Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 17.08.17

Coimbra: Cidade ECHO?

Assisti pela segunda vez, no passado domingo dia 4 de Junho, a um concerto dos seis órgãos da Basílica de Mafra.

 Tive, agora, ocasião para tomar conhecimento da existência da ECHO (Europae Civitates Historicorum Organorum) que foi fundada em 1997 e tem como objetivo desempenhar um papel unificador em projetos a nível europeu das cidades com órgãos de valor histórico e de origem europeia.

 Integram esta rede Alkmaar (Holanda), Bruxelas (Bélgica), Freiberg (Alemanha), Fribourg (suíça), Innsbruck (Áustria), Mafra (Portugal). Toulouse (França), Treviso (Itália) e Trondheim (Noruega).

Universidade. Capela órgão 1.jpgÓrgão da Capela da Universidade

  Rede a que Coimbra por direito próprio podia e devia pertencer, porque:

 - Dispõe de quatro grandes órgãos históricos – Igreja de Santa Cruz, Universidade, Sé Nova e Seminário de Coimbra. Todos operacionais e alguns recentemente recuperados. Acresce mais um órgão, o do Colégio da Sapiência ou Colégio Novo cujo estado desconheço, mas que foi objeto de recuperação no início da segunda metade do século passado;

 - Existem ainda nos Concelhos limítrofes outros dois órgãos recentemente recuperados e de valor inestimável: o do Mosteiro do Lorvão (Penacova); e o do Convento de Semide (Miranda do Corvo);

 

Mosteiro de Lorvão. órgão.jpgÓrgão do Convento de Lorvão

 - Teve Coimbra duas escolas de música de referência do nosso País, com produção organística própria: a do Mosteiro de Santa Cruz; e a da Universidade.

Igreja de Santa Cruz. Orgão 2.jpgÓrgão da Igreja de Santa Cruz

  De tudo o que atrás refiro o seguinte conjunto de perguntas:

- Quantas cidades e regiões do Mundo se podem orgulhar de um património cultural desta dimensão?

 - Depois dos vultuosos investimentos feitos e sendo condição necessária para a boa manutenção destes instrumentos o seu uso regular, o que se tem feito para que a mesma aconteça?

 - Não seria muito importante a existência de um organista residente que assegure aquele uso regular e que divulgue a música por aqui composta?

 - Este não seria um elemento muito importante não só para a vida cultural de Coimbra e da Região onde se insere, bem como para o desenvolvimento do turismo cultural que todos defendem?

 - Não é possível a conjugação de vontades entre os Municípios de Coimbra, de Penacova, de Miranda do Corvo, da Diocese, da Universidade, da Direção Regional de Cultura do Centro e da Região de Turismo Centro de Portugal, tendo em vista a potenciação do património organístico aqui existente?

 Eu tenho as minhas respostas. Acho que todos devem ter as suas. Em especial os candidatos na pugna eleitoral que está em curso.

 Rodrigues Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:47

Terça-feira, 22.12.15

Coimbra. Os órgãos mais relevantes existentes na Cidade

O órgão surge associado a festas e manifestações de caracter profano durante o período greco-romano.

No entanto, na Baixa Idade Média começa a assumir um papel fundamental nas cerimónias religiosas, sendo autorizada a sua utilização pelo Papa Vitalino, eleito em 657.

A produção destes instrumentos musicais alcança a sua máxima expressão durante o século XVII, época em que também surge a talha dourada e policromada indispensável à exuberância e teatralidade das cerimónias religiosas.

Os órgãos mais relevantes existentes em Coimbra são a seguir enumerados.

Igreja de Santa Cruz
Órgão do século XVIII, executado por D. Manoel Benito Gomez Gerrera, com reaproveitamento de elementos decorativos de um outro exemplar mais antigo, da autoria do entalhador Francisco Lorete.

 

Misericórdia
Órgão do século XVIII, de autor desconhecido, projetado para as antigas instalações da Misericórdia, alvo de grandes restauros, o último dos quais em 2001, pelo mestre organeiro George Jann.

 

Sé Nova
Órgãos do século XVIII, de autor desconhecido, onde desponta já o gosto neoclássico apesar de apresentar ainda bastantes elementos da linguagem artística anterior.

 

Capela de S. Miguel
Órgão do século XVIII, executado pelo organeiro Frei Manuel de S. Bento, destinado ao ensino da música na Universidade e também às várias celebrações religiosas e académicas.

 

Seminário Maior
Órgão do século XVIII, executado pelo organeiro Frei Manuel de S. Bento …

 

Neves, P. Sem data. Órgãos. Roteiros de Coimbra. Coimbra, Turismo de Coimbra, E.M.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 12:44


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930