Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 21.05.19

Coimbra: Mitra Episcopal 1

A Mitra Episcopal de Coimbra representa essencialmente o conjunto de bens patrimoniais que estavam destinados ao sustento e provisão do bispo de Coimbra.
A diocese de Coimbra teve sede, primitivamente, em Conímbriga, no período de romanização da Península Ibérica, depois em Emínio (Aeminium), durante o domínio dos Suevos, tendo sido nestes períodos sufragânea de Mérida e depois de Braga, e por fim ficou sedeada na cidade de Coimbra, enquanto diocese isenta.
Os limites geográficos do bispado ficaram definidos em 1253, pela bula Provisionis nostrae de Inocêncio IV, de 12 de Setembro, tendo sido retirados a Coimbra os territórios entre o rio Douro e Antuã que foram anexados ao bispado do Porto.

Inocêncio IV 03.jpg

Inocêncio IV

A área geográfica do bispado de Coimbra sofreu alterações com a criação do bispado de Leiria, pela bula Pro excellenti apostolicae sedis de Paulo III, de 22 de Maio de 1545, no reinado de D. João III, que ditou a saída de seis paróquias (Caranguejeira, Colmeias, Espite, S. Simão de Litém, Souto da Carpalhosa e Vermoil) da diocese de Coimbra que passaram a pertencer ao novo bispado.

Paulo III 01.jpg

Paulo III

Idêntica situação ocorreu aquando da criação da diocese de Aveiro, desmembrando localidades diversas do bispado de Coimbra, por breve de Clemente XIV de 12 de Abril de 1774.

Clemente XIV 01.jpg

Clemente XIV

Com a nova circunscrição diocesana ditada pela bula Gravissimum Christi de 30 de Setembro de 1881, na diocese de Coimbra foi integrada parte dos bispados de Leiria e Aveiro, que só voltaram a ser restaurados pelo papa Bento XV em 1918 (Leiria) e 1938 (Aveiro).

As doações patrimoniais à Sé de Coimbra são anteriores à fundação da nacionalidade. A necessidade de sustentação dos bispos, cónegos e mais prelados esteve na origem de várias doações, nomeadamente, a importante doação do Mosteiro da Vacariça, em 1094, por D. Raimundo e D. Urraca, e do mosteiro do Lorvão, em 1109, que apenas por sete anos esteve na posse da Mitra.

Raimundo de Borgonha 01.jpg

D. Raimundo

No entanto, as propriedades de Santa Comba Dão, Couto do Mosteiro, Midões, Vila Cova e parte da Pedrulha, que eram do dito mosteiro do Lorvão, mantiveram-se na sua posse.
Em 1082, o conde D. Henrique e D. Teresa doam à Sé de Coimbra os castelos de Coja e Arganil, altura em que os bispos de Coimbra passam a designar-se Senhores de Coja.


D. Henrique e D. Teresa. Iluminura da Genealogia d

D. Henrique e D. Teresa

A partir do reinado de D. Afonso V, o bispo de Coimbra passa a acumular o título de conde de Arganil, na sequência do reconhecimento da participação do bispo D. João Galvão nas campanhas do Norte de África (conquista de Tânger e Arzila), em 1471… concedeu também a este prelado, por provisão régia de 18 de Agosto de 1472, a vedoria mor das obras e alcaidaria-mor das comarcas da Beira e Ribacôa, razão pela qual se intitulava alcaide-mor de Avô.

Bandeira, A.M.L., Silva, A.M.D., Mendes, M.L.G. 2007. Mitra Episcopal de Coimbra: descrição arquivística e inventário do fundo documental. Acedido em 2019.04.29, em
https://www.uc.pt/auc/fundos/ficheiros/DIO_MitraEpiscopalCoimbra 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:02

Terça-feira, 30.04.19

Coimbra: Petições de grau na Universidade

No Arquivo da Universidade de Coimbra encontram-se guardadas cinco pastas forradas a veludo que, até à entrada em vigor da “Lei da Separação do Estado das Igrejas”, publicada a 20 de abril de 1911, depois da implantação da República, eram utilizadas nas cerimónias de imposição dos graus de Bacharel, de Licenciado e de Doutor.

Petição de grau. Faculdade de.jpg

Pasta das petições de grau, utilizada na Faculdade de Medicina

A diferença existente entre elas residia na cor do veludo que correspondia a cada uma das Faculdades. De notar que as cores mencionadas diferem das atualmente usadas.

- amarelo para Teologia,
- vermelho para Direito,
- castanho claro para Medicina,
- azul escuro para Matemática e Filosofia.

Dentro da cada pasta podem observar-se dois documentos impressos, escritos em latim, com as fórmulas que seguidamente se referem.
No primeiro pode ler-se:

Quid petis.jpgQuid Petis?

Os Quid Petis? – o que pedes – são todos de teor similar e eram usados na atribuição do Grau de Bacharel, Grau de Licenciado, Grau de Doutor (Quando há um só doutorando) e Grau de Doutor (quando sam dois os mais doutorandos).

