Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A' Cerca de Coimbra



Terça-feira, 18.08.15

Coimbra, os primórdios da alcáçova 3

Na verdade, sobre a localização original da «Alcáçova», opinara António de Vasconcelos, categoricamente, em 1930, que esta “se erguia no lugar onde hoje são os Gerais da Universidade”. E justificaria: “Nenhuma dúvida pode haver sôbre a identificação dêste local. Aqui fui o núcleo dos edifícios do Paço da Alcáçova, que depois se foram alargando e estendendo em dois braços, um para Este, outro para Sul. São bem visíveis os vestígios das obras que aqui se fizeram em tempos de D. Manuel, D. João III, D. João V, D. José, etc. Dos edifícios existentes durante a primeira dinastia também alguns restos característicos têm sido descobertos, todos naquele núcleo central … apareceram, envolvidas pelas alvenaria, duas colunas românicas do século XII … não longe da tôrre, descobriu-se ali, sob o rebôco, uma janela ogival, que parece ser do século XIII, etc”. E, seis anos mais tarde, também Vergílio Correia, igualmente empenhado na reconstituição do Paço primitivo, escreveria: “Devia ser um recinto fortificado, rodeado de cubelos, incluindo moradias, e uma capela de invocação de S. Miguel … No Museu Machado de Castro existem duas colunas completas, de calcário amarelo local, pelo estilo atribuíveis ao fim do século XII, que pertenceram ao edifício real” … António de Vasconcelos escreveria … “mais velhos que essas colunas só os muros da cerca e a fresta de arco ultrapassado da torre do lado poente da entrada do palácio-fortaleza, pré-românica”.

Na verdade, ampliando a área original do edifício, a mole compacta dos «Gerais» incorporara certamente, na sua massa construtiva, os cascos de outras construções que, desde o período medieval, se haviam erguido nas imediações, à semelhança de outras casas, legadas à Sé e edificadas «juxta petrariam subtus alcaçeuam regis nouam»; e a elas pertencia o par de colunas pseudo-românicas … Que talvez fossem, de facto, pertença do «paço primitivo», no sentido em que a ampliação seiscentista dos «Gerais» não parece ter dado lugar à aquisição de terrenos … Sabendo-se que nesse setor se situariam, por tradição, os açougues e outras extensões da Universidade, é bem provável que o edifício (ou edifícios) onde as colunas e os trechos de muros inicialmente se incluíam fosse(m) também pertença do Paço.

Pimentel, A.F. 2005. A Morada da Sabedoria. I. O Paço real de Coimbra. Das Origens ao Estabelecimento da Universidade. Coimbra, Almedina, pg. 226, 227, 230

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:37


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Agosto 2015

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031