Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quarta-feira, 29.03.17

Coimbra: a Questão Académica de 1907 2

Afrontando as expressas recomendações das autoridades militares, Belisário Pimenta, ... viveu entusiasticamente a luta académica. Participou na greve geral, não encerrou matrícula como impunha o Governo, não fez exames. Foi um dos 160 intransigentes. 

... Ele foi um repórter da crise: um repórter privilegiado, que a via pelo lado de dentro; e um repórter engajado, porque era um militante da causa estudantil.

.... Nesse dia 8 de Abril, levantou-se cedo, fardou-se e encaminhou-se para a Rua Larga, com uma grande ânsia de saber a atitude dos rapazes. O nevoeiro denso que cobria a Alta da cidade mal deixava ver ao fundo, junto à Porta Férrea, a mancha negra e compacta da multidão de estudantes, que, silenciosa, se estendia desde a Rua de São João. Os cavalos da guarda passavam, em trote indeciso, para um e para outro lado. A polícia invadira a Via Latina e os Gerais ... nenhum estudante, salvo um ou outro padre ou militar, entrara na Universidade ... “A greve era, pois, geral e solene”.

greve 1907 tres.jpg

Ilustração Portuguesa, n.º 55, de 11.3.1907

... Foi depois à esquadra da Alta, onde estavam os estudantes presos na madrugada anterior ... expulsos, que, por força da decisão do Conselho de Decanos que os punira disciplinarmente, haviam sido compelidos a sair da cidade e que a ela não podiam regressar, tinham tentado entrar discretamente em Coimbra ... Na Baixa, todos falavam do brilhantismo da greve. No Lusitano – café que era o ponto de encontro dos republicanos na Calçada – e no passeio em frente, discutiam-se, permanentemente e com grande animação, as incidências da greve. Do outro lado da rua, os franquistas, no seu pouso do costume, às portas da Havaneza, mostravam-se furiosos. Nas montras de algumas lojas da Baixa exibia-se, “numa bela fotogravura com dizeres encomiásticos por baixo”, o retrato de José Eugénio Dias Ferreira, “pobre vítima amarrada ao poste da celebridade” ... No dia 10 de Abril, na Calçada, liam-se com avidez e discutiam-se os discursos feitos nas Câmaras no dia anterior .. Na noite seguinte, os estudantes expulsos foram libertados e conduzidos de comboio para Lisboa ... Houve manifestação de estudantes na estação e muitos dos manifestantes invadiram o comboio e acompanharam-nos até Pombal

... A animação crescente nos cafés da Baixa, particularmente no Lusitano, onde os rapazes se concentravam para saberem as novidades, para discutirem os acontecimentos do dia

... Sobre os estudantes caía agora todo o tipo de pressões: dirigentes da Sociedade Filantrópica Académica ameaçavam estudantes protegidos de lhes não ser concedida ajuda no ano letivo seguinte, se fossem grevistas ... Comandante de Infantaria 23, convocava os cadetes, para lhes recordar que, faltando aos atos, não lhes seria renovada a licença; o Reitor chamava os estudantes que eram também professores de liceu, para lhes sugerir que fizessem declarações de repúdio à greve, sob pena de lhes retirar as licenças que os liceus lhes haviam concedido para estarem em Coimbra; até o Bispo-Conde levou à demissão um professor do Seminário, que era também estudante de Teologia, que se recusou a aceitar as pressões que sobre ele exercia. 

... E esse nome – pulhas – foi o que ficou colado aos estudantes que furaram a greve académica de 1907. Nas noites seguintes, cantava-se em coro no Lusitano uma cançoneta, cuja letra começava assim: “Para poder furar a greve/ Todo o pulha mete, mete (bis)/ Requerimento p’ra acto./ Mete, mete/ Mete, mete/ Em novecentos e sete./

Ribeiro, V.A.P.V. 19. 2011. As memórias de Belisário Pimenta. Percursos de um republicano coimbrão. Dissertação de Mestrado em História Contemporânea. Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Pg. 21 a 31

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:42

Quinta-feira, 06.10.16

Coimbra e as suas personalidades: Belisário Pimenta

Belisário Pimenta nasceu em 3 de Outubro de 1879 ... prédio com o número 11 da Praça do Comércio, a velha praça burguesa da Baixa coimbrã.  A sua primeira canção de embalar foi o ronronar cadenciado das máquinas da tipografia do avô materno, instalada nos dois andares de baixo.

