Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 12.11.19

Coimbra: Memórias de um salatina 3

Extrato de uma comunicação apresentada no ciclo de conferências comemorativo dos 900 anos de Almedina. (conclusão)

Na Alta também havia venda ambulante.

Leiteiras antigas.jpgLeiteiras antigas

As leiteiras. Inicialmente eram assim, mas havia quem dissesse que tinham por hábito “mijar no cântaro” o que terá de se entender por juntar água ao leite.

Leiteira. Palácio de Sobre Ribas.jpg

Leiteira fardadas e com cântaros lacrados

Depois, veio a obrigação de andarem de bata branca e com um cântaro de folha de flandres com um feitio esquisito, no qual dependuravam as medidas. Cântaro, diariamente lacrado pela Delegação de Saúde.
Os padeiros e as padeiras, com grandes cestos de vergas às costas cobertos com um pano branco, indo de casa em casa, deixar o pão que era pago à semana.

Peixeiras da Figueira.jpgPeixeiras das Figueira

As peixeiras da Figueira, vestidas com as suas saias tradicionais, a blusa e o xaile traçado e a rodilha na cabeça. Normalmente esguias e apressadas com as canastras à cabeça e o seu pregão tradicional, entoado de uma forma única: sardinha da areiaaaa! Oh freguesa é linda e fresquinha! 3 dez tostões! Quase sempre descalças, ou com um chinelo calçado e outro na mão pois havia que evitar as multas policiais de vinte e cinco tostões por se andar descalço.
O cafezeiro com a sua mala castanha e o seu pregão: Olha o cafezeiro! Compre agora! Vou para o norte e só volto para a semana!
Havia ainda o petrolino com a sua carroça puxada por um cavalo que vendia petróleo e azeite e que avisava a sua presença com o toque de uma corneta.

Amolador.jpgAmolador

E o amolador, com a sua flauta e toque típico, cujo pregão era: amola tesouras e navalhas, põe gatos nas panelas e gatos nas talhas! Exercia, ainda, as funções de capador de gatos.
Um aparte para terminar.

Flávio  Rodrigues.JPGFlávio Rodrigues e José Trego mestres de tantas gerações de estudantes e futricas. Fotografia retirada de “Flávio Rodrigues Silva - Fragmentos para uma Guitarra” de António Manuel Nunes e José dos Santos Paulo

Quando se fala de fado de Coimbra associa-se sempre a estudantes. Não é inteiramente verdade. Basta lembrar Artur Paredes e Flávio Rodrigues mestres e iniciadores no fado de Coimbra de tantos estudantes e futricas.

Três breves reflexões à laia de conclusão.
A primeira é óbvia. A Alta dos tempos dos salatinas está a desaparecer com a geração dos que viveram esse tempo. Não obstante a permanência de alguns velhos resistentes, passaram, na atualidade, a predominar os alojamentos para estudantes e os de curta duração, com o consequente surgimento de bares e de lojas para turistas.
Embora reconhecendo estarem em curso algumas obras de recuperação, há que assinalar a existência de situações carecidas de intervenção urgente: os imóveis em ruína e o estacionamento abusivo de automóveis nas ruas da Couraça dos Apóstolos, João Jacinto e, nomeadamente, no Largo da Sé Velha, aqui com evidentes consequências negativas para a fruição e preservação deste monumento nacional.
Terceira e última reflexão. O fenómeno da “turisficação” que começa a surgir na Alta está estudado, bem como os perigos e efeitos de uma aposta exclusiva no turismo. Há que nunca esquecer que um destino turístico está sujeito à moda de momento e são inúmeros os destinos que deixaram de estar na moda. Não obstante a tendência para o crescimento sustentado do turismo, o percurso de um destino turístico, se depende essencialmente da sua riqueza patrimonial e/ou paisagística, também depende da forma como organiza a sua oferta e se é capaz de criar experiências nos turistas que o procuram.
A Alta necessita de ser repensada e planeada para o curto e para o longo prazo. Daí o meu apelo à União de Freguesias para organizar umas jornadas técnicas, com a participação de credenciados especialistas multidisciplinares, quer da Cidade, quer de fora dela, tendo por tema a “Alta de hoje e a Alta do futuro”. O evento não se deve limitar a elencar ideias, mas, fundamentalmente, a definir projetos e a congregar esforços que permitam à Alta do futuro fazer jus ao seu passado.
A “nossa” Alta precisa do saber, do conhecimento, mas também precisa de carinho e de amor.
Que as Comemorações dos 900 de Almedina não sejam um ponto de chegada, mas sim de partida.
Rodrigues Costa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:12

Quinta-feira, 07.11.19

Coimbra: Memórias de um salatina 2

Extrato de uma comunicação apresentada no ciclo de conferências comemorativo dos 900 anos de Almedina. (continuação)

Em meados do século passado, subsistiam algumas atividades económicas hoje desaparecidas da Alta.

