Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Segunda-feira, 28.05.18

Coimbra: Museu da Ciência da Universidade de Coimbra

Os caloiros que iniciaram a licenciatura em Ciências Físico-Químicas em 1963, reuniram-se ontem e mais uma vez, desta feita em Coimbra. Do programa constou missa e a recordação da bênção das pastas e ainda uma visita ao Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, num retorno aos locais onde tiveram das suas primeiras aulas.

Para esta visita – que se recomenda a quem ainda a não fez – foi elaborado o pequeno guião que aqui se divulga.

 Breve síntese histórica

O Museu da Ciência da Universidade de Coimbra ocupa atualmente dois edifícios: o Laboratorio Chimico e o Colégio de Jesus. Ambos pertenceram ao Colégio dos Padres Jesuítas, também denominados Apóstolos (o nome perpetua-se na Couraça) e ao Colégio das Artes. A primeira pedra do Colégio dos Jesuítas foi lançada no dia 14 de abril de 1547 e a igreja, riscada pelo arquiteto Baltazar Álvares, membro da Companhia; a sua construção iniciou-se em 1598 e prolongou-se durante um século. 

Colégio de Jesus desenho.TIFColégio de Jesus e Colégio das Artes em 1732 (gravura de Carlo Grandi)

 O Colégio das Artes, entretanto criado por D. João III, ocupou, num primeiro momento, espaços pertencentes a Santa Cruz e foi entregue aos Jesuítas no ano de 1555, ainda antes do edifício (que se ergue quase paredes-meias com o dos Apóstolos e fora iniciado em 1568) estar concluído.

Os imóveis encontravam-se ligados por dois pequenos corpos de passadiço, perpendiculares à fachada oriental. Um fazia comunicar o Colégio de Jesus com o Colégio das Artes e o outro ligava o complexo colegial ao edifício onde, graças aos trabalhos arqueológicos recentemente efetuados, se ficou a saber que estava instalada a sala do refeitório bem como, provavelmente, as cozinhas e a ucharia, ou seja, estamos a referir-nos ao atual Laboratório Chimico.

Os Jesuítas de Coimbra gozaram por pouco tempo da sua igreja e das restantes estruturas, porque, em 1759, foram expulsos do país, o colégio extinto e os bens sequestrados. Os edifícios ficaram abandonados durante treze anos.

Aquando da Reforma Pombalina da Universidade, iniciada em 1772, parte do complexo passou para a posse da Universidade e a igreja, com mais alguns anexos, foram entregues ao Cabido diocesano.

O marquês de Pombal, ao implementar a reforma universitária que, obviamente, necessitava de espaços adequados, apoderou-se de uma parte considerável do Colégio de Jesus. Contudo, ciente da importância do ensino experimental, estava já na posse de planos trazidos de Viena de Áustria por Joseph Francisco Leal destinados à construção do Laboratorio Chimico; no entanto, este projeto não saiu do papel, tendo-o substituído um outro desenhado na Casa do Risco, sob orientação do engenheiro militar tenente-coronel Guilherme Elsden, que se salientou como diretor das Obras da Universidade de Coimbra. 


Laboratório Chimico.jpgFachada do Laboratorio Chimico, desenho de G. Elsden e R. F. de Almeida, 1777 in Franco, M.S. “Riscos das Obras da Universidade de Coimbra”, Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra, 1983.

Trata-se de um edifício de grande qualidade, muito elegante e onde se destaca o frontão central, em corpo avançado sobre colunas. No entanto, o projeto original do coroamento do edifício foi alterado e só lhe foi aposto no século XIX.

Guilherme Elsden foi também o responsável pela adaptação dos edifícios preexistentes destinados a acolherem os Gabinetes de História Natural e de Física Experimental.

A estrutura vira para o Largo do Marquês de Pombal e mostra uma longa fachada de 110 metros de comprimento, de nobres linhas protoneoclássicas, onde se salienta o corpo central, coroado por frontão triangular preenchido por um belo relevo da autoria de Joaquim Machado de Castro, representando a Natureza e cinzelado pelo escultor António Machado. Nos gradeamentos das ventanas pode observar-se um pequeno medalhão com o busto do marquês de Pombal. 

Laboratório de Fisica.jpg

 Frontão alegórico

No interior destaca-se a escadaria de aparato e os alizares de azulejo.

