Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 23.02.17

Coimbra: Hospital de S. Lázaro

Atribui-se a criação do hospital de S. Lázaro, ou «gafaria de Coimbra», à munificência de D. Sancho I, que o dotou convenientemente em seu testamento do mês de Outubro de 1209. Parece ter sido esta herança o fundo primitivo, com que se abriu a primeira gafaria em Coimbra, de que o hospital de s. Lázaro representa hoje a continuação, depois de ter passado por muitas fases administrativas e por diferentes mudanças de local. Se antes da instituição de D. Sancho I já existia na cidade algum pequeno estabelecimento desta ordem, que aquele testamento viesse aumentar em rendas, não o pode afirmar.

... Nos arquivos do hospital ... alguns documentos originais de graças e mercês, concedidas a esta instituição por diferentes monarcas, citando com especialidade o «regimento do hospital dos lázaros» de 1329 por D. Afonso IV; outro regimento, sem data, por D. Afonso V; e ambos adicionados em Coimbra por D. Manuel em 1502, constituindo um novo regulamento com esta ultima data.

Hospital dos Lázaros Fora de Portas.TIFRuinas do Hospital dos Lázaros, hoje demolidas

Hospital dos Lázaros portal.TIF

... Em 1774 foi incorporado na fazenda da universidade a administração do hospital de S. Lázaro, «em cumprimento do decreto d’el-rei D. José de 15 de Abril de 1774 e da provisão do marquez de Pombal de 19 do mesmo mez e anno, como consequencia da reforma da universidade de 1772; ficando sujeita aos mesmos regulamentos da administração do hospital Geral, ou hospital de Conceição.

Mais tarde seguiu a sorte d’este ultimo hospital, na mudança da administração dos seus bens para o governo civil, em repartição especial por effeito da portaria do ministério do reino de 22 de setembro de 1851; e ultimamente, na constituição d’uma administração immediatamente subordinada ao referido ministério, por decreto de 22 de junho de 1870.

Consistiam os rendimentos d’este hospital em rendas e fóros de propriedades rusticas e urbanas, rações e laudémios de prasos e casaes, nos logares de Condeixa, Falla, Trouxemil, Zouparria, Enxofães, Alfóra, etc. D’esses direitos foram abolidos os provenientes de doações regias, por decreto de 13 de agosto de 1832; de que resultou grande cerceamento nos recursos d’este hospital».

... De Fora de Portas foi transferido o estabelecimento para o colégio de S. José dos Marianos, em 5 de Dezembro de 1836 ... Deste último edifício foram mudados os lázaros para o colégio de S. Jerónimo, por decreto de 21 de Junho de 1851 ...

Hospital dos Lázaros antigo.TIF

De S. Jerónimo foram transferidos os lázaros para o colégio dos Militares ... em 10 de Novembro de 1853.

Simões, A.A.C. 1882. Dos Hospitaes da Universidade de Coimbra. Coimbra. Imprensa da Universidade, pg. 7, 10-11, 56.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:50

Terça-feira, 21.02.17

Coimbra: Hospitais da Universidade, ou o porquê de serem hospitais

A denominação atual dos hospitais da Universidade compreende os anteriores hospitais de S. Lázaro, da Conceição e da Convalescença, ficou bem apropriada a este conjunto de hospitais.

...Em ofício de 21 de Outubro de 1772 o Marquês de Pombal participou ao reitor que tinha dado ordem ao corregedor da Cidade para a mudança do hospital ... mas só naquele dia de 19 de Março de 1779 se pode levar a efeito esta mudança ... (para o edifício dos Jesuítas, no angulo N.O., com entrada pela Couraça dos Apóstolos)

Localização HUC 1.JPG

Alas do Colégio de Jesus onde inicialmente funcionaram os Hospitais da Universidade

 ... Naquela parte do edifício dos Jesuítas ficou desde então estabelecido o hospital da Conceição, que compreendia o antigo hospital da Convalescença; continuando a permanecer o hospital de S. Lázaro no seu primitivo edifício de Fora de Portas até 1836.