No segundo documento encontra-se o texto do juramento que o candidato tinha de proferir antes de lhe ser entregue o respetivo documento comprovativo da concessão do grau.

Professio Fidei Catholicae.jpg

Professio Fidei Catholicae

Trata-se da atribuição do canudo, como é designado na gíria coimbrã.

Canudo, porque o comprovativo do grau, escrito em latim sobre pergaminho e assinado pelas entidades competentes, incluindo o Magnífico Reitor, fixa ainda umas fitas da cor da respetiva Faculdade presas a uma caixa de prata que contém, no seu interior, o selo da Universidade. O documento encontra-se enrolado e inserido numa caixa de lata com forma tubular.

Canudos e diplomas.jpg

Canudos e comprovativos de curso

Carta de curso Letras selo.JPG

Comprovativo de um curso da Faculdade de Letras, pormenor do selo

Carta de curso Direito selo.jpg

Comprovativo de um curso da Faculdade de Direito, pormenor do selo

Deste ritual resta, atualmente, a cerimónia da imposição de insígnias que concede ao candidato, de forma solene e oficial, o grau de doutor. É evidente que o Quid Petis? se encontra adaptado aos tempos hodiernos.

Doutoramento. 1959.jpg

Cortejo de um doutoramento. 1959

Agradeço à Senhora Dr.ª Ana Maria Bandeira, Técnica do Arquivo da Universidade de Coimbra a ajuda para chegar aos documentos citados.

Fonte: Arquivo da Universidade de Coimbra (Quota: Petições de Graus V-3.ª-Mov. 8-Gav. 1)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:56

Terça-feira, 16.04.19

Coimbra. Gíria dos Estudantes 3

O estudante de Coimbra nas suas relações com a sociedade em geral.

Nas transcrições efetuadas, optamos por citar as palavras e as expressões da gíria a negrito.

Água, Meter – Fazer asneira; ter um deslize.
Arder – Pagar (Todos comeram, mas só ardeu um).
Berro, Dar o – Findar; acabar (Passado um mês o jornal deu o berro).
Brasa – Mulher bonita.
Buzina – Boca (E não foram capaz de lhe fazer calar a buzina).
Cagança – Vaidade; prosápia.
Calino – Estúpido; Diário de Coimbra (Quem já leu o Calino de hoje?)
Costumes, Estudar – Ir à Baixa (… às vezes iam para a Baixa estudar costumes)

Café Montanha na Rua da Saboaria.jpgEstudantes no primitivo Café Montanha

Dependurar – Pôr na casa de penhores (No mês passado tive que dependurar o fato, porque já não tinha dinheiro).

Casa de penhores.jpg

Desempregado, Estar – Não ter namoro (Não há rapariga que o queira … está desempregado).
Desinfetar – Retirar-se; ir-se embora (Desinfeta imediatamente, aqui só atrapalhas).
Encostanço – Baile.
Fateixa, Arreganhar a – Rir (Arreganha a fateixa por tudo e por nada).
Futrica – Todo o indivíduo de Coimbra que não é estudante.
Galheiro, Ir ao – Ser vencido; derrotado. (A Académica foi ao galheiro no último desafio).
Gancho, Ser de – Ser mau (Tenham cautela, porque ele é de gancho).
Japão – Todas as que, não sendo naturais de Coimbra, a visitam acidentalmente (Hoje vai tudo para a Baixa porque chegou muito Japão).
Malvada, Encher a – Comer; comer muito.
Mangueira, Estender a – Estender a mão (foi o primeiro a estender a mangueira, quando viu o doce).
Milho – Soco; pancadaria (Deu-lhe tamanho milho que caiu logo por terra).
Mona, Cozinhar a ou Cozer a carraspana – Esperar que passe o estado de embriaguez.
Mula – Pessoa reservada, que nunca dá a conhecer as suas intenções.
Pacote – Nádegas (Deram-lhe um pontapé no pacote).
Pername – As pernas das mulheres (As bailarinas tinham um pername).
Pêro – Soco; murro.
Peva ou Pevide – Nada (durante os dias de férias, não fez pevide)
Pirisca – Velocidade; ponta de cigarro (passou agora um caro com uma pirisca; Não tinha tabaco, recorri às piriscas).
Pocha – Bolso.
Resina – Bebedeira (Durante os oito dias da Queima apanhou outras tantas resinas).

Na Queima.jpg

Estudantes na Queima

Semiscarúnfio – Quase cego de razão; esquisito, maldisposto.
Serena – Ventosidade que não provoca ruídos (Deram uma serena que fez desaparecer toda a gente).
Seringa – Guarda-chuva (É melhor levar a seringa, porque pode chover).
Tiro, Dar o – Pedir dinheiro
Traço – Diz-se da mulher que é bela e elegante (Essa mulher é um traço como nunca vi).
Trunfa – Cabeleira
Unhas, Aparar as – Impedir que alguém faça mal.
Vidro – Copo de qualquer medida (Antes do cinema, fomos beber uns vidros).

