Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 03.11.16

Coimbra: a Estrada de Aveiro

 No Roteiro Terrestre de Portugal editado em 1748, que no Arquivo Histórico da Câmara de Coimbra me deram a conhecer, são identificadas as estradas que saíam de Coimbra.

Destas e das que partem para norte é nomeadamente referido que:

Roteiro para Aveiro, em que se contão nove leguas ao Noroeste

De Coimbra aos Fornos 1 legua; Dahi aos Marcos 1 legua; A Murtede 1 legua; ... A Mamarosa; ... A Aveiro.

Perante este dado, uma questão se me colocou: Qual seria, no distrito de Coimbra, o trajeto da estrada para Aveiro?

Na procura de uma resposta, obtive as informações a seguir referidas.

1 - Junto de habitantes de Enxofães, Silvã e Barcouço

- Em Enxofães, o caminho que atravessa esta aldeia indo para norte até Murtede e para nascente até Rio Covo, era aqui conhecido, pelo menos desde os finais do século XIX, por “Estrada de Aveiro”;

- Em Barcouço, em data idêntica, o caminho que desta localidade vai a Rio Covo, é ainda chamado pela mesma designação de “Estrada de Aveiro”;

- Na Silvã o troço que vai de Rio Covo a Enxofães é conhecido por “Estrada de Aveiro”;

- Não existindo na área em apreço nenhuma localidade com a designação de Marcos, este topónimo não é conhecido pelos habitantes das localidades atrás referidas. Assim, será plausível considerar que se trataria dos marcos da demarcação dos termos de Coimbra e de Aveiro os quais deveriam estar perto da localidade de Grada a qual dista cerca de uma légua dos Fornos.

2 – No Arquivo da Universidade de Coimbra

- A área delimitada por Murtede, Carvalho, Barcouço e Silvã – na sua grande maioria – integrava a designada “Herdade de Enxofães” que pertencia, desde o século XIII, ao Hospital e Gafaria de S. Lázaro de Coimbra;

- No Tombo de 1515 do Hospital de S. Lázaro existe uma Certidam do Juis das Jogadas da qual consta estar resistada a de Marcação das terras de Emxofães pera os Cazr.os por vertude dos Prevelegios do Esprital serem escuzos de pagar, datada de 1604.06.22. Nesse documento encontram-se descritas as extremas da Herdade Enxofães e identificada a localização dos marcos que a delimitavam.

3 – A realidade local

- A área da “Herdade de Enxofães”, integrando algumas gândaras, encontrava-se constituída essencialmente por terras de cultivo em várzeas, que se desenvolvem ao longo dos pequenos vales criados pelas muitas fontes e respetivas valas que drenam para o Rio Mondego. O atravessamento dessas várzeas apresenta, nomeadamente no Inverno, grande dificuldade;

- Existe uma ligação contínua com cerca de 12 quilómetros, ou seja cerca de 2 léguas, desde os Fornos a Murtede que atravessa as seguintes e muito antigas localidades: Trouxemil, Grada, Barcouço, Rio Covo e Enxofães. Desta, Barcouço - Rio Covo – Enxofães, no percurso que as liga entre si, bordejam os terrenos da antiga “Herdade de Enxofães”.

 

De posse destas informações atrevemo-nos a apresentar uma proposta para aquele que considerarmos ser o percurso mais plausível da Estrada de Aveiro, no distrito de Coimbra, o qual dividimos nos seguintes troços:

. Um primeiro troço, comum às estradas de Aveiro e do Porto, partia dos Fornos, subia a Trouxemil, onde, ao sair desta localidade para nascente, depois de passar o curto caminho que levava à muita antiga Feira das Neves, junto da Capela de Adões, se bifurcava: um caminho rumava a Aveiro e o outro, a Estrada do Porto, encaminhava-se em direção a Sargento-Mor;

.Um segundo troço corresponde à descida de Trouxemil até a Grada, onde se inicia uma subida que leva a Barcouço;

. Um terceiro troço corresponde à descida que de Barcouço leva ao antigo porto de Rio Covo – troço que ainda ali é conhecido por “estrada de Aveiro”;

. Um quarto troço que corresponde à ligação de Rio Covo a Enxofães e ao atravessamento desta aldeã, o qual ainda é conhecido pelos mais antigos, quer de Enxofães, quer da Silvã pelo nome de “Estrada de Aveiro”;

. Um quinto troço corresponde à muito antiga ligação de Enxofães a Murtede, terra que era a sede da paróquia a que Enxofães pertencia e na qual existia o cemitério onde se enterravam os seus mortos.

Proposta que apresentamos na esperança de que, a partir da mesma, possam surgir outras soluções melhor fundamentadas.

Rodrigues Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:22

Quinta-feira, 15.09.16

Coimbra: a Feira das Neves

Ao consultar no Arquivo Histórico Municipal de Coimbra as Vereações n.º 78, 1839-1842, encontrei a folhas 189, a seguinte notícia:

Os Arrematantes da obra da Fonte da Feira das Neves pedem se lhes dê o primeiro pagamento do seu contracto. A Câmara ordenou se lhe passasse mandado conforme determinado no auto d’adjudicação. Da mesma ata consta, ainda, o pagamento de 18$333 rs. aos referidos Arrematantes.

 

Ora a Feira das Neves era do meu total desconhecimento, bem como de outros Estudiosos das coisas de Coimbra. Tendo solicitado a ajuda da Dr.ª Paula França, arquivista do AHMC, a qual tendo pesquisado o assunto me transmitiu as seguintes informações:

. No trajeto da antiga estrada real junto a Trouxemil, identificou uma capela da Senhora das Neves que tinha uma fonte próxima;

. Que em pesquisas anteriormente realizadas se tinha apercebido que na época da deliberação a Câmara estava a ser chamada a fazer reparações na estrada real, na zona da sua responsabilidade.

 

A partir destas informações foi possível obter junto de pessoas idosas de Enxofães e de Trouxemil as seguintes informações complementares:

– A Capela de Nossa Senhora das Neves está localizada no lugar mais elevado de Trouxemil, com uma vista magnífica para sul, à qual se acede por uma rua estreita, a meio da rua principal da povoação.

Junto à capela existe um amplo terreiro que já serviu como campo de futebol e que hoje está amplo, existindo um polidesportivo ao fundo do mesmo.

A festa de Nossa Senhora das Neves realiza-se, anualmente, a 5 de Agosto.

 

– Naquele local realizava-se, desde tempos remotos, a Feira das Neves a qual tinha grande relevância para os povos gandareses, a norte do local.

A Feira funcionou até uma data indeterminada quando, por motivo de uma peste do gado bovino, foi proibida a circulação deste naquela área.

 

– Aproveitando esse facto a população de Barcouço – freguesia contígua à de Trouxemil, para norte, e que já pertence ao concelho da Mealhada e distrito de Aveiro – começou a realizar a feira no local de Santa Luzia, pois o mesmo não estava abrangido pelo referido embargo.

E assim se mantem a Feira de Santa Luzia até aos dias hoje, com o consequente desaparecimento da Feira das Neves.

 

Resumindo: A Feira da Neves realizava-se em Trouxemil, logo no espaço geográfico do concelho de Coimbra e era relevante para a economia não só deste Concelho, bem como para as populações da região gandaresa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 12:46


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930