Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quarta-feira, 25.01.23

Conversas abertas. Recomeçam depois de amanhã, 6.ª feira

É já depois de amanhã, 6.ª feira, dia 27 de janeiro que às 18h00, se iniciam as Conversas Abertas deste ano que irão decorrer na Sala de D. João III, do Arquivo da Universidade de Coimbra.

E para bem começar o Dr. Mário Araújo Torres irá falar de três personalidades ligadas a Coimbra, que se tornaram marcantes na vida cultural nacional na segunda metade do século XIX, todos autodidatas.

Folha de sala.png

AUC. Pormenor da Folha de Sala

Sobre o Palestrante já tivemos ocasião de escrever, em 17 de fevereiro de 2022

Mário de Araujo Torres.png

Dr. Mário de Araújo Torres

Sendo a importância da reedição de textos, há muito esquecidos e esgotados, de autores que escreveram sobre Coimbra, inquestionável, lembra-se, mais uma vez, que após a sua jubilação o Dr. Mário de Araújo Torres, se dedicou à recolha e reedição – à sua custa, hoje, com mais de 10 títulos publicados – de autores que em Coimbra desenvolveram a sua atividade.

É exemplo um dos primeiros que editou: a produção etnológica e pedagógica do poeta Afonso Duarte.

Embora sabendo que Mário Araújo Torres é avesso a agradecimentos, temos repetidamente afirmado, e mais uma vez o fazemos, que Coimbra lhe deve um institucional: OBRIGADO.

Na modéstia do conimbricense que somos, pelo nosso lado, aqui fica esse reconhecimento, acrescentando que o Dr. Mário Araújo Torres é credor de todos os conimbricenses de uma palavra simples, mas que diz muito: OBRIGADO.

Agradecimento, que é feito perante o silêncio do Município já tantas vezes alertado para este seu dever.

Coimbra não pode, nem deve, continuar a ser madrasta quer para os seus filhos, quer para quantos fizeram de Coimbra a sua cidade.

Rodrigues Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:49

Sexta-feira, 22.07.16

Coimbra: O estudante de Coimbra e as suas tradições 3

... narrativa de António Francisco Barata que, escrevendo em 1864, fala acerca do “Rancho da Carqueja” e, portanto, de alguns episódios de exercício da ‘praxe’ no início do século XVIII, até 1720.

“Os costumes académicos têm tido em Coimbra um certo cunho de originalidade.

É imemorial o tempo em que deram princípio em Coimbra as caçoadas, ou ‘troças’ feitas aos novatos, vulgarmente chamados ‘caloiros’.

Sendo nos princípios apenas no tributo da ‘patente’, que o novato pagava para almoços, ou merendas, foi, com o andar dos tempos, crescendo esse tributo. Já não era só o tributo pecuniário; o caloiro tinha de ser apupado, caçoado, graduado.

Se algum havia que se negava ao cumprimento religioso daqueles costumes e praxes académicas, esse lavrava, com a recusa, a sentença condenatória que o obrigava a provações mais sérias e tremendas.

E, assim, o ‘grau’, com a prévia tonsura, a defesa das teses, e, pior que tudo, a prova do ‘esquife’, eram trabalhos a que se não eximia nenhum; era a forca caudina de todo o novato valentão e desobediente.”

... outro testemunho sobre as praxes, o de João Eloy, que frequentou a Universidade na década de 90 do passado século XIX, e a quem se deve a ideia dos festejos do “Centenário da Sebenta”, em 1899.

“Era o ‘Palito Métrico’ ... o Código pelo qual se regia a ‘briosa’, e, nos casos omissos, recorria-se à tradição oral.

... Depois da última badalada da ‘cabra’, nenhum ‘caloiro’, ‘bicho’ ou ‘formigão’ podia andar na rua sem proteção.

Mas só o quintanista, o quartanista e o pastrano – ou seja o repetente do primeiro ano – gozavam de plena liberdade de trânsito, pois o semi... digo o segundanista, não podia passar do Arco de Almedina para baixo depois das nova da noite, e o terceiranista, para além da ponte depois das dez.

... Cada ‘troupe’ tinha, como figuras principais, o ‘chefe’ e os portadores, da tesoura, para os cortes de cabelo, e da colher, para as palmatoadas.

Várias formas havia de cortar o cabelo: umas vezes à escovinha, outras cortado em ‘crista de galo’, deixando-se apenas um traço de cabelo, da testa à nuca, outras ainda à Santo Antoninho ... Normalmente todos os da troupe andavam embuçados, para o que se dava à capa uma disposição especial, que não prendia os movimentos e só deixava à vista os olhos ... Para se escapar à alçada das troupes havia o recurso à ‘proteção’. Considerava-se protegido o caloiro montado por ‘veterano’, e o que fosse acompanhado por senhora, pais, irmãos, parente próximo ou bacharel, formado pela Universidade.

... Apesar da troça aos caloiros, das troupes, das imposições de grau, etc., etc., a Academia de Coimbra era um modelo de boa camaradagem e solidariedade ... Todos nos tratávamos por ‘tu’ sem necessidade de apresentações; uma ofensa a um ‘saca de carvão’ afetava toda a Academia”.

Ribeiro, A. 2004. As Repúblicas de Coimbra. Coimbra, Diário de Coimbra. Pg. 93 a 99

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:44


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2024

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031