Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quarta-feira, 08.11.17

Coimbra: Colégio dos Militares

Era destinado aos «Freires das duas Ordens militares – de S. Tiago da Espada, com sede em Palmela e de S. Bento de Avis».

Para assento do edifício colegial escolheu-se um terreno que havia a Sul do Castelo, vindo por isso a denominar-se rua dos Militares a rua que, em continuação da Couraça de Lisboa, sobe do Arco da Traição e corre em frente da fachada ocidental deste Colégio, e beco dos Militares a viela que, partindo desta rua, ladeia por sul o mesmo edifício. Anteriormente aquela «rua» chamava-se de Alvaiázere.

O Colégio ficou com uma pequena cerca fora da barbacã, sobre a qual abriam as portas e janelas da fachada oriental. Um caminho estreito, que vinha do arco da Traição, separava a cerca dos Militares, da do Colégio de S. Bento. Tudo isto pode ainda hoje (em 1938) verificar-se.

Colégio dos Militares planta finais séc. XVIII.j

 Colégio dos Militares planta finais do séc. XVIII

 

Benzeu-se e assentou-se a primeira pedra no dia 25 de julho de 1615

... Este Colégio, ficava de modo particular sob a proteção real. Para que os freires conventuais de qualquer das duas Ordens pudessem ser admitidos ao Colégio, era necessário que já contassem, pelo menos, dois anos completos de religião, não tivessem mais de vinte e cinco, de idade, e não fossem de baixa estirpe. A lotação era de doze colegiais, sendo seis de cada Ordem.

Hospital dos Lázaros. Aqueduto 02.TIF

 Colégio dos Militares

 

... Extinto o Colégio em 1834, foi... mandado entregar à Universidade... 27 de Outubro de 1853, os lázaros, que havia dois anos estavam hospitalizados no edifício do Colégio de S. Jerónimo, passaram para o dos Militares.

Hospital dos Lázaros antigo.TIF

 Aqui se conservam até à atualidade (em1938)... integrando nas vastas instalações dos Hospitais da Universidade, deixando de ser hospital dos Lázaros.

Nota: O edifício foi, posteriormente, totalmente demolido para dar lugar à Praça de D. Dinis e ao Departamento de Matemática.

 

Vasconcelos, A. 1987. Escritos Vários Relativos à Universidade de Coimbra. Reedição preparada por Manuel Augusto Rodrigues. Volume I e II. Coimbra, Arquivo da Universidade de Coimbra, pg. 267, do Vol. I

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:15

Quinta-feira, 02.11.17

Coimbra: Colégio de S. José dos Marianos, ou dos Carmelitas Descalços

Chegou o dia em que os «Carmelitas Descalços» também tiveram em Coimbra o seu Colégio universitário, conhecido pela denominação de S. José dos Marianos.

Instalou-se provisoriamente, no dia 18 de julho de 1603... junto da porta de Belcouce.

... Trataram porém logo de projetar e construir um edifício próprio a sul do Colégio de S. Bento, no monte fronteiro, ficando a sua cerca contígua à deste Colégio. A primeira pedra do novo edifício foi benzida e colocada... a 11 de Outubro de 1606.

Colégio de S. José dos Marianos igreja.jpg

Colégio de S. José dos Marianos, fachada da igreja

 Apesar de pertencer a uma Ordem humilde e pobre, a casa ficou ampla e alegre; a sua situação é simplesmente admirável. Perpendicular à fachada do Ocidente, na extremidade setentrional, há uma grande varanda, resguardada de Norte e exposta a Sul, cuja vista sobre o Mondego e ínsuas marginais, é formosíssima. A igreja, como todo o edifício, era modesta, desprovida de primores arquitetónicos, entretanto alegre e devota.

Colégio de S. José dos Marianos adaptado a hospi

 Colégio de S. José dos Marianos, fachada ocidental

 Em 1834, a onda vandálica e rapinante invadiu também este edifício, e nele causou bastantes estragos.

Depois instalou-se nele o hospital dos Lázaros, e o decreto de 21 de novembro de 1848 ... confirmou esta aplicação.

Em breve porém é-lhe dado outro destino.

Havia sido fundado no meado do séc. XVIII, na vila de Pereira, não longe de Coimbra, um Colégio para educação de meninas... com a denominação oficial de Real Colégio das Chagas... o decreto de 21 de Junho de 1851, concedendo... o edifício de S. José dos Marianos, para nele se instalar aquele Colégio... e o Real Colégio Ursulino das Chagas havia-se instalado muito bem naquele edifício, onde se manteve com grande prestígio e progressivos aperfeiçoamentos até outubro de 1910.

Hoje está neste edifício o hospital militar.

Vasconcelos, A. 1987. Escritos Vários Relativos à Universidade de Coimbra. Reedição preparada por Manuel Augusto Rodrigues. Volume I e II. Coimbra, Arquivo da Universidade de Coimbra, pg. 264-267, do Vol. I

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 08:49

Sexta-feira, 22.09.17

Coimbra: Colégio de S. Jerónimo

Já em 1549 tinham os «Monges de S. Jerónimo» adquirido um terreno, a norte do castelo de Coimbra, não longe da porta oriental da cidade (chamada «porta do castelo»), para ali construírem o seu Colégio Universitário. Havia nesse terreno umas casas, onde em 1550 se instalaram provisoriamente, principiando então a viver vida colegial.

