Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 24.11.22

Coimbra: Museu dos Transportes Urbanos. Reflexões 2

Na anterior entrada referimos o recente trabalho do Professor Doutor José Amado Mendes, intitulado O património industrial e os museus: que relação?

Vamos seguir esse texto, a fim de compreender o que se entende por património industrial.

O património industrial é um novo bem cultural e um dos patrimónios emergentes. A sua grande relevância corresponde ao significado dos fenómenos históricos a que está indissociavelmente ligado, isto é, a Revolução Industrial, o processo de industrialização e o desenvolvimento da tecnologia.

O património que nos foi legado pela industrialização é imenso … A sua diversidade é enorme e passa, entre outras, pelas seguintes modalidades: estruturas… equipamentos … aquivos, fotografias e relatos orais … meios de transportes e comunicações.

Álvarez Areces: «A arqueologia industrial como matéria que estuda, investiga e defende a preservação do património industrial está-se convertendo num movimento cultural e social que amplia, dia a dia, o marco estrito de uma disciplina académica»

O património industrial tem dado um excelente contributo à museologia, em especial à chamada nova museologia, intimamente associada à profunda renovação dos museus, à “criatividade renovada”, iniciada nos anos de 1970 e que se acelerou na década de 1980.

Texto que é ilustrado com as seguintes imagens.

O património industrial e os museus, pg. 68.png

Op. cit. Pg. 68

O património industrial e os museus, pg. 69.pngOp. cit., pg. 69

O património industrial e os museus, pg. 70.pngOp. cit., pg. 70

O Autor prossegue para, no final do artigo, apresentar as seguintes conclusões:

A evolução política, socioeconómica e cultual das comunidades, desde meados do século XX, induziu os decisores, investigadores, professores e agentes culturais a prestarem mais atenção aos vestígios e testemunhos do desenvolvimento económico, ao longo do tempo. Consequentemente, a noção de património cultural ampliou-se de forma significativa, passando a englobar novos aspetos da realidade, de entre os quais se tem destacado exatamente o património industrial.

… Simultaneamente com a valorização e preservação do dito património industrial foi criada, a partir dos anos de 1950, um novo “território” de pesquisa e ensino-aprendizagem, a Arqueologia Industrial. Esta, cujo objeto é precisamente o mencionado património industrial, tem por função o estudo e divulgação, bem como a sua salvaguarda, requalificação e reutilização de bens culturais de índole industrial, no sentido genérico da expressão e sem restrições cronológicas rígidas.

As repercussões desse novo olhar para os bens culturais de índole industrial fizeram-se sentir, por exemplo, no mundo académico – investigação, ensino-aprendizagem e publicações especializadas –, no turismo, especialmente no turismo cultural, e nas políticas e estratégias de gestão cultural, urbanística e ambiental.

No âmbito da museologia – sobretudo na “nova museologia” – os efeitos foram de grande monta e muito contribuíram para a criação ou atualização de elevado número de instituições museológicas, designadamente museus, ecomuseus e centros de interpretação. Em muitas circunstâncias, tem-se também optado pela musealização e preservação in situ de ambientes industriais, mineiras ou relacionados com os transportes e comunicações.

Importa reter esta conclusão e, pensamos, as fotografias que seguidamente publicamos encontram-se em consonância com os conceitos atrás enunciados.

A primeira mostra as primitivas instalações, onde, na Rua da Alegria, os elétricos eram reparados e, inicialmente, guardados.

Primitiva oficina e recolha dos elétricos, nas in

Primitiva oficina e recolha dos elétricos, nas instalações da R. da Alegria

A segunda apresenta a fachada exterior dessas mesmas instalações, quando ali funcionava o Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra.

Museu dos Transportes, exterior.jpg

Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra, exterior

Por último, reproduz-se um pequeno desdobrável do Museu, então elaborado.

Museu Transp Urbanos Coimbra 1.jpg

Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra, desdobrável. Col. Vítor Rochete

Tudo o que ficou dito permite-nos colocar uma questão: a musealização e a preservação dos carros elétricos e da oficina onde eles eram reparados “in situ” é, ou não adequada? Tanto uns, como a outra, fazem parte do património histórico da cidade.

A resposta é, para nós, óbvia.

Rodrigues Costa

Mendes, J.A. 2022. O património industrial e os museus: que relação? In: Revista Memória em Rede, Pelotas, v.14, n.27, Jul/Dez 2022. Pg. 59-84.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:31

Terça-feira, 22.11.22

Coimbra: Museu dos Transportes Urbanos. Reflexões 1

Carro elétrico n.º1, à saída da fábrica.jpg

Carro elétrico n.º 1, à saída da empresa construtora, J.G. Brill Company.1910.

Noticia da inauguração.jpg

Noticia da inauguração da tração elétrica em Coimbra. In: Illustração Portugueza, n.º 258. 1911.01.30, pg. 139.

Quem tem uma já longa experiência de vida, a par com uma passagem – ainda que efémera – na esfera da ação política e quem trabalhou muitos anos numa autarquia, aprendeu, obviamente, algumas regras da prática política.

No âmbito deste contexto, embora fazendo uma caricatura onde as exceções só confirmam a regra, constata-se que um político nunca diz não a um projeto que lhe seja apresentado.  Numa primeira fase afirma: sabem que a autarquia não tem dinheiro, há que estabelecer prioridades, vamos pensar.

Num segundo tempo, se a pressão dos eleitores se fizer sentir de forma muito persuasiva, declara: vamos elaborar um projeto, a fim de analisar o que fazer e os respetivos custos.

