Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 18.11.21

Coimbra: Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz 5

No início do século XX o plano estava quase completo. O Matadouro implantou-se no limite norte da Quinta e foi inaugurado em 1897. O mercado foi ampliado e construído o Pavilhão do Peixe segundo projeto de 1901, do Arquiteto Silva Pinto. A estrada de ligação a Celas foi aberta através da rua Lourenço de Almeida Azevedo. O Jardim Público, aproveitando o antigo Jogo da Bola, foi denominado Parque de Santa Cruz e passou a ser utilizado por toda a população, que elegia aquele espaço para a realização de várias festas populares. O parque infantil foi construído na década de trinta, junto à praça D. Luís e denominado o Ninho dos Pequeninos. As águas da quinta foram canalizadas e conduzidas para o chafariz do largo da cadeia. E o planeado boulevard, ícone do urbanismo do século XIX, foi finalmente construído em 1906.

Para além dos equipamentos projetados, o novo bairro permitiu implantar a Escola Central do Ensino Primário (1905), o Teatro-Circo do Príncipe-Real (1892), a Central de Inspeção de Incêndios (1891), a Manutenção Militar e a Associação Comercial e Industrial (1909).

Concluindo

A extinção das corporações religiosas e a consequente desamortização dos seus bens permitiu ao município de Coimbra delinear uma estratégia concertada de modernização da cidade. Numa primeira fase procedeu à simples ocupação dos edifícios e terrenos desocupados, sem relevantes obras de adaptação às novas funções, mas sem descurar a organização geral da cidade. Num segundo momento, consciente das necessidades de cada função, promoveu obras de adaptação ou em casos mais radicais demoliu o existente, como no caso do edifício dos Paços do Concelho.

A maturação da experiência administrativa e a efetiva transformação da cidade contribuíram para um novo entendimento que esteve na base do primeiro levantamento topográfico da cidade, encomendado aos irmãos Goullard em 1873. Conhecendo a cidade, o município conseguiu avançar para lá dos limites cedidos e empreender a primeira operação de crescimento da cidade desde a abertura da Rua da Sofia no século XVI. Aproveitando os terrenos da antiga Quinta de recreio do Mosteiro de Santa Cruz, empenhou-se numa operação ambiciosa e marcou a entrada de Coimbra na era da modernidade, inaugurando de forma consciente o moderno planeamento urbano na cidade.

Fig. 11. Planta da autora de reconstituição da e

Fig. 11. Planta da autora de reconstituição da execução do Plano de Melhoramentos da Quinta de Santa Cruz a partir do levantamento da cidade de 1934

Fig. 12. Fotografia vertical do Bairro de Santa Cr

Fig. 12. Fotografia vertical do Bairro de Santa Cruz em 1934. Arquivo Histórico das Forças Armadas

Calveiro, M.R. Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz. Ensejo e pragmatismo na construção da cidade de Coimbra. In: Cescontexto, n.º 6, Junho 2014. Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Pg. 227-240. Acedido em

https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/80969/1/Apropria%c3%a7%c3%a3o%20e%20convers%c3%a3o%20do%20Mosteiro%20de%20Santa%20Cruz.pdf

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 18:09

Terça-feira, 16.11.21

Coimbra: Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz 4

Em janeiro de 1885 a Quinta foi adquirida e convidados o engenheiro Adolfo Ferreira Loureiro e o Dr. Júlio Henriques para elaborarem um Plano de melhoramentos da Quinta de Santa Cruz, a primeira expansão da cidade, à imagem da Europa. Em junho desse mesmo ano foi apresentado o Plano dos Melhoramentos da Quinta de Santa Cruz.

Concebido com claras influências da Avenida da Liberdade de Lisboa (Silva, 1985; Macedo, 2006: 126), propunha um Boulevard com 50 m de largura que partia do Mercado D. Pedro V e que terminava numa praça quadrangular confinante com o Jardim Público que correspondia ao antigo Jogo da Bola dos frades crúzios. A partir dos cantos da praça rasgava simetricamente três avenidas, uma para Celas, outra para o caminho de Santa Anna, outra em direção ao Bairro de S. Bento e, a partir dos lados, traçava uma em direção aos arcos de S. Sebastião e outra em direção a Montes Claros.

