Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 27.08.15

Coimbra, conflito do bispo com Sancho I

As dioceses mais importantes da Igreja portuguesa eram nesses tempos (os do reinado de D. Sancho I) Braga, Porto e Coimbra: a primeira, como metropolita da Galiza; a segunda, restaurada havia perto de um século encerrando os distritos mais populosos do país, a terceira, como sendo aquela a que pertencia a capital e dilatando-se até ao Douro por territórios talvez não menos férteis e povoados que o Minho. As sés de Lamego e Viseu, mais circunscritas … sujeitas em boa parte do reinado antecedente aos prelados do Porto e de Coimbra e regidas por delegados deles.
… Entre o rei e o bispo de Coimbra existiam antigos motivos de desgosto, que, segundo parece, tinham já constrangido o bispo a andar exilado largo tempo e que, em parte, eram comuns a todo o clero.
… Se acreditar-mos em todos os pontos de acusação propostos contra o rei, de muitos outros modos mostrava Sancho a sua malevolência para com o sacerdócio. Cada vez que topava com um padre ou monge, dizia ter um encontro de mau agoiro.
… Os ânimos estavam grandemente irritados, e o bispo de Coimbra, movido, talvez por um sentimento de despeito, cometeu a imprudência de escolher semelhante conjuntura para levantar o brado contra o procedimento de Sancho. Rude soldado, não nos deve parecer estranho que fosse crédulo e supersticioso … à suas queixas ajuntou o bispo ordenar a Sancho que afastasse de si a pitonisa … o rei buscou pretexto para romper de todo com o audaz prelado … As casas que aí tinha o cabido foram derribadas, levaram as cavalgaduras aos cónegos e saquearam a igreja. Pôs o bispo interdito na diocese … e interpôs logo apelação para o papa … Sancho aplicou o remédio extremo para tais casos. Substituiu-se ao metropolita e, até, ao papa. Determinou que ninguém respeitasse o interdito, e aos sacerdotes que não obedeceram, isto é, recusaram celebrar os ofícios divinos, privou-os dos seus bens

Herculano, A.1987. História de Portugal. Vol. III. Lisboa, Circulo de Leitores, pg. 88 a 90

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 12:31

Sexta-feira, 07.08.15

Coimbra, D. Sancho armado cavaleiro na Sé

Restituído à liberdade (após a prisão resultante do desastre de Badajoz) um dos primeiros cuidados de Afonso I foi armar seu filho cavaleiro, cerimónia celebrada em Coimbra a 15 de Agosto de 1170.
… Nas circunstâncias em que se achava o rei de Portugal a cerimónia celebrada em Coimbra era apenas o prelúdio de resolução mais ponderosa. Fundador de uma nova dinastia, no meio de sociedade igualmente nova, nada mais natural do que conceber Afonso I a necessidade de ir habituando, não só os súbditos, mas também os estranhos a considerarem Sancho como rei, antes que a morte viesse, por assim dizer, produzir uma solução de continuidade entre o pai e o filho e, portanto, na monarquia.
… Em Portugal, não havia instituições particulares que determinassem a sucessão … Não faltava naquela época nem audácia, nem ambição, e a morte do primeiro rei dos portugueses podia produzir sérias perturbações, ou geradas no próprio país ou trazidas de fora … Estas considerações ou outras semelhantes moveram provavelmente Afonso I a associar seu filho ao governo, não por um ato formal, de que não temos notícia, mas dando-lhe larga mão no regimento do estado, principalmente em matérias de guerra.

Três dias apenas eram passados desde que Afonso I falecera quando seu filho, que estava longe da corte do velho monarca, chegou a Coimbra para subir definitivamente ao trono que ele firmara à custa de tantas fadigas.

Herculano, A.1987. História de Portugal. Vol. II e III. Lisboa, Circulo de Leitores, pg. 186 e 187, e pg. 9

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 00:03


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2019

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30