Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 08.02.22

Coimbra: Baixa na época medieval 1

Iniciamos hoje a publicação de nove entradas, subordinadas ao tema a Baixa na época medieval que são a transcrição, quase integral, de um artigo publicado na Revista de História da Sociedade e da Cultura, por Octávio Augusto, baseado na investigação realizada pelo Autor para a sua dissertação em História da Idade Média, na qual recolhemos boa parte das ilustrações que iremos utilizar e que se encontram disponíveis em Octávio Augusto. A Praça de Coimbra e a afirmação da Baixa - origens, evolução urbanística e caracterização social.pdf (uc.pt)

É habitual que os textos aqui publicados sejam o mais curtos possível, sem perderem de vista o objetivo de chamar a atenção dos leitores para os trabalhos de onde são extraídos. Esta exceção resulta da dificuldade de selecionar os textos a publicar, dado o artigo constituir um todo, como que um quadro escrito da realidade então vivida na Baixa Coimbrã.

x x x

Como pudemos averiguar em nossas pesquisas, este espaço urbano surge em finais do séc. XIV – tendo sido documentado pela primeira vez em 1395 – e terá tomado forma, ao que tudo indica, a partir da transferência da feira franca para fora de muralhas, em 1391, passando a realizar-se no local onde atualmente se encontra a Praça. Complementado o processo, o subsequente esforço concelhio de dotar o local de importantes equipamentos urbanos acabará por elevá-la a posição de novo centro cívico e social da cidade, característica plenamente consolidada nos inícios da modernidade.

Dissertação, fig. 2.png

Dissertação. Imagem n.º 2. Pormenor da freguesia de S. Bartolomeu (castanho) e de Santiago (amarelo) noMappa Thopografico Da Cidade de Coimbra Com a Divizão Das Antigas Freguesias”, pg. 29.

[Nota de rodapé: Será a partir de fins do séc. XIV que começam a aparecer na documentação notícias acerca da instalação – na área circundante à Praça – dos açougues (1398), do pelourinho (1419) e das obras de um novo paço do concelho (1437), que, ao que tudo indica, nunca terá sido concluído. Nos inícios do séc. XVI, instalam-se ali, também, o Hospital Real (1504) e reconstroem-se os açougues, permitindo que, pelo menos desde 1532, a Câmara Municipal se estabeleça definitivamente no topo deste novo edifício.]

Dissertação, fig. 24.png

Dissertação. Imagem nº 24: A Praça de Coimbra em inícios do séc. XX, em vista tomada em direção a igreja de S. Bartolomeu. O pequeno edifício de dois andares, situado no plano médio, a esquerda, encontra-se no local onde estavam instalados os açougues medievais, pg. 128

 Este foco da municipalidade coimbrã no Arrabalde – e especialmente na área próxima ao Mondego – resulta, por sua vez, de um outro importante processo, este mais gradual e desfasado no tempo: o da própria transferência da centralidade da área intramuros para fora de muralhas.

Elevada a sede da corte durante os primeiros séculos do reino, Coimbra viveria seu auge durante o período de reconquista, quando, dada sua estratégica posição em relação a então fronteira entre o território cristão e muçulmano, se estabelece como importante centro político, económico e militar. Em razão das vicissitudes e incertezas de uma época de intensa atividade bélica, era, naturalmente, a área intramuros – denominada Almedina – que se afigurava como núcleo central da cidade, servindo de polo comercial e reduto da aristocracia e do clero.

O reinado de D. Afonso III, no entanto, anunciaria o ponto de viragem desta tradicional dinâmica socioeconómica coimbrã. A partir da vontade do monarca, a corte mudar-se-á definitivamente para Lisboa, elevando-se esta a centro urbano mais importante do reino, posição que, durante algum tempo, dividiu com Santarém. Paralelamente, a tomada de Faro, em 1249, concluía o processo de reconquista, garantindo a posse de toda a região do Algarve e dando início a um longo período de paz no reino. Como consequência, as cidades ganham novo vigor e, paulatinamente, se desmilitarizam, sendo suas estruturas defensivas sufocadas pelos casarios envolventes e, por vezes, apropriadas por particulares. Finalmente, retomam-se as rotas mercantis, o comércio floresce e a economia começa a expandir-se.

A Almedina, neste contexto, perde prestígio. Com o abandono da corte – juntamente com seu séquito – e o consequente despovoamento da Alcáçova, a área intramuros perderá população e apresentará sintomas de relativa decadência, o que, a partir deste ponto, exigirá esforços vários por parte da Coroa – traduzidos, maioritariamente, em concessões e prerrogativas – na tentativa de atenuar a situação. Estes iniciar-se-ão logo com D. Afonso III, que concederá inúmeros privilégios fiscais àqueles que habitarem continuadamente dentro da cerca. Neste âmbito de ação destacamse, também, a transferência do Estudo Geral para Coimbra, em 1308, efetuada por D. Dinis, e as significativas concessões outorgadas aos habitantes desta zona por D. Fernando durante a década de 70 do séc. XIV.

Os efeitos, porém, não se farão sentir de forma relevante, e a Almedina desempenhará, pelo restante da Idade Média, um penoso papel coadjuvante no contexto da cidade. Isto porque, com o abandono da corte e a consequente perda de importância da área intramuros, a centralidade acabará por deslocarse, descendo o morro em que a cidade se desenvolve, trespassando o arco da Almedina e se consolidando, finalmente, na Baixa da cidade.

Augusto, O.C.G.S. A Baixa de Coimbra em finais da Idade Média: Sociedade e cotidiano nas freguesias de S. Bartolomeu e Santiago. In: Revista de História da Sociedade e da Cultura, 13 (2013). Acedido em https://www.studocu.com/pt/document/universidade-de-coimbra/historia-da-cidade-de-coimbra/apontamentos/a-baixa-de-coimbra-em-finais-da-idade-me-dia/8576144/view

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:39


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2022

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930