Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 05.11.20

Coimbra: Museu dos Transportes Urbanos 4

A terminar esta sequência de entradas, transcrevo um documento que elaborei, em 6 de dezembro de 2016, após uma visita que fiz ao que resta do Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra.

Núcleo do Carro Elétrico

Não obstante o que de mau ali foi feito, a parte essencial do património histórico subsistiu a anos de abandono, facto que permite considerar a imediata reabertura do Núcleo. Importa, salientar os factos a seguir referidos.

1 – Trabalhos realizados depois da minha saída da CMC e até 2001

- Reinstalação parcial da exposição inicial.

- Inventariação, catalogação e fotografia das peças existentes.

- Elaboração de um anteprojeto – que inclui peças arquitetónicas – tendo em vista a apresentação de uma candidatura para financiamento, visando a instalação do Núcleo, nas condições museológicas, hoje exigíveis. 

Não me tendo sido facultado o acesso a esse documento, em conversa havida com as Técnicas da Divisão de Bibliotecas e Museus, Srªs. Dr.ªs Berta Duarte e Elizabete Carvalho, foi-me referido que o mesmo, com algumas atualizações, se mantem em condições de ser desenvolvido.

2 – Trabalhos realizados em 2004, aquando do encerramento do Museu para a instalação de um grupo de teatro, com o consequente abandono do projeto de candidatura a um financiamento

- Arrumação das peças de menor dimensão, separadas em tabuleiros por tipologia, os quais ainda se encontram, junto ao portão de acesso dos elétricos. Trabalho que foi realizado por uma equipa orientada pela Dr.ª Elizabete Carvalho e que incluiu antigos funcionários dos SMTUC.

 

Edificio onde funcionou o Museu dos Transportes Ur

Edifício onde funcionou o Museu dos Transportes Urbanos. Col. Carlos Ferrão

3 – Situação verificada em 06.12.2016

3.1 – Foi retirado o seguinte espólio:

3.1.1 – O truck/chassis e motores do elétrico nº 19 que permitia a compreensão do funcionamento do veículo, pelo que importaria tentar a sua recuperação. Esta peça teria sido cedida – emprestada, ou dada – ao Museu dos Elétricos de Sintra, onde está exposto;

 

thumbnail_Truck 79E SMC 19 - 1995(1).jpgTruck e motor elétrico quando expostos no Museu. Imagem cedida por Ernst Kers

 

120568997_3497549953637377_7564877325494554977_o.j

Truck cedido pela CMC ao Museu de Sintra, na atualidade. Foto Pedro Mendes

3.1.2 – O troleicarro n.º 21, que foi o primeiro deste tipo de veículos a circular em Coimbra. Embora já não no estado inicial, e que estará resguardado nas instalações dos SMTUC;

22.jpg

Troleicarro n.º 21, na forma inicial. Acedido em https://sites.google.com/site/transportesurbanosdecoimbra/troleis?fbclid=IwAR3LxP4hNcAFbz5jgs1nUW7uP2Q9CNauRFirgCfqx2q1Er25jNDyPtc5SPY

3.1.3 – O autocarro nº 8, de marca Volvo, dos anos cinquenta do passado século, de que se desconhece o paradeiro, depois de ter estado algum tempo na parada dos SMTUC;

3.1.4 – O carro torre utilizado na manutenção da rede aérea, de marca Hansa-Lyod, oriundo de Braga, em ordem ao qual haveria todo o interesse em voltar a integrar o património do Núcleo.

view 3.15.jpg

Carro-torre, a última fotografia conhecida, depois de ter integrado o acervo do Museu. Foto Pedro Mendes

3.2 – Foi desmontado:

3.2.1 – A rede aérea, a qual permitia quer a iluminação dos carros elétricos, quer a sua periódica movimentação;

3.2.2 – A central elétrica de produção da energia de alimentação da rede dos carros elétricos – a central da Alegria montada em 1910 – que estava contigua ao Núcleo, cuja desmontagem e dispersão classificamos como um grave atentado ao património da cidade. Dos equipamentos que a constituíam resta um gerador, sendo que desconhecemos o destino dos demais elementos. Importa salientar que a reposição, pelo menos, da iluminação dos carros elétricos, constituirá a principal dificuldade técnica a vencer para a reabertura do Núcleo;

3.2.3 – A bancada de trabalho, bem como os expositores que se encontravam colocados sobre a mesma, contendo as ferramentas específicas utlizadas para a manutenção dos carros elétricos.