Num terceiro momento, se a pressão pública continuar a fazer-se sentir, fala-se de um projeto, que raramente é apresentado publicamente, e, simultaneamente, revela-se a respetiva orçamentação, essa sim, bem publicitada e calculada por um valor tão elevado quanto o possível; ao mesmo tempo informa-se que esta obra não cabe dentro do orçamento camarário, consequentemente iremos apresentar uma candidatura destinada a obter o seu financiamento.

Estamos perante a quadratura do círculo perfeita, pois nada de concreto é feito, nada é prometido, mas o político pode afirmar o “grande” interesse do projeto e a esperança da atribuição do tal subsídio, ainda que este não tenha viabilidade ou aponte para uma hipotética exequibilidade, num futuro tão longínquo quanto possível.

Vem esta introdução a propósito, porque, curiosamente, no mesmo dia tive conhecimento de um artigo publicado no jornal “Público”, assinado pelo jornalista Camilo Soldado e de um relato difundido em Inglaterra, nas redes sociais, por Bob Lennox, um profundo conhecedor e estudioso dos sistemas de tração elétrica e da sua musealização. Os dois textos lançam alguma luz sobre o que se passou na nossa cidade nos últimos vinte e poucos anos, tantos quantos os que já decorreram desde o encerramento do então designado “Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra”.

Para além dos referidos textos, que tenciono abordar em entradas subsequentes, remeto os leitores para um recente trabalho do Professor Doutor José Amado Mendes, que se encontra disponível na net, intitulado O património industrial e os museus: que relação?

Os textos em causa merecem uma séria reflexão, até porque nos permitem esclarecer o que se tem passado com o espólio existente no Museu, a partir do seu encerramento no ano de 2000.

Ao longo destes anos tive conhecimento de “ideias” relacionadas com a criação de um Núcleo Museológico dedicado aos transportes urbanos de Coimbra a que estava associada a existência de uma linha histórico/turística. Contudo, se foi executado um qualquer projeto que desse corpo ao Museu, a verdade é que nunca o visualizei e, em contrapartida, relativamente ao preço da concretização dessas “ideias”, já ouvi referências ao seu elevado custo e à consequente necessidade de obter financiamento para o mesmo.

Elétrico com chora. Cerca de 1911.jpg

Carro elétrico com “chora”, na Rua da Sofia, cerca 1911

Estas “ideias” lançadas sem um projeto que as suporte, conjuntamente com os textos que referi, levam-me a tecer as seguintes considerações:

- Até ao momento, não me apercebi de que tenha sido alguma vez questionada a importância histórica do património então guardado no “extinto” Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra. Muito pelo contrário, tive conhecimento da existência de um elevado número de visitantes e das frases elogiosas que, acerca da estrutura então montada, proferiram.

Cito, apenas, a título de exemplo:

. Bob Lennox: Entrei no depósito da Alegria pela última vez em fevereiro de 1980. O depósito havia sido transformado em museu e alguns carros restaurados;

. Um dos impulsionadores do similar museu da Carris de Lisboa, ao visitar o Museu conimbricense, afirmou: Vocês com pouco fizeram muito.

- É verdade que já me inteirei, vagamente, da existência de projetos e referências relacionadas com a “futura” musealização do que ainda resta do espólio então exposto no “Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra”, mas jamais me foi concedida oportunidade de consultar a referida documentação. A notícia mais marcante relacionada com este assunto assenta na apresentação feita, com pompa e circunstância, em 2010.08.08, numa cerimónia presidida pela então Vereadora do Pelouro da Cultura, de um projeto para remusealização do material existente.

Dessa cerimónia subsiste documentação fotográfica que, seguidamente, reproduzimos.

Apresentação, em  2010.08.08 ---Col. Vitor Roche

Apresentação, em 2010.08.08, de um projeto de remusealização. Col. Vítor Rochete

Apresentação, em  2010.08.08 ---Col. Vitor Roche

Outro aspeto da mesma cerimónia, em 2010.08.08. Col. Vítor Rochete

Do que ficou dito depreende-se que tem sido abordada a forma de expor o material, mas ignoram-se os cuidados a ter com o património que ainda ali existe.

Esse património necessita de manutenção permanente, tem de estar recolhido em local que não permita a sua deterioração e muito menos pode ser mandado para a sucata ou ser oferecido a outras autarquias, a fim de estas enriquecerem com ele o seu acervo museológico.

Museu dos Transportes. Interior. 1995. Foto Ernest

Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra. Vista do interior. Foto Ernst Kers

Decorrem desta reflexão as propostas que seguidamente apresento:

- Alterem a designação de “Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra” para “Núcleo do Carro Elétrico do Museu da Cidade” ou aponham-lhe outro qualquer nome que julguem mais adequado. Para descanso das consciências outrossim sensíveis, até que seja possível a concretização dos seus grandes projetos, coloquem uma placa onde se possa ler “Instalações provisórias”.

- Procedam ao faseamento desses grandes projetos, dando prioridade à musealização “in situ” do património existente e deixem para uma segunda fase outras “ideias”, tais como a criação de uma linha histórica/turística, com a qual estamos, obviamente, de acordo, mas que implica uma manutenção consideravelmente onerosa.

- O Museu que existia, teve em mente dois objetivos essenciais: por um lado, salvaguardar um exemplar de cada um dos tipos de viaturas que, ao longo do tempo, integraram a frota do sistema de transportes urbanos de Coimbra e, por outro, manter a operacionalidade da oficina/recolha, de forma a assegurar a viabilização do funcionamento de uma hipotética futura linha histórica/turística.