Fig. 9. Planta da autora de reconstituição dos l

Fig. 9. Planta da autora de reconstituição dos limites da Quinta de Santa Cruz, de acordo com a Representação ao Rei de 18 de fevereiro de 1884 “do mercado d Pedro V até montes claros a norte e quase à entrada do lugar de Cellas, subúrbios de Coimbra, vem pelo nascente e sul proximidades de Sant'Ana até à rua dentre muros onde é a sua principal entrada”

 

Fig. 10. Planta da autora de reconstituição do P

Fig. 10. Planta da autora de reconstituição do Plano de Melhoramentos da Quinta de Santa Cruz delineado por Adolfo Loureiro em 1885

Para além do traçado, Adolfo Loureiro, imbuído da lógica operativa dos engenheiros, elaborou também uma estratégia de implementação. Como primeira medida, e para facilitar a ocupação, propunha o início dos trabalhos pela ligação aos Arcos de S. Sebastião e dividia os terrenos em três classes de preço de acordo com a localização. No entanto, e ao contrário do que era habitual, não criou lotes rigidamente traçados, a dimensão dos lotes dependia da disponibilidade financeira dos compradores. Introduziu assim um novo modelo de gestão integrado na lógica liberal de flexibilidade de mercado.

As novas ruas, amplas, arborizadas e infraestruturadas foram inauguradas no final de 1889. No entanto, a Avenida Sá da Bandeira, o boulevard projetado não tinha sido construído efetivamente. A terraplanagem do vale revelou-se demasiado dispendiosa e optou-se por adiar a construção do boulevard e aproveitar os materiais das terraplanagens da abertura das ruas para sem grande esforço regularizar o vale. Em sua substituição foi aberta apenas uma rua de 15 metros de largura.

Calveiro, M.R. Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz. Ensejo e pragmatismo na construção da cidade de Coimbra. In: Cescontexto, n.º 6, Junho 2014. Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Pg. 227-240. Acedido em

https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/80969/1/Apropria%c3%a7%c3%a3o%20e%20convers%c3%a3o%20do%20Mosteiro%20de%20Santa%20Cruz.pdf

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 12:29

Quinta-feira, 11.11.21

Coimbra: Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz 3

Entretanto, em 1872, com o avultar das obras relativas à viação municipal e pretendendo encetar a reforma de toda a frente ribeirinha, o município, encabeçado, por Lourenço de Almeida Azevedo, consciente do papel dos engenheiros nas reformas urbanas abriu um concurso para contratação do primeiro engenheiro municipal. No ano seguinte foi contratado António José de Sá, responsável pelo Plano de Melhoramentos do Largo da Portagem e das margens, mas que abandonou o lugar no ano seguinte.

Dois anos depois, novamente com Lourenço de Almeida Azevedo na presidência, deliberou-se contratar um novo engenheiro municipal, Alexandre Simões da Conceição a fim de estudar o projeto para um novo edifício dos Paços do Concelho, demolindo parte do antigo Mosteiro de Santa Cruz. A obra foi muito contestada pela imprensa local que reclamava contra o seu elevado custo e contra a destruição de um edifício histórico, mas para além das polémicas teve um processo problemático, com as obras a iniciarem-se antes da aprovação do projeto e com sucessivas alterações que aumentaram em muito os custos e as dificuldades da obra. Não obstante, no dia 13 de agosto de 1879, a vereação reuniu pela primeira vez no novo edifício, mas as obras arrastam-se até 1886.

No entanto esta intervenção, quer pela contestação que enfrentou, quer pelos avultados empréstimos que requereu, preconizou uma mudança de atuação do município, consciente da necessidade de se apoiar em técnicos para conduzir corretamente o desenvolvimento da cidade.

Plano de Melhoramentos da Quinta de Santa Cruz

Na mesma época, e firmando a consciência de planear com recurso aos novos meios e conhecimentos técnicos, foi mandada elaborar a Planta Topographica da Cidade de Coimbra. Executada entre 1873 e 1874 e desenhada à escala 1:500 em 19 lâminas de grandes dimensões (0,80x 1,25), constituiu o primeiro trabalho de cartográfica científica de Coimbra (Fernandes, 2011: 7), e até à década de 30 do século XX foi a base de todo o planeamento e intervenção na cidade.