Castro, A.F. 1947. A Gíria dos Estudantes de Coimbra. Suplementos de Biblos. Série Primeira, 7. Coimbra, Faculdade de Letras

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:02

Quinta-feira, 11.04.19

Coimbra: Gíria dos Estudantes 2

O estudante de Coimbra, a vida escolar e as Instituições Académicas.
Nas transcrições efetuadas, optamos por citar as palavras e as expressões da gíria a negrito.

Aguentar-se – Dar uma lição sofrível («Não brilhou, mas aguentou-se pelo menos»).
Amélia – Elemento do naipe dos primeiros tenores do Orfeão Académico. («O Orfeão este ano tem falta de Amélias»). Este termo foi possivelmente pedido ao calão lisboeta, onde significa homem efeminado. Como os primeiros tenores são os que têm a voz mais próxima da feminina, foi-lhes dada aquela designação depreciativa.

Orfeon Arroyo (1881).jpgOrfeon Académico, dirigido por João Arroyo (1881)

Apitar – Dizer baixinho ao colega que está a ser chamado à lição o que deve responder («Se não me apitas, estou perdido»)
Barca – Nome dado ao aluno do quinto ano que protegia muitos caloiros à passagem na Porta-Férrea. («Lá vem a Barca!»).

Troças à Porta Ferrea. Novato levando às costas

À passagem da Porta-Férrea, o caloiro estava sujeito ás troças e à praxe chamada canelão, que consistia em os caloiros apanharem caneladas dos mais antigos. Para lá se passar sem perigo era necessário ir protegido por um quintanista.
Bestialógico – Exposição em que o aluno fala muito bem, mas diz poucas coisas acertadas («Concordo: fez um bestialógico, como nenhum de nós é capaz»).
Bicho – Aluno do liceu («Pertencer à briosa era o sonho dourado dos rapazes, sem embargo de saberem quanto era ingrata a vida do caloiro, só comparável à que levavam os bichos e os formigões, os seminaristas»).
Bicicleta – 8 valores («Contava passar, mas apanhei uma bicicleta»).
Boroa, Estudante de – Aluno da Escola Agrícola.
Briosa – Academia («deram-se nomeados para representar a Academia nos funerais; e, quando a briosa soube da história, já iam todos a caminho de Lisboa»).
Broeiro – Estudante pobre dos arredores de Coimbra, a quem os pais enviavam todos os géneros alimentícios.
Bufar - O mesmo que apitar.
Cabra – Sino da Torre da Universidade de Coimbra, que toca todos os dias às 18 horas, avisando os estudantes de que é tempo de recolher ao estudo.


Universidade. A Cabra.jpg

Cabrão – Sino da Torre da Universidade de Coimbra, que toca todas as manhãs, anunciando aos estudantes que há aulas. … este sino tinha um som mais grave, motivo porque lhe foi dado o nome do macho da cabra.
Cabulite – Falta de vontade para estudar («Portador de uma sintomatologia de inesperadas consequências, diagnosticada como cabulite aguda»).
Canudo – Diploma de licenciatura ou, de bacharelato. Tal designação, dada à carta de curso, provém do facto de ela ser entregue outrora ao novo bacharel ou licenciado, dentro de um canudo de lata.
Chichar – Anotar os livros escolares, nas entrelinhas ou à margem («Estava a traduzir muito bem, quando o mestre se levantou e descobriu que eu tinha o livro chichado»).
Cornos, meter nos – Decorar, fixar («Ainda que tenho que meter nos cornos toda esta coisa, apenas com dois dias antes dos atos»).
Coxo, passar – Transitar de classe, reprovado numa disciplina.
Cu, frequência de – Diz-se quando o aluno vai à aula só para marcar a presença, não ligando importância às preleções do mestre nem as acompanhando do estudo necessário («Não podia passar, só tinha frequência de cu»).
Cuspo, lição colada com – Lição estudada à última hora e que facilmente se esquece.
Empinar – Decorar («Adeus! Vou para casa empinar umas fórmulas»).
Espalhanço – Má lição.
Fera – Mestre muito exigente e que reprova muito.
Lebre, andar à – Recorrer aos amigos, quer para se alojar, quer para comer.
Mergulhar – Diz-se do aluno que se deixa escorregar pela carteira, para que o mestre não veja e não o chame à lição.
Patavina, não saber ou não pescar – Não saber nada.
Rabeca – Cama de estudante.
Rasgar [posteriormente, rasganço] – Ação de fazer em tiras todas as peças do vestuário do estudante, exceto a capa, no dia que conclui o seu curso. (Já hoje rasgaram cinco em Medicina).

Rasganço.jpg

Rasgar, ou rasganço

Sebenta – Espécie de apontamentos coligidos pelos alunos segundo as lições do mestre e, muitas vezes, revistos por este.
Tapar – Dar o número máximo de faltas permitido pela lei.

