jpg

 Parede lateral pormenor 2, com insultos ao Papa

Julgo que estas imagens evidenciam que se ultrapassou o limite da dignidade e do respeito pela História e pelas Pessoas.

Considero que os Monumentos Nacionais bem como as demais Autoridades não podem ficar indiferentes perante este ato do mais abjeto vandalismo.

E se isso não se verificar, ao menos se levante um clamor público capaz de obrigar a uma atuação adequada. No mínimo, a imediata remoção do lixo pintado nestas paredes.

 

Rodrigues Costa

 

Nota: Cópia deste alerta irá ser enviado, por email, às competentes Autoridades Civis e Religiosas, bem como aos Órgãos de Comunicação Social

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:06

Terça-feira, 27.03.18

Coimbra: Cidade bela, mas também cidade vandalizada

Há dias realizamos um curto passeio pela zona do Jardim Botânico e verificámos que a maior parte dos muros e dos portões, muitos deles recentemente recuperados, apresentavam uma enorme degradação decorrente dos escritos que lhe haviam sido apostos.

Concluímos que estávamos perante atos de puro vandalismo, pois trata-se apenas de destruir ou danificar a propriedade alheia, pública ou privada, de forma intencional e sem qualquer outro motivo aparente que não seja o propósito de, sem permissão do dono, causar prejuízos e desfigurar o existente.

A denominação “vandalismo” foi, num primeiro momento, atribuída pelos romanos às ações praticadas por um povo bárbaro germânico, oriundo da Europa Central, que se caracterizava por atuar de maneira selvagem, descontrolada e sem respeito para com nada. Na sequência, essas gentes, acabaram por ser formalmente chamados de Vândalos. Não é por acaso que esse nome, com o tempo, tivesse sido transferido para nossa língua, a fim de denominar as pessoas ou os grupos que se comportam de maneira caótica e, por vezes, violenta.

A comunidade acaba por ser a mais afetada pela destruição referida, na medida em que a situação atinge diretamente os lugares públicos que fazem parte do cotidiano de todos nós.

Estes grupos atuam, na maioria dos casos, pela calada da noite, altura em que a segurança não é tão eficaz, permitindo-lhes uma maior liberdade e dando-lhes a possibilidade de não serem apanhados em flagrante delito.

As inscrições feitas em paredes são vulgarmente chamadas de grafite, grafito ou grafíti, pois trata-se de uma inscrição caligrafada ou de um desenho pintado ou gravado sobre um suporte que não se destina a essa finalidade.

Os grafitos foram olhados durante muitos anos como assunto irrelevante ou como mera infração considerada de pequena gravidade, mas a sua significação tem variado, ao longo dos tempos de acordo com a evolução da sociedade e, atualmente, nalguns casos, já os consideram como uma forma de expressão incluída no âmbito das artes visuais, mais especificamente, da street art ou “arte urbana”, em que o artista aproveita os espaços públicos, criando uma linguagem intencional destinada a interferir na cidade.

Contudo, há quem não concorde e equipare os grafitos à pichação, ou seja, ao ato de escrever ou rabiscar sobre muros, fachadas de edificações, asfalto de ruas ou monumentos, usando tinta em spray aerossol, dificilmente removível, marcadores ou mesmo rolo de tinta. Regra geral escrevem frases de protesto ou de insulto, assinaturas pessoais ou mesmo declarações de amor. Para transmitir a sua mensagem podem utilizar grupos de letras que funcionam como abreviaturas, símbolos e logotipos.

A praga é velha e até já foi pior.

Mas, lentamente, vai voltando e trata-se de uma praga que – em nosso parecer – para ser combatida carece de trabalho persistente levado a cabo, nomeadamente pelas escolas, destinado a alertar os mais jovens para a salvaguarda de um património que é de todos.

Embora o rápido apagar destes “escritos” deva ser uma preocupação das Autoridades, julgamos que a resolução do problema passa, num primeiro momento e primordialmente, pela formação cívica a que deve ser incutida em todos os cidadãos e que estes têm a obrigação de vivenciar.

Aqui fica o nosso protesto acompanhado de elucidativas imagens. 

Ladeira das Alpendurada casa recentemente recupera

 Rua dos Combatentes/Ladeira das Alpenduradas, casa recentemente recuperada

 

Alameda Júlio Henriques.JPG

 Alameda Júlio Henriques

 

Alameda Júlio Henriques, muro do jardim dos patos

 Alameda Júlio Henriques, muro do jardim dos patos

 

Jardim Botânico, muros exteriores.JPG

 Jardim Botânico, muros exteriores

Rua dos Combstentes portão de garagem.JPG

 Rua dos Combatentes, portão de garagem

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:20


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Posts mais comentados