Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A' Cerca de Coimbra



Sexta-feira, 25.03.16

Coimbra: Abastecimento de cereais e o pão consumido no séc. XVI

O abastecimento da população da cidade e do termo, em geral, dependia diretamente da autoridade camarária
… As câmaras dos sábados, pelo menos no primeiro quartel do século XVI, estavam destinadas apenas às «coisas próprias da cidade»

… Os cereais panificáveis produzidos no termo de Coimbra, num ano de boas colheitas, satisfaziam as necessidades comuns da população antes da mudança definitiva da Universidade. Mas bastava um ano deficiente, mesmo sem a presença dos escolares, parar criar dificuldades
… o período crítico do abastecimento do pão situava-se, genericamente, de Março a Maio … Múltiplos documentos mostram a Câmara a procurar estes cereais (milho, centeio ou cevada), para alimento do povo.
…O cereal destinado ao abastecimento do «povo» conimbricense era vendido, de modo geral, na Praça, na Casa da Farinha

… A poia, nos fornos públicos, era de 20 pães. As forneiras eram obrigadas a dar a vez «a cuja direitamente for» e deixar «fazer o pão no forno enquanto suas donas quiserem». Neles deviam cozer, muito provavelmente, a maioria das padeiras
… Circunstâncias de aperto, como se verificou em Abril de 1563 (havia pouco pão «e o povo era grande»), podiam levar o governo municipal a obrigar um certo número de mulheres a amassarem e cozerem pão, que previamente lhe distribuía por medida e conta. O pão cozido era depois repartido. «Deste modo, por o pam ser pouquo se poderia este povo milhor sustentar»

… O pão podia ser de trigo, de milho e segunda. Não longe de Coimbra fabricava-se talvez, pão de castanha. Este fruto era largamente consumido na cidade, mas não encontrámos documentado o seu uso sob a forma de pão … As necessidades obrigaram, ainda, pelo menos na fome de fim de Quinhentos, a fabricar pão de linhaça.
... O pão branco era luxo para muitos moradores de Coimbra. O «povo miúdo e pobre» alimentava-se sobretudo de «segunda». Pão de segunda designava, genericamente, o que era fabricado com cereais panificáveis que não fossem o tripo ou o milho. Mas este cereal aparece, por vezes, incluído nesta nomenclatura. Pão segundo e pão terceiro aparece consumido pelos jesuítas
… A aveia, pelo menos com mistura de centeio, chegou a ser gasta como pão em Coimbra. O povo, já em 1578, comia principalmente pão de milho.
… Em Setembro de 1758 a Câmara coimbrã afirmava ser o pão de milho «o principal de que este povo se sustenta» … De milho miúdo, primeiramente. Por volta desta época (1578), ou pouco depois, desenvolveu-se a cultura do Zea mays. O zaburro entrou nos hábitos pelo menos da gente economicamente menos favorecida, ao lado do milho miúdo.

Oliveira, A. 1971. A Vida Económica e Social de Coimbra de 1537 a 1640. Primeira Parte. Volume II. Coimbra, Universidade de Coimbra, pg. 122, 123, 132 a 134, 141 e 142

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:27


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031