Castro, A.F. 1947. A Gíria dos Estudantes de Coimbra. Suplementos de Biblos. Série Primeira, 7. Coimbra, Faculdade de Letras

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 19:59

Terça-feira, 09.04.19

Coimbra: Gíria dos Estudantes 1

Centramo-nos hoje numa dissertação de licenciatura em Filologia Românica, publicada em 1947, e que aborda a gíria dos estudantes de Coimbra no final do século XIX e na primeira metade do século XX.
A obra encontra-se, fundamentalmente, dividida em três partes: Introdução; O estudante de Coimbra, a vida escolar e as Instituições Académicas; e O estudante de Coimbra nas suas relações com a sociedade em geral.
Determinámos dedicar uma entrada a cada parte.
Nas transcrições efetuadas, optamos por citar as palavras e as expressões da gíria a negrito.

As gírias não têm uma sintaxe sua e, por esse motivo, não nos é permitido considerá-las como línguas propriamente ditas ou mesmo dialetos. São antes, para nos exprimirmos com mais rigor, vocabulários usados por determinados grupos cujos termos aparecem «enxertados» na língua corrente.
… Os processos de formação das gírias … de uma maneira geral, são os mesmos que usa a língua comum, e, sob este aspeto, a gíria e a linguagem comum chegam a identificar-se.
O que caracteriza, depois, as gírias é o facto de elas não serem compreendidas senão pelos iniciados, tornando-se secretas para todos os outros, e um como que elemento de defesa do grupo que a fala.
… Assim a gíria académica serve-se, por vezes, do latim para exprimir certas ideias … quando querem dizer que um estudante não sabe nada da lição, por a não ter estudado, traduzem esse facto pela expressão in albis … usam mesmo a forma latina decretus,

Decreto c.jpg

para designar as decisões respeitantes às praxes emanadas do Conselho de Veteranos ou pecunia para significar dinheiro, como no próprio latim; se alguém não tem dinheiro diz-se que anda a pauperibus. Outras vezes chega até a dar feição latina às palavras portuguesas, o que se verifica na expressão ir a calcantibus, querendo significar ir a pé.
… Na linguagem dos estudantes encontraremos, pois, palavras como trupe grupo de académicos que depois do toque da cabra, à tarde, anda em busca de caloiros ou bichos para lhe cortar o cabelo, e que se foi buscar ao francês troupe.
O inglês contribui também com alguns elementos para a formação da gíria académica coimbrã. Lembremos, por exemplo, cow-boy, pessoa simpática e divertida; o seu derivado, já aportuguesado, cowboiada, filme interpretado por cow-boys … mas significando também qualquer situação divertida; e poney com o significado de elegante. Temos também o nome próprio Power, lindo entre nós por póver, e que é dado aos homens que andam rigorosamente na moda … Não pegar nos books é outra expressão em que entra a língua inglesa, e que quer dizer não estudar nada.
… podemos citar [do italiano] o vocábulo nente para significar nada, proveniente, segundo alguns, da palavra italiana niente.
… a gíria académica usa da composição. Temos em primeiro lugar, a composição por meio de dois elementos…pinga-amor, indivíduo que dedica a maior parte do seu tempo a dirigir galanteios às raparigas … lagarto-azul, nome porque eram conhecidos os alunos da Escola Industrial.
… Quanto à composição por meio de prefixos … desgranizar era o termo empregado na aceção de dar, passar, etc., já caído em desuso. Tem a sua origem no facto de existir em Coimbra, no tempo do célebre boémio Pad-Zé, autor do termo, um merceeiro chamado Graniza que fornecia os estudantes, por vezes a crédito, embora mui custosamente. Então, quando desejava alguma coisa, Pad-Zé, seu vizinho, pedia mesmo da janela: Ó Graniza, desgraniza para cá isto ou aquilo! … E o nosso homem, embora com muita pouca vontade, sempre desgranizava.

Pad'Zé 02.jpg

O Pad-Zé

… A gíria académica serve-se dos sufixos que a língua comum lhe pode oferecer e utiliza outros que lhe são próprios.
No primeiro caso deparamos com as palavras do tipo de amélice, ato do que é Amélia: Falcoada, derivada de Falcão, designando a ação em que um grupo de estudantes deixa de pagar qualquer despesa feita; fiteiro o que simula qualquer coisa; gazeteiro, o que falta às aulas; manteigueiro … o que designa o que é adulador; martelão, o aluno que estuda muito; chumbaria na aceção de grande quantidade de chumbos; coelheira, as últimas carteiras da sala de aula.
… No segundo caso copianço de copiar, que designa a ação de copiar; rapanço de rapar, cortar os cabelos aos caloiros ou bichos; encostanço de encostar, para traduzir a ação de dançar.
… Um outro elemento de que as gírias se servem é a perífrase … um indivíduo foi armado com asas de pau querendo significar que foi sovado … se um estudante diz a outro que pagou cinquenta escudos para a Banda da Polícia não significará nada mais do que … esteve preso
… Não podemos esquecer, ao tratar da criação das gírias, do papel representado pelo eufemismo… Um exemplo … é o facto de um estudante chamar Museu a um determinado … prostibulo de Coimbra … Em qualquer parte, mesmo num salão, poderemos ouvir um académico perguntar a outro se vai para leste, quando deseja saber se ele se dirige a qualquer casa de prostituição. A origem da expressão é engraçada e nasceu do facto de quase todas essas casas se encontrarem naquela direção, nas diversas terras percorridas pelo Orfeão Académico numa das suas viagens.
A prostituta será denominada de uma maneira mais atenuada: chamar-se-lhe-á borboleta, imagem de certo modo agradável.