De acordo com o que ficou dito, sugerimos que refaçam o Museu com as peças (ainda existentes) que estiveram expostas, com êxito, durante cerca de 20 anos, embora tendo em conta, na medida do possível, a nova filosofia da musealização do património industrial.

E isto, rapidamente, antes do possível desencaminhamento do património existente que ainda integra peças únicas a nível mundial.

A concretização, das sugestões que apresento, estão perfeitamente ao alcance das capacidades económicas do Município de Coimbra sem necessidade do recurso a qualquer subsídio ou candidatura, e podem ser levadas a cabo pelos técnicos municipais do sector.

Rodrigues da Costa

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:47

Terça-feira, 18.10.22

Coimbra: Do castro primitivo à cidade de hoje 1

Com a presente entrada iniciamos a divulgação de uma interessante prova final da Licenciatura em Arquitetura, apresentada em 2017, por Carolina Conceição Ferreira, intitulada Coimbra aos pedaços: uma abordagem ao espaço urbano da cidade.

Coimbra aos pedaços, capa.png

Op. cit., capa

Coimbra implantou-se no monte a 90 metros de altura sobre um rio navegável – o Mondego.

A estrutura urbana teve início no período romano e o sistema principal para a formação do castro era simples: uma elevação, para maior controlo do restante território, um rio e a via Olissipo-Bracara Augusta, que estabelecia a comunicação terrestre com o restante território peninsular.

Estava, assim, iniciado o processo de conformação da polis com seus órgãos de poder residentes no Fórum.

A fixação inicial não demorou até extravasar os limites em direção à zona mais baixa, junto do rio e ao longo da via romana. As razões defensivas deixaram de fazer sentido e, passado o período das reconquistas e da fixação da nacionalidade, despoletaram outras vontades e outras dinâmicas para o desenvolvimento do castro inicial.

A vida urbana foi-se estabelecendo ao longo da via romana, por ser o sítio de passagem propício a trocas e a todas as atividades relacionais que a caracterizam. A pouco e pouco a aglomeração da edificação foi construindo a via que, mais tarde, passou à designação de rua. Foi o lugar privilegiado para a ação e prática da cidadania.

O limite imposto pela muralha assinalou o zoneamento de duas áreas urbanas distintas: a “alta” e a “baixa”. O desenvolvimento da cidade medieval, na parte baixa, caracterizou-se basicamente pela consolidação do núcleo arrabaldino, como uma área de intensa atividade mercantil e social.

Mais tarde chamada de Baixinha, esta zona prevalece o centro da cidade durante longo tempo, depois da cidade alta.

As marcas do tempo foram-se acumulando e persistiram, na memória, até aos nossos dias. A sua carga simbólica na cidade atual faz, deste núcleo, um centro cheio de referências históricas com características tipo-morfológicas que identificam o espaço urbano medieval. Foi o primeiro grande tema da expansão e crescimento da cidade.

Coimbra aos Pedaços, pg. 10.png

Fotografia aérea vertical da cidade com os núcleos destacados no território. Fonte: Fotografia aérea vertical. Agosto 2001. Socarto. in Coimbra Vista do Céu p.6. Original da METRO-MONDEGO SA.

 Uma segunda grande ação de expansão territorial marcou a história do século XIX, corresponde ao nascimento da urbanística como disciplina de planeamento urbano.

…. Em Coimbra, foi rasgada uma Avenida à imagem de boulevard parisiense ligando a parte baixa à parte alta da cidade e projetando-a a novas extensões de território englobando os restantes burgos periféricos no seu perímetro.

Esta ação urbanística foi grandiosa, na medida que introduziu elementos inovadores no projeto urbano - redes de saneamento, abastecimento e iluminação públicas – e conseguiu, numa grande extensão de terreno “vazio”, planear e regular toda a edificação e infraestruturação a longo prazo do território. O resultado visível revela uma estrutura sólida e funcional capaz de suportar as mudanças programáticas e morfológicas normais da cidade.

Coimbra aos pdaços. Fotografia vertical do Bairro

Fotografia vertical do Bairro de Santa Cruz em 1934. Arquivo Histórico das Forças Armadas.

Este modo de planeamento concilia o investimento público e privado, controlando e delimitando as formas edificadas de cada parcela. O desenho de projeto era utilizado em complemento com a regulamentação logística de atuação para aquele plano. O cenário urbano alterou-se radicalmente, abrindo a “cidade e os cidadãos a novas conceções políticas, sociais e estruturais.” Surgiram novas tipologias e novas relações espaciais para a vivência e organização urbana de Coimbra. O peso infraestrutural da Avenida Sá da Bandeira lançou as bases das novas formas de conexão espacial da cidade.

Noutra etapa, o Estado Novo, regime político vigente entre 1933 e 1974, marcou toda a cultura urbanística portuguesa do século XX. Caracterizou-se pelas suas políticas autoritárias e de acentuado controlo social e ideológico. Essas convicções deixaram marcas no território urbano e no desenho da cidade, acentuando a baixa densidade, o uso de tipologias unifamiliares, estruturas viárias hierarquizadas e regulamentação higienista.

A ação estratégica de urbanizar o território segundo planos e métodos uniformizadores, foi concretizada através de Planos Gerais de Urbanização para as várias cidades do país, utilizando-os para a expressão da ação e controlo do Estado sobre o espaço social.

