Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 14.06.18

Coimbra: Tipos de Coimbra 8

 

O Horta.jpg

 O Horta

 O Horta, esse então, ás vezes pouco amigo da limpeza nos seus feitos e um pouco, para não dizer bastante. desbragado nos seus ditos, não deixava de ser um velho endiabrado cujas partidas tinham alguma coisa de original e de espirituoso.

De lunetas encavaladas quase na ponta do nariz, levado pela necessidade que, segundo ouço dizer, é a mãe de todos os vícios, bebia azeite por pregar a sua peça. Só se não pudesse! Mas para isso, para chegar a essa conclusão de não poder, era preciso que tivesse já esgotado todos os recursos da estratégia, e tal facto seria quase inacreditável! Uma vez, ao entrar numa padaria que havia nesse tempo e parece-me que ainda existe no Arco de Almedina, o Horta, olhando de relance para o forno, deparou com uma caçoila vidrada coberta com um papel, de onde se exalava um cheiro delicioso a certos temperos que lhe haviam de ser muito gratos ao paladar... Desatou a correr para casa á procura de uma caçoila parecida. Encheu-a de pedras, pôs-lhe um papel por cima, tal qual como na outra que vira, e ei-lo que volta à padaria a pedir com muito empenho para lha colocarem também no forno. Prometendo voltar a uma certa hora, algum tempo antes da hora em que sabia que o saboroso pitéu seria retirado, foi dar o seu passeio para passar tempo, até que, voltando novamente ao forno, embarrilou o moço da padaria dizendo-lhe ser a outra caçoila a sua… E pernas para que te quero... Lá foi ele até casa numa correria louca saborear um belo pastelão de carne que o acaso lhe oferecera. E o verdadeiro dono do acepipe ao vir buscar a caçoila apenas a encontrou cheia de pedras ...

Como esta, contam-se dele inúmeras proezas que o fizeram tomar por doido, sendo, dentro em pouco, internado no hospital Conde Ferreira, pois que ninguém o podia suportar.

Regressando, mais tarde, a Coimbra, pouco tempo demorou a reeditar as cenas doutrora e é assim que ele aparece, numa tarde de inverno, em Santa Clara, ao fim da ponte, a meter num bolso das calças certa encomenda que encontrou à beira do caminho.

Ele que o fez é porque alguma coisa ruminava, é porque lá tinha as suas razões para o fazer... Terminada essa operação, limpando as mãos a uns arbustos que ali estavam perto, induziu um rapazito que passava a que fosse dizer ao guarda-barreira que ele, Horta levava contrabando no bolso das calças. E o rapazito lá foi cumprir a sua missão enquanto sua excelência a passo largo, muito sereno, marchava olimpicamente a caminho da cidade.

Mal tinha tempo de pôr o pé fora da ponte quando o guarda se lhe pôs na frente intimando-o com uma voz de trovão:

– Deixe ver o que leva aí.

– Não deixo, diz o Horta, fingindo-se muito comprometido.

– Deixe ver, já lhe disse.

– Não deixo.

– Ah, não deixa?!

E assim estiveram, neste dize tu, direi eu, até que o guarda resolveu levá-lo à presença da autoridade superior. Foi dito e feito.

Como a autoridade não era para festas, com uns modos façanhudos, arrumou-lhe logo esta à queima roupa:

– Mostre já o que leva aí.

– Não mostro, replicou o Horta com teimosia.

– Mostre, mando eu.

– Não mostro.

– Ai, não mostra? Eu já lhe vou dizer se mostra ou não!

E, dizendo isto, enfia-lhe a mão pelo bolso das calças para tirar de lá o contrabando… Faça-se agora uma pequena ideia da cara com que ficou a autoridade e principalmente como ficaram os dedos!... O Horta era um vivo diabo!

 

Monteiro, M. Typos de Coimbra, In Illustração Portugueza, 40, Série II, Lisboa, 1907.01.28.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:53


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930