Castro, A.F. 1947. A Gíria dos Estudantes de Coimbra. Suplementos de Biblos. Série Primeira, 7. Coimbra, Faculdade de Letras

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:51

Segunda-feira, 08.04.19

Coimbra: Cemitério da Conchada, visita guiada terça-feira, dia 9 de abril, ás 15h00

A Senhora Professora Doutora Regina Anacleto vai voltar a realizar uma visita guiada ao Cemitério da Conchada, na próxima terça-feira, dia 9 de abril, às 15h00.
Esta visita, com a duração prevista de uma hora, foi solicitada pelo Delegado da Servilusa em Coimbra, estando aberta a todos os que nela queiram participar, não sendo necessária inscrição prévia.
O programa da visita é o seguinte:

- Concentração dos participantes no jardim fronteiro à porta principal do cemitério da Conchada.

- Breve exposição: o culto dos mortos ao longo dos tempos e o estabelecimento dos cemitérios em Portugal; as particularidades do cemitério da Conchada; projeto inicial e aumentos.

- Percurso:
1. Portão principal: Anjo da Paz Eterna (Autor: Daniel Rodrigues, 1941)

Cemitério da Conchada Portão 1.JPG

Cemitério da Conchada Portão

2. Jazigo modernista da Família Brinca Esteves. Anjo (Autor: Ana de Gonta Colaço, 1950)
3. Jazigo neomanuelino da Família de Francisco Mendes da Silva (Alberto Caetano, 1924)
4. Jazigo dos condes das Canas. [Jazigo subterrâneo ou mausoléu de mármore (1865) transformado depois de 1879 em mausoléu-capela]
5. Jazigo neorrenascença de António José de Moura Basto (João Machado, 1898)
6. Jazigo neorromânico da Família de Antonio José Gonçalves Neves (João Machado, 1896)

Cemitério da Conchada jazigo 3.JPG

Cemitério da Conchada jazigo

7. Jazigo neogótico do Arcediago José Simões Dias e sua Família (J. C. Correa e C.ª (Primos) / 20 Rua do Corpo Santo 22 / Lisboa)
8. Jazigo da Família de Daniel Rodrigues (porta do jazigo: Daniel Rodrigues, 1938)
9. Jazigo neobarroco de José Barata da Silva (sem autor e sem data)
10. Jazigo arte nova de Evaristo Lopes Guimarães (João Machado, 1905)
11. Jazigo arte nova “À nossa Zira”. Família de Augusto F. Carvalho e Esposa Adelaide Eliseu Carvalho (Santos, Filho, 1931)
12. Mausoléu arte nova da Família Mattos Sobral Cid (João Machado, 1914)
13. Monumento funerário de homenagem a António Augusto Gonçalves (busto da autoria de Costa Mota, sobrinho) [depois de 1932, ano em que AAG morreu]
14. Arqueta neogótica da filha de Marques Ribeiro (João Machado, 1917)
15. Jazigo neoegípcio de João Jacintho da Silva Corrêa (João Machado, antes de 1925)
16. Jazigo neogótico dos condes do Ameal (Silva Pinto/Costa Mota Tio. c. 1890)
17. Jazigo neorrenascença de Maximino Augusto da Cunha (João Machado, 1915)
18. Jazigo neomanuelino de Luís de Sousa Gonzaga (José Barata, depois de 1921)

Cemitério da Conchada jazigo 4.JPG

Cemitério da Conchada jazigo

19. Jazigo neoclássico de Maria do Céu (Medalhão de João da Silva, 1933)
20. Mausoléu de João Machado [1862-1925] (João Machado, Filho (?), depois de 1925)

Nota: O autor da peça e a data da sua execução vai indicado entre parenteses

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 12:26

Quinta-feira, 04.04.19

Coimbra: Edifício na Alameda Júlio Henriques

Um leitor do blogue A’Cerca de Coimbra questionou-me acerca do edifício onde atualmente funciona a Administração Regional de Saúde do Centro. Indagando, consegui reunir algumas informações relacionadas com o mesmo.