3.3 – Novo espólio

Passou a integrar o património do Núcleo o já referido gerador da central da Alegria, que teria vindo, em 2010, do extinto Museu Nacional da Ciência e Técnica.

3.4 – Material da exposição «Cem anos da tração elétrica em Coimbra»

O material criado para esta exposição realizada no edifício Chiado, em outubro de 2011, nomeadamente fotografias de grande dimensão, foi reinstalado no Núcleo, sendo um bom ponto de partida para a sua reabertura.

3.5 – Renovação do espaço museológico

3.5.1 – O espaço museológico está carecido de uma limpeza geral face ao pó acumulado ao longo do tempo. Recordo que, no tempo em que fui Diretor do Museu, tive ocasião de obter a ajuda dos Sapadores Bombeiros que com agulhetas limpavam periodicamente o chão.

3.5.2 – Pelo Administrador dos SMASC foi afirmada a disponibilidade para a demolição do refeitório construído no espaço do Núcleo e sua consequente reintegração no mesmo.

3.5.3 – Seria, também, conveniente o alargamento das obras em curso de pintura das paredes exteriores às paredes interiores e janelas.

3.5.4 – Neste âmbito haverá – tendo em vista o que se refere no ponto 3.2.2 – que se proceder á revisão do sistema de iluminação.

4 - Conclusão

Julgamos possível, necessária e urgente a imediata reabertura do Núcleo do Carro Elétrico, numa situação similar, mas melhorada, relativamente ao que existia à data do seu encerramento, mas, agora integrado, no âmbito do Museu Municipal de Coimbra.

Julgamos importante e necessário o reativar do processo de candidatura ao financiamento da obra de fundo de que o Núcleo está carecido.

Rodrigues Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 18:29

Terça-feira, 03.11.20

Coimbra: Museu dos Transportes Urbanos 3

  1. Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra

2.1 - Da criação do Museu

A decisão da criação do Museu dos Transportes Urbanos foi tomada em 1982, pelo Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados de Coimbra, no âmbito das Comemorações dos 35 anos da instalação da primeira linha de troleicarros, em Portugal.

Mas a concretização de tal projecto só viria a ocorrer em 1984, quando foi aprovado o «Regulamento do Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra» e instalados os respectivos órgãos directivos ficando, assim, o Museu dotado de personalidade jurídica e autonomia financeira.

O Museu tem em vista «a preservação do património municipal de interesse histórico, relativo aos transportes de Coimbra, constituindo igualmente, objecto da acção do Museu a exploração de uma linha histórica de carros eléctricos a criar, logo que possível, nos termos de deliberação própria da Câmara Municipal de Coimbra.

Para a prossecução das finalidades que lhe foram atribuídas, mais ficou decidido que «o Museu desenvolverá a sua actividade nas seguintes área

a) Área de investigação, pela qual promoverá a recolha de objectos e documentos relativos ao tema do Museu.

b) Área documental, que terá em vista a gestão de uma biblioteca especializada, constituída pelo acervo documental que for possível recolher.

c) Área da museografia à qual competirá: a catalogação e classificação do património do Museu; exposição ao público. Nesta área será dedicada particular atenção às visitas de alunos de Escolas.

d) Área da conservação e restauro, através da qual se zelará pela preservação e restauro das espécies que constituam o acervo do Museu.

