Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A' Cerca de Coimbra



Quinta-feira, 11.04.19

Coimbra: Gíria dos Estudantes 2

O estudante de Coimbra, a vida escolar e as Instituições Académicas.
Nas transcrições efetuadas, optamos por citar as palavras e as expressões da gíria a negrito.

Aguentar-se – Dar uma lição sofrível («Não brilhou, mas aguentou-se pelo menos»).
Amélia – Elemento do naipe dos primeiros tenores do Orfeão Académico. («O Orfeão este ano tem falta de Amélias»). Este termo foi possivelmente pedido ao calão lisboeta, onde significa homem efeminado. Como os primeiros tenores são os que têm a voz mais próxima da feminina, foi-lhes dada aquela designação depreciativa.

Orfeon Arroyo (1881).jpgOrfeon Académico, dirigido por João Arroyo (1881)

Apitar – Dizer baixinho ao colega que está a ser chamado à lição o que deve responder («Se não me apitas, estou perdido»)
Barca – Nome dado ao aluno do quinto ano que protegia muitos caloiros à passagem na Porta-Férrea. («Lá vem a Barca!»).

Troças à Porta Ferrea. Novato levando às costas

À passagem da Porta-Férrea, o caloiro estava sujeito ás troças e à praxe chamada canelão, que consistia em os caloiros apanharem caneladas dos mais antigos. Para lá se passar sem perigo era necessário ir protegido por um quintanista.
Bestialógico – Exposição em que o aluno fala muito bem, mas diz poucas coisas acertadas («Concordo: fez um bestialógico, como nenhum de nós é capaz»).
Bicho – Aluno do liceu («Pertencer à briosa era o sonho dourado dos rapazes, sem embargo de saberem quanto era ingrata a vida do caloiro, só comparável à que levavam os bichos e os formigões, os seminaristas»).
Bicicleta – 8 valores («Contava passar, mas apanhei uma bicicleta»).
Boroa, Estudante de – Aluno da Escola Agrícola.
Briosa – Academia («deram-se nomeados para representar a Academia nos funerais; e, quando a briosa soube da história, já iam todos a caminho de Lisboa»).
Broeiro – Estudante pobre dos arredores de Coimbra, a quem os pais enviavam todos os géneros alimentícios.
Bufar - O mesmo que apitar.
Cabra – Sino da Torre da Universidade de Coimbra, que toca todos os dias às 18 horas, avisando os estudantes de que é tempo de recolher ao estudo.


Universidade. A Cabra.jpg

Cabrão – Sino da Torre da Universidade de Coimbra, que toca todas as manhãs, anunciando aos estudantes que há aulas. … este sino tinha um som mais grave, motivo porque lhe foi dado o nome do macho da cabra.
Cabulite – Falta de vontade para estudar («Portador de uma sintomatologia de inesperadas consequências, diagnosticada como cabulite aguda»).
Canudo – Diploma de licenciatura ou, de bacharelato. Tal designação, dada à carta de curso, provém do facto de ela ser entregue outrora ao novo bacharel ou licenciado, dentro de um canudo de lata.
Chichar – Anotar os livros escolares, nas entrelinhas ou à margem («Estava a traduzir muito bem, quando o mestre se levantou e descobriu que eu tinha o livro chichado»).
Cornos, meter nos – Decorar, fixar («Ainda que tenho que meter nos cornos toda esta coisa, apenas com dois dias antes dos atos»).
Coxo, passar – Transitar de classe, reprovado numa disciplina.
Cu, frequência de – Diz-se quando o aluno vai à aula só para marcar a presença, não ligando importância às preleções do mestre nem as acompanhando do estudo necessário («Não podia passar, só tinha frequência de cu»).
Cuspo, lição colada com – Lição estudada à última hora e que facilmente se esquece.
Empinar – Decorar («Adeus! Vou para casa empinar umas fórmulas»).
Espalhanço – Má lição.
Fera – Mestre muito exigente e que reprova muito.
Lebre, andar à – Recorrer aos amigos, quer para se alojar, quer para comer.
Mergulhar – Diz-se do aluno que se deixa escorregar pela carteira, para que o mestre não veja e não o chame à lição.
Patavina, não saber ou não pescar – Não saber nada.
Rabeca – Cama de estudante.
Rasgar [posteriormente, rasganço] – Ação de fazer em tiras todas as peças do vestuário do estudante, exceto a capa, no dia que conclui o seu curso. (Já hoje rasgaram cinco em Medicina).

Rasganço.jpg

Rasgar, ou rasganço

Sebenta – Espécie de apontamentos coligidos pelos alunos segundo as lições do mestre e, muitas vezes, revistos por este.
Tapar – Dar o número máximo de faltas permitido pela lei.

Castro, A.F. 1947. A Gíria dos Estudantes de Coimbra. Suplementos de Biblos. Série Primeira, 7. Coimbra, Faculdade de Letras

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 19:59


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930