Elemento destacado no largo de São João, a que se junta a fachada da igreja de São João de Almedina, o paço episcopal é digno de referência em diferentes autores nos finais do século XIX, que enaltecem a sua qualidade estilística maioritariamente assente no período maneirista. No «Roteiro Illustrado do Viajante em Coimbra», publicado nos finais de 1894 António Augusto Gonçalves … aponta os efeitos negativos de uma «moderna e insensata renovação do lanço norte», e aponta [o] preocupante estado de conservação do edifício, aludindo-o nos seguintes termos «O palácio está em ruína; parte do interior inhabitavel e a reforma é instante»

Paço episcopal. Finais do XIX.JPG

Paço episcopal, fotografia do Álbum de Jorge Oliveira

A presente citação de Gonçalves revela uma alusão, ainda que de modo subtil, às vicissitudes do recinto nos finais de oitocentos, alvo de uma polémica reforma que marcou de forma irreversível o bloco norte do paço episcopal. A referida centúria trouxe períodos conturbados ao referido edifício … Após a saída de D. Joaquim de Nossa Senhora da Nazaré, a 7 de Maio de 1834, a residência episcopal sofreu as intempéries de um espaço desocupado, como mais tarde historiou António de Vasconcelos: «A soldadesca e a populaça invadiram o paço episcopal desabitado, e principiaram a roubar e a estragar tudo, arrombando portas, escalando janelas, etc.

Paço episcoal e arco.jpgPaço episcopal. Finais do XIX

… O Estado tomou posse do imóvel … e um regimento de cavalaria chegou a usufruir dos seus espaços até aos primeiros anos da década de 1850, época em que a mitra voltou aos antigos aposentos, através dos esforços levados a cabo pelo bispo D. Manuel Bento Rodrigues da Silva.

D. Manuel Correia de Bastos Pina (O Occidente, 190

D. Manuel Correia de Bastos Pina

No início da vigência do prelado D. Manuel Correia de Bastos Pina foi tomada a decisão de desocupar o palácio episcopal e reconstruir um novo edifício, destinado às mesmas funções, nas proximidades do mosteiro de Santa Ana. Esta solução apresenta-se no periódico «O Conimbricense», a 21 de outubro de 1873, como uma ideia salutar. Adjetivando o paço de «indecoroso pelo estado em que encontra».
… No mesmo sentido, foi levada a cabo uma proposta de lei, apresentada, a 20 de fevereiro de 1874, pelo governo à câmara dos deputados, consentindo ao prelado diocesano a venda do velho paço episcopal e a aplicação dos lucros obtidos nas expensas necessárias à edificação do novo.
… A edificação do novo edifício na cerca do mosteiro de Santa Ana iniciou-se nos finais da década de 1870, a partir de um projeto de Matias Cipriano Pereira Heitor de Macedo. A constante paragem das obras por falta de verba e o desagrado de D. Manuel Correia de Bastos Pina em relação a diversos aspetos do plano (1) levaram à desistência por parte do antístite, da ocupação do novo paço e, mais tarde, à consequente reconversão deste, sob expensas do Estado, no intuito de albergar um hospital para coléricos.

Edificio a ARS.JPGEdifício da Administração Regional de Saúde do Centro. Fachada principal

Nos dias-de-hoje são visíveis as marcas da função original, através das insígnias do citado bispo insculpidas no frontão triangular da fachada principal do edifício que alberga a Administração Regional de Saúde do Centro.

Frontão com as armas episcopais.JPGEdifício da Administração Regional de Saúde do Centro. Fachada principal, frontão com as armas epicopais de D. Manuel Correia de Bastos Pina

XXX

Porque o governo se tinha apoderado do paço episcopal, que viria a ser ocupado como museu, foi no seminário que se instalou o prelado quando, no final de 1912, voltou a Coimbra.

2017-09-05 14.25.06.jpgResidência episcopal no Seminário de Coimbra

(1) Segundo Milton Pedro Dias Pacheco, «Paira ainda hoje na memória dos eclesiásticos diocesanos … que Dom Manuel recusara o edifício por um simples motivo: o facto de lhe ter sido sempre negada a participação na traça arquitetónica do edifício, principalmente na organização interna das várias dependências e que viria a culminar na inadequação para receber os vários serviços da chancelaria episcopal.»

Freitas, D.M.R. 2014. Memorial de um complexo arquitectónico enquanto espaço museológico: Museu Machado de Castro (1911-1965). Tese de doutoramento em Letras, área de História … apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Vol. I, pg. 208-210 [policopiado]
Ramos, A.J. 1995. O Bispo de Coimbra D. Manuel Correia de Bastos Pina. Dissertatio ad Doctoratum in Facultate Historiae Ecclesiasticae. Ponttificiae Universitatis Gregorianae. Coimbra, Gráfica de Coimbra

Nota: Temos memória de neste edifício ter funcionado, durante muitos anos a Maternidade dos HUC e, posteriormente, o serviço de Ortopedia e simultaneamente ou posteriormente, algumas outras enfermarias, uma das quais a de Urologia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 18:40

Quarta-feira, 03.04.19

Coimbra: Cemitério da Conchada, visita guiada terça-feira, dia 9 de abril, ás 15h00

A Senhora Professora Doutora Regina Anacleto vai voltar a realizar uma visita guiada ao Cemitério da Conchada, na próxima terça-feira, dia 9 de abril, às 15h00.
Esta visita, com a duração prevista de uma hora, foi solicitada pelo Delegado da Servilusa em Coimbra, estando aberta a todos os que nela queiram participar, não sendo necessária inscrição prévia.
O programa da visita é o seguinte:

- Concentração dos participantes no jardim fronteiro à porta principal do cemitério da Conchada.

