Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 18.03.21

Coimbra: Alargamento do espaço urbano no cotovelo dos séculos XIX e XX. 11

O novo Bairro de Santa Cruz (Continuação)

 No lado oposto da então Rua Sá da Bandeira, junto à antiga Fonte Nova, ainda hoje se pode observar um prédio para rendimento mandado construir, depois de 1915, por duas senhoras que, julgo, seriam irmãs: Idalina Preciosa de Almeida e Adelaide Conceição Almeida.

Casa de Idalina Preciosa de Almeida e Adelaide Con

Casa de Idalina Preciosa de Almeida e Adelaide Conceição Almeida. Foto RA.

Casa de Idalina Preciosa de Almeida e Adelaide Con

Casa de Idalina Preciosa de Almeida e Adelaide Conceição Almeida, pormenor. Foto RA.

O projeto foi riscado pelo construtor civil diplomado, inscrito nas Obras Públicas de Coimbra, João Gaspar Marques das Neves. O autor, como os terrenos naquela zona eram bastante húmidos e uma vez que a fachada posterior deitava para sul, “procurou captar a concentração do calôr pelo recinto que se acha entre os refeitorios, tendo dado a devida luz e ar a todos os compartimentos”, preocupações bem de acordo com os preceitos higienistas da época.

O prédio em questão não apresenta, estruturalmente, qualquer laivo de modernidade. A sua especificidade advém-lhe da decoração utilizada, quer nos azulejos, quer no trabalho de cantaria ou até mesmo no das grades.

Continuando a pôr de lado a cronologia, olhemos para o edifício que, um pouco mais acima do anteriormente referido, em 1913, António Mizarela e Augusto Lopes fizeram construir na nova artéria citadina. O imóvel que, ao nível da fachada, mostra aquilo a que, quiçá impropriamente, se pode apelidar de laivos de Arte Nova, ostenta oito painéis cerâmicos destinados a ornamentar lateralmente os pés-direitos das janelas principais saídos das mãos do pintor-azulejista Miguel Costa.

Casa decorada com azulejos da autoria de Miguel Co

Casa decorada com azulejos da autoria de Miguel Costa. Foto RA.

O ceramista utiliza nos azulejos que pintou um colorido intenso e brilhante, as paisagens campestres e fluviais surgem envoltas por malmequeres, papoilas, rosas e amores-perfeitos; num desses quadros, de entre as papoilas, sobressai a ‘barca serrana’, velha de séculos, que durante tantos anos prestou relevantes serviços não só à população ribeirinha do Mondego, como também àquela que residia no interior da Zona Centro.

 

Fig. 16. Casa decorada com azulejos da autoria de

Fig. 16 – Casa decorada com azulejos da autoria de Miguel Costa. Pormenor de uma janela. Foto RA.

Mas o transeunte apressado mal se dá conta, se é que se dá mesmo conta, da beleza desses azulejos, embora sejam eles, conjuntamente com outros pequenos-grandes nadas que, no fundo, conferem caráter a uma cidade.

Anacleto, R. Coimbra: alargamento do espaço urbano no cotovelo dos séculos XIX e XX. In: Belas-Artes: Revista Boletim da Academia  Nacional de Belas ArtesLisboa 2013-2016. 3.ª série, n.ºs 32 a 34. Pg. 127-186. Acedido em: https://academiabelasartes.pt/wp-content/uploads/2020/02/Revista-Boletim-n.%C2%BA-32-a-34.pdf

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:39


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31