Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Sexta-feira, 30.06.17

Coimbra: Afonso Henriques e a sua corte 2

Em Telo, nesta importante fase «pré-nacional», vê Afonso Henriques o potencial e carismático chefe religioso capaz de conseguir a adesão e o controlo de consideráveis energias, isto é, de uma grande parte da população e consequentemente de recursos e espaços. Com ele e à sua volta, poderia Afonso Henriques constituir uma cerrada rede de resistências, ao mesmo tempo que reforça o seu próprio poder.

D. Afonso 04.jpg

 ... Por isso, nele se apoiará Afonso Henriques na luta contra a igreja institucionalizada – hierarquizada e temporal -, assim limitando mais facilmente o poder desta. Através dele, na base da confiança entre iguais, à sombra dos desejos da Igreja e mediante a infusão do amor divino, pretenderia o príncipe unir os cavaleiros e associá-los ao seu poder. Deste modo, alargando o grupo dos seus vassalos contrabalançaria, consequentemente, o poderio dos magnates nortenhos e reforçaria o seu próprio.

O projeto de uma nova sociedade laica e o de uma nova sociedade eclesiástica, entrecruzavam-se e interpenetravam-se, já pela influência das estruturas sociais globais sobre a instituição monástica, já pela intervenção e controlo do rei.

... A consciência da pertença a uma mesma unidade territorial, a uma mesma unidade política (sobretudo desde que D. Fernando Magno deu a D. Sesnando todo o território do Mondego ao Douro e do litoral até Lamego), a consciência da mesma identidade cultural (que é também moral e ideológica) ou a ânsia de aproximação (ou reaproximação) dos centros do poder sagrado e profano (ou da conexão entre estes) fazem associar os cavaleiros de Coimbra ao movimento eclesiástico em criação.

... Criar uma subsociedade, uma subcultura dentro dos limites da Sé, seria difícil senão impossível. E a renovação exigia um sítio novo, se possível não muito longe do palácio real (lugar de apoio)... Como doador destes banhos (os banhos régios), D. Afonso Henriques liga-se assim cultural e materialmente à fundação do Mosteiro de Santa Cruz.

... Adentro do projeto expansionista de Afonso Henriques, programar a e realizar a colonização de toda a margem (a retaguarda da fronteira) era primordial. O repovoamento da mesma fronteira, no interior, impunha-se-lhe do mesmo modo. Tinha então que, direta ou indiretamente, prolongar e culminar a ação já iniciada por
D. Sesnando e prosseguida, em parte, por D. Henrique e D. Teresa. Ação cujo elemento fundamental de orientação era o mesmo: o Rio Mondego nas suas duas direções, para montante e para jusante de Coimbra.

 Ventura, L. e Faria A.S. 1990. Livro Santo de Santa Cruz. Cartulário do Séc. XII. Edição de Leontina Ventura. Transcrições de Leontina Ventura e Ana Santiago Faria. 1990. Coimbra, Instituto Nacional de Investigação Científica, pg. 19-22, 26-27

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:55

Quarta-feira, 28.06.17

Coimbra: Afonso Henriques e a sua corte 1

À frente dos destinos da Terra Portucalense, desde 1128, Afonso Henriques deixa Guimarães e fixa-se em Coimbra, em 1130 ou 1131.

Este deslocar do centro de gravidade de Guimarães para Coimbra é carregado de significado. É a fuga à tensão entre senhores territoriais de Entre-Douro-e-Minho. Isto é, entre pequenas unidades sociais interdependentes e rivais na conquista do poder social. Auxiliares importantes na vitória de Afonso Henriques em 1128 (também a sua própria vitória), foram engrandecendo o seu domínio e aumentando o seu poder, passando a ver em Afonso Henriques um rival. Este pressentiu o risco de se deixar aniquilar por eles ou vir a cair na sua dependência. Um processo concorrencial entre Afonso Henriques e os senhores do Norte, agravado pelas dificuldades de expansão externa, leva-o a desejar apoderar-se de outras terras. É, em última análise, a procura e a consequente construção de um espaço operatório para a sua ação, a partir do qual se irá esforçar por realizar o seu programa político: a integração das distintas unidades socioculturais, a expansão e o domínio do conjunto do território. A facilidade que Coimbra oferece à defesa e irradiação do seu poder, justifica a escolha desta cidade e a ulterior estratégia de controlo sobre ela.

D. Afonso 02.jpg

 A ação do infante sobre Coimbra começara já em 1128, com a nomeação para seu bispo do arcediago D. Bernardo, pro-gregoriano e anti-compostelano, em oposição ao clero local que propusera D. Telo, arcediago da Sé de Coimbra, à condessa D. Teresa. Assim, utilizando o conjunto de particularidades que dificultavam a uniformização em Coimbra, absorve a antiga oposição entre senhores laicos e gregorianos, ao mesmo tempo que prepara a aproximação com Roma. Por outro lado, sendo, em primeiro lugar, um grande senhor feudal, atribui-se como função fundamenta a guerra externa, a conquista. Coimbra, como cidade fronteiriça, tendo próximo o muçulmano, possibilitava não só o alargamento do território, mas permitia ainda ao rei aumentar a sua riqueza, fama e honra e recompensar as forças essenciais do seu exército, os seus cavaleiros, também eles desejosos de terras.

... No que diz respeito a Coimbra propriamente dita, subjacente às doações de Afonso Henriques está a consciência da diversidade existente e do prolongamento da luta, entre moçárabes e gregorianos... A intenção de ter propício à sua causa o bispo, representante máximo do poder religioso da cidade, um pro-gregoriano e anti-compostelano de que necessitava na sua luta contra os Travas e contra Diogo Gelmirez é evidente. Que o conseguiu e dele terá recebido importantes auxílios pecuniários, quer para a prossecução desta luta, quer principalmente para subsidiar a guerra externa, provam-no as ulteriores doações onde esse auxílio fica expresso.

... neutralizados os potenciais rivais do Norte, organizado o poder e centralizado em Coimbra, Afonso Henriques procurará, defendendo militarmente as suas terras e afirmando o seu poder face aos muçulmanos e a seus vizinhos, transformar o sistema social existente. Enfim, projetar uma sociedade laica.

Ventura, L. e Faria A.S. 1990. Livro Santo de Santa Cruz. Cartulário do Séc. XII. Edição de Leontina Ventura. Transcrições de Leontina Ventura e Ana Santiago Faria. 1990. Coimbra, Instituto Nacional de Investigação Científica, pg. 9-10, 14-15, 17.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:51


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031