Refira-se ainda que nas alas norte e poente do Colégio funcionaram, inicialmente, os Hospitais da Universidade de Coimbra.

Os objetivos pedagógicos que então se pretendiam atingir encontram-se bem expressos nos Estatutos Pombalinos, datados de 1772, onde se lê que “os estudantes não somente devem ver executar as experiências, com que se demonstram as verdades até ao presente, conhecidas … mas também adquirir o hábito de as fazer com sagacidade e destreza, que se requer nos Exploradores da Natureza”.

A adaptação dos dois imóveis a Museu da Ciência ocorreu nos primeiros anos do presente século, tendo a primeira fase sido inaugurada em 2006 sob projeto de João Mendes Ribeiro, Carlos Antunes e Desirée Pedro. Trabalhos que visaram, essencialmente, reconduzir os espaços ao seu aspeto inicial.

Está classificado, desde 2016, como Sítio Histórico pela Sociedade Europeia de Física.

Recordamos que foi nestes espaços, nos idos dos anos 60, que os caloiros que então eramos, tiveram as primeiras aulas da licenciatura em Ciências Físico-química.

 

A nossa visita

A duração prevista é de cerca de uma hora segundo o seguinte percurso:  

- Gabinete de Física

Foi equipado com seis centenas de máquinas que representavam o que de melhor e mais moderno então existia no campo da investigação científica. Cada uma delas tinha uma conceção que a tornava adequada a um dos capítulos do programa descrito no curso redigido por Dalla Bella.

O Gabinete de Física de Coimbra, mostra bem a profunda influência que as ideias e os instrumentos provenientes das mais diversas zonas da Europa tiveram em Portugal no século das luzes. O que resta dos instrumentos pertencentes ao Gabinete do século XVIII considera-se, atualmente, verdadeiras obras de arte, valorizadas pela riqueza dos materiais e pela perfeição da execução. Ocupam ainda as salas e o mobiliário primitivo, permanecendo no seu espaço de origem e mantendo as suas características específicas desde o tempo da fundação; constituem uma coleção de instrumentos científicos e uma representação notável da evolução da Física nos Séculos XVIII e XIX.

Visitamos o anfiteatro e as salas Figueiredo Freire (séc. XIX) e Dalla Bella (séc. XVIII).

- Gabinete de História Natural

Por força dos Estatutos Pombalinos da Universidade, datados de 1772, os professores da Faculdade de Filosofia deviam coordenar a recolha das espécies. O espólio assim obtido incorporou inicialmente a coleção privada de Vandelli e foi muito enriquecido com a Viagem Philosofica à Amazónia realizada por Alexandre Rodrigues Ferreira.

Os espécimes encontram-se organizados por regiões com recurso às técnicas de conservação e exposição então em uso. 

Visitamos as salas das viagens, do mar, de África, das avestruzes e de Portugal.

- Laboratório Chimico

Encontra patente neste edifício a exposição Segredos da luz e da matéria que trata este tema a partir dos objetos e instrumentos científicos das coleções da Universidade de Coimbra, uma das mais notáveis e raras da Europa. Um conjunto de experiências e módulos interativos possibilitam a observação de fenómenos, desde a experiência de decomposição da luz, de Newton, até à neurobiologia da visão.

 BORGES. Nelson Correia, Coimbra e região, Lisboa, Presença, 1987.

CORREIA, Vergílio; GONÇALVES, António Nogueira, Inventário artístico de Portugal. Cidade de Coimbra, Lisboa, Academia Nacional de Belas Artes, 1947.

DIAS, Pedro; GONÇALVES, António Nogueira, O património artístico da Universidade de Coimbra, Coimbra, Universidade de Coimbra, 1991.

VASCONCELOS, António de, Escritos vários, vol. I, Coimbra, AUC, 1987 [Reedição].

http://www.museudaciencia.org/index.php?module=content&option=museum&action=project&mid=5

http://www.museudaciencia.org/index.php?module=content&option=museum

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:19

Terça-feira, 16.01.18

Coimbra: Jardim Botânico e os seus múltiplos projetos 1

O jardim botânico de Coimbra nasce com a reforma pombalina da Universidade, constituindo um dos mais fiéis reflexos do espírito e objectivos que a impulsionaram.