Fig. 8.  Compsição da Autora de 8  das ....jpg

Fig. 8.  Composição da autora de 8 das 19 folhas que compõem a Planta Topographica da Cidade deCoimbra, por Francisco e Cesar Goullards

Como referimos, em 1843, a abertura da rua de ligação entre a Alta e a Baixa, atravessando o Pátio de Santa Cruz e o Vale da Ribela, ultrapassou pela primeira vez os limites seculares do antigo Mosteiro Crúzio. Depois desta rua foi implantado o Cemitério na Quinta da Conchada, para lá da cinta das antigas cercas e começou timidamente a urbanização do Montearroio em direção ao cemitério, mas à parte deste reduzido crescimento a cidade mantinha-se densamente concentrada na Baixa e na Alta. A referida estrada, aberta com 24 palmos para a circulação de carruagens entre a Baixa e a Alta, mantinha-se limitada pela Quinta de Santa Cruz, adquirida por um particular e pela cerca dos Jesuítas, entregue aos Hospitais da Universidade, não deixava antever qualquer possibilidade de crescimento urbano.

Foi o Presidente Lourenço de Almeida Azevedo quem anteviu a importância estratégica que a Quinta de Santa Cruz detinha, articulando a Alta e a Baixa, com uma área superior a qualquer um dos antigos bairros, e iniciou o processo para a compra e urbanização da Quinta.

Lourenço Almeida Azevedo.jpg

Lourenço Almeida Azevedo

Para além da ligação entre a Alta e a Baixa, o plano esboçado pelo presidente previa o alargamento do mercado D. Pedro V, a construção do novo matadouro, a construção do troço da estrada real nº 48 entre Celas e a Baixa, a criação de um Jardim público e de um jardim-de-infância, um espaço para a Feira de Santa Clara e para a feira anual de S. Bartolomeu e, finalmente, aproveitar as águas da Quinta para o abastecimento de água da cidade.

Mas o processo não foi linear. O município, perante um investimento tão avultado, solicitou a expropriação da Quinta em fevereiro, mas no mês seguinte temendo que a mesma não fosse enquadrada no decreto de lei de 11 de maio de 1872, requereu antes autorização para aumentar o valor do empréstimo a contratar e concorrer à compra da Quinta.

Calveiro, M.R. Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz. Ensejo e pragmatismo na construção da cidade de Coimbra. In: Cescontexto, n.º 6, Junho 2014. Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Pg. 227-240. Acedido em

https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/80969/1/Apropria%c3%a7%c3%a3o%20e%20convers%c3%a3o%20do%20Mosteiro%20de%20Santa%20Cruz.pdf 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 16:36

Terça-feira, 09.11.21

Coimbra: Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz 2

A implantação dos novos equipamentos nos terrenos do extinto Mosteiro de Santa Cruz

Desde 1836 que as várias repartições públicas e a câmara municipal tinham sido instaladas no antigo mosteiro, mas faltava instalar o mercado e, em 1840, algumas vendedeiras foram transferidas para o Pateo de Santa Cruz. Esta medida foi mal aceite pelas próprias vendedeiras, que contestavam a localização fora dos circuitos habituais de circulação da cidade e marcou o início de uma acesa discussão sobre a localização dos modernos equipamentos públicos.

Efetivamente, se, por um lado, a opção de reutilizar os edifícios desocupados pelas ordens religiosas era sustentada por razões de economia e de rentabilização do Património do Estado, por outro, a reforma e o saneamento do denso tecido urbano existente só seria viável com a implantação destes novos equipamentos.

Fig. 5. Planta da autora com a indicação, a verd

Fig. 5. Planta da autora com a indicação, a verde, da localização da Horta de Santa Cruz e a laranja a localização do Largo da Sota.

Neste sentido, o processo de construção do Mercado Municipal constitui o melhor exemplo do confronto entre a estratégica pragmática da Câmara Municipal e os desejos de progresso e modernidade idealizados pela população, que se opunha ao aproveitamento dos terrenos da Horta de Santa Cruz, cedidos ao município em favor da reforma e alteamento do Largo da Sota, no interior da baixa e junto às entradas da cidade, do cais das Ameias e do Largo da Portagem.