Diap. 30a.jpg

Onde havia uma tipografia, há um bar

Existiam cinco tipografias. Uma junto à igreja do Salvador, as restantes quase ao cimo da Couraça, na rua do Norte nas traseiras da Sé Velha.
Haviam duas carvoarias.

Diap. 32a.jpg

Aqui era a carvoaria a Rua do Loureiro

Uma mesmo junto ao Arco do Bispo e outra na rua do Loureiro. Eram casas escuras, de trabalhadores todos cobertos de pó negro onde se comprava o carvão a peso que era carregado com pás metálicas. Ali também se vendia carqueja para acender o fogareiro e que ao arder, deitava um cheiro muito agradável.
Dois marceneiros. O Sr. Herculano que tinha a oficina por baixo do arco que liga a hoje Casa da Escrita.
O outro, era o Sr. Casimiro que morava na Couraça e cuja oficina, à maneira medieval, estava à porta da sua habitação.
Ao lado estava o Clemente alfaiate e na Rua da Matemática o Sr, Moura era um alfaiate afamado, bem como o Sr. Lapa, ao cimo da Couraça. E nas escadas de Quebra Costas estava o Mário alfaiate.
Dos barbeiros restava o Senhor Albino barbeiro que ia, de casa em casa, cortar os cabelos.
No inicio da Rua dos Coutinhos um colchoeiro fazia travesseiros de suma-a-uma e colchões de palha cozidos com umas agulhas muito grandes, as agulhas de albardar.
E as vendas da Alta! Umas só mercearias, outras um misto de taberna e mercearia.

Diap. 35a.jpg

Onde era a venda do Romão, há um alojamento turístico

Na Couraça a venda do Romão era um misto de taberna e mercearia e a venda da Camila só taberna, cujo dono para além de vendeiro era o regedor da freguesia.

Diap. 37a.jpg

Onde era a venda do Zé Bruto, hoje uma ruína

No Largo da Matemática a loja do Zé Bruto, hoje uma ruína. Na Rua da Matemática já não existem as vendas do Senhor Ventura e do Senhor Carvalho, como já não existe a Menina Lídia, julgo que é um alojamento para estudantes, junto à Casa da Escrita.
Na zona da Sé Velha havia 4 lojas. No Largo, a grande loja das sete portas uma espécie de mercearia fina e hoje uma loja para turistas. A loja do Barão – não sei se era apelido – com mercearia e taberna, hoje um restaurante para turistas. Muito perto, na Rua do Correio já não há a loja da Batateira, nem a loja da rua dos Coutinhos.

Diap. 38a.jpg

Onde era a loja das 7 portas, há uma loja de cerâmica artesanal

Tasca do Pinto.jpg

A tasca do Pinto, com seu ramo de loureiro

Já me ia a esquecer da célebre e muito antiga venda que servia refeições e petiscos, na esquina da Rua do Cabido com o Largo do Salvador, ao tempo gerida pelo Sr. Pinto e sua Mulher.
As tabernas eram identificadas com um ramo de loureiro colocado sobre a porta e o vinho era guardado em grande toneis e vendido nuns copos estreitos e altos de vidro muito grosso.
Nas mercearias, os cereais, o açúcar, as batatas estavam guardadas em tulhas, ou sacos de serapilheira. Eram vendidos a peso. Também haviam bacias com água e bacalhau cortado às postas, o bacalhau demolhado, vendido a 15 tostões. Ainda existiam as barricas de manteiga e de peixe salgado e seco, polvo e sardinha esta com um aspeto amarelado.
Em frente à igreja do Salvador havia uma padaria muito concorrida e um depósito de pão, na Sé Velha, abaixo da loja do Barão.
Mas, para mim a melhor loja – se assim se podia chamar – era a Senhora Prazeres que vendia à porta de sua casa, pevides, tremoços, alfarroba, amendoins e sobretudo bananis, uma espécie de chapeuzinho de açúcar caramelizado suportado por um pequeno pau.

Rodrigues Costa (continua)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:04

Terça-feira, 05.11.19

Coimbra: Memórias de um salatina 1

Extrato de uma comunicação apresentada no ciclo de conferências comemorativo dos 900 anos de Almedina.

Diap. 19.jpg

Coimbra. Alta. 1930. Foto Varela Pècurto

A Alta era um bairro, se assim lhe chamarmos, maioritariamente pobre. Muitas das casas eram pequenas para tantos filhos e com muito pouca privacidade, não tinham eletricidade e utilizavam-se, habitualmente, bacios e latrinas.
Ali conviviam, basicamente, três grupos sociais.
O primeiro grupo era o dos donos das grandes casas de famílias de nome conhecido e posses mais ou menos alargadas que incluía alguns Professores da Universidade.

