Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quarta-feira, 08.11.17

Coimbra: Colégio dos Militares

Era destinado aos «Freires das duas Ordens militares – de S. Tiago da Espada, com sede em Palmela e de S. Bento de Avis».

Para assento do edifício colegial escolheu-se um terreno que havia a Sul do Castelo, vindo por isso a denominar-se rua dos Militares a rua que, em continuação da Couraça de Lisboa, sobe do Arco da Traição e corre em frente da fachada ocidental deste Colégio, e beco dos Militares a viela que, partindo desta rua, ladeia por sul o mesmo edifício. Anteriormente aquela «rua» chamava-se de Alvaiázere.

O Colégio ficou com uma pequena cerca fora da barbacã, sobre a qual abriam as portas e janelas da fachada oriental. Um caminho estreito, que vinha do arco da Traição, separava a cerca dos Militares, da do Colégio de S. Bento. Tudo isto pode ainda hoje (em 1938) verificar-se.

Colégio dos Militares planta finais séc. XVIII.j

 Colégio dos Militares planta finais do séc. XVIII

 

Benzeu-se e assentou-se a primeira pedra no dia 25 de julho de 1615

... Este Colégio, ficava de modo particular sob a proteção real. Para que os freires conventuais de qualquer das duas Ordens pudessem ser admitidos ao Colégio, era necessário que já contassem, pelo menos, dois anos completos de religião, não tivessem mais de vinte e cinco, de idade, e não fossem de baixa estirpe. A lotação era de doze colegiais, sendo seis de cada Ordem.

Hospital dos Lázaros. Aqueduto 02.TIF

 Colégio dos Militares

 

... Extinto o Colégio em 1834, foi... mandado entregar à Universidade... 27 de Outubro de 1853, os lázaros, que havia dois anos estavam hospitalizados no edifício do Colégio de S. Jerónimo, passaram para o dos Militares.

Hospital dos Lázaros antigo.TIF

 Aqui se conservam até à atualidade (em1938)... integrando nas vastas instalações dos Hospitais da Universidade, deixando de ser hospital dos Lázaros.

Nota: O edifício foi, posteriormente, totalmente demolido para dar lugar à Praça de D. Dinis e ao Departamento de Matemática.

 

Vasconcelos, A. 1987. Escritos Vários Relativos à Universidade de Coimbra. Reedição preparada por Manuel Augusto Rodrigues. Volume I e II. Coimbra, Arquivo da Universidade de Coimbra, pg. 267, do Vol. I

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:15

Sexta-feira, 22.09.17

Coimbra: Colégio de S. Jerónimo

Já em 1549 tinham os «Monges de S. Jerónimo» adquirido um terreno, a norte do castelo de Coimbra, não longe da porta oriental da cidade (chamada «porta do castelo»), para ali construírem o seu Colégio Universitário. Havia nesse terreno umas casas, onde em 1550 se instalaram provisoriamente, principiando então a viver vida colegial.

Era muito deficiente tal instalação... projetaram então construir um edifício condigno no seu terreno junto da muralha, não longe do castelo, procurando para isso ampliar essa sua propriedade com a aquisição de terrenos contíguos.

... Em 1562 achavam-se os pobres universitários jerónimos em situação extremamente aflitiva, não tenho onde residir... Conseguiram, em 1565, o terreno de que para isso precisavam, junto do castelo.

Colégio de S. Jerónimo 01.jpg

Colégio de S. Jerónimo, fachada ocidental

... as obras do edifício realizaram-se então, mas ainda com incidentes embargatórios em 1566 e 1568 ... Ficou um grandioso edifício colegial que, bastante modificado, ainda hoje existe ... A sua fachada oriental erguera-se sobre a muralha da cidade, desde a porta do castelo, à qual ficou encostada a igreja, e continuando-se o dormitório em direção ao Norte. Ainda hoje se reconhece bem delimitado o edifício, com os seus cubelos de reforço na fachada oriental, onde assentam terraços, e ainda se admira a grandiosidade do portal, a majestosa escadaria de acesso ao 1.º andar, assim como o formoso claustrim, infelizmente desfigurado pelas infelizes construções, que modernamente lhe sobrepuseram.

Colégio de S. Jerónimo escada nobre.jpg

Colégio de S. Jerónimo, escada nobre

Os monges adquiriram também, em 1587, por compra aos padres da Companhia (de Jesus), uma boa cerca na encosta do monte, ou «Ribela», sobre a qual abriram as janelas de toda a fachada oriental do edifício, e que descia até à rua que veio a denominar-se de «Entre-muros», ladeante da quinta de Santa Cruz.