- Breve exposição: o culto dos mortos ao longo dos tempos e o estabelecimento dos cemitérios em Portugal; as particularidades do cemitério da Conchada; projeto inicial e aumentos.

- Percurso:
1. Portão principal: Anjo da Paz Eterna (Autor: Daniel Rodrigues, 1941)

Cemitério da Conchada Portão 2.JPG

2. Jazigo modernista da Família Brinca Esteves. Anjo (Autor: Ana de Gonta Colaço, 1950)
3. Jazigo neomanuelino da Família de Francisco Mendes da Silva (Alberto Caetano, 1924)

Cemitério da Conchada jazigo 1.JPG

4. Jazigo dos condes das Canas. [Jazigo subterrâneo ou mausoléu de mármore (1865) transformado depois de 1879 em mausoléu-capela]
5. Jazigo neorrenascença de António José de Moura Basto (João Machado, 1898)
6. Jazigo neorromânico da Família de António José Gonçalves Neves (João Machado, 1896)
7. Jazigo neogótico do Arcediago José Simões Dias e sua Família (J. C. Correa e C.ª (Primos) / 20 Rua do Corpo Santo 22 / Lisboa)
8. Jazigo da Família de Daniel Rodrigues (porta do jazigo: Daniel Rodrigues, 1938)
9. Jazigo neobarroco de José Barata da Silva (sem autor e sem data)
10. Jazigo arte nova de Evaristo Lopes Guimarães (João Machado, 1905)
11. Jazigo arte nova “À nossa Zira”. Família de Augusto F. Carvalho e Esposa Adelaide Eliseu Carvalho (Santos, Filho, 1931)
12. Mausoléu arte nova da Família Mattos Sobral Cid (João Machado, 1914)

Cemitério da Conchada jazigo 2.JPG

13. Monumento funerário de homenagem a António Augusto Gonçalves (busto da autoria de Costa Mota, sobrinho) [depois de 1932, ano em que AAG morreu]
14. Arqueta neogótica da filha de Marques Ribeiro (João Machado, 1917)
15. Jazigo neoegípcio de João Jacintho da Silva Corrêa (João Machado, antes de 1925)
16. Jazigo neogótico dos condes do Ameal (Silva Pinto/Costa Mota Tio. c. 1890)
17. Jazigo neorrenascença de Maximino Augusto da Cunha (João Machado, 1915)
18. Jazigo neomanuelino de Luís de Sousa Gonzaga (José Barata, depois de 1921)
19. Jazigo neoclássico de Maria do Céu (Medalhão de João da Silva, 1933)
20. Mausoléu de João Machado [1862-1925] (João Machado, Filho (?), depois de 1925)

Nota: O autor da peça e a data da sua execução vai indicado entre parenteses

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 19:40

Terça-feira, 26.03.19

Coimbra: António Nobre e a paisagem de Coimbra

Coloquemos António Nobre em Coimbra. Ele que já antes de ser um tísico declarado no corpo o era, da alma … em Coimbra vem encontrar o seu meio próprio, uma terra carinhosa que o compreende, que lhe dá alguma felicidade. Que o compreende …, melhor: que ele molda em si. Aqui a luz inapagável do seu eu encontra à vontade chapas a impressionar.

António Nobre, estudante de Coimbra.jpg

António Nobre, estudante de Coimbra

E porquê? Porque Coimbra é … essencialmente sombras. Nobre, o estudante sentimental, enrodilha-se no fio da tradição coimbrã, caracterizadamente estudantil – e pouco luta para se libertar; mas até essa pequena luta, esse viver ativo encontra almas que o compreendem: as dos seus companheiros, moços como ele, com muitos dos defeitos dele, representantes de Portugal inteiro, cera moldável pelas mãos dum artista.
…. Coimbra oferece-lhe monumentos que séculos carcomiram, ruas calcadas por muitas gerações, casas cujas paredes estão negras de ver passar milhares de capas. Tudo evoca o passado; por toda a parte há sombras.

Torre de Anto, onde António Nobre viveu.jpg

Torre de Anto, onde António Nobre viveu

… É atingido duma doença estranha que ele próprio diagnostica: «medievalite». Vive numa torre de velhas eras que antropomorfiza:

«Pelos seus muros verde suor escorre
Porque há mil anos que ela está de pé.»

… «Certamente morro com uma torrite. Tem sido tal a minha adoração por ela («a torre»), nestes dias, que chego a ter uma verdadeira obsessão, andando a escrever a lápis por todas as ogivas, por todas as portas, por todos os cantos: «Anto»! «Anto»! «Torre-de-Anto»!