2.2 - O trabalho já realizado

O acervo do Museu, é constituído primeiro, pelo próprio edifício – a parte mais antiga é um bom exemplo das construções industriais do principio do século – e, ainda, principalmente, pelos veículos ali existentes, a saber:

- O carro eléctrico n.º 1

Construído em 1909, nas fábricas J.G.Brill, de Filadélfia (E.U.A.), do tipo semi-convertível construído sob um chassis do tipo 21 E.

O aspecto que hoje apresenta resulta das alterações que, na década de 50 lhe foram introduzidas nas oficinas dos Serviços Municipalizados e que, tiveram em vista o aumento da lotação, através do alongamento da carroçaria e da supressão do lanternim.

Já no âmbito do Museu, foi o carro pintado com a cor inicialmente utilizada nos carros eléctricos, em Coimbra - a cor vermelha -, apresentando ainda o primeiro sistema de sinalização do número de linha aqui utilizado que assentava no recurso a filtros de cores diferentes.

Carro elétrico n.º 1. Foto cedida por Carlos Fer

Carro elétrico n.º 1. Foto cedida por Carlos Ferrão

- O carro eléctrico n.º 3

Sendo da mesma série do anterior funcionou, igualmente, até 1980. A carroçaria foi modificada em 1958, sendo para o efeito utilizados os projectos dos carros eléctricos nº 14 e 15, mas este realizado em madeira.

Este carro eléctrico é mantido operacional tendo em vista uma eventual utilização em linha histórica.

- O carro eléctrico n.º 4

Ainda da mesma série dos anteriores, foi restaurado em 1969.

É um bom exemplo da capacidade técnica atingida pelas oficinas dos Serviços Municipalizados de Coimbra, apresentando soluções originais, tais como letreiros embutidos, no tejadilho e degraus duplos. É de salientar que se trata do único carro eléctrico existente em Portugal, com este tipo de degraus.

- O carro eléctrico n.º 6

Da mesma origem dos anteriores foi construído em 1911, tendo entrado ao serviço em 25 de Maio de 1912.

O aspecto que apresenta é a resultante das transformações que foram introduzidas na década de 50.

Já no âmbito do Museu foi este carro eléctrico pintado com a segunda das cores utilizadas pelos carros eléctricos em Coimbra, apresentando igualmente o segundo sistema de sinalização do número de linha, constituído por filtros de cor e chapas com números de cantos coloridos.

Carro elétrico n.º 6 depois de recuperado.jpg

Carro elétrico n.º 6 depois de recuperado

- Carro eléctrico n.º 11

Entrou ao serviço em 1928, tratando-se de um exemplar de história curiosa.

À Firma J.G.Brill foram adquiridos os chassis e o sistema motor, bem como os planos das carroçarias, as quais foram executadas nas oficinas dos Serviços Municipalizados. Inicialmente era um carro aberto, os populares «carros pneumónicos» que logo em 1932 foi transformado em carro fechado, sendo um dos carros eléctricos de dois eixos mais compridos existentes em Portugal. Apresentava inicialmente, 8 janelas, as quais foram reduzidas a 7 aquando da transformação a que foi sujeito na década de 50.

É projecto do Museu a recondução à traça original deste exemplar.

- Carro eléctrico n.º 14.

Construído igualmente, pela Firma J.G.Brill de Filadélfia entrou ao serviço no ano de 1928. Possui uma carroçaria inteiramente metálica, sendo os painéis laterais

fixados por rebites. O chassis é do tipo 79 ELX "Birney", apresentando uma suspensão "mole" constituída por um sistema de molas.

De referir que é o único exemplar que resta de uma série exportada peIa Firma J.G.Brill para a Europa - para as Cidades de Coimbra e Arnhem (Holanda) -, tendo os existentes nesta última cidade sido destruídos no decurso da 2ª Guerra Mundial.

- Carro eléctrico n.º 16

Construído, numa série de 3, em 1929, pela Fábrica Familleureux, da Bélgica, sobre um chassis produzido pela Fábrica M. A. N. da Alemanha. Trata-se de um carro «curto» de 2 eixos concebido especialmente para os traçados das ruas de Coimbra.