... Horrivelmente se fez sentir neste Colégio o terramoto de 1 de novembro de 1755. As paredes abriram grandes brechas, e houve desabamentos parciais, que obrigaram os monges a fugir ...Em 1834 foi este edifício abandonado ... em ... 21 de novembro de 1848 ... destinou-o para hospital  ... 21 de junho de 1851 ... o hospital dos Lázaros ... em fins de 1853 ... o hospital da Convalescença.

Vasconcelos, A. 1987. Escritos Vários Relativos à Universidade de Coimbra. Reedição preparada por Manuel Augusto Rodrigues. Volume I e II. Coimbra, Arquivo da Universidade de Coimbra, pg. 236-240, do Vol.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:42

Terça-feira, 11.07.17

Coimbra: a evolução da Cidade 1

Edificada numa colina, e cingida pelo forte círculo de altas e espessas muralhas, tendo lá ao cimo a alcáçova real, o castelo onde residia o Alcaide, e o paço do Bispo, a formarem como que os vértices de um triângulo aproximadamente equilátero, a cidade estendia-se pela encosta ocidental do monte quase até ao sopé.

Alta antes das demolições vista aérea.jpg

A alta antes das demolições do séc. XX

Desde o século XII que a população, extravasando-se pela porta ocidental e principal da cidade, situada onde ainda hoje perdura a denominação de «arco de Almedina», fora construir novas habitações pelo arrabalde, umas pertencentes a comunidades religiosas, outras a pessoas leigas. Assim se edificaram grupos de casaria, como que acostados aos templos que aqui se viam erguidos: os de S. Bartolomeu, S. Tiago e Santa Cruz, formando na planície uma linha quase paralela à muralha, e pouco distantes desta; o de Santa Justa (no que é hoje o Terreiro da Erva) um pouco mais afastado para NO, à beira do caminho que conduzia ao campo do Arnado; finalmente o de S. Domingos, fronteira a Santa Justa, junto ao rio, um pouco abaixo do local onde hoje se encontra a estação do caminho-de-ferro (as ruínas estão sob o Hotel Almedina).

Planta da Cidade 1845 2.jpgPlanta da cidade 1845

Próximo das igrejas de S. Bartolomeu e de S. Tiago, é que o casario mais se apinhava, constituindo um bairro bastante populoso.

Como havia a ponte a ligar entre si as duas margens do rio, já as edificações se tinham estendido para a orla esquerda do Mondego, onde se viam, junto deste, a jusante da ponte o convento de S. Francisco (o primitivo, não o atual); a montante o de Santa Ana (cujas ruínas ainda são visíveis na gravura de Baldi), e um pouco mais afastado o grupo de construções incompletas, modestas e acanhadas, do projetado mosteiro clarista de Santa Isabel de Hungria, começado a edificar por D. Mór Diaz, e que fiaria incompleto (posteriormente incorporado no Conventos de Santa Clara-a-Velha).

Coimbra 38 Vista áerea.jpgVista área da Cidade nos inícios do século XX

Ora essa parte baixa ou suburbana, o arrabalde, que se estendia a Oeste e Noroeste de «almedina de Coimbra», tornara-se o bairro mais apreciado e estimado das famílias coimbrãs; para aqui vinham residir aqueles mesmos que possuíam casas velhas, mais ou menos mesquinhas, no bairro alto, e que ficavam em regra abandonadas, por não aparecer quem as alugasse.

Outro facto concorreu para o grande decrescimento da população da «cerca de almedina», ou bairro compreendido dentro das muralhas. Durante os quatro primeiros reinados fora em Coimbra a residência mais aturada dos monarcas, nos paços da alcáçova, que formavam a coroa da cidade; por isso era então lá o bairro nobre, onde preferiram viver com suas famílias os grandes, os fidalgos, os funcionários palatinos. Quando, em tempo de D. Afonso III, Coimbra deixou de ser a sede habitual da corte, a população cortesão abandonou esta cidade, e devem ter-se fechado por isso muitas das casas da almedina.

