Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 15.08.17

Coimbra: O Senhor da Serra 1

A partir de uma data indeterminada, mas que se pode situar em torno da primeira metade do século XVII, em Ceira, terra que se situa nas proximidades de Coimbra, o casal Martim (ou Martinho) Avô e sua mulher Maria Guilhalme detinham a posse de um Cristo que passou a ser alvo de grande devoção.

Devido a conflitos e desaguisados acontecidos entre os muitos que acorriam a sua casa para venerar e implorar graças à imagem, ou por qualquer outra razão, os possuidores resolveram desfazer-se dela e esconderem-na num local ermo.

Na vizinhança da zona onde o casal vivia localizava-se o mosteiro de Semide, ocupado por monjas beneditinas e um certo dia, quando os seus criados andavam a apanhar lenha, encontraram a imagem e levaram-na para o cenóbio, a fim de ali ser cultuada. O local do achamento parece que ficava dentro da área de jurisdição do mosteiro e as religiosas fizeram aí erguer uma cruz que passou a ser conhecida pelo nome de “Cruz de Longe”.

Registo.jpg

Divino Senhor da Serra registo

 A comunidade, para que a Cruz pudesse continuar a ser venerada pelos muitos que persistiam em acorrer ali, a fim de pedir a proteção do Senhor, acabou por mandar construir um pequeno coberto abobadado no cimo do monte que ficava sobranceiro ao complexo monástico. O alpendre, posteriormente, e no contexto de uma evolução habitual, deve ter visto fechados três dos seus lados e virado capela numa data que se situa entre 1553-1563; mas, ao longo dos tempos, foi recebendo acrescentos e modificações feitos a esmo. Também se lhe iam apondo casas destinadas a dar pousada aos, cada vez mais numerosos, romeiros que acorriam ao Santuário.

Capela. Desenho.jpg

A capela do Divino Senhor da Serra em 1882. Desenho a lápis de António Augusto Gonçalves (ABMC)

 ... A relação do Bispo-conde (Manuel Correia de Bastos Pina) com Mestre Gonçalves, a desenvolver-se no campo artístico e não no ideológico, levou-o a encarregá-lo de, em 1898, riscar um “albergue” destinado a dar guarida aos romeiros, a erguer-se junto da “velha” capelinha do Senhor da Serra e pago pelas esmolas oferecidas ao Santuário. A fim de tomar contacto com o local, para melhor dar corpo à obra, António Augusto Gonçalves deslocou-se ao Senhor da Serra na companhia de Monsenhor José Maria dos Santos. No ano seguinte, em Julho, antes da romaria, as hospedarias (afinal parece que se construiu mais do que uma) já se encontravam concluídas e uma delas tinha capacidade para acomodar 200 pessoas.

Mas, lá no cimo do monte, onde céus e terra quase se tocam, o prelado não se quedou por estes edifícios. Constatando que o pequeno templo não servia para dar resposta a uma romaria tão concorrida como a que acontecia em Agosto de cada ano, pensou em fazer construir uma igreja condigna.

Com efeito, a romaria, tal como o periódico Resistencia, em 1902, a refere era viva e pitoresca: “Anda a cidade [de Coimbra] desde o dia 15, cheia dos ranchos dos romeiros, que vão ou voltam do Senhor da Serra, cuja romaria anual acaba hoje.

Chagada dos romeiros ao apeadeiro de Trémoa. 1901

Chegada dos romeiros ao apeadeiro de Trémoa. Cerca de 1906

 “A estrada da Beira anda animada daqueles grupos, que vão de merendas á cabeça, ou voltam com a imagem do Senhor, cuidadosamente metida na fita do chapéu.

“Quando chegam á Portela, se levam animais, atravessam o rio a vau, sem se importarem com os risos e os ditos, que lhes gritam de cima os que vão pela ponte, ao verem as mulheres levantarem cuidadosamente, e bem alto, as saias para lhas não molhar o rio.

Subindo para o Senhor da Serra. 1901.jpgSubindo para o Senhor da Serra. 1901

 “Depois lá vai tudo até às Vendas de Ceira, e daí, ladeira acima, até ao alto do monte, donde se avista o telhado alegre da hospedaria da capela, e começa a sentir-se a carícia do vento fresco.

“Param a ouvir um sermão, depois outro.

“Lino da Assunção descreve o efeito cómico dos sermões pregados ao mesmo tempo, em pleno ar e pleno sol.

“Ainda hoje a fama do púlpito é para quem mais berra.

“O quadro não deixaria de ser singularíssimo, e digno dum pincel cáustico.

“O céu límpido e azul, o sol claro e abrasador e a planura do cômoro apinhado de homens, suando dentro nos grossos jaquetões de briche, e de mulheres com saias de seriguilha pela cabeça deixando cair sobre as testas deprimidas as farripas dum cabelo empastado como linho antes de ser cardado. Aqui, no púlpito do adro o pregador confundindo a sua voz com o eco de outra que lhe vem lá de dentro de junto do altar. Mais além outro, na beira dum carro, encostado a uma pipa, e a quem o festeiro abriga com um enorme chapéu vermelho, que mais vermelhas torna as bochechas luzidias do pregador. Debaixo dum toldo de barraca e sobre uma mesa, vê se outro gesticulando, alagado em água que lhe encharca a sobrepeliz e estola, procurando dominar com a voz as metáforas do vizinho, que sobre uma cadeira á sombra dos pinheiros conta dezenas de milagres acontecidos em favor dos devotos que mandam pregar sermões. E, acabado um sermão, retira-se o grupo que o encomendou e aproxima-se outro que o prometeu. E todas estas vozes já roucas procurando dominar o ruído confuso dos descantes, das guitarras, das algazarras dos beberrões, das altercações das rivalidades estimuladas pelo álcool e até das injúrias e grosserias das rixas travadas pela posse duma mulher, ou pela liquidação de velhas contas que vieram abertas lá desde as aldeias. E o sol de Agosto dardejando inclemente sobre os largos chapéus e tornando escuros os rostos luzidios e afogueados e ainda mais negros os beiços enegrecidos pelo vinho e pelo pó; e como comentário às palavras dos padres quase áfonos, que clamam pela justiça e misericórdia divinas, as vozes vibrantes das tricanas de Coimbra, menos devotas e mais alegres, bailando e cantando ao som das violas o Manuel ceguinho ou o Oh ladrão! ladrão!

“Por fim entram na capela onde o Cristo agoniza numa cruz de pedra, deixando cair a cabeça para mostrar o cabelo negro que cresce, como diz a lenda, todos os anos.

“Pelas paredes, pregadas em ripas de madeira, vêem-se tranças de cabelo de todas as cores, votos que fazem os doentes, por saberem que é este o sacrifício que mais gosto dá ao Senhor da Serra”.

 Anacleto, R. 2011.  O Senhor da Serra: arte e património, In: Santuário do Divino Senhor da Serra de Semide. História, devoção e espiritualidade, Semide, Senhor da Serra, p. 9-47

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:06


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930