… É certo que o projecto de criação de uma tal valência na cidade não era novo pois, durante o longo reitorado de Francisco Carneiro de Figueiroa, Jacob de Castro Sarmento enviara àquele reitor, um plano, idealizado pelo arquitecto E. Oakley, com data de 1731, para a realização de um jardim botânico.  

Planta um Horto Botânio Oakley.jpg

Planta para um Horto Botânico delineada pelo arquitecto E. Oakley

 A gravura apresenta quatro canteiros quadrangulares, cortados por oito ruas convergentes para uma fonte central de repuxo. Num dos topos, figura a planta e o alçado neoclássico da fachada principal da biblioteca de botânica.

… Não passaria, contudo, do papel, sendo necessário aguardar pelo pragmatismo férreo da «nova fundação» para que a formulação concreta de um horto botânico no espaço da Universidade visse a luz do dia.

Os novos Estatutos foram publicados em 1772 …. Previa-se ainda a construção de diversos equipamentos … e o jardim botânico (agregados à faculdade de Filosofia).

A 3 de Fevereiro de 1773, o reitor-reformador tranquilizava o ministro, noticiando-o de que “já se acham n’esta cidade os Doutores Ciera, Vandelli e Dalabella, e com elles e Franzini irei ámanhã ver o sítio que V.ª Ex.ª designou para n’elle estabelecer-se o Jardim Botanico.”.

… Finalmente, uma solução reuniu consenso: “a parte da mesma cêrca [dos monges beneditinos] que confronta de uma parte os Arcos da cidade, da outra com a estrada que vae para S. José dos Mariannos, e da outra com huma vinha dos ditos P.es Mariannos”.

Planta do terreno 1773.jpg

 Planta do terreno destinado para o Jardim Botânico, 1773(?)

 ... No espaço de meses, os professores italianos enviam para Lisboa uma sumptuosa planta para o jardim botânico da Universidade de Coimbra.

Planta para o Jardim Botânico ... 1773.jpg

 Planta para o Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. 1773 (?)

Trata-se, presumivelmente, do desenho a tinta de china e aguada sobre papel que se encontra na biblioteca do departamento de botânica, sem data ou assinatura devido à falha que apresenta na sua parte central superior, onde se leriam essas informações, bem como as legendas do plano.

Brites, J.R.C. 2006. Jardim Botânico da Universidade de Coimbra: de Vandelli a Júlio Henriques (1772-1873), Coimbra, 2006 (Policopiado). [Trabalho escrito apresentado no seminário “Património e teorias do restauro”, integrado no Mestrado de História da Arte da Universidade de Coimbra e, depois de refundido, publicado pela autora, com o mesmo título, no Arquivo “Coimbrão. Boletim da Biblioteca Municipal”, Vol. XXXIX, Coimbra, 2006, p. 11-60].

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:20

Terça-feira, 19.12.17

Coimbra: Jardim Botânico, o jardim da sabedoria

É tradição dizer-se que o Jardim Botânico de Coimbra foi projetado por Vandelli. Uma análise mais aprofundada mostra, no entanto, que o Jardim que vimos hoje já nada tem que ver com Vandelli e foi sendo feito pelos sucessivos diretores. O projeto (c. 1773) ... foi chumbado pelo marquês de Pombal, por excesso de luxo.

... a proposta de Vandelli ficou reduzida a um terraço, a que se chamou o “Quadrado”: na encosta da cerca do convento beneditino, onde se instalara a universidade por altura da Reforma Pombalina. Deste projeto restam os muros de suporte, pois o espaço foi totalmente remodelado, correspondendo hoje ao tabuleiro mais largo com fontanário central e canteiros em arco, desenhados na altura em que o professor Abílio Fernandes foi diretor do jardim (de 1942 a 1974)

Jardim Botãnico planta.jpg

 Jardim Botânico planta executada em Agosto de 1807

Felizmente, encontra-se também no arquivo uma planta do Jardim Botânico, que segue as instruções de contenção do marquês e foi mandada desenhar sob orientação de Brotero. Este sim foi o primeiro impulsionador da maior parte do Jardim Botânico, construído e plantado para o ensino da Botânica na Universidade de Coimbra.