O primeiro estudo elaborado pelo município concluía que a hipótese de implantação no Largo da Sota, pelas vultosas expropriações e pelo alteamento de toda a área, correspondia a um aumento de cerca de 30% dos custos da construção do mercado na Horta de Santa Cruz. Pese embora este acréscimo de custos, esta seria a oportunidade de ouro para se proceder à reforma urbanística da Baixa, alteando o solo e rasgando novas ruas, saneando, assim, o antigo tecido insalubre. Tudo isto explica as hesitações do município e o tempo longo até à decisão final, contudo as debilidades financeiras do concelho acabaram por ditar a solução e as obras na Horta de Santa Cruz iniciaram-se em outubro de 1866, sendo o novo Mercado D. Pedro V inaugurado no dia 17 de novembro do ano seguinte.

Fig. 6 e 7. Planta de reconstituição da autora,

Fig. 6 e 7. Planta de reconstituição da autora, com a implantação do Mercado D Pedro V. Fotografia do final do século XIX do antigo mercado. Imagoteca/Câmara Municipal de Coimbra

Para além do mercado, também a implantação do matadouro, aproveitando um antigo palheiro do Mosteiro de Santa Cruz, gerou controvérsia. Era apontada a precaridade da construção, que obrigou a várias intervenções de reparação e a reduzida distância à povoação, não cumprindo os padrões de salubridade. A partir de 1866 apontou-se mesmo a necessidade urgente de construir um novo edifício noutro local, conduzindo, na década de 1880, à compra de um terreno junto ao Rio, mas a necessidade de grandes aterros foi sucessivamente adiando a construção e mantendo o existente.

A segunda metade do século XIX correspondeu a um período de forte transformação na cidade. Primeiro chegou a Mala-posta que em 1855 ligava a cidade ao Carregado, depois instalou-se a iluminação a gás em 1856, seguiram-se os equipamentos sanitários, como o cemitério construído no Alto da Conchada inaugurado em 1860 e a transferência do Hospital da Conceição para o Colégio das Artes em 1857, a primeira operação de reforma urbanística, que decorreu entre 1858 e 1866 e correspondeu ao alargamento da antiga rua de Coruche e os aterros e regularização dos cais do Mondego que começaram a ser construídos com consistência a partir de 1872 e 1873, ao mesmo tempo que se construía a nova ponte de ferro.

Neste quadro de modernização, o município revelou a vontade de construir um novo edifício para albergar a Câmara Municipal e, em 1869, solicitou à Rainha a autorização para encarregar a Direção de Obras do Distrito dos estudos necessários, mas o pedido foi recusado, lembrando a criação no ano anterior da Repartição Distrital de Obras Públicas, dependente dos cofres do concelho e a ideia foi adiada.

Calveiro, M.R. Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz. Ensejo e pragmatismo na construção da cidade de Coimbra. In: Cescontexto, n.º 6, Junho 2014. Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Pg. 227-240. Acedido em

https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/80969/1/Apropria%c3%a7%c3%a3o%20e%20convers%c3%a3o%20do%20Mosteiro%20de%20Santa%20Cruz.pdf

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:31

Quinta-feira, 04.11.21

Coimbra: Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz 1

O início do século XIX foi um período de grande instabilidade a nível nacional, primeiro com as invasões francesas e depois com as lutas entre liberais e absolutistas. Só a partir da década de 30, com a pacificação assinada em Évora Monte, se começaram a difundir os novos ideais de progresso que se viviam na Europa. Ao mesmo tempo foi nestas décadas que o Estado encetou a construção de uma Nação Liberal, definindo uma nova divisão e organização territorial, reformando o sistema administrativo, a justiça e o ensino. Neste contexto, interessa-nos destacar para o caso em estudo a extinção das ordens religiosas e a nacionalização dos seus bens.

… Na cidade de Coimbra, sede da única Universidade Portuguesa, esta medida teve um duplo impacto, por um lado encerrou vinte e três Colégios e obrigou à reforma do ensino, que acabou por conduzir à perda da exclusividade do ensino superior com a introdução em Lisboa e no Porto do ensino politécnico e das Escolas Médicas. Por outro, permitiu, como veremos, a modernização e o crescimento da cidade que se encontrava enclausurada entre o rio que recorrentemente invadia as ruas e edifícios da Baixa e uma cinta de colégios e mosteiros que condicionavam o crescimento da cidade.

Fig. 3. Planta da autora de reconstituição da ci

Fig. 3. Planta da autora de reconstituição da cidade no ano de 1834, com a indicação a vermelho dos Colégios e Conventos existentes

Foram vendidos em hasta pública ou convertidos nos novos equipamentos do Estado vinte e três colégios e sete conventos dentro do perímetro [urbano] … deste conjunto destacava-se, pela sua dimensão, o Mosteiro de Santa Cruz que ocupava uma área de 3,5 hectares e possuía mais 29 hectares correspondentes à quinta de recreio, o que perfazia uma área equivalente a 2/3 do total de área urbana edificada.