Coimbra aos pedaços, pg. 42a.png

Antevisão da Avenida de Santa Cruz, construída à custa da demolição das construções localizadas entre as Ruas da Moeda e Bordalo Pinheiro, do desaparecimento de alguns largos medievais típicos e da destruição da Estação Nova de Caminhos-de-ferro. Fonte: Ante-projecto de urbanização da cidade de Coimbra. Étienne De Groer. 1948

… Foi o caso de Etienne De Gröer, urbanista parisiense, que elabora o plano para Coimbra e lança as bases orientadoras do processo de expansão urbana da atual cidade. Com palavras do urbanista é mostrada a intenção geral deste «Plano de Extensão e Embelezamento de Coimbra».

Ferreira, C.C. Coimbra aos pedaços. Uma abordagem ao espaço urbano da cidade. Prova Final de Licenciatura em Arquitectura pelo Departamento da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, orientada pelo Professor Arquitecto Adelino Gonçalves. 2007, acedido em https://estudogeral.uc.pt/handle/10316/13799.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 21:38

Terça-feira, 11.10.22

Coimbra: Silva Pinto e a primitiva Faculdade de Letras 3

No alçado anterior do edifício é bem notória a força de uma gramática classicizante de sabor italiano, mas embora se encontrem aqui as linhas dominantes, não podemos deixar de lhe chamar eclética, no total sentido do termo; é que o ecletismo deixou de ser interpretado como uma posição de incerteza para se transformar numa proposta de liberdade, onde não cabe mais o formulário unilateral .

…. Em arquitetura, mais do que em qualquer outra disciplina artística, os orçamentos são determinantes e a Universidade não dispunha, ao tempo, de verbas vultuosas que fizessem face a um imóvel luxuoso, no entanto queria, certamente, um edifício digno.

Antiga Faculdade de Letras. 2. Início dos anos 40

Fachada anterior da Faculdade de Letras, projetada pelo Arquiteto Silva Pinto

É dentro destes parâmetros que se apresenta a proposta do arquiteto. Bem ritmado, com o piso térreo de silharia de junta fendida e torreões marcados nas extremidades, a zona central do primeiro andar apresenta as aberturas vazadas no paramento e separadas por pilastras adossadas à parede ou por colunas duplas. A parte superior do vão das janelas oscila entre o arco de volta perfeita e o frontão triangular, para, numa liberdade criativa total, mostrar o lado inferior das ventanas colocadas nos pseudotorreões a acompanhar os degraus da escada interior.

Remata o edifício uma platibanda que faz lembrar os coroamentos tipo Adam's, com um baixo-relevo central, maqueta de Costa Mota (sobrinho), levado a cabo já em 1929.

[O relevo, que media 6x4,5 metros, ostentava na parte superior uma esfera armilar, ao centro a esfinge e na base folhas de louro, uma joeira e livros representando a ciência. Manuel de Jesus Cardoso passou à pedra o projeto apresentado pelo escultor. A imprensa local não regateou elogios ao arquiteto Silva Pinto, a Costa Mota, que já no ano anterior estivera em Coimbra, a fim de se inteirar do contexto onde seria colocada a peça e ao mestre de obras João dos Reis].

Lamentavelmente o projeto não se realizou tal como havia sido concebido. Construído ao longo de duas dezenas de anos, cedo mostrou a exiguidade de espaço. O arquiteto viu-se na necessidade de, no decorrer das obras, criar uma área maior dentro da estrutura prevista. As modificações cifraram-se no acrescento de um piso, o que obrigou os torreões a subir e a dar lugar, em cada um, a três frestas, de pés direitos lisos, coroados por uma balaustrada.

Na platibanda foram suprimidos os graciosos remates hemicirculares, os pilaretes alteados e transformados apresentavam-se agora num “resolve situações” que não eram nem colunas, nem pilastras. O local destinado ao relevo, de levemente arredondado, mudou-se para desproporcionado frontão triangular. Este novo andar, do ponto de vista gramatical, nada tem a ver com o restante edifício, e foi pena, pois o imóvel possuía uma marca de sobriedade, elegância e harmonia.

Além da fachada principal, referida detalhadamente, a construção continha ainda mais três faces a confinar lateralmente com as ruas de S. Pedro, de Entre Colégios e na zona posterior com a das Parreiras.

Antiga Faculdade de Letras. 4. Traseiras.jpgFachada posterior da Faculdade de Letras, projetada pelo Arquiteto Silva Pinto

Desta, sobressaem os três grandes janelões rasgados no paramento, a fim de iluminar a sala que se destinava a Museu. Eram coroados por um frontão triangular sobre o qual se destaca a cúpula de ferro e vidro a cobrir o recinto.

Estes alçados, embora mais modestos, não destoavam do conjunto.

Ainda quase por acabar, quando se davam os derradeiros retoques, o camartelo bramido por ordem lisboeta, embora com a aprovação (talvez implicitamente forçada) do Senado da “velha” Universidade, agora a completar sete séculos, arrasou-lhe a fachada, esventrou-lhe as entranhas e desbaratou-lhe parte da decoração.

De qualquer forma, a primeira Faculdade de Letras, no seu conjunto, expressava um maior gabarito do que a atual fachada da Biblioteca Geral, que, ao fim e ao cabo e despudoradamente, ainda se apoderou de grande parte das estruturas interiores. O amplo salão de leitura e a cúpula elíptica, de arrojado traçado, que o encimava, foram reaproveitados, embora a contextura de um mal-amanhado teto disfarce aquela composição; o mesmo aconteceu com o elegante vestíbulo e escadas de acesso.

Antiga Faculdade de Letras. 5. Portão parcial, re

Portão que fechava uma das portas da Faculdade de Letras, sem a bandeira, e atualmente instalado na entrada poente da cerca do Jardim Botânico.

Nem sequer tiveram dó dos belos portões de ferro forjado, dos magníficos lustres do mesmo material, dos lindos artefactos de talha que se encontravam portas a dentro e do grande vitral de manufatura italiana existente na vasta sala do Museu.