 

 Vasconcelos, A. 1987. Escritos Vários Relativos à Universidade de Coimbra. Reedição preparada por Manuel Augusto Rodrigues. Volume I e II. Coimbra, Arquivo da Universidade de Coimbra, pg. 82-83, do Vol. I

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:26

Quarta-feira, 14.06.17

Coimbra: S. António dos Olivais, de ermitério a freguesia 2

Em torno de 1217-1218 chegaram a Coimbra os primeiros franciscanos, mendigos por voto, quiçá pouco cultos; o impacto causado na população, contrariamente ao que se diz e se tem escrito, não deslumbrou, mas o clarão da fé iluminava o seu rasto. O cabido cedeu-lhes a capela e o tugúrio e aí se instalaram precariamente, até que, cerca de 1247 abandonaram o local e transferiram-se para o convento de São Francisco da Ponte. Ainda durante a estada dos monges, o titular foi mudado para Santo António, falecido em 1231 e canonizado no ano seguinte.

Num qualquer dia do ano de 1219 entraram em Coimbra cinco franciscanos que, certamente, estanciaram algum tempo em Santo António; dirigiam-se para o Norte de África e “queriam esta coisa infantil e estupenda, a um tempo, alucinatória e heroica: serem mártires de Cristo!”. Conseguiram o seu intento.

Decapitação dos Cinco Mártires de Marrocos.jpg

Decapitação dos Cinco Mártires de Marrocos (Livro de Milagres dos Santos Mártires, séc. XV. Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra)

Nessa altura, encontrava-se homiziado em terras marroquinas D. Pedro, irmão de Afonso II que, não podendo ou não querendo regressar ao país, a fim de trazer os despojos dos cinco mártires, enviou a Coimbra com essa preciosa carga o seu fiel vassalo, Afonso Pires de Arganil. Como o capelão do infante era monge de Santa Cruz, as relíquias vieram para o mosteiro onde vivia Fernando de Bu­lhões que já tinha contacto com os frades franciscanos.

De acordo com as prescrições regulamentares das nascentes “Ordens mendican­tes”, os irmãos deviam viver da caridade e a verdade é que, no início da instituição, este voto foi integralmente cumprido. Os primeiros frades que ocuparam Santo António tinham grandes privações, minoradas, por vezes, pelos seus irmãos pedintes, que desciam a esmolar humildemente até aos bairros da cidade, trazendo dali, sobretudo do opulento Mosteiro Real de Santa Cruz, alguns meios de conforto para as suas refeições frugalíssimas.

Fernando de Bulhões havia sido designado para desempenhar as funções de Reverendo Cónego Porteiro, cargo que implicava a obrigatoriedade de, como constava do regulamento, distribuir esmolas; foi neste contexto que ele teve ensejo de falar, no seu Mosteiro, com os irmãos pedintes dos Olivais.

Portaria do mosteiro de Santa Cruz, Magne.tif

Portaria do mosteiro de Santa Cruz. José Carlos Magne. Planta topográfica da Praça de Sansão. Pormenor. 1796

Identificar as relíquias chegadas de Marrocos, relacioná-las com os frades mendigos dos Olivais e apaixonar-se pelo ideal franciscano que passava pela busca do mundo eterno e pela doação total de si mesmo, foi obra de um momento.

E um dia, os franciscanos dos Olivais que iam mendigar à portaria de Santa Cruz regressaram com mais um companheiro.

Percorreram um caminho entre muros e verduras: saíram do terreiro de Santa Cruz, subiram a rua das Figueirinhas, passaram a Fonte Nova, a fonte do antigo bairro judaico, e continuaram a caminhar no lado poente da atual Sá da Bandeira, passando pelas traseiras da Associação Académica; desembocaram nos Arcos, que então ainda não existiam, mesmo ao lado da estrada que descia das portas do Castelo.

O trajeto, a partir daí, começava a ser mais arejado. Da garganta dos Arcos subiram à Eira das Patas e cortaram para Celas. Arrabaldes distantes da cidade, caminho longo conducente a mais do que pobre aldeia.

Os franciscanos, nesse dia longínquo do verão escaldante de 1220, traziam consigo mais uma alma, mais um prosélito do seu ideal e, ultrapassada a zona de Celas rapidamente atingiram o colo da colina, coroada pela capelinha que apresentava anexa, no alto do pequeno morro, o rude abrigo.

Foi precisamente nesse dia, igual a tantos outros, mas único para os Olivais, que Fernando de Bulhões ali chegou e mudou o seu nome para António.

O Santo conservou-se pouco tempo nos Olivais, partiu em demanda da África, talvez à procura de um martírio que não chegou, e, até mesmo os frades abandonaram o ermitério em 1247.

