Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 14.01.20

Coimbra: Mártires de Marrocos

MÁRTIRES DE MARROCOS. NOTAS ICONOGRÁFICAS.

A história e a lenda dos Mártires de Marrocos estão intimamente ligadas a Coimbra.
Por decisão de S. Francisco de Assis partiram da Itália com destino ao norte de África, para que convertessem os muçulmanos, os frades Beraldo, Oto, Pedro, Adjuto, Acúrsio e Vidal. Em 1219 rumaram à Península Ibérica, passando por Aragão, onde Vidal adoeceu, pelo que apenas entraram no nosso país os outros cinco. Foram acolhidos em Coimbra por D. Urraca, esposa de D. Afonso II. Continuando caminho, partiram para Alenquer, onde estava D. Sancha, a piedosa irmã do rei, que os acolheu e aconselhou a serem prudentes. Daqui passaram os cinco frades a Sevilha, onde a sua pregação irritou os mouros, que por pouco os não mataram. Chegados a Marrocos foram recebidos pelo infante D. Pedro, irmão de D. Afonso II, refugiado em África por questões com o rei português. Também D. Pedro lhes deu conselhos de prudência, mas os frades, levados por entusiástico fervor iniciaram corajosamente as suas pregações, sofrendo contínuas peripécias e tormentos, de que D. Pedro os livrou por mais de uma vez, até o miramolim de Marrocos, irritado com a constância dos frades, os mandar prender, depois de em vão os tentar demover das suas atividades. Quando saíram da prisão, voltaram a pregar na praça pública. Os mouros espancaram-nos e arrastaram-nos pelas ruas, levando-os de novo à presença do miramolim que se enfureceu ao ouvir as respostas atrevidas dos franciscanos, fendeu-lhes os crânios com uma cimitarra e, a seguir, degolou-os.
Estava-se a 16 de janeiro de 1220. Os corpos dos mártires, lançados fora das muralhas e despedaçados, puderam ser recolhidos durante a noite pelos criados de D. Pedro. Quando o infante voltou à Península, trouxe consigo os restos mortais dos cinco frades, que imediatamente enviou para Coimbra (D. Pedro seguiu para a Galiza). Foram recebidos com toda a solenidade em 10 de dezembro de 1220 pelo próprio D. Afonso II. Organizou-se o cortejo que seguia para a Sé, mas a mula que levava o caixão das relíquias – contam os relatos lendários – parou junto ao mosteiro de Santa Cruz e dali não se mexeu enquanto não abriram as portas da igreja. Entrou e foi ajoelhar junto do altar-mor, significando que os restos dos mártires deviam ficar naquele lugar, como realmente assim aconteceu. Na verdade, o depósito das relíquias em Santa Cruz poderá dever-se ao facto de ter sido um cónego de Santa Cruz, D. João Roberto, que acompanhou D. Pedro no norte de África, ajudou a recolher e a conservar os restos dos frades, e depois os acompanhou no regresso a Portugal.
De que forma o culto dos mártires, que rapidamente se desenvolveu, se traduziu em representações artísticas?
A mais antiga representação que chegou até nós deve-se ao mosteiro de Lorvão, onde se encontrava a irmã do rei, a rainha D. Teresa, após o regresso de Leão.
A seu pedido foram para Lorvão parte das relíquias e a corda com que os mártires andaram arrastados pelas ruas.

1.Marrocos Arqueta de L.º.jpg

Arqueta do Mosteiro de Lorvão

Para as conter se fez uma arca relicário esculpida em calcário, onde se veem os cinco frades sob arcadas, em variados gestos, tendo na extremidade o Miramolim, sentado, de atitude interpelante. A cena representa a disputa dos mártires com o miramolim, dentro do palácio do rei: um passo da história que a iconografia não voltaria a repetir, pois as representações seguintes todas se centram no martírio, à exceção das de Alenquer, onde uma pintura seiscentista representa a aparição dos mártires a Santa Sancha, logo após o martírio (o acolhimento dos frades por D. Sancha, em azulejo, na portaria do convento, está muito degradado e quase irrecuperável).
O culto dos mártires, em Santa Cruz, já no século XV tinha conhecido considerável desenvolvimento. O prior D. Gomes Ferreira mandou lavrar uma caixa de prata para conter as relíquias, com cenas do martírio, mas que infelizmente não chegou até nós. Erigiu-lhes também uma nova capela na igreja, pronta em 1458.

