Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Terça-feira, 26.03.19

Coimbra: António Nobre e a paisagem de Coimbra

Coloquemos António Nobre em Coimbra. Ele que já antes de ser um tísico declarado no corpo o era, da alma … em Coimbra vem encontrar o seu meio próprio, uma terra carinhosa que o compreende, que lhe dá alguma felicidade. Que o compreende …, melhor: que ele molda em si. Aqui a luz inapagável do seu eu encontra à vontade chapas a impressionar.

António Nobre, estudante de Coimbra.jpg

António Nobre, estudante de Coimbra

E porquê? Porque Coimbra é … essencialmente sombras. Nobre, o estudante sentimental, enrodilha-se no fio da tradição coimbrã, caracterizadamente estudantil – e pouco luta para se libertar; mas até essa pequena luta, esse viver ativo encontra almas que o compreendem: as dos seus companheiros, moços como ele, com muitos dos defeitos dele, representantes de Portugal inteiro, cera moldável pelas mãos dum artista.
…. Coimbra oferece-lhe monumentos que séculos carcomiram, ruas calcadas por muitas gerações, casas cujas paredes estão negras de ver passar milhares de capas. Tudo evoca o passado; por toda a parte há sombras.

Torre de Anto, onde António Nobre viveu.jpg

Torre de Anto, onde António Nobre viveu

… É atingido duma doença estranha que ele próprio diagnostica: «medievalite». Vive numa torre de velhas eras que antropomorfiza:

«Pelos seus muros verde suor escorre
Porque há mil anos que ela está de pé.»

… «Certamente morro com uma torrite. Tem sido tal a minha adoração por ela («a torre»), nestes dias, que chego a ter uma verdadeira obsessão, andando a escrever a lápis por todas as ogivas, por todas as portas, por todos os cantos: «Anto»! «Anto»! «Torre-de-Anto»!

…. Mas Nobre não ama só o passado: ama tudo onde possa espelhar o seu ideal. Tudo isso – e só isso. Era um artista: a bela paisagem coimbrã tinha de o compreender; melhor: tinha de ser por ele compreendida. Idealismo na alma – realismo na obra: Nobre entende, por exemplo os choupos, de que tanto fala: anima-os como anima a torre de onde os choupos se veem:

«Georges entra e vê: o sol que entre os choupos morre
E a velha Coimbra anoitecendo, vê!»

Monumento a António Nobre no Penedo da Saudade.jp

Monumento a António Nobre no Penedo da Saudade

…. Pelo exposto bem se compreende, julgo, o grande amor de António Nobre por Coimbra. Coimbra era … como que a sua casa ideal, cheia de tradição, envolvida por uma paisagem sombria, dormindo ao som do fado e das guitarradas … Ainda ele não havia começado o seu peregrinar pelo mundo, e já afirmava que em parte alguma existia paisagem com esta:

«Que lindas coisas a lendária Coimbra encerra!
Que paisagem lunar que é a mais doce da Terra!
Que extraordinárias e medievas raparigas!
E o rio? e as fontes? e as fogueiras? e as cantigas?»

Arnaut, S. D. 1967. António Nobre e a paisagem de Coimbra. Coimbra, Livraria Almedina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:28


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Posts mais comentados