Era muito deficiente tal instalação... projetaram então construir um edifício condigno no seu terreno junto da muralha, não longe do castelo, procurando para isso ampliar essa sua propriedade com a aquisição de terrenos contíguos.

... Em 1562 achavam-se os pobres universitários jerónimos em situação extremamente aflitiva, não tenho onde residir... Conseguiram, em 1565, o terreno de que para isso precisavam, junto do castelo.

Colégio de S. Jerónimo 01.jpg

Colégio de S. Jerónimo, fachada ocidental

... as obras do edifício realizaram-se então, mas ainda com incidentes embargatórios em 1566 e 1568 ... Ficou um grandioso edifício colegial que, bastante modificado, ainda hoje existe ... A sua fachada oriental erguera-se sobre a muralha da cidade, desde a porta do castelo, à qual ficou encostada a igreja, e continuando-se o dormitório em direção ao Norte. Ainda hoje se reconhece bem delimitado o edifício, com os seus cubelos de reforço na fachada oriental, onde assentam terraços, e ainda se admira a grandiosidade do portal, a majestosa escadaria de acesso ao 1.º andar, assim como o formoso claustrim, infelizmente desfigurado pelas infelizes construções, que modernamente lhe sobrepuseram.

Colégio de S. Jerónimo escada nobre.jpg

Colégio de S. Jerónimo, escada nobre

Os monges adquiriram também, em 1587, por compra aos padres da Companhia (de Jesus), uma boa cerca na encosta do monte, ou «Ribela», sobre a qual abriram as janelas de toda a fachada oriental do edifício, e que descia até à rua que veio a denominar-se de «Entre-muros», ladeante da quinta de Santa Cruz.

... Horrivelmente se fez sentir neste Colégio o terramoto de 1 de novembro de 1755. As paredes abriram grandes brechas, e houve desabamentos parciais, que obrigaram os monges a fugir ...Em 1834 foi este edifício abandonado ... em ... 21 de novembro de 1848 ... destinou-o para hospital  ... 21 de junho de 1851 ... o hospital dos Lázaros ... em fins de 1853 ... o hospital da Convalescença.

Vasconcelos, A. 1987. Escritos Vários Relativos à Universidade de Coimbra. Reedição preparada por Manuel Augusto Rodrigues. Volume I e II. Coimbra, Arquivo da Universidade de Coimbra, pg. 236-240, do Vol.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:42

Sexta-feira, 08.01.16

Coimbra, encruzilhada de caminhos

O trânsito, para Sul ou para Norte do País, obrigatoriamente, devia passar pela cidade e por dentro da cerca: almocreves, mercadores, caminhantes e «outros quaeesquer que levarem cargas». A pena era grave: perda das bestas e do que levassem.

O trânsito que vinha do sul entrava, como é óbvio, pela ponte. Daqui passava pelo Arrabalde em direção à porta de Almedina. Em vez de seguir adiante, penetrava na cerca por esta porta e ia sair pela do Castelo. Descia depois pela Ribela, pelo caminho que passava atrás da torre do mosteiro de Santa Cruz. Uma vez de novo no Arrabalde, o tráfego apanhava o caminho de saída: por Montarroio, «assy como se vay sair per cima dos paacos da gafaria»; daqui em diante, «per sob onde esta a forca, assy se vay sair aa ponte da Auga de Maios». Chegado a este ponto, seguia «pelas stradas direitas».

O caminho do trânsito norte-sul não foi indicado. Talvez fosse o mesmo, agora, descendo a colina.

No Arrabalde, «a par de Sam Bertolameu e a par de Santiago» ficaram as estalagens. Mas não podiam vender outra coisa que não fosse palha.

Oliveira, A. 1971. A Vida Económica e Social de Coimbra de 1537 a 1640. Primeira Parte. Volume I. Coimbra, Universidade de Coimbra, pg.156 e 157

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:41

Segunda-feira, 19.10.15

Coimbra, passagem pela cidade de D. Manuel I em 1502

A passagem do Rei D. Manuel pela cidade, em 1502, a caminho de Santiago de Compostela, iria fazer-se sentir na vida do velho burgo. De facto, o Venturoso viria a impulsionar várias obras e melhoramentos em toda a cidade. Assim aconteceu na quase abandonada alcáçova dos reis portugueses … Também a velha ponte de pedra sobre o Rio Mondego é reconstruída e alindada nessa época, bem como o terreiro da portagem. Igualmente é criado o Hospital Real, na Praça de S. Bartolomeu … sendo também reedificado e ampliado o antigo Hospital dos Lázaros, fora de portas, à saída norte da cidade … Particularmente importante foi a renovação do Mosteiro de Santa Cruz, tendo ao rei merecido especial atenção os túmulos de D. Afonso Henriques e D. Sancho I … e o próprio edifício da antiga câmara onde reunia a vereação, a velha Torre de Almedina, iria sentir o efeito de vários benefícios.

Andrade, C.S. Nota Introdutória, In Foral de Coimbra de 1516. Edição fac-similada. Coimbra, 1998, 88 e 89

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:42


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930