4.Relicário de L.º.jpg

Relicário do Mosteiro de Lorvão, séc. XVI

A degolação dos mártires é tema para iluminuras de alguns códices, mas a primeira representação conhecida disponível para os fiéis deve-se mais uma vez ao mosteiro de Lorvão, no começo do século XVI, onde a abadessa D. Catarina d’Eça mandou fazer um relicário de prata dourada em que mandou pintar com realismo a impressionante cena da tragédia.

2.Mártires_de_Marrocos_Convento_de_Jesus Setúbal

Mártires de Marrocos. Convento de Jesus (Setúbal)

Da mesma época e um pouco posteriores são dois relicários de Santa Cruz, representado bustos de frades franciscanos, de rosto imberbe e com grande tonsura. É também a época da pintura em tábua com a cena do martírio feita para os conventos de S. Francisco de Évora e de Jesus de Setúbal (agora em museus).
A partir do século XVII e XVIII, multiplicam-se os exemplos do tema, em relevos e escultura de vulto, sobretudo disseminados por conventos franciscanos. Destaca-se o altar na igreja de S. Francisco do Porto, com as figuras de vulto inteiro, tal como no convento de Santo António, de Aveiro, ou em Mafra. A devoção atinge também igrejas rurais e urbanas.

5.Ig.de Santa Justa.jpg

Mártires de Marrocos. Igreja de Santa Justa (Coimbra)

6.Travassô.jpg

Mártires de Marrocos. Igreja de Tarvassô

Na igreja de Santa Justa, de Coimbra, incluíram no retábulo D. Pedro II um relevo com a cena cruenta do martírio e em Travassô as figuras são de vulto, incluindo a do miramolim, a que se junta um relicário.

7.Santa Cruz.jpgMártires de Marrocos. Igreja de Santa Cuz (Coimbra)

É obviamente em Santa Cruz de Coimbra que se conserva o maior número de elementos históricos e iconográficos relativos a este culto, designadamente o livro da confraria dos Santos Mártires de Marrocos, a casula da festividade e a campainha, que anda ligada a procedimentos de caráter etnográfico. Na capela de Santo António representa-se em azulejo a chegada dos franciscanos a Santa Cruz. Notável é também o grupo escultórico com os mártires agrilhoados em atitude fervorosa, já da segunda metade do século XVIII.
Embora os santos Mártires de Marrocos se encontrem representados em diversos países, é em Portugal que conhecem as mais numerosas e originais representações, em quadros, esculturas, peças de ourivesaria e gravuras, constituindo um dos temas típicos da iconografia portuguesa, sem rival no estrangeiro.
Nelson Correia Borges

In: Correio de Coimbra n.º 4769, de 2020.01.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:23

Terça-feira, 19.01.16

Coimbra, evolução demográfica 1

No conspecto demográfico do País a cidade de Coimbra ocupava, em 1527, um lugar pouco destacado. Seis aglomerados, além da capital, eram populacionalmente superiores e um, Lagos, sensivelmente igual. No centro dominava. As populações «urbanas» de Leiria, Aveiro, Viseu, Guarda e Covilhã eram inferiores.

O censo atribui-lhe 1.329 vizinhos dos quais 120 são cónegos da Sé e clérigos beneficiados. Não foram tidos em conta o clero regular, as religiosas, nem a população flutuante.
Os números do censo poderiam ter sido um pouco maiores, mesmo sem considerar estas lacunas, se em 1525 a cidade, e talvez o arredor, não tivesse sido assolada por «um mal» epidémico debelado, ou quase, já nos fins de Agosto. Trezentas e setenta e três «almas» citadinas, na indicação dos vereadores, morreram … Dos «vizinhos» atribuídos à cidade coimbrã apenas 370, não considerando os eclesiásticos, viviam na Almedina. No Arrabalde, 839.

