Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quarta-feira, 16.12.15

Coimbra, a Escola de Canteiros de Coimbra 1

Para lavrar os ornatos do imóvel (o atual Bussaco Palace Hotel) foram chamados canteiros-artistas da cidade mondeguina, formados na Escola Livre das Artes do Desenho … No ‘Tugúrio de Almedina’, onde as relações entre professores e alunos se estreitavam e confundiam, formaram-se serralheiros, canteiros, escultores, marceneiros, entalhadores, ceramistas e pintores, que procuravam colher ensinamentos válidos no campo da história da arte, quer através de conferências, verdadeiras lições, proferidas por alguns eminentes vultos deste ramo do saber ou, sempre que tal o justificasse deslocando-se às terras circunvizinhas, a fim de ‘in loco’, observar detalhadamente os monumentos … Foram homens como João Machado, José Barata, José da Fonseca, Alberto Caetano, José Ferreira, Anacleto Garcia e outros, que colocaram o seu saber e o seu talento ao serviço da cantaria lavrada, utilizada no imóvel: homens que eram considerados, nas folhas de pagamentos, como ‘escultores’.

… A autoria das estátuas é facto irrefutável, pois num dos ‘Livros de lucros e perdas de João Machado’, encontra-se escriturado na relação do ‘Trabalho executado durante o ano de 1897’ … 2.ª estátua para o Bussaco … 3.ª estátua para o Bussaco … “Acabei a estatua para o Bussaco que / representa a Victoria

… A caixa da escadaria nobre … duas airosas estatuetas representando uma açafata e um pajem, saídos … da oficina de João Machado … A pedra esculpida que ornamenta o grande salão de festas saiu do cinzel de João Machado … Para o mesmo salão lavrou a monumental chaminé … Ao centro surge um menestrel a tocar alaúde, estátua esculpida por Costa Mota … Do salão nobre passa-se, através de duas portas, encimadas por bustos … saíram do escopro de Costa Mota Sobrinho …

As obras iniciaram-se em Novembro de 1888 e desenvolveram-se … até 30 de Junho de 1891 … acabou por paralisar a construção … 28 de Julho de 1894, foi autorizado o seu prosseguimento.

Anacleto, R. 1997. Arquitetura Neomedieval Portuguesa. 1780-1924. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian / Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica. Pg. 312, a 320

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:38


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930