Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A' Cerca de Coimbra



Quinta-feira, 07.01.21

Coimbra: Alargamento do espaço urbano no cotovelo dos séculos XIX e XX. 1

Conforme prometi, retomo hoje a publicação regular, às 3.as e às 5.as feiras, das entradas que, em resultado das minhas leituras sobre Coimbra, vou divulgando neste blog, tendo como objetivo transmitir aos naturais da nossa Cidade ou aos que a amam um melhor conhecimento da sua história. De acordo com este propósito, inicio hoje uma série de 29 entradas extraídas de um trabalho da Senhora Professora Regina Anacleto, publicado no Boletim da Academia Nacional de Belas Artes, com o título Coimbra: alargamento do espaço urbano no cotovelo dos séculos XIX e XX.

Face ao interesse do trabalho, mas tendo em conta a sua extensão, publicá-lo sequencialmente tornar-se-ia fastidioso, o que me levou a optar por o divulgar semanalmente às 5.as feiras e por introduzir às 3.as feiras outras temáticas. Mais uma vez, obrigado pelas palavras de incentivo que tenho recebido, relacionadas com o trabalho que venho realizando.

 

A Cidade Oitocentista

Coimbra situa-se num morro sobranceiro ao rio, de pendentes bastante íngremes cuja vertente, a norte, desce quase a pique para o vale da Ribela, onde corria a Torrente dos Banhos Régios, como, ainda nos finais do século XII, era apelidado o curso de água que, descendo do alto da quinta do mesmo nome, atravessava a atual Avenida Sá da Bandeira e se escoava por entre a Rua Direita e a Rua da Moeda em direção ao Mondego; contudo, a poente, o descaimento, mais suave, processa-se como que em patamares.

Vista de Coimbra. Hoefnagel 04.JPG

Fig. 1 – Vista de Coimbra. [Georg Braun e Franz Hoefnagel. c. 1565].

 Cidade dualista, dividida em Alta e Baixa, com a primeira a ocupar a colina, delimitada parcialmente pelas duas couraças, a de Lisboa e a dos Apóstolos, bem como pela Porta de Almedina e a segunda a distender-se na plana zona ribeirinha, preenchida por um dédalo de ruas caprichosas e estreitíssimas. A população citadina estendia-se pelos dois espaços: no cume do cômoro desenvolvia-se a vida cultural e, simultaneamente, formavam-se mentalidades e espíritos; na parte baixa movimentavam-se assalariados, artífices e comerciantes.

A referida dualidade encontrava-se bem patente na toponímia. Enquanto que na zona da Alta nos deparamos com a Rua dos Estudos, a Rua dos Militares, a Rua de Entre-Colégios, a Rua dos Lóios ou o Largo da Feira dos Estudantes, na Baixa encontramos a Rua dos Sapateiros, a Rua das Padeiras, a Rua da Louça, a Rua das Azeiteiras ou o Largo das Olarias.

Largo da Feira dos Estudantes. [Passado ao Espelho

Largo da Feira dos Estudantes. [Passado ao Espelho, p. 58]

Rua dos Oleiros.jpg

Rua dos Oleiros

 Entre cerca de 1350 e 1600, grosso modo, pode dizer-se que o nível demográfico de Coimbra, embora com altos e baixos, se manteve mais ou menos estável, o que não significa que as gentes da cidade não vissem as suas necessidades de abastecimento regulamentadas por diversas e sucessivas cartas régias que determinavam quando e como podiam e deviam organizar-se os mercados e as feiras.

A população de Coimbra entre cerca de 1600 e de 1930 aumenta consideravelmente e de entre os fatores que ajudam a explicar o crescimento demográfico aeminiense, seja-me permitido destacar apenas dois: os progressos verificados no campo da medicina e, desde o reinado de D. João III, a permanência ininterrupta dos Estudos Gerais na cidade.

Os artífices e os comerciantes instalados na zona baixa, já fora de portas, labutavam na ânsia de conseguir a sua sobrevivência ou de, dentro do espírito economicista e capitalista da época, começar a enriquecer; mas convém não esquecer que, em Coimbra, o desenvolvimento industrial se apresentava “moderado e tardio”, até porque se tratava de uma terra quase provinciana, de parcos recursos económicos, onde muito pouco havia para investir. Comparando com o que se passou em outras zonas do país ou no estrangeiro fácil se torna concluir que a industrialização em Coimbra foi “desfasada quer por se ter verificado tardiamente quer pela sua fraca intensidade”.

Planas & C.ª. Lanifícios.jpg

Fábrica de Lanifícios de Santa Clara, publicidade

 Para além das fábricas de fiação e tecelagem, de sabão, de lanifícios e de cerâmica, O Conimbricense referia ainda a presença das de massas, de moagem e de padarias. Penso não estar muito longe da verdade se afirmar que estas “fábricas” não passavam de pequenas unidades industriais.

Anacleto, R. Coimbra: alargamento do espaço urbano no cotovelo dos séculos XIX e XX. In: Belas-Artes: Revista Boletim da Academia  Nacional de Belas ArtesLisboa 2013-2016. 3.ª série, n.ºs 32 a 34. Pg. 127-186. Acedido em https://academiabelasartes.pt/wp-content/uploads/2020/02/Revista-Boletim-n.%C2%BA-32-a-34.pdf

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 16:45


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31