Jardim Botânico canteiros.jpgJardim Botânico, canteiros

 ... Das descrições de Brotero sob a forma de preparar um jardim, confirmamos ainda hoje, no terreno, algumas partes, e o belíssimo resultado de um jardim bem planeado, mesmo passados duzentos e quarenta anos. Os tabuleiros que hoje vimos quando entramos na porta central do jardim, onde uma estátua foi erguida ao grande mestre Brotero, são preenchidos por canteiros longitudinais ladeados de buxo. Apesar de hoje não existirem as três mil espécies que Brotero ali juntou, o traçado é bom, a rega foi pensada, a exposição é a melhor da colina que desce para o Mondego, a drenagem funciona: quando for possível refazer a coleção broteriana, não haverá grande dificuldade em plantar as famosas escolas, segundo o sistema de classificação que se entender.

... No século XIX, Júlio Henriques melhora o sistema de águas e, no século XX, Abílio Fernandes manda construir a estufa fria ... Durante a direção deste professor, é colocada uma fonte no centro do Quadrado e são efetuadas melhorias de canalizações, hoje visíveis.

... a estufa que hoje vemos, à direita da grande escadaria, é um belo exemplar da arquitetura de ferro de meados do século XIX.

Jardim Botânico bambuzal.jpg

 Jardim Botânico bambuzal

 ... quando um dia abrir (a mata) os seus 13,5 hectares e ligar a  parte alta da cidade às margens do rio, por onde, no passado, chegavam as remessas de plantas, a visita poderá oferecer um passeio pelo mágico bambusal de «Phyllostachys bambusoides», e, escondida no meio deste ambiente oriental, permitir encontrar a capela de São Bento abobadada e coberta de musgo. Relembra-nos a presença dos beneditinos, que mais abaixo deixaram também uma fonte alimentada por uma mina de água, com parede e banco forrados a azulejos do século XVII, local de paragem antes de subirmos para o miradouro.

Castel-Branco. C. Os jardins de Coimbra. Um colar verde dentro da cidade. In: Monumentos. Revista Semestral de Edifícios e Monumentos. N.º 25, Setembro de 2006. Lisboa, Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, pg. 177-180

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:38

Terça-feira, 28.06.16

Coimbra: A Reforma Pombalina da Universidade

A emancipação do ensino público da sua influência pedagógica (dos jesuítas), um dos objetivos principais visados pela reforma do Marquês de Pombal. A este propósito, retomaremos as palavras do Doutor Lopes d’Almeida.

“Suprimida a Companhia (Companhia de Jesus, vulgo Jesuítas) e arredada do ensino, impunha-se a criação urgente, por uma série de medidas, dos órgãos necessários a assegurar a continuidade da ação docente e dos modelos novos da evolução pedagógica.

O Marquês de Pombal... pelo alvará de 28 de Junho de 1759 reorganiza o estudo das humanidades – a retórica, as línguas latina, grega e hebraica.

... Em 6 de Julho do mesmo ano é entregue a diretoria geral dos estudos ao principal da igreja de Lisboa, D. Tomás de Almeida. Ainda em 1758, a 1 de Outubro, foi comunicado ao reitor da Universidade... a reforma dos estudos menores.

... A criação do Colégio Real dos Nobres em 7 de Março de 1761 obedece ao mesmo intento renovador.

... A carta régia de 23 de Dezembro de 1770 que criava a Junta de Providência Literária foi o primeiro passo de tal caminho (o da reforma da Universidade).”

“Se é certo que em Coimbra já se suspeitava alguma coisa da preparação e dos objetivos da nova reforma, a Universidade só pela ordem de suspensão dos estudos, assinada em 25 de Setembro de 1771, foi oficialmente notificada...’no Ano que se acha próximo a principiar pelos Novos Estatutos, e Cursos Científicos, que tem estabelecido’ ... Mandava suspender a antiga legislação e que se não procedesse ‘a abertura, Juramentos, e Matrículas... até nova ordem de Sua Majestade’.

... por carta de roboração de 28 de Agosto de 1772 foram mandados executar (os novos Estatutos). Nesta mesma data uma carta régia nomeava Visitador o Marquês de Pombal, com plenos poderes para a nova fundação da Universidade.

Veio o Marquês de Pombal ... para Coimbra, onde chega a 22 de Setembro de 1772, aqui permanecendo durante um mês.

... faz entrega dos “Novos Estatutos” em 29 de Setembro.