Mas “no reinado dos bota abaixo” o que se poderia esperar de quem não se compadeceu com o derrubar da maior parte do centro histórico da cidade e nem compreendeu o diálogo travado entre o complexo cultural e a malha urbana envolvente, bem como as relações daqueles com a massa humana que ali se movimentava e habitava?

A zona do Paço das Escolas continha em si muito mais do que meras construções, era a memória coletiva de todo um passado que não interessa renegar, mas sim compreender, até para nos abrir a porta do futuro; era o cenáculo da cultura, mas era também o local por onde  haviam passado gerações e gerações de estudantes, de frades, de professores, de funcionários; era ainda ali que o saber e os artífices se abraçavam ou se digladiavam, ficando uns no cimo da colina e estendendo-se os outros pela parte baixa da urbe. Com o derribar dos edifícios, lançaram também por terra toda esta vivência.

A personalidade e os conhecimentos do arquiteto Augusto de Carvalho da Silva Pinto ressaltam dos muitos projetos que elaborou durante a vida. O edifício da Faculdade de Letras, sobretudo na sua versão original, comprova-o.

Anacleto, R.; Poilicarpo, I.P.L. O arquitecto Silva Pinto e a Universidade de Coimbra, em Universidade(s). História. Memória. Perspectivas, vol. 2, Congresso História da Universidade. 7.º centenário. Coimbra, 1991, p. 327-346.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 19:45

Sábado, 08.10.22

Coimbra: O Batalhão Académico de 1846-1847

O Dr. Mário Araújo Torres, prosseguindo na sua senda de reeditar livros da bibliografia coimbrã, esquecidos pelo tempo, acaba de dar à estampa mais uma obra, esta dedicada aos Batalhões Académicos e, nomeadamente ao de 1846-1847.

O livro leva o seguinte título: O Batalhão Académico de 1846-1847. Notas por António dos Santos Pereira Jardim. Publicadas com aditamentos por António João Flores. Recolha de textos, introdução e notas por Mário Araújo Torres.

Batalhão Académico  de 1846.1847, capa.jpg

O Batalhão Académico de 1846-1847, capa

Batalhão Académico  de 1846.1847, contracapa.jpg

O Batalhão Académico de 1846-1847, contracapa

O original foi editada em 1888, pela Imprensa da Universidade com o título Noticia Historica do Batalhão Academico de 1846-1847. Notas do Dr. António dos Santos Pereira Jardim.

Batalhão Académico  de 1846.1847, capa 1888.jpg

O Batalhão Académico de 1846-1847, pg. 72

Na Introdução, Mário Araújo Torres faz uma breve bosquejo dos diversos Batalhões Académicos que ao longo dos tempos foram constituídos, identificando os seguintes:

- 1644-1645, no âmbito da «Guerra de Restauração»;

- No decurso das invasões francesas, por três [vezes] se organizaram … em 26 de Junho de 1808, … em 2 de janeiro de 1809 … em 9 de novembro de 1810;

- A eclosão das «lutas liberais … em 1826, foi formado um Batalhão de estudantes liberais, … na sequência da revolta do Porto, de 16 de maio de 1828, contra o Governo de D. Miguel;

- Face à Revolta dos Marechais … de julho de 1837; e

- Aquando da eclosão, em abril de 1846, da «Revolta do Minho (Maria da Fonte)».

De salientar que no texto do livro ora reeditado, nas páginas 34 e 35, é descrita a ação do Alto do Viso, do dia 1 de maio de 1847. Nessa ação se bateram com a maior bravura os 31 académicos, que nela se acharam, formando a linha de atiradores. Depois de enumerar os académicos que participaram na ação, acrescenta: Destes faleceram quatro, sendo no campo da batalha o Tenente Manuel Fialho de Abreu Simões e o Voluntário José António Carlos Madeira Torres; e depois da batalha Aires de Araújo Pereira Negrão e Domingos António Ferreira.

Batalhão Académico  de 1846.1847, pg. 9.jpg

O Batalhão Académico de 1846-1847, pg. 72 . Notas manuscritas do discurso proferido pelo Visconde de Sá da Bandeira, por ocasião do funeral de José António Carlos Madeira Torres, em 3 de maio de 1847.

 Discurso que concluía com a seguinte frase. «Durante o combate todos [os académicos] se portaram com admirável valor.

Nota: Com esta entrada, mais uma vez, se chama a atenção de todos os conimbricenses e, nomeadamente, da Câmara Municipal para a obra de grande valor cultural e histórico que, a expensas suas, Mário Araújo Torres, vem realizando.  Tenho esperança que na conferência inaugural do recomeço das Conversas Abertas, que irá proferir no dia 27 de janeiro, do próximo ano, subordinada ao tema Autodidatas ilustres de Coimbra, na segunda metade do séc. XIX, seja o momento em que, quantos amam a nossa Cidade, ao menos, lhe possam dizer de viva voz: OBRIGADO.

Rodrigues Costa

Jardim, A.S.P. e Flores, A.J. O Batalhão Académico de 1846-1847. Notas por António dos Santos Pereira Jardim. Publicadas com aditamentos por António João Flores. Recolha de textos, introdução e notas por Mário Araújo Torres. 2022. Lisboa, Edições Ex-Libris

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 12:37

Quinta-feira, 06.10.22

Coimbra: Silva Pinto e a primitiva Faculdade de Letras 2

Depois da implantação da República, as diversas conjunturas nacionais sofreram fortes mutações e a instituição universitária não escapou ao embate; suprimiram-se algumas faculdades e criaram-se outras em sua substituição, ou a preencher lacunas há muito reconhecidas. É neste contexto que o Decreto com força de lei de 19 de abril de 1911 funda a Faculdade de Letras.