Anacleto, R. 2005. Santo António dos Olivais: De Ermitério a Freguesia. Conferência na cerimónia comemorativa do aniversário da criação da freguesia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:13

Segunda-feira, 12.06.17

Coimbra: S. António dos Olivais, de ermitério a freguesia 1

No início do século XIII o local onde atualmente se ergue a igreja de Santo António dos Olivais já era conhecido pelo nome de Olivais, mas ignora-se a partir de que data se agregou ao sítio o epíteto de Santo António ou Santo Anton. Tratava-se do António ou Antão, um ermita que tinha a sua capela numa zona deserta. O templo situa-se a nordeste da antiga ci­dade, assenta numa pequena elevação, domina subdivisões de velhos caminhos e pertence ao tipo dos “santuários dos altos”.

Santo António dos Olivais. Bilhete-postal antigo.

Santo António dos Olivais. Bilhete-postal antigo

A mais antiga referência documental que lhe diz respeito encontra-se na Vita Sancti Antonii, escrita no século XIII.

As grandes ondulações laterais dos terrenos antigos, integrantes do forte e largo maciço da meseta peninsular, a que se encostam ro­chas mais recentes, da época terciária, vêm morrer pela altura dos Tovins e o seu pregueado, a partir daí, vai-se desdobrando em curvas menos acentuadas e em alturas cada vez menores. 

Desses mesmos Tovins desenvolve‑se uma linha de cimos que, elevando‑se em São Sebastião, tem o ponto dominante na igreja de Santo António. Corre depois pela Cumeada até ao Penedo da Saudade, descai à garganta dos Arcos e sobe, para o alto do antigo castelo. Ergue aí a cabeça como que a despedir‑se das serras de onde veio e passa a olhar o rio em que se vai sumir, quer deslizando pelas linhas do morro da Sé Nova, quer pelas da antiga alcáçova real.

Do ponto de vista geomorfológico, Santo António nunca foi um ermo perdido, pois situava-se num local obrigatório de passagem para os que, descendo do Roxo ou do Agrelo, buscavam os vales húmidos de Coselhas ou do Calhabé. Os caminhos trilhados hoje, coincidem, grosso modo, com os de outrora e as linhas naturais de trânsito vinham divi­dir-se na base do pequeno morro da igreja: a principal, cortava ao lado para nordeste, descendo a calçada e a outra, voltava-se para noroeste.

Certamente que, também e desde sempre, o morro arredondado se impôs ao espírito religioso, até porque os altos são, naturalmente, pousadouros de culto, sítios que o homem consagra à divindade, talvez porque assim lhe pareça que se aproxima mais de Deus. Neste contexto, não se mostra despiciendo tentar desvendar qual teria sido a latria que acampara neste cimo, antes de se haver erguido a capelita de Santo António ermita.

... a charneira dos séculos XII-XIII não funcionou como um começo, mas como uma continuidade, pois luso-romanos e visigodos já ali devem ter feito subir as suas preces ao Ser Supremo.

Nos primórdios da nacionalidade existiu nesta pequena e destacada elevação uma capelinha dedicada a Santo António, o ermita, e, ao lado, erguer-se-ia um tugúrio para o ermitão, certamente homem pobre, sem recursos, que se prontificava a guardar o oratório a troco de alguma esmola e de um teto que o protegesse das intempéries.

O conjunto pertencia ao cabido catedralício, tal como acontecia com um outro modesto templo, o do Espírito Santo, que se erguia um pouco mais abaixo, logo ali no vale; a este, nem mesmo os brasões de D. Fernando e de Leonor Teles, apostos na fachada, lhe conferiam grandeza.

E se, a capela de Santo António marcava o cimo, a do Espírito Santo assinalava o talvegue penumbroso.

Anacleto, R. 2005. Santo António dos Olivais: De Ermitério a Freguesia. Conferência na cerimónia comemorativa do aniversário da criação da freguesia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:51

Terça-feira, 21.02.17

Coimbra: Hospitais da Universidade, ou o porquê de serem hospitais

A denominação atual dos hospitais da Universidade compreende os anteriores hospitais de S. Lázaro, da Conceição e da Convalescença, ficou bem apropriada a este conjunto de hospitais.

...Em ofício de 21 de Outubro de 1772 o Marquês de Pombal participou ao reitor que tinha dado ordem ao corregedor da Cidade para a mudança do hospital ... mas só naquele dia de 19 de Março de 1779 se pode levar a efeito esta mudança ... (para o edifício dos Jesuítas, no angulo N.O., com entrada pela Couraça dos Apóstolos)

Localização HUC 1.JPG

Alas do Colégio de Jesus onde inicialmente funcionaram os Hospitais da Universidade

 ... Naquela parte do edifício dos Jesuítas ficou desde então estabelecido o hospital da Conceição, que compreendia o antigo hospital da Convalescença; continuando a permanecer o hospital de S. Lázaro no seu primitivo edifício de Fora de Portas até 1836.

