Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A' Cerca de Coimbra



Terça-feira, 30.11.21

Coimbra: Feira dos Estudantes

A existência de uma Feira dos Estudantes está documentada desde os primórdios da instalação da Universidade em Coimbra. Os Estatutos da Universidade, de 1597, referem-se a uma “feira franca que se faz na praça dos estudantes”. O lugar que adquiriu o seu próprio nome – Feira dos Estudantes – no séc. XVI, ainda hoje existe, no largo frente à Sé Nova de Coimbra.

Sé Nova e feira dos estudantes.jpg

Fig. 3 – Foto da Feira dos Estudantes datada de década de 70, do séc. XIX (col. Alexandre Ramires).In: Passado ao Espelho. Máquinas e imagens das vésperas e primórdios da Photographia.

Felizmente, sobreviveu no tempo um volume dos almotacés da feira, com o preço dos géneros ali vendidos (1796-1809). Os almotacés eram sempre doutores ou graduados na Universidade, que eram eleitos para o cargo, para taxarem os preços dos produtos vendidos e verificarem a qualidade dos mesmos.

É esse volume que podemos consultar, para conhecer o que a Natureza produzia ao longo das diversas estações do ano e que géneros alimentares existiam na feira, sejam os legumes, as frutas ou mesmo o peixe.

Assim, em maio e junho de 1804 (Fig. 1) podemos ver o registo dos preços das ervilhas (tortas e direitas), as favas, o feijão verde, mas também o ruivo, a pescada, o cação, a tainha, a raia, a sardinha, o robalo, as enguias, etc. Entre maio e julho, surge sempre o registo das cerejas, cuja produção, na estação própria, certamente trazia à feira o fruto tão saboroso, havendo também a designação de “cereja preta”.

Feira dos Estudantes IV-1-¬E-8-4-53_fl_104v_105.j

Fig. 1 - Registo dos produtos almotaçados na feira dos Estudantes, de 23 de maio a 19 de junho de 1804

 Os adágios populares espelham bem esse devir do tempo e a passagem dos meses e estações do ano, como o que escolhemos para introduzir um exemplo dos alimentos nos meses de final de ano: em novembro, prova o vinho e semeia o cebolinho.

Feira dos Estudantes IV-1-¬E-8-4-53_fl_96v_97.jpg

Fig. 2 – Registo dos produtos almotaçados na feira dos Estudantes, de 29 de novembro a 13 de dezembro de 1803

A informação sobre a venda, em 29 de novembro de 1804, de “penduras de uvas brancas” também identificadas como “uvas de dependura”, diz respeito às uvas que, fora da estação própria, depois da vindima, se podiam conservar, dependuradas, para se consumirem nos meses de setembro a dezembro. Assim como se referem as “uvas secas” ou passas de uvas. Quanto a outra fruta, saboreavam-se as “maçãs doces da Beira” e a “fruta doce da Beira” (v. dias 29 de novembro e 13 de dezembro de 1803). Também a castanha, fora da sua estação, se poderia consumir seca. E aí está, a designação “castanha longal seca”, tal como a castanha rebordã e a castanha longal, vendidas em abril ou em junho, certamente com outras formas de conservação.

Os testemunhos dos hábitos alimentares da população estudantil, e de todos os docentes e funcionários da Universidade que poderiam abastecer-se na feira, são um interessante tema de estudo, existindo, felizmente, estas fontes documentais que atestam a diversidade de produtos, em cada estação.

Os queijo e paios do Alentejo, esses não respeitam qualquer estação e, pela sua qualidade, estão presentes ao longo do ano, com registos de preços, desde 1796, sem tirarem o lugar aos “queijos do Sabugueiro”, pela forma como, repetidamente, surgem registados.

Bandeira, A. M. Estações. Maio pardo e ventoso faz o ano farto e formoso. Acedido em Acedido em https://www.uc.pt/cultura/estacoes/maiopardo/

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:02


3 comentários

De Ana Amado a 01.12.2021 às 09:04

Presunto e toucinho sempre à cabeça, e no entanto doenças cardiacas e diabetes as pessoas mal sabiam o que era...

De Anónimo a 01.12.2021 às 09:31

Bom dia Ana Amado
Mas a esperança média de vida nesse tempo andava abaixo dos 50 anos...
Obrigado pelos seus comentários
Rodrigues Costa

De Ana Amado a 01.12.2021 às 09:45

Graças à falta de antibióticos, agua canalizada, miséria, condições de trabalho, etc...
Muita gente vivia até à velhice mas muita morria logo na infância. Logo, a esperança de vida diminui.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2021

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930