… O problema das instalações colocou-se de imediato à nova direcção; como consequência solicitou ao governo a cedência do terreno onde se andava a construir o edifício destinado ao Teatro Académico e que ocupava o sítio do antigo Colégio S. Paulo.

 

Colégio de S. Paulo Apóstolo. Localização.jpg

A Faculdade de Letras foi construída no local onde outrora se erguia o Colégio de S. Paulo Apóstolo

Colégio de S. Paulo Apóstolo. Fachada nascente.j

Fachada do lado Nascente do Colégio de S. Paulo Apóstolo

A entrega deste espaço, onde atualmente se encontram erguidos, grosso modo, a Biblioteca Geral e o Arquivo da Universidade, verificou-se através da sua concessão outorgada pelo ministro do Fomento, António Aurélio da Costa Ferreira e foi festivamente noticiada pela imprensa local.

Para riscar a nova casa universitária encarregaram o arquiteto Augusto de Carvalho da Silva Pinto, professor na Escola Industrial de Brotero e que já prestava esporadicamente o seu concurso àquela instituição. O Conselho da Faculdade aprovou as plantas e alçados do novo edifício a 31 de julho de 1913.

O profissional, dada a grande envergadura do imóvel, viu aqui a possibilidade de projetar um edifício capaz de comportar os conhecimentos adquiridos na escola lisboeta e aprofundados no estrangeiro, até porque a especificidade do arquiteto reside na liberdade de escolher entre as diversas formas arquitetónicas; trata-se de uma prerrogativa individual, que brota do sentimento e não é filha da razão.

Silva Pinto projetou uma fábrica que patenteava uma fachada equilibrada e harmónica, onde os volumes e o movimento provocado pelas aberturas, pilastras e colunas jogavam com a luz.

Antiga Faculdade de Letras. 3. Esqueleto cúpula s

Faculdade de Letras primitiva, construção da cúpula

O espaço exterior do edifício apresentava uma forma entre o retangular e o trapezoidal; quanto ao interior, embora ajustando-se ao fim a que se destinava, aproveitava algumas fundações do inacabado, ou melhor, mal começado, Teatro Académico.

O então Diretor da Faculdade de Letras, Doutor António de Vasconcelos, a 12 de dezembro de 1914, escreveu-lhe uma carta a comunicar “que o Conselho da Faculdade de Letras, (...) em sessão hoje celebrada para inauguração da parte já concluída do seu edifício em construção, resolveu por unanimidade que se lançasse na acta um voto de louvor pelo “zelo, saber, competencia e desvelado carinho com que VEx.ª fez o estudo da modificação e adaptação, para instalação da Faculdade de Letras, do antigo projécto do teatro académico, aproveitando quasi toda a obra que já se achava realizada; e com que tem dirigido superiormente os trabalhos de construção do mesmo edifício.

Fazendo esta comunicação a VEx.cia junto aos louvores oficiais a expressão dos meus sentimentos pessoais de grata admiração.

“Saúde e Fraternidade.”

 Anacleto, R.; Policarpo, I.P.L. O arquitecto Silva Pinto e a Universidade de Coimbra, em Universidade(s). História. Memória. Perspectivas, vol. 2, Congresso História da Universidade. 7.º centenário. Coimbra, 1991, p. 327-346.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:04

Terça-feira, 04.10.22

Coimbra: Silva Pinto e a primitiva Faculdade de Letras 1

A primeira notícia conhecida e que nos fala da possibilidade de criar uma Faculdade de Letras na Universidade de Coimbra remonta ao tricentenário da morte de Camões, ocorrido em 1880. Este organismo e a academia não se mantiveram passivos frente a um acontecimento de tamanha monta.

Inauguração do monumento a Camões em Coimbra.jp

Coimbra, inauguração do monumento a Camões

O final do século XIX foi fértil em comemorações que iam sendo aproveitadas pelos partidos, pela monarquia ou pelas sociedades secretas. O camoniano, bem inserido no espírito romântico e imbuído de nacionalismo, em virtude da incúria real, acabou por servir os republicanos.

Procissão cívica da comemoração do centenário

Procissão cívica da comemoração do centenário camoniano. Lisboa. In: “O Occidente”

Reunido o colégio universitário conimbricense em Claustro Pleno no dia 17 de abril de 1880, foram apresentadas várias propostas tendentes a comemorar condignamente a efeméride. O Dr. Augusto Filipe Simões, entre outras medidas, apontou para a necessidade de instituir uma Faculdade de Letras, que, simultaneamente, celebrava o tricentenário e preenchia uma lacuna já sentida no quadro das faculdades vigentes.

Este alvitre veio a transformar-se em reivindicação, porque em 1888 na sessão solene da abertura da Universidade, o Reitor Adriano de Abreu Cardoso Machado, prometeu empregar todos os esforços, a fim de atingir esse objetivo e em 1907, uma comissão de professores das diversas faculdades empenhou-se para conseguir fins idênticos.

As propostas quedaram-se pelas intenções e só trinta anos após a primeira tentativa, já então num quadro político e mental bem diverso, se veio a concretizar aquilo que o Doutor António Ribeiro de Vasconcelos considerava “uma necessidade urgente e inadiável”.

Antiga e atual Faculdade de Letras.jpg

Faculdade de Letras, localizações.