Aquele hospital da Conceição na Couraça dos Apóstolos, tinha capacidade regular para 68 doentes, com que se contou na sua primitiva construção, e ainda mesmo para 80, quando se improvisaram novas enfermarias

Scan0040.jpg

 ... Dando-se porém posteriormente grande acumulação em todo o hospital, a faculdade de medicina procurou remediar os seus inconvenientes, removendo as enfermarias de homens para o colégio de S. Jerónimo, por deliberação de 24 de Julho de 1838.

Colégio de S. Jerónimo 01.jpg

 Colégio de S. Jerónimo. Portaria

... De 1846 a 1847 a acumulação de tropas na cidade, por efeito da guerra civil daquela época, deu lugar a que neste último ano se convertesse todo o edifício de S. Jerónimo em hospital militar ... a 22 de Outubro de 1847 ... os doentes militares em S. Jerónimo ... já eram em pequeno número ... fossem removidos para o hospital da Conceição, ficando desocupado o edifício de S. Jerónimo ... até 1851.

... 23 de Dezembro de 1852 ... já então se achava em obras a parte do colégio das Artes, que deveria receber alguns doentes do hospital de Conceição ... mudança dos primeiros doentes teve lugar nos dias 5 e 6 do mesmo mês de janeiro de (1853).

Colégio das Artes 21.TIF

 Colégio das Artes antes da adaptação a hospital

... Na sessão do conselho da faculdade de 21 de Outubro de 1853, foi presente a portaria do ministério do reino de 22 de Agosto do mesmo ano, que punha o colégio das Artes à disposição da faculdade de medicina, para o estabelecimento definitivo dos seus hospitais; e a portaria de 27 de outubro do dito ano, que ordenava a mudança do hospital de S. Lázaro, do colégio de S. Jerónimo para o colégio dos Militares, agregava ao mesmo tempo aquele edifício de S. Jerónimo ao hospital do colégio das Artes.

... Uma só administração reúne hoje (em 1882, data da publicação da obra aqui citada) aquelas três administrações, que por muitos anos se conservaram independentes; e os três antigos estabelecimentos ocupam agora quatro edifícios, interiormente comunicados, - o colégio das Artes, o colégio de S. Jerónimo, o Castelo, e o colégio dos Militares.

O edifício de S. Jerónimo acomoda os quartos particulares dos doentes que pagam o seu tratamento e dos estudantes subsidiados; uma enfermaria provisória de prisão, as repartições da secretaria e administração, a farmácia, e diferentes habitações de família para empregados.

No Castelo acha-se estabelecida a lavandaria; e há-de estabelecer-se a rouparia, a arrecadação do fato dos doentes, a moagem dos cereais e a padaria.

As moléstias internas, cirúrgicas e sifilíticas são tratadas no edifício do colégio das Artes, onde também se acha a repartição das parturientes; acomodando-se ainda neste mesmo edifício o serviço do banco e da aceitação dos doentes.

Os doentes de moléstias cutâneas e os lázaros asilados têm repartições separadas no colégio dos Militares, onde também se há-de estabelecer a repartição geral dos banhos, com o serviço de hidroterapia, inalações, etc.

Simões, A.A.C. 1882. Dos Hospitaes da Universidade de Coimbra. Coimbra. Imprensa da Universidade, pg. 51-52, 73-81, 3-4

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 19:21

Sábado, 25.07.15

Coimbra, demolição do castelo

Em 29 de Março de 1773, inicia-se a demolição do Castelo e, em Outubro seguinte, estavam a dar-se os últimos retoques num dos projetos do Observatório, cujas obras arrancavam a 7 de Janeiro

… Em 1777, D. Francisco de Lemos escreve “ … Achase feita ate o primeiro Plano … Para o uso interino da Lições e Observações Astronómicas fiz construir um pequeno Observatório no Terreiro dos Paços das Escolas o qual tem servido até aqui para o dito fim”

… Arrasar o velho castelo tornou-se tarefa difícil e, apesar de se terem gasto na obra avultadas somas, a Torre de Menagem “formidável e compacta, cortada porventura a um terço da sua altura” permanecia, em 1932, dentro das ruínas do inacabado Observatório.

 

Anacleto, R., 2009. Universidade de Coimbra: Primeiras Propostas Arquitetónicas da Reforma Pombalina. Separata do IV Congresso Histórico de Guimarães. Do Absolutismo ao Liberalismo, pg. 32

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 17:06


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031