…. Mas Nobre não ama só o passado: ama tudo onde possa espelhar o seu ideal. Tudo isso – e só isso. Era um artista: a bela paisagem coimbrã tinha de o compreender; melhor: tinha de ser por ele compreendida. Idealismo na alma – realismo na obra: Nobre entende, por exemplo os choupos, de que tanto fala: anima-os como anima a torre de onde os choupos se veem:

«Georges entra e vê: o sol que entre os choupos morre
E a velha Coimbra anoitecendo, vê!»

Monumento a António Nobre no Penedo da Saudade.jp

Monumento a António Nobre no Penedo da Saudade

…. Pelo exposto bem se compreende, julgo, o grande amor de António Nobre por Coimbra. Coimbra era … como que a sua casa ideal, cheia de tradição, envolvida por uma paisagem sombria, dormindo ao som do fado e das guitarradas … Ainda ele não havia começado o seu peregrinar pelo mundo, e já afirmava que em parte alguma existia paisagem com esta:

«Que lindas coisas a lendária Coimbra encerra!
Que paisagem lunar que é a mais doce da Terra!
Que extraordinárias e medievas raparigas!
E o rio? e as fontes? e as fogueiras? e as cantigas?»

Arnaut, S. D. 1967. António Nobre e a paisagem de Coimbra. Coimbra, Livraria Almedina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:28

Quinta-feira, 28.02.19

Coimbra: Estalagens Coimbrãs e do seu termo 2

Ao longo do texto de Carneiro da Silva As Estalagens Coimbrãs e do seu termo, para além das três estalagens mencionadas na entrada anterior, são ainda referidas:

- Estalagem de Santa Clara, primeira
… nas reuniões da Câmara de 22 de julho de 1642 e na de julho de 1644, se discutiram os problemas que o estalajadeiro … criava na sua «Estalagem de Santa Clara» … por estar notificado não usasse de venda nem de agasalho pessoa alguma em sua casa, de «mau viver», e ele fazia o contrário.

- Estalagem de Santa Clara, segunda

Panorâmica do Bairro de Santa Clara aa.JPG

Panorâmica do bairro de Santa Clara. Notar a estrada para Lisboa, e no extremo esquerdo da gravura [não identificada] o que foi segunda estalagem de Santa Clara

Em 1674, Cosme Francisco Guimarães, morador em Sansão, pagava o foro de 200 reis de explorar aquela estalagem no Rossio de Santa Clara [a qual fora construída] «para substituir outras que se tinham arruinado com as cheias perto da ponte.»

- Estalagem na Rua da Sofia
Na passagem do século XVI existiu na Rua da Sofia, na vizinhança da entrada da Rua Nova [uma estalagem que] Diogo Marmeleiro de Noronha … fizera … para agasalho dos passageiros e caminhantes com muito gasalhos e camaras fechadas para fidalgos e pessoas graves.

- Estalagem da Quinta da Portela
Em 16 de Dezembro de 1624 «Diogo Marmeleiro de Noronha me enviou dizer por sua petição que ele queria fazer junto à sua Quinta e lugar da Portela uma estalagem que seria de grande comodidade dos passageiros que caminhavam por aquela estrada que era das mais seguidas da dita cidade por ser a de Madrid e por naquela paragem passar uma barca o rio Mondego, que quando no inverno com alguma cheia não podia passar a dita barca, e os que então caminhavam ficavam dormindo pelos pés das árvores sem terem nenhum agasalho pelo que me pedia lhe fizesse mercê de lhe privilegiar a dita estalagem e mandar passar seu privilégio».

Para além destas surgem, ainda, as seguintes outras referências a estalagens:

- Estalagem das Cardosas
No Paço do Conde … onde hoje está [esteve] uma casa de brinquedos, e onde serviu uma Mariana que há muito deve atender os viandantes do céu.

- Estalagem do Lopes ou Hospedaria do Caes Novo
Situava-se nas imediações do atual Banco de Portugal, visto que tinha outra entrada pela Rua do Sargento-Mor, e ter particularidade de ser pouso de estudantes endinheirados, acabados de chegar, até se mudarem para o seu território da Alta.

Na parte final do texto o Autor refere ainda que Camilo esteve hospedado na «Marquinhas do Leite Morno», na Rua Larga … e que pelos séculos XVII, XVIII e XIX existiram no burgo as estalagens «do Galego» … do «Fernando» mais conhecida pela «Estalagem do Inferno» a do «Raimundo da Teodora» … a do «Francisco Lopes de Carvalho», próximo da ponte, e a hospedaria do «João de Aveiro» que um incêndio destruiu em 1902.
Aqui e ali, muitas vezes nas proximidades das estalagens, existiam também as «albergarias».

Silva, A.C. As Estalagens Coimbrãs e do seu termo. Separata da Munda. 1988.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:38


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031