Exemplar único, apresenta algumas alterações que lhe foram introduzidas nas oficinas dos Serviços Municipalizados de Coimbra, sendo ainda de referir que foi um dos únicos carros eléctricos que existiram em Coimbra, com plataformas fechadas.

Carro elétrico n.º 16 depois de recuperado.jpg

Carro elétrico n.º 16, depois de recuperado

- Atrelado n.º 1

Fabricado pela John Stephenson Company, de Nova Iorque, dos E.U.A., em data que se desconhece.

É um antigo "carro americano", de tração animal, adaptado a atrelado que, como tal, foi utilizado até 1951.

É projecto do Museu a sua reposição na traça inicial.

Atrelado n.º 1. Coleção Pedro Rodrigues da Cost

Atrelado n.º 1. Coleção Pedro Mendes

- Carro-Torre

Trata-se de um veículo de marca LOYD, fabricado em 1930. Está, actualmente, equipado com um motor Perkins, sendo de referir que no decurso da 2ª Guerra Mundial, utilizava um motor a gasogénio.

Adquirido inicialmente pela Companhia dos Carris de Ferro do Porto, foi mais tarde vendido aos Serviços de Transportes Urbanos de Braga e posteriormente adquirido pelos Serviços Municipalizados de Coimbra, quando deixaram de funcionar os troleicarros naquela Cidade.

De referir, ainda, que se encontra na fase final de recuperação, tendo em vista a sua integração no Museu, o primeiro troleicarro adquirido para Coimbra, em 1947.

Para além do valioso património que atrás se refere, há ainda a assinalar:

- Uma ponte rolante.

Adquirida à Firma Herbert Morris, Ldª, e que entrou ao serviço no ano de 1910. O seu funcionamento que é manual, é feito através de um sistema de roldanas, levantando pesos até 2 toneladas.

- Um torno para alinhamento de rodados.

Adquirido à Firma F. Street, na década de 20. Refere-se que um curioso sistema de rodas dentadas intermutáveis, permite a utilização do torno noutros serviços.

Torno para alinhamento de rodados. Coleção PedroTorno para alinhamento de rodados, em exposição e funcional

 - Uma máquina de impressão de bilhetes.

Fabricada pela Firma Pautzer e que entrou ao serviço nos finais da década de 50.

 Há que assinalar que tem sido preocupação dos responsáveis pelo Museu que todo o património existente seja mantido em condições de utilização.

Refere-se, por último, que a zona dos escritórios da oficina, sofreu algumas alterações visando a instalação nesse local de uma pequena mostra dos objectos que já foi possível recolher, bem como apresentar, de forma necessariamente sucinta, uma pequena ilustração da história dos carros eléctricos em Coimbra.

2.3 - Os projectos

Ao longo da presente comunicação já foram aflorados os principais projectos que permitirão a concretização dos objectivos definidos para este Museu.

Mas, há que o afirmar, a vida do Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra tem sido bem difícil.

Atravessando a Câmara Municipal de Coimbra uma fase de grandes dificuldades, cuja principal razão é a critica situação dos actuais Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra, fácil será concluir da dificuldade que se vem verificando em mobilizar para o Museu, os indispensáveis

recursos para a realização das necessárias obras de adaptação e de conservação. Obras indispensáveis à sua abertura nas condições de dignidade exigíveis.

Daí o nosso apelo para que o I Encontro Nacional sobre o Património Industrial reconheça a importância da salvaguarda do património que integra o Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra, e que esse reconhecimento encontre eco junto das Entidades competentes, tendo em vista a obtenção dos apoios que tal património impõe.

Costa, A.F.R. Museu dos Transportes Urbanos de Coimbra. Um contributo para a salvaguarda do património industrial. In: I Encontro sobre o Património Industrial. Coimbra – Guimarães – Lisboa. 1986. Actas e Comunicações. Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial. Coimbra Editora, Limitada. Volume I, Coimbra, 1990. Pg. 265-278.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:11


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2021

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Posts mais comentados