... Na sessão em que ingressou na Academia Portuguesa de História, em 28 de Janeiro de 1966, Belisário Pimenta apresentou-se como “homem do Século Dezanove" ... Ansiando pelas grandes batalhas, Belisário Pimenta não perdia de vista que a luta se travava também noutros patamares, ainda que menos decisivos. Empenhava-se no movimento para instalação em Coimbra do Jardim-Escola João de Deus ... Participou na instalação da delegação de Coimbra da Sociedade da Cruz Vermelha ... Foi membro da Sociedade de Propaganda e Defesa de Coimbra.

... No Verão de 1900, concluídos os preparatórios na Universidade, foi admitido na Escola do Exército

... Era no Lusitano, nas longas conversas com os seus amigos republicanos, que retemperava o ânimo. Ia do quartel diretamente para lá, muitas vezes ainda com a farda de serviço ou até, como no dia da visita do Rei a Coimbra, de grande uniforme, causando escândalo entre os oficiais talassas, frequentadores do passeio em frente, do outro lado da Calçada.

Os passeios da Calçada não deixavam margem para equívocos ou para manifestações dúbias. Ali, os campos estavam rigorosamente definidos. O Tenente Belisário Pimenta, oficial do Exército e do Regimento de Infantaria n.º 23, nunca largava o Lusitano e nunca ia ao outro passeio. E fazia questão nisso: “O passeio do Lusitano é dos republicanos, tendo como pontos de concentração o café, a relojoaria do Ferreira; ao passo que o passeio do outro lado, do lado da Havaneza, é dos monárquicos, tendo como pontos de reunião principais a Havaneza para a gente fina, intelectuais, a casa das máquinas Singer para os oficiais do exército talassas e a farmácia Donato para uma certa gente ociosa, franquistagem reles e alguns oficiais correspondentes.”

... No Domingo, dia 9 (de Outubro de 1910), foi chamado ... ao gabinete do Governador Civil, este puxou-o para uma das varandas que davam para o Largo da Feira e fez-lhe a proposta que já esperava. Belisário Pimenta alinhou todos os argumentos que pôde para evitar o que entendia vir a ser um desastre. Mas Fernandes Costa opôs-lhe que o momento não era azado para dúvidas e que “achava pouco patriótico e pouco próprio de um republicano não fazer um sacrifício […] quando a República nascente precisava de todos” ... ao descer as escadas do Governo Civil, já com a posse tomada (de Comissário da Polícia de Coimbra) e com o alvará dobrado no bolso, deu ordem ao primeiro guarda que viu para que houvesse, daí a pouco, formatura geral do corpo de polícia, para fazer a sua apresentação. A corporação esperava-o, formada por esquadras no claustro ... Depois dos lugares comuns, fez-lhes “uma antevisão do que seria o serviço policial com o regime democrático, simples missão de cordura e de paz, com prestígio e força moral, com delicadeza e respeito.”  

... Por essa altura, em 1932, já Belisário Pimenta dedicava preferencialmente o seu trabalho de investigação à história militar ... legou à Biblioteca Geral da Universidade Coimbra a sua livraria, os arquivos pessoais e a coleção dos seus originais autógrafos ... Aí, está disponibilizado, para além de um conjunto de 67 fotografias obtidas a partir da coleção de negativos de vidro que faz parte do legado, o acervo de originais manuscritos.

 

Ribeiro, V.A.P.V. 19. 2011. As memórias de Belisário Pimenta. Percursos de um republicano coimbrão. Dissertação de Mestrado em história Contemporânea. Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Pg. 7, 8, 14, 39, 43, 57, 119

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:02


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930