… foi no Arrabalde que se estendia, no século XVI, da Portagem em direção a Água de Maias, que se fixou a população extramuros.
A vinha, no século XII, e a vinha e o olival na centúria de Quinhentos, começavam à Porta do Castelo. Fora da Almedina e Arrabalde não havia propriamente moradores: na zona verde urbana apenas se ergueram alguns edifícios religiosos. Ainda em 1845, como se mostra numa carta topográfica, não havia casario nas circunvizinhanças da urbe, nem mesmo da Porta do Castelo ao Penedo da Saudade, com exceção do velho Arrabalde.

O Arrabalde, a «baixa», tinha já no século X pelo menos quatro igrejas (S. Bartolomeu, Santa Cristina, S. Cucufate e S. Vicente). Santa Justa foi construída no século XI. Santa Cruz e Santiago, na centúria seguinte.

Oliveira, A. 1971. A Vida Económica e Social de Coimbra de 1537 a 1640. Primeira Parte. Volume I. Coimbra, Universidade de Coimbra, pg. 149 a 151

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:16

Quarta-feira, 26.08.15

Coimbra, do Adro de Santa Justa ao Terreiro da Erva

Atualmente, ao pensarmos em Santa Justa de Coimbra, identificamos a igreja setecentista, localizada ao fundo da Rua da Sofia, no alto, precisamente, da Ladeira de Santa Justa. Devemos lembrar-nos, porém, que antes existiu uma igreja românica que resistiu cerca de 600 anos às cheias e enxurradas do Mondego e que representou, nos primeiros séculos da nacionalidade portuguesa, o núcleo central de uma paróquia estruturante para a evolução do urbanismo e para a definição da cidade em que habitamos hoje.

Santa Justa de Coimbra é referida na documentação, desde 1098. Por essa altura, talvez se tratasse ainda de uma herdade rural, na margem do rio, a norte da cidade. Em 1102, a sua igreja foi doada ao priorado Cluniacense de Sainte Marie de la Charité sur Loire, pelo bispo de Coimbra … Em 1139, Santa Justa é referida como sede de uma das paróquias da cidade e assim permaneceu até quase aos nossos dias, quando foi extinta e integrada na paróquia de Santa Cruz. Do ponto de vista material, refira-se que o edifício primitivo foi renovado durante o século XII, estando as suas obras concluídas em 1155 … Localizada no arrabalde Norte da cidade, esta paróquia viu o seu povoamento estender-se ao longo da atual Rua Direita. Território intermédio entre o núcleo urbano e o seu aro rural, foi morada de uma população diversificada, da qual se destacavam os artesãos e os trabalhadores agrícolas. Em meados do século XIV, a paróquia de Santa Justa recebia ainda a Judiaria da cidade (atual Rua Nova) e, mais tarde, reconhecem-se as referências à localização de uma mancebia que não seria longe da Gafaria (leprosaria), também aqui fixada. Porta de saída do núcleo urbano, esta, ao contrário de quase todas as outras paróquias de Coimbra, deteve, durante toda a Idade Média, a capacidade de se expandir territorialmente, e de albergar, no seu interior, aqueles que procurassem esta cidade para sua residência.
… ainda hoje se podem identificar alguns vestígios da igreja românica, num dos edifícios do Terreiro da Erva.

Campos, M. A. A. Terreiro da Erva ou Adro de Santa Justa. Reflexão sobre um espaço urbano e o seu futuro. Acedido em 30.07.2015, em http://cidadaosporcoimbra.pt/2014/11/24/terreiro-da-erva-ou-adro-de-santa-justa-reflexao-sobre-um-espaco-urbano-e-o-seu-futuro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 19:12


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Posts mais comentados