Perante um número tão elevado de edifícios e terrenos desocupados dentro do sobrelotado tecido urbano, o município começou a delinear uma estratégia de modernização da cidade a partir do aproveitamento de alguns destes edifícios. Com este intuito, no dia 10 de janeiro de 1835, apresentou ao Governo uma relação dos edifícios e das cercas, cuja cedência considerava indispensável. Solicitava parte dos edifícios do Mosteiro de Santa Cruz para implantar a Câmara e a Casa dos Jurados, o Convento dos Beneditinos no bairro alto e o Colégio da Graça no bairro baixo, para transformar em quarteis, as cercas dos Jesuítas e do Colégio de São Jerónimo para a construção de um cemitério e a cerca do Convento de São Francisco para outro cemitério na margem esquerda do rio. A Quinta de Santa Cruz para parque público, um terreno na cerca de Santa Cruz para a construção do Matadouro Municipal e, por fim, a cedência da água de duas minas do Colégio de São Bento e das águas do Colégio da Sapiência para reforçar a rede de abastecimento da cidade.

Dois meses depois, a edilidade evocava também a necessidade do pátio do Mosteiro de Santa Cruz para criar o mercado público e os restantes edifícios do mosteiro para reunir no complexo crúzio todas as repartições públicas da cidade. Requeria ainda a cedência do Colégio da Estrela para instalar a cadeia pública, o Colégio de Santo António da Pedreira na Alta para albergar um hospício e reforçava o pedido já apresentado pela Misericórdia do antigo Colégio da Sapiência. Nas imediações da cidade solicitava a Quinta de S. Jorge, propriedade do extinto Mosteiro de Santa Cruz, para criar uma escola agrícola.

Da análise deste plano, verifica-se assim que o município não se limitava ao simples aproveitamento dos vazios deixados pelas corporações religiosas, mas, ainda que por razões práticas e ainda que distante das modernas noções de zonamento, gerou conscientemente um novo polo de centralidade no antigo Mosteiro de Santa Cruz, concentrando todas as funções administrativas e aliando-lhe a função comercial e o matadouro complementar.

No ano seguinte, o governo de Passos Manuel, viabilizou parte da estratégia da câmara, ao ceder à câmara os tres Edificios dos extinctos Conventos de Santa Cruz, Graça e S. José do Marianos da dita Cidade de Coimbra, afim de serem applicados - o pr.º para a Caza das Audiencias do Jury, Cadea, camara, Adm.ao do Conc.º, e do correio; o segundo p.ª servir de Aquartelamt.tº de tropa; e o terceiro finalm.te para n'elle se estabecer o Hospital de S. Lazaro.

Fig. 4. Planta da autora com a indicação dos edi

Fig. 4. Planta da autora com a indicação dos edifícios e terrenos solicitados pelo município em 1835.

Três anos depois, a carta de lei de 30 de julho oficializou a cedência e, ainda que de forma involuntária, marcou o futuro desenvolvimento e crescimento da cidade ao fixar a obrigatoriedade de “abertura de duas ruas de communicação com o Bairro Alto, uma que conduza ao caminho da Fonte Nova, e outra ao de Monte Arroio.” Efetivamente, estas duas ligações foram mandadas executar no ano seguinte e pela primeira vez romperam os limites impostos pelo antigo Mosteiro. A primeira partia do antigo Pátio, e aproveitando o caminho dos Cónegos Regrantes, seguia junto ao limite da antiga Horta até à Fonte Nova. A segunda ligação, entre a Horta e a rua das Figueirinhas, correspondia a um declive muito acentuado e acabou por ser construída por uma escada de três lanços. Mantinha-se, contudo, a necessidade de estabelecer uma ligação para o Bairro Alto, utilizável por carruagens e, três anos depois, projetou-se e mandou-se abrir a rua pela Ribela, ou Horta dos extintos Crúzios, até às casas do extinto Colégio de S. Bento, para communicação da cidade alta com a baixa […]com a largura de 24 palmos, livres para a estrada de quaisquer marcos cunhais, soleiras e beirais dos telhados, que porventura venham a ter lugar naquele sitio, desde que a estrada se converta em rua.

