Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 17.05.16

Coimbra: a cerâmica aqui produzida 1

Não é fácil conhecer as origens da atividade cerâmica em Coimbra, que certamente antecedeu a formação da própria nacionalidade. Documentos escritos referenciam-na em meados do século XII (1145) e começos do século XIII (1203 e 1213), podendo pois falar-se de uma tradição de mais de oito séculos.

Do período que decorre até ao século XV, são escassas as informações conhecidas, Posteriormente, a documentação com referências à cerâmica em Coimbra torna-se mais abundante, sendo possível avaliar mais facilmente o seu desenvolvimento. São marcos significativos o aparecimento da faiança e da profissão de pintor de louça. Quanto à faiança, julgamos datar-se os seus inícios – provados documentalmente – dos fins do século XVI … Baseamo-nos na alusão a Manuel Bernardes, «malgueiro de louça branca», que de acordo com a Sisa de 1599, pagava 400 réis. O ofício de pintor de louça aparece em vários documentos da primeira metade do século XVII. Na segunda metade deste, já a maior parte da louça expedida pela barra da Figueira provinha das fábricas de Coimbra, tendo-se depois (1701-1758) verificado um substancial aumento da saída da louçã coimbrã por aquele porto, a qual se destinava ao Algarve, aos Açores e Madeira e também à Inglaterra.

Mas foi no último quartel do século XVIII que a cerâmica da Lusa Atenas entrou num «período de incomparável brilho e actividade», como escreveu António Augusto Gonçalves. A ele ficaram indissociavelmente ligados dois nomes famosos: Domingos Vandelli e Manuel da Costa Brioso.

O primeiro fundou uma fábrica de louça no Rossio de Santa Clara (1784), vindo a criar um tipo de faiança característico, vulgarmente conhecido por «louça vandel», tendo-lhe sido concedidos privilégios diversos para a exploração da mesma.

… A ação do segundo, menos conhecida durante muito tempo mas não menos importante, foi posta em destaque por alguns estudiosos … Encontramos uma referência à fábrica da viúva de Manuel Jesus (?) Brioso, provavelmente descendente de M. Costa Brioso.

Mas não eram somente as fábricas de Vandelli e Brioso que então se localizavam em Coimbra, pois o seu número ascendia a 17, sendo 11 de louça branca e 6 de louça vermelha.

Como sucedeu em várias outras regiões do país com a indústria em geral, nas primeiras décadas do século XIX, a cerâmica em Coimbra sofria os efeitos da concorrência estrangeira – quanto à louça de melhor qualidade – e das invasões francesas. Assim, das 14 fábricas existentes em 1813 – 9 de barro branco e 5 de barro vermelho -, 6 estavam em decadência, 5 estacionárias e só 3 progressivas. De notar que a mais afetada era a cerâmica de barro vermelho, visto nas 6 fábricas em decadência estarem incluídas as 5 desta louça.

A situação descrita pouco terá melhorado durante mais de uma década … em 1825 principiou a notar-se alguma tendência para aperfeiçoamentos, com a fundação de uma fábrica de faiança por Leandro José da Fonseca.

Mendes, J. A. Cerâmica em Coimbra nos finais do século XIX e inícios do século XX (Achegas para o seu estudo). In A Cerâmica em Coimbra. 1982. Coimbra, Comissão de Coordenação da Região Centro. Pg. 23 a 44.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:15


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930