Depois da implantação da República, as diversas conjunturas nacionais sofreram fortes mutações e a instituição universitária não escapou ao embate; suprimiram-se algumas faculdades e criaram-se outras em sua substituição, ou a preencher lacunas há muito reconhecidas. É neste contexto que o Decreto com força de lei de 19 de abril de 1911 funda a Faculdade de Letras.

Este alvitre veio a transformar-se em reivindicação, porque em 1888 na sessão solene da abertura da Universidade, o Reitor Adriano de Abreu Cardoso Machado, prometeu empregar todos os esforços, a fim de atingir esse objetivo e em 1907, uma comissão de professores das diversas faculdades empenhou-se para conseguir fins idênticos.

As propostas quedaram-se pelas intenções e só trinta anos após a primeira tentativa, já então num quadro político e mental bem diverso, se veio a concretizar aquilo que o Doutor António Ribeiro de Vasconcelos considerava “uma necessidade urgente e inadiável”.

Anacleto, R.; Poilicarpo, I.P.L. O arquitecto Silva Pinto e a Universidade de Coimbra, em Universidade(s). História. Memória. Perspectivas, vol. 2, Congresso História da Universidade. 7.º centenário. Coimbra, 1991, p. 327-346.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 17:30

Quinta-feira, 29.09.22

Coimbra: Silva Pinto e o Mercado D. Pedro V

…. a municipalidade no derradeiro ano do século XIX encomendou-lhe “o projeto de um mercado público destinado ao local onde se vê o de D. Pedro V”, cuja construção ocorrera em 1867.

Mercado D. Pedro V. 1.jpg

Mercado D. Pedro V, inícios do séc. XX

Verdade seja que o referido mercado nasceu em má hora; da obra completa, mais tarde retomada, mas nunca efetivada, passou-se apenas ao pavilhão destinado à venda do peixe e mesmo este arrastou-se penosamente, pois só veio a ser inaugurado a 8 de março de 1908.

A velha praça, ainda hoje ao serviço do público [1991] quase sem ter recebido nenhuma obra de beneficiação, merecia já, em 1917, [por parte do jornal “O Despertar”] este irónico comentário: “Também faz hoje 50 anos (já meio século!) que foi inaugurado o mercado D. Pedro V. Está a pedir museu das raridades”.

Mercado D. Pedro V. 5.jpg

Mercado D. Pedro V, projeto de Silva Pinto

 

Mercado D. Pedro V. 7. Pavilhão do peixe.jpg

Mercado D. Pedro V, pavilhão do peixe fachada nascente

Mercado D. Pedro V. 6.jpg

Mercado D. Pedro V, interior do pavilhão do peixe

Foi este, sem dúvida, o edifício mais ousado que Silva Pinto projetou para Coimbra. Todo em ferro, tijolo e vidro, seguia os moldes europeus. Não se pode esquecer que o arquiteto havia regressado de França onde as estruturas de ferro apareceram esporadicamente no final do século XVIII e conheceram uma verdadeira expansão nos anos quarenta de Oitocentos. Utilizadas indistintamente em edifícios utilitários ou não e ainda como material auxiliar nalgumas construções, surgem nos teatros, estufas, mercados, pontes, palácios de cristal, para atingir o delírio, em 1889, na famosa Torre Eiffel.

A estética da metalurgia é descoberta e afirma-se através das finas colunas metálicas e da plasticidade do ferro fundido.

Até mesmo John Ruskin, em 1849, embora sendo contra todo o tipo de industrialização, não deixava de afirmar que “provavelmente se avizinha uma época em que se desenvolverá um novo sistema de leis arquitetónicas, adaptadas por inteiro à construção metálica”.

No entanto, apesar de se tratar de uma construção bem dentro dos parâmetros utilizados na época, embora dentro de proporções modestas, mas de acordo com os orçamentos disponíveis, a verdade é que aquando da polémica havida, por volta de 1921, em torno da intervenção levada a cabo na igreja crúzia de S. João, transformada em “Café de Santa Cruz”, obra reprovada por Silva Pinto, como o foi por António Augusto Gonçalves e outros, um dos jornais citadinos não se eximia de, para atacar o arquiteto, apelidar de “aquário” o pavilhão da venda do peixe.

Anacleto, R.; Poilicarpo, I.P.L. O arquitecto Silva Pinto e a Universidade de Coimbra, em Universidade(s). História. Memória. Perspectivas, vol. 2, Congresso História da Universidade. 7.º centenário. Coimbra, 1991, p. 327-346.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 21:51

Terça-feira, 27.09.22

Coimbra: Silva Pinto e a expansão urbana da Cidade

A urbe mondeguina, que durante séculos vivera num apertado perímetro, devido à explosão demográfica e a um certo crescimento económico, rompe os limites tradicionais e alastra pela antiga quinta dos frades crúzios.

A Quinta foi comprada a um particular pela Câmara Municipal, em Janeiro de 1885 que pagou por ela 22.000$000 réis, mas, dois anos depois, na sessão de 17 de Fevereiro de 1887, “Resolveu fazer venda da Quinta de Santa Cruz, caso se apresente ensejo, com vantagem para o município”. Felizmente que a minoria republicana se opôs e o negócio não se efetivou (Resistencia, 228, Coimbra, 1897.05.29).

Em 1889 a zona já possuía um incipiente projecto de urbanização e iniciou-se a venda dos primeiros lotes de terreno destinados à construção de habitações. O local começava a alindar-se, mas não responde cabalmente às necessidades e o Bairro do Penedo da Saudade surge timidamente.

Em 1904 o engenheiro Augusto Barbosa é encarregado pela municipalidade de elaborar o projeto.