... pelos seus despachos de 27 do mesmo mês ... nomeados para as Faculdades de Teologia, Leis, Cânones, Matemática e Filosofia os professores delas, que haviam de tomar posse no dia 3.º.

Em 28 de Setembro publicara a portaria para a jubilação dos Lentes de Medicina e em 3 de Outubro uma disposição semelhante mandava prover nas cadeiras desta última faculdade alguns novos professores, à qual foram agregados depois os italianos Franzini e Vandelli.

... De todas as Faculdades... eram as primeiras (Teologia Cânones e Leis) as que possuíam, à data maior número de professores; por isso se determinou que em 5 de Outubro se procedesse à abertura das suas aulas.

... Por carta régia de 11 de Outubro de 1772, era dada autorização ao Marquês de Pombal para usar o Colégio dos Jesuítas... por outro lado o Colégio de S. Bento cedeu parte da sua cerca para instalação de um “Horto” ... Houve assim oportunidade de estabelecer os Gabinetes de História Natural e de Física e criar um Jardim Botânico.

...”Entre as providências de maior vulto que o Marquês de Pombal promulgou durante a sua estadia em Coimbra, foi a da incorporação do Colégio das Artes na Universidade. A provisão de 16 de Outubro de 1772 que autorizava essa medida correspondia ao voto formulado numa das sessões da Junta de Providência Literária.

Ribeiro, A. 2004. As Repúblicas de Coimbra. Coimbra, Diário de Coimbra. Pg. 43 a 47

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:47

Terça-feira, 17.05.16

Coimbra: a cerâmica aqui produzida 1

Não é fácil conhecer as origens da atividade cerâmica em Coimbra, que certamente antecedeu a formação da própria nacionalidade. Documentos escritos referenciam-na em meados do século XII (1145) e começos do século XIII (1203 e 1213), podendo pois falar-se de uma tradição de mais de oito séculos.

Do período que decorre até ao século XV, são escassas as informações conhecidas, Posteriormente, a documentação com referências à cerâmica em Coimbra torna-se mais abundante, sendo possível avaliar mais facilmente o seu desenvolvimento. São marcos significativos o aparecimento da faiança e da profissão de pintor de louça. Quanto à faiança, julgamos datar-se os seus inícios – provados documentalmente – dos fins do século XVI … Baseamo-nos na alusão a Manuel Bernardes, «malgueiro de louça branca», que de acordo com a Sisa de 1599, pagava 400 réis. O ofício de pintor de louça aparece em vários documentos da primeira metade do século XVII. Na segunda metade deste, já a maior parte da louça expedida pela barra da Figueira provinha das fábricas de Coimbra, tendo-se depois (1701-1758) verificado um substancial aumento da saída da louçã coimbrã por aquele porto, a qual se destinava ao Algarve, aos Açores e Madeira e também à Inglaterra.

Mas foi no último quartel do século XVIII que a cerâmica da Lusa Atenas entrou num «período de incomparável brilho e actividade», como escreveu António Augusto Gonçalves. A ele ficaram indissociavelmente ligados dois nomes famosos: Domingos Vandelli e Manuel da Costa Brioso.

O primeiro fundou uma fábrica de louça no Rossio de Santa Clara (1784), vindo a criar um tipo de faiança característico, vulgarmente conhecido por «louça vandel», tendo-lhe sido concedidos privilégios diversos para a exploração da mesma.

… A ação do segundo, menos conhecida durante muito tempo mas não menos importante, foi posta em destaque por alguns estudiosos … Encontramos uma referência à fábrica da viúva de Manuel Jesus (?) Brioso, provavelmente descendente de M. Costa Brioso.

Mas não eram somente as fábricas de Vandelli e Brioso que então se localizavam em Coimbra, pois o seu número ascendia a 17, sendo 11 de louça branca e 6 de louça vermelha.

Como sucedeu em várias outras regiões do país com a indústria em geral, nas primeiras décadas do século XIX, a cerâmica em Coimbra sofria os efeitos da concorrência estrangeira – quanto à louça de melhor qualidade – e das invasões francesas. Assim, das 14 fábricas existentes em 1813 – 9 de barro branco e 5 de barro vermelho -, 6 estavam em decadência, 5 estacionárias e só 3 progressivas. De notar que a mais afetada era a cerâmica de barro vermelho, visto nas 6 fábricas em decadência estarem incluídas as 5 desta louça.