Diap. 22a.jpg

Casa da Família Costa Lobo

Diap. 23a.jpg

Casa do Professor Doutor Costa Pimpão

O segundo grupo eram os estudantes que tanto viviam em Republicas

Diap. 25.jpg

República dos Kagados

Como em casas que alugavam quartos e ainda em pensões.

Diap. 26 a.JPG

Casa da pensão da Aninhas, na Rua da Boavista

O terceiro grupo era os chamados salatinas. Uma mistura de empregados de escritório e de balcão, de funcionários públicos, de operários, de motoristas de táxi, de policias, vendeiras da praça e de artesãos das mais diversas profissões.
Ainda povoam a minha memória.
Quatro sapateiros. O Sardinha, na rua do Loureiro, era o sapateiro da Académica. Perto deste, na mesma rua, havia o sapateiro conhecido por Guilherme e na Rua de Sobre Ribas o Senhor Augusto.

Diap. 28a.jpg

Rua das Flores casa que foi do latoeiro

Latoeiros havia dois. O da rua das Flores que tinha um ramalhete de filhas para as quais os mais crescidos iam olhando. O outro era na ruas das Fangas.

Diap. 29a.jpg

Onde havia uma serralharia, há um bar … vá lá chama-se Bigorna

O Sr. São Bento – seria apelido ou alcunha? – era um serralheiro afamado, junto à Sé Velha, no início da Rua das Covas.

Rodrigues Costa (continua)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 13:22

Terça-feira, 08.11.16

Coimbra: Os Salatinas e a Música Tradicional de Coimbra 1

No âmbito da sua música regional e local, Coimbra sempre foi um «caldeirão de culturas», fruto do cruzamento de diversas práticas musicais oriundas de diferentes regiões do País e do Estrangeiro que, uma vez na cidade, conviviam com duas culturas musicais autóctones mas reciprocamente influenciáveis: a «popular», não só proveniente do mundo rural que de Coimbra estava próximo, mas, igualmente, do próprio povo da cidade; e a «erudita», proveniente de outros grupos sociais que habitavam o velho casco urbano, tais como a «burguesia» e alguma «nobreza».

Estas danças e cantares estão na génese de uma música, assimilada e recriada pelo povo de Coimbra que, no fundo, transmitia algo de si e assim a divulgava, qual marca própria, local, daqueles que a cultivavam – a «Música Tradicional de Coimbra» – constituída por um repertório de «canções de trabalho, cânticos de embalar, cantigas de amor, baladas, trovas, noturnos, descantes, romances», canções relacionadas com o «Sagrado», o «Religioso» e o «Natal», etc., divulgadas pela cidade em festas e romarias e nas «fogueiras do S. João» – uma manifestação etno-musical que em Coimbra remonta, pelo menos, ao século XV – onde as «tricanas» (mulheres do povo de Coimbra e dos arredores) e os «futricas» (habitantes da cidade não-académicos) cantavam e dançavam e onde os estudantes (os “sacos de carvão” na gíria popular) marcavam presença, nem sempre muito pacífica nas suas relações com os populares.

As danças das fogueiras chamavam-se «modas», dançadas em roda – as «danças de roda» – com mandador e com uma coreografia muito simples à volta de um mastro central onde se situavam os tocadores, os cantadores e as cantadeiras. A partir da década de 70 do século XIX, surgiram fogueiras com um estrado – «pavilhão» – onde, numa salutar rivalidade musical, atuavam ranchos de diversos bairros da cidade que previamente ensaiavam e bailavam um repertório criado para esse tempo de folguedos com base em «cantigas, marchas, barcarolas» e “alguns fados para as fogueiras” – os «fados coreográficos» – que, como estrutura e modelo de dança, mais não eram do que músicas populares locais cantadas e dançadas de roda, em ambiente de grande ruralidade – que Coimbra sempre foi – e ligadas a primitivas formas de cança que estão na base do «Folclores de Coimbra».

A Música Tradicional de Coimbra tinha como instrumentos tradicionais do seu toque, o «machinho» (espécie de cavaquinho), o «bandolim», a «guitarra», o «violão» (que na gíria popular da cidade dava pelo nome de “bacalhau”), o «cavaquinho», o «violino», a «rabeca», a «flauta» e a «viola toeira» (principal instrumento popular de Coimbra no século XIX), entre outros.

A partir dos anos 20/30 de Oitocentos, Coimbra, cidade de fortes tradições musicais, viu, incluído no seu repertório, vários géneros musicais oriundos da Europa e da América do Sul, como sejam a «valsa», a «sonata», o «tango», a «polca», a «mazurca», o «lundum», o «lied», etc., dos quais absorveu o suficiente para a criação de novas sonoridades, mas sempre matricialmente identificáveis com a toada regional e local da cidade.

Cravo, J. 2012. Os Salatinas e a Música Tradicional de Coimbra. In: Músicos Salatinas. 1880-1947. Exposição Fotográfica e Documental. Coimbra, Câmara Municipal de Coimbra, pg. 17

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 15:25


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930