Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 18.04.23

Coimbra: A Tricana, outra visão 4

Vejamos o tradicionalismo das Fogueiras de S. João.

….. A. A. Gonçalves, na publicação literária, «O Zephyro, n.° 2», Coimbra, 29 de Fevereiro de 1872, sob o titulo «Fonte do Castanheiro».

«O movimento do rapazio, animados pela folgança da sua rua, começava ao pôr do sol. E as raparigas, de roupagens alvas e o tentador lenço branco a comprimir-lhes o seio e a abraçar-lhes a cintura, afinavam a voz pela afinação da viola e ansiavam pela noite.

«O esguio pinheiro lá se ostentava com o pé cercado de lenha. Arcos e grinaldas de folhagens e flores enfeitavam o largo, e as bandeiras variadamente coloridas tremulavam altas.

«E o estalar dos foguetes, anunciando festa, convidava para a reunião, e incitava à vertigem festiva do bailado.

«Aglomeravam-se em massa, eles e elas, em torno da pira; estalavam as fagulhas; redemoinhavam línguas de fogo; redobravam as gargalhadas; todos falavam; ninguém se entendia; moviam-se em redor com lentidão; retiniam violas e cavaquinhos; batiam as palmas; - «Ande roda» - gritava uma voz imperiosa e reforçada.

OS. Tricanas de Coimbra. Op. cit., pg. 584.jpg

Op. cit., pg.584

«Estava começada a dança !... «Agora é vê-las travessas, ruborizadas, ofegantes, mas teimosas e incansáveis naquele lidar frenético!

OS. Tricanas dos arredores, op. cit., pg. 582.jpg

Op. cit., pg. 582

 E ouvia-se então, constantemente, a voz de um «marmanjão», marcando, corno se fosse um besouro, as voltas e reviravoltas:

- E virou!

- E vá de volta!

- E lá vai uma!

- Chegadinhos!

- Ainda outra!

- E vá mais. outra!

Assim até pela manhã! 

OS. Tricanas dos arredores, op. cit., pg. 594.jpg

Op. cit., pg. 594

OS. Tricanas dos arredores, op. cit., pg. 589.jpg

Op.cit., pg. 589

 Pela manhã roda forte e de braço dado para a «Fonte do Castanheiro», um arrabalde, onde as fogueiras todas .se juntavam!» 

OS. Tricanas de Coimbra. Op. cit., pg. 586.jpg

Op. cit., pg. 586

A tradição mandava a visita à Fonte do Castanheiro, ali para os lados da Estrada da Beira, e nessa fonte murmurante, recanto gracioso dessa paisagem de maravilha que é a encosta da Lomba da Arregaça, terminavam os folguedos os ranchos já quando as estrelas se recolhiam, braço dado os pares, corações em uníssono sentir, cantando alegremente a marcha:

Vamos seguindo,

Tocando no pandeiro...

Vamos beber água

À Fonte do Castanheiro.

 Ou então:

Está-nos chamando

Cupido brejeiro...

Cantar e dançar

Na Fonte do Castanheiro.

Sá, O. 1942. A Tricana no Folclore Coimbrão. In: O Instituto, vol. 101, pg. 361-632. Coimbra, Imprensa da Universidade. Acedido em: Acedido em: http://webopac.sib.uc.pt/search~S17*por?/tinstituto/tinstituto/1,291,309,E/l856~b1594067&FF=tinstituto&1,1,,1,0

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 16:17

Quinta-feira, 04.08.16

Coimbra: a Fonte do Castanheiro

A Fonte do Castanheiro está situada num lugar muito pitoresco, o Vale da Arregaça ao fundo de uma escadaria de 35 degraus separados por alguns patamares, que sai da rua da Fonte do Castanheiro, a cerca de 50 metros, para poente, do portão da Quinta que recebeu o mesmo nome. Esta fonte possui uma bica encimada pelo escudo do Reino, com adornos do princípio do século XVIII. No remate, no meio de duas aletas com grandes volutas, lê-se:

ANNO

1701

A REFORMA DA OBRA

DESTA FONTE DO CAS

TANHEIRO A MONDOV

FAZER O.D.O.O.R.SV.D.TE

A última linha deve entender-se como:

FAZER O DEZEMBARGADO SUPERINTENDENTE.

 

A água que a abastecia era proveniente de uma nascente designada de Póvoa.

A água da Fonte do Castanheiro, juntamente com a águas das Fontes do Cidral e da Cheira ... eram mandadas buscar pelos habitantes de Coimbra, que muito as apreciavam, apesar da distância a que se encontravam.

... Em 1828, foi publicada uma lenda, da autoria do escritor Manuel Ferreira de Seabra ... A referida lenda, que se intitula «Almira e Felizeu ou a Fonte do Castanheiro. Metamorfose» ... reza ... que o pastor Felizeu, pelo crime cometido contra a ninfa do Mondego, fora transformado em «Castanheiro» e a ninfa, a seu pedido, transformada em «Fonte».

Lemos, J.M.O. 2004. Fontes e Chafarizes de Coimbra. Direção de Arte de Fernando Correia e Nuno Farinha. Coimbra, Câmara Municipal de Coimbra. Pg. 60 e 61

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:03


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2024

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829

Posts mais comentados