Calveiro, M.R. Apropriação e conversão do Mosteiro de Santa Cruz. Ensejo e pragmatismo na construção da cidade de Coimbra. In: Cescontexto, n.º 6, Junho 2014. Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Pg. 227-240. Acedido em

https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/80969/1/Apropria%c3%a7%c3%a3o%20e%20convers%c3%a3o%20do%20Mosteiro%20de%20Santa%20Cruz.pdf

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:41

Sexta-feira, 16.06.17

Coimbra: S. António dos Olivais, de ermitério a freguesia 3

A capela ficou novamente só, com o seu ermitão, naturalmente um pobre homem que tinha a chave, como outrora acontecia em qualquer capela de perdida aldeia.

Mas, na cidade, os acontecimentos que rodeavam a vida de António, o franciscano, colhiam eco e, quando foi conhecida a notícia da sua morte, dada a aura apoteótica que o envolvia, esperava-se uma glorificação rápida, acontecida logo no ano seguinte, em 1232.

Sto. António cónego regrante. Início s. XIX.jpg

 Sto. António cónego regrante. Início séc. XIX

O Santo, em Coimbra, tinha vivido em dois lugares: o abacial mosteiro de Santa Cruz e o ermitério de Santo António dos Olivais, onde então ainda permaneciam os frades; na igreja crúzia, a primeira capela da esquerda, passou a ostentá-lo por orago e nos Olivais, o próprio oratório conventual mudou de “dono”: de Santo Anton, o ermita, transmutou-se em Santo António, o pregador.

Contudo, em Coimbra, a capela dos Olivais constituiu-se sempre como o principal santuário antoniano ... A capelita ... deve ter continuado na posse do cabido, que, nos fins do século XV, em virtude do incremento do culto aí praticado, a mandou reformar e ampliar. Ficou com a área que atualmente ocupa, exceção feita à capela-mor que, no século XVIII sofre ligeiro aumento.

Em 12 de Maio de 1536 o cabido catedralício passou alvará de pagamento de 1.800 réis, a João de Ruão, pela cruz de Santo António que se encontrava albergada num pequeno alpendre, aberto por todos os lados. A estrutura, que apenas no século XVIII, aquando da aposição dos azulejos, temáticos... deve ter assumido a configuração atual, ocupava ... uma posição topográfica comum aos cruzeiros, pois erguia-se na confluência da estrada do Tovim com a Calçada do Gato, justamente nas proximidades do santuário antonino, então ainda pertença do cabido da sé.

Cruzeiro do Senhor Santo Cristo.tif

 Cruzeiro do Senhor Santo Cristo já transformado em capela

 O templete do Santo Cristo, quadrangular, apresenta nas esquinas, assentes sobre um embasamento, pilares dóricos lisos, com exceção dos da fachada principal que ostentam finos lavores renascentistas relacionados com a temática da paixão; decoram o friso enrolamentos em forma de S e cobre-o um coruchéu quadrado, revestido com tijolos de orelha, vidrados a verde e melado.

No interior destaca-se a imagem de Cristo crucificado, saída do cinzel de Ruão, com a data de 1536 gravada no pé ... a construção do templete do Santo Cristo se pode considerar como marco do final da primeira fase, ou seja, o período de ermitério.

Em 1540 ... o olival, a horta e as ofertas feitas à casa de Santo António, bem como o conjunto ermítico, transitaram do cabido para os franciscanos capuchos da província da Piedade e, anos depois, em 1763, como resultado de uma nova divisão de províncias levada a cabo pela ordem franciscana, fica adstrito à da Soledade.

Veio dos frades o aspeto pitoresco que o sítio apresenta e também deles ficou o conjunto construtivo, pois conservaram a mesma igreja e construíram a residência conventual ... contudo, na primeira metade de Setecentos, prolongando-se até ao final da centúria, levaram a cabo obras de envergadura que passaram pela modificação da frontaria da igreja, pela construção do escadório com as suas capelas e pela feitura da sacristia.

Encerrou-se, em 1834, com a extinção das ordens religiosas, o ciclo monástico e, no ano seguinte, o convento foi vendido a um particular.

Anacleto, R. 2005. Santo António dos Olivais: De Ermitério a Freguesia. Conferência na cerimónia comemorativa do aniversário da criação da freguesia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:18


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2022

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930