Silva Pinto desenha a casa do Doutor Ferrand Pimentel de Almeida, a construir na Avenida Dias da Silva e Raul Lino aproveita para expor os seus trabalhos no Instituto de Coimbra “em virtude de se estar a programar o Bairro do Penedo da Saudade, onde ficam muito bem prédios daquele tipo”.

Casa do Doutor Ferrand Pimentel de Almeida.jpg

Casa do Doutor Ferrand Pimentel de Almeida

Quase logo de seguida começa a falar-se no desenvolvimento do chamado Bairro da Cumeada, em Celas, mas o seu crescimento tarda e só bastante anos depois experimenta um verdadeiro surto de progresso.

A Universidade, a Câmara Municipal e alguns particulares utilizam os seus serviços. A primeira, a partir de 28 de outubro de 1913, passa a pagar-lhe mensalmente 5$00 “por ser o superintendente das obras”

Anacleto, R.; Poilicarpo, I.P.L. O arquitecto Silva Pinto e a Universidade de Coimbra, em Universidade(s). História. Memória. Perspectivas, vol. 2, Congresso História da Universidade. 7.º centenário. Coimbra, 1991, p. 327-346.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 20:28

Quinta-feira, 22.09.22

Personalidades de Coimbra: Arquiteto Silva Pinto

Iniciamos hoje a divulgação de um texto publicado em 1991, pelas Professoras Doutoras Regina Anacleto e Isabel Policarpo e apresentado no Congresso História da Universidade, integrado nas comemorações do sétimo centenário da Universidade em Coimbra. Desse texto, dada a sua extensão e os diferentes temas nele tratados, extraímos um conjunto de seis entradas que a seguir se publicam.

O arquiteto Augusto de Carvalho da Silva Pinto nasceu em Lisboa a 7 de maio de 1865 e era filho de João António da Silva Pinto. Depois de ter frequentado o “Instituto Industrial e Comercial de Lisboa”, matriculou-se, em 1882, no Curso Geral de Desenho da “Escola de Belas Artes” e, seguidamente, inscreveu-se na especialidade de Arquitectura Civil, que integrava o curriculum daquela escola lisboeta.

Durante algum tempo lecionou no estabelecimento de ensino onde se havia formado e onde fora aluno brilhante, mas logo de seguida partiu para Paris, a fim de se valorizar e tomar contacto com as novas correntes estéticas então ainda pouco difundidas no nosso país. Regressou em 1895 e, logo depois, veio fixar residência em Coimbra, terra que adotou como sua.

Este facto revestiu-se de grande significado para a cidade, que se encontrava afastada dos grandes centros, fechada sobre si mesma, sem possibilidade de se desenvolver, e passou a dispor de um homem com conceções arquitetónicas modernas, capaz de colocar o seu saber ao serviço da comunidade.

Logo após a chegada e acumulando com outras tarefas, entra como professor para a Escola Industrial Brotero onde permaneceu, ensinando gerações, até atingir o limite de idade; além disso, integra-se na vida artística do burgo, que quase se reduzia só à Escola Livre das Artes do Desenho fundada por Mestre António Augusto Gonçalves em 1878, e por todos os artistas e artífices que gravitavam em torno dela.

 

Arquiteto Silva Pinto.jpg

Arquiteto Augusto de Carvalho da Silva Pinto

 … Silva Pinto, ao longo dos anos que permaneceu em Coimbra não se desligou do quotidiano. Relacionado com a vida artística, pois, para além da sua atividade profissional esteve intimamente ligado com a Escola Livre das Artes do Desenho, com Mestre Gonçalves, com o Dr. Joaquim Martins Teixeira de Carvalho, mais conhecido por Quim Martins, e ainda com os numerosos artistas saídos desses dois alfobres que foram as escolas da Torre de Almedina e a Brotero, andou também de braço dado com a política.

Pertenceu ao executivo municipal, exerceu o cargo de Governador Civil Substituto e, mais tarde, por discordar do sistema vigente instaurado após 1928, conheceu mesmo as agruras da prisão. Republicano convicto acabou por ser preso a 6 de maio de 1930 e, embora libertado onze dias depois, foi-lhe imposta residência fixa em Tentúgal, até agosto do mesmo ano.

… A personalidade e os conhecimentos do arquiteto Augusto de Carvalho da Silva Pinto ressaltam dos muitos projetos que elaborou durante a vida. O edifício da Faculdade de Letras, sobretudo na sua versão original, comprova-o. É verdade que o fulgor inicial das suas realizações foi esmorecendo ao longo dos decénios. Para isso contribuiu, certamente, a estagnação económica que também se repercutiu na cidade, a guerra de 1914-1918 e ainda o facto de se ter instalado demasiadamente em Coimbra. Sem contactos com a capital e com o estrangeiro, os seus conhecimentos não evoluíram em consonância com as suas muitas capacidades e não acompanharam as novas correntes arquitetónicas, sobretudo as dimanadas de Paris que continuava a ser o “omphalos” da Arte. Acabou por ficar preso na teia que ele próprio urdira.

De qualquer forma não podemos deixar de, numa análise desapaixonada e séria, enaltecer a obra do arquiteto Augusto de Carvalho da Silva Pinto pelo trabalho desenvolvido em prol da cidade, que o não teve por berço, mas à qual se devotou inteiramente.

Anacleto, R.; Poilicarpo, I.P.L. O arquitecto Silva Pinto e a Universidade de Coimbra, em Universidade(s). História. Memória. Perspectivas, vol. 2, Congresso História da Universidade. 7.º centenário. Coimbra, 1991, p. 327-346.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 13:27


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2022

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930