Aquele hospital da Conceição na Couraça dos Apóstolos, tinha capacidade regular para 68 doentes, com que se contou na sua primitiva construção, e ainda mesmo para 80, quando se improvisaram novas enfermarias

Scan0040.jpg

 ... Dando-se porém posteriormente grande acumulação em todo o hospital, a faculdade de medicina procurou remediar os seus inconvenientes, removendo as enfermarias de homens para o colégio de S. Jerónimo, por deliberação de 24 de Julho de 1838.

Colégio de S. Jerónimo 01.jpg

 Colégio de S. Jerónimo. Portaria

... De 1846 a 1847 a acumulação de tropas na cidade, por efeito da guerra civil daquela época, deu lugar a que neste último ano se convertesse todo o edifício de S. Jerónimo em hospital militar ... a 22 de Outubro de 1847 ... os doentes militares em S. Jerónimo ... já eram em pequeno número ... fossem removidos para o hospital da Conceição, ficando desocupado o edifício de S. Jerónimo ... até 1851.

... 23 de Dezembro de 1852 ... já então se achava em obras a parte do colégio das Artes, que deveria receber alguns doentes do hospital de Conceição ... mudança dos primeiros doentes teve lugar nos dias 5 e 6 do mesmo mês de janeiro de (1853).

Colégio das Artes 21.TIF

 Colégio das Artes antes da adaptação a hospital

... Na sessão do conselho da faculdade de 21 de Outubro de 1853, foi presente a portaria do ministério do reino de 22 de Agosto do mesmo ano, que punha o colégio das Artes à disposição da faculdade de medicina, para o estabelecimento definitivo dos seus hospitais; e a portaria de 27 de outubro do dito ano, que ordenava a mudança do hospital de S. Lázaro, do colégio de S. Jerónimo para o colégio dos Militares, agregava ao mesmo tempo aquele edifício de S. Jerónimo ao hospital do colégio das Artes.

... Uma só administração reúne hoje (em 1882, data da publicação da obra aqui citada) aquelas três administrações, que por muitos anos se conservaram independentes; e os três antigos estabelecimentos ocupam agora quatro edifícios, interiormente comunicados, - o colégio das Artes, o colégio de S. Jerónimo, o Castelo, e o colégio dos Militares.

O edifício de S. Jerónimo acomoda os quartos particulares dos doentes que pagam o seu tratamento e dos estudantes subsidiados; uma enfermaria provisória de prisão, as repartições da secretaria e administração, a farmácia, e diferentes habitações de família para empregados.

No Castelo acha-se estabelecida a lavandaria; e há-de estabelecer-se a rouparia, a arrecadação do fato dos doentes, a moagem dos cereais e a padaria.

As moléstias internas, cirúrgicas e sifilíticas são tratadas no edifício do colégio das Artes, onde também se acha a repartição das parturientes; acomodando-se ainda neste mesmo edifício o serviço do banco e da aceitação dos doentes.

Os doentes de moléstias cutâneas e os lázaros asilados têm repartições separadas no colégio dos Militares, onde também se há-de estabelecer a repartição geral dos banhos, com o serviço de hidroterapia, inalações, etc.

Simões, A.A.C. 1882. Dos Hospitaes da Universidade de Coimbra. Coimbra. Imprensa da Universidade, pg. 51-52, 73-81, 3-4

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 19:21

Quinta-feira, 03.11.16

Coimbra: a Estrada de Aveiro

 No Roteiro Terrestre de Portugal editado em 1748, que no Arquivo Histórico da Câmara de Coimbra me deram a conhecer, são identificadas as estradas que saíam de Coimbra.

Destas e das que partem para norte é nomeadamente referido que:

Roteiro para Aveiro, em que se contão nove leguas ao Noroeste

De Coimbra aos Fornos 1 legua; Dahi aos Marcos 1 legua; A Murtede 1 legua; ... A Mamarosa; ... A Aveiro.

Perante este dado, uma questão se me colocou: Qual seria, no distrito de Coimbra, o trajeto da estrada para Aveiro?

