Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 16.02.23

Coimbra: Faculdade de Letras, Ícone do Poder 5

Quadros de Pedra

A Leitura e A Escrita. A inspiração e a Criação: relevos da entrada principal e da entrada da biblioteca pela mão de Numídico Bessone.

 Observemos, pois, os quadros esculpidos na técnica do baixo-relevo: dois na entrada principal e outros tantos na entrada secundária, no vestíbulo mais inferior.

…. Para a entrada menor da faculdade de Letras … figuram-se duas das atividades mais caras a uma Faculdade de Letras; atividades essas cuja evocação junto à biblioteca seria, obviamente, de grande pertinência. Trata-se da representação da «Leitura» e da «Escrita».

A Leitura é um ato abstrato; a sua concretização é a própria ação de a efetuar, o próprio ato de ler.

Op. cit., pg. 164.jpg

A Leitura. Op. cit., pg. 164

 Uma figura masculina, vigorosa nos seus músculos, segura um rolo de papel para onde olha: está a ler – é a imagem da leitura.

A outra, que lhe está em paralelo, é-lhe semelhante; difere apenas por na mão direita segurar um material escrevente – é a alegoria da «escrita».

Op. cit., pg. 165.jpg

A Escrita. Op. cit., pg. 165

As figuras cinzeladas sobre o granito, mais do que gémeas, parecem ser a mesma. diz que estes homens são “figuração invertida um do outro”.

…. As esculturas da entrada principal, do mesmo autor, embora também vigorosas, são menos rudes que as da portaria da subcave. Talvez para este facto tenha contribuído o próprio tipo de pedra em que foram fabricadas: vidraço banana, pedra calcária, que é por natureza (inclusivamente pela valoração da sua coloração mais alva) mais delicada que o duro e áspero granito das esculturas do piso inferior. Todavia não é apenas este o motivo para a sensação de maior leveza, pois a própria forma de representar, nos quadros escultóricos do piso nobre, se aligeirou.

…. Parece tratar-se também, do mesmo indivíduo operando ações diversas, mas, como as do piso da cave, ações plenamente complementares. Assim, representam, em nosso entender, a «inspiração» (a ação inventiva) de um lado

Op. cit., pg. 167.jpg

A inspiração. Op cit., pg. 167

E, do outro a ação criadora, a «inspiração» ou a «criação»

op. cit., pg. 168.jpg

A criação. Op. cit., pg. 168

 …. No primeiro painel relevado, a imagem masculina coloca o dedo indicador direito em paralelo à testa e, da sua mão esquerda, acende-se-lhe uma chama. A alegoria da força da criação faz-se representar com um material riscador (ou uma caneta ou um cinzel) sobre o suporte que a pulcra personagem segura com a mão esquerda. A mão direita levanta-se vigorosamente para sustentar o buril que, junto à cabeça do criador, faz brotar, de forma viril, dois poderosos, imagens do génio criador.

 Duarte, M.D. 2003. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra: Ícone do Poder. Ensaio iconológico da imagética do Estado Novo. Prefácio de Regina Anacleto. Coimbra, Câmara Municipal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:38


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2024

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30