A situação descrita pouco terá melhorado durante mais de uma década … em 1825 principiou a notar-se alguma tendência para aperfeiçoamentos, com a fundação de uma fábrica de faiança por Leandro José da Fonseca.

Mendes, J. A. Cerâmica em Coimbra nos finais do século XIX e inícios do século XX (Achegas para o seu estudo). In A Cerâmica em Coimbra. 1982. Coimbra, Comissão de Coordenação da Região Centro. Pg. 23 a 44.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:15

Segunda-feira, 16.11.15

Coimbra na Revolução Industrial 1

Coimbra, do ponto de vista dos ideais, das novas correntes estéticas e das ideias políticas, fervilhava, no terceiro quartel do século XIX … Todavia o seu tecido produtivo continuava a ser o artesanal, muito semelhante ao que sempre fora, desde a Idade Média. Mesmo a Fábrica de Sabão, fundada em 1871 por Augusto Luiz Martha, em Santa Clara (nas proximidades da Feitoria dos Linhos e junto ao futuro Portugal dos Pequenitos) não contribuía para alterar o panorama. Com efeito, aquela não passava de uma grande oficina, que produzia sabão manualmente, como aliás continuaria a fazer, durante mais de um século, mesmo após ter instalado a linha de produção automática … nas unidades artesanais conimbricenses produziam-se artigos de primeira necessidade, sobretudo os relativos à alimentação, ao vestuário, ao alojamento e pouco mais. As fontes coevas mencionam, por exemplo: padarias, refinarias de açúcar, pastelarias e confeitarias, unidades de produção de gasosas, trabalhos de construção civil, alfaiatarias e sapatarias, cordoarias e pirotecnia.
Os produtos destinavam-se, fundamentalmente, ao mercado local ou ao autoconsumo.
… Ao aproximar-se o final de Oitocentos, chegam finalmente a Coimbra os primeiros ecos da Revolução Industrial, através da famosa Fábrica de Lanifícios de Santa Clara que, durante cerca de um século, produziu tecidos de lã, de elevada qualidade, que rivalizavam com o que de melhor se fazia no mundo … A fábrica começou a laborar em 1888 … quando foi constituída a firma “Peig, Planas & C.ª” … tendo encerrado no final dos anos de 1980.
… Além dos lanifícios, a têxtil algodoeira foi igualmente uma das indústrias-piloto da primeira fase da industrialização … Foi a firma Aníbal de Lima & Irmão (sociedade em nome coletivo, estabelecida em 1867) que introduziu a indústria de malhas em Coimbra … instalando a respetiva fábrica, sucessivamente, no Largo do Romal … no Rego de Benfins … e finalmente, na Rua do Gasómetro (futura Rua João Machado).
As suas instalações foram edificadas em 1906-1907, onde se manteve em laboração até 1978.
… Também o Banco Comercial de Coimbra … lutou com enormes dificuldades para sobreviver cerca de um quarto de século (1879-1899).
… Indústria igualmente relevante, nesta fase do desenvolvimento industrial, foi a da cerâmica e da porcelana. Também neste domínio Coimbra tinha tradição. A primeira, que remonta à Idade Média, viria a adquirir certo prestígio do século XVIII para o XIX, graças a Brioso e Vandelli. O seu legado, após uma longa interrupção, viria a ser retomado pela Cerâmica Antiga de Coimbra (Quintal do Prior, também conhecido por Terreiro da Erva), em cujo local se trabalhava o barro, pelo menos, desde 1867.
… merecem destaque, em Coimbra:

a) A Cerâmica Limitada, e a instalação da sua Fábrica no Loreto, junto à Estação de Coimbra B (em 1919), ainda recordada pelo painel de azulejos – visível da referida estação … nela chegaram a trabalhar 1.000 operários, tendo encerrado em 1980.
b) Por sua vez, em 1924, a Sociedade de Porcelanas, Ld.ª … introduziu o fabrico de porcelanas em Coimbra…

Mendes, J. A. 1910. Coimbra Rumo à Industrialização. 1888-1926. In Caminhos e Identidades da Modernidade. 1910. O Edifício Chiado em Coimbra. Actas. 1910. Coimbra, Câmara Municipal de Coimbra, pg. 138 a 143

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 12:35


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2019

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30