Na procura de uma resposta, obtive as informações a seguir referidas.

1 - Junto de habitantes de Enxofães, Silvã e Barcouço

- Em Enxofães, o caminho que atravessa esta aldeia indo para norte até Murtede e para nascente até Rio Covo, era aqui conhecido, pelo menos desde os finais do século XIX, por “Estrada de Aveiro”;

- Em Barcouço, em data idêntica, o caminho que desta localidade vai a Rio Covo, é ainda chamado pela mesma designação de “Estrada de Aveiro”;

- Na Silvã o troço que vai de Rio Covo a Enxofães é conhecido por “Estrada de Aveiro”;

- Não existindo na área em apreço nenhuma localidade com a designação de Marcos, este topónimo não é conhecido pelos habitantes das localidades atrás referidas. Assim, será plausível considerar que se trataria dos marcos da demarcação dos termos de Coimbra e de Aveiro os quais deveriam estar perto da localidade de Grada a qual dista cerca de uma légua dos Fornos.

2 – No Arquivo da Universidade de Coimbra

- A área delimitada por Murtede, Carvalho, Barcouço e Silvã – na sua grande maioria – integrava a designada “Herdade de Enxofães” que pertencia, desde o século XIII, ao Hospital e Gafaria de S. Lázaro de Coimbra;

- No Tombo de 1515 do Hospital de S. Lázaro existe uma Certidam do Juis das Jogadas da qual consta estar resistada a de Marcação das terras de Emxofães pera os Cazr.os por vertude dos Prevelegios do Esprital serem escuzos de pagar, datada de 1604.06.22. Nesse documento encontram-se descritas as extremas da Herdade Enxofães e identificada a localização dos marcos que a delimitavam.

3 – A realidade local

- A área da “Herdade de Enxofães”, integrando algumas gândaras, encontrava-se constituída essencialmente por terras de cultivo em várzeas, que se desenvolvem ao longo dos pequenos vales criados pelas muitas fontes e respetivas valas que drenam para o Rio Mondego. O atravessamento dessas várzeas apresenta, nomeadamente no Inverno, grande dificuldade;

- Existe uma ligação contínua com cerca de 12 quilómetros, ou seja cerca de 2 léguas, desde os Fornos a Murtede que atravessa as seguintes e muito antigas localidades: Trouxemil, Grada, Barcouço, Rio Covo e Enxofães. Desta, Barcouço - Rio Covo – Enxofães, no percurso que as liga entre si, bordejam os terrenos da antiga “Herdade de Enxofães”.

 

De posse destas informações atrevemo-nos a apresentar uma proposta para aquele que considerarmos ser o percurso mais plausível da Estrada de Aveiro, no distrito de Coimbra, o qual dividimos nos seguintes troços:

. Um primeiro troço, comum às estradas de Aveiro e do Porto, partia dos Fornos, subia a Trouxemil, onde, ao sair desta localidade para nascente, depois de passar o curto caminho que levava à muita antiga Feira das Neves, junto da Capela de Adões, se bifurcava: um caminho rumava a Aveiro e o outro, a Estrada do Porto, encaminhava-se em direção a Sargento-Mor;

.Um segundo troço corresponde à descida de Trouxemil até a Grada, onde se inicia uma subida que leva a Barcouço;

. Um terceiro troço corresponde à descida que de Barcouço leva ao antigo porto de Rio Covo – troço que ainda ali é conhecido por “estrada de Aveiro”;

. Um quarto troço que corresponde à ligação de Rio Covo a Enxofães e ao atravessamento desta aldeã, o qual ainda é conhecido pelos mais antigos, quer de Enxofães, quer da Silvã pelo nome de “Estrada de Aveiro”;

. Um quinto troço corresponde à muito antiga ligação de Enxofães a Murtede, terra que era a sede da paróquia a que Enxofães pertencia e na qual existia o cemitério onde se enterravam os seus mortos.

Proposta que apresentamos na esperança de que, a partir da mesma, possam surgir outras soluções melhor fundamentadas.

Rodrigues Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:22


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930