Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra



Sexta-feira, 06.11.15

Coimbra e as suas personalidades: Artur Paredes

Artur Paredes … nasceu em Coimbra, onde num Colégio iniciou os seus estudos, duplamente órfão desde tenra idade. Em Coimbra viveu, bancário de profissão, até que, já no 1.º lustro da nova década (1920-1930), a subida de categoria o transferiu para Lisboa …
Posto que não chegasse a ingressar na nossa Academia, foi com académicos de sucessivas gerações que sempre conviveu, perfeitamente integrado no ambiente estudantil, como familiar académico sempre considerado, pois o seu coração, o seu temperamento, a sua sensibilidade nunca deixaram de cultivar essas relações opcionais, sendo certo que as entidades diretivas do nosso foro escolar nunca dispensavam a sua válida colaboração, colocado sempre à cabeça de qualquer programa, como atrativo cimeiro.
Mormente o Orfeon e a Tuna, nas consagradas digressões pelo país e estrangeiro – a Espanha, a França e o Brasil que o digam – faziam gala na ostentação da aura a que se guindara, como aval de um triunfo certo da embaixada! E nunca deixou de ser convidado, afastado muito embora da sua terra natal, a colaborar nas comemorações nas mais relevantes efemérides estudantis, em que esteve presente, ultimamente já na companhia de seu filho Carlos.
Precisamente por tudo isto é justamente considerado uma das glórias do património espiritual académico … Pertence a uma família de cultivadores da guitarra. Era guitarrista seu tio Manuel Paredes … Lembra-se ainda, como há dias me revelou, de ouvir tocar seu avô. Mas veio a receber, indubitavelmente, a veia artística que já convergia em seu pai, Gonçalo Paredes …
A glória de Artur Paredes não reside apenas na excelência da dedilhação, na performance imprimida aos motivos preferidos, quase todos da sua criação, ou no requinte da interpretação com que revestiu temas alheios, a que conferiu auréola de valorização.
Seria muito, mas não era tudo.
A dimensão do seu triunfo espraia-se também na inovação imprimida ao habitual sistema de utilização da mão esquerda, a que fez aliar modificações na estrutura do instrumento, na certeza de que só assim atingiria as coordenadas dum outro horizonte, a que nenhum coevo ou posterior epígono teria sido ou virá a ser capaz de subtrair-se.
E assim cuidou da modificação anatómica do instrumento, alargando-lhe a escala, elevando o nível da pontuação, aumentando a altura das ilhargas, no objetivo de uma maior pureza de notas, isoladas ou em associação, e de uma necessária ampliação do campo de ressonância …
Quanto ao outro aspeto, o referente ao efeito melódico, travejamento do tema, detonação da frase – a orquestração, digamos – atenda-se a que tudo ali era desenhado, orientado e executado num sentido profundamente «linear» …
Tal o segredo de Artur Paredes que, sem perder o sentido lírico ínsito na veia tradicional do nosso povo, arvorou o pendão da modalidade orquestral da guitarra portuguesa.

Sousa, A. 1981. O Canto e a Guitarra na Década de Oiro da Academia de Coimbra (1920-1930). Coimbra, Comissão Municipal de Turismo, pg. 20 a 23.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:45



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930