Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 01.09.16

Coimbra: Chafarizes e fontes que desapareceram 2

Chafariz da Feira

Estava situado na praça de S. Bartolomeu, conforme se pode ver ... na vista panorâmica da cidade de Coimbra, de Jorge Braunio ... onde aparece com a designação de “fons fori” ... Foi mandado construir ... em 1573, por carta régia de el-rei D. Sebastião ... No ano de 1747, este Chafariz beneficiou da limpeza e desobstrução dos canos ... No ano de 1864 ... voltou a ser reformado, tendo sido adicionadas na frontaria as armas da cidade e a data de 1864. Manteve o número de três bicas e o depósito de água suficiente para acudir aos incêndios.

 

Chafariz da Sé Velha

Terá sido construído no adro da igreja ... junto ao ângulo noroeste, onde existia um deposito provisório de águas. A transformação efetuada nesse depósito, no ano de 1573 ou 1574, teria dado lugar ao chafariz de uma só bica, em cumprimento da ordenação na carta régia ... de el-rei D. Sebastião ... Cerca de sete anos depois da sua edificação ... foi beneficiado passando a dispor de duas bicas, tendo a ladeá-lo dois brasões ... foi modificado, para ampliação do depósito e retirada de uma bica e, em 1898 foi recuado

 

 Fonte dos Bicos

O nome estava relacionado com a arquitetura singular das suas pedras quadrangulares cortadas em pirâmide formando um bico ... terá sido mandada construir ... quando o rei D. João III fixou definitivamente a Universidade em Coimbra, no ano de 1537. O Marco da Feira, na zona norte da Alta, servia de terraço à Fonte dos Bicos, que ligava o lado nascente do Largo da Feira à Ladeira do Marco da Feira, depois Rua dos Estudos ... O Marco da Feira nasceu da cobertura da cisterna que alimentava a Fonte da Feira.

 

Lemos, J.M.O. 2004. Fontes e Chafarizes de Coimbra. Direção de Arte de Fernando Correia e Nuno Farinha. Coimbra, Câmara Municipal de Coimbra. Pg. 163, 166 e 167, 182

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 22:49

Quinta-feira, 28.04.16

Coimbra: os Paços do Concelho ao longo dos tempos

A Câmara funcionara naquele local (Torre de Almedina) desde tempos roçando pela fundação da monarquia, donde transitou para a chamada Casa da Audiência, defronte da porta principal da Sé Catedral (modernamente denominada Sé Velha).

E, em virtude de transação com o prelado diocesano no fim do séc. XV, passou para a «casa da cidade da praça pública», onde funcionou, por cima dos açougues da cidade, dando para a Praça de S. Bartolomeu (modernamente Praça do Comércio) e para a Calçada (modernamente Rua Ferreira Borges), e que servia também de «paaço dos taballiães».

Este «paaço» tinha-o a Câmara mandado edificar para nele estarem os tabeliães da cidade, tanto os de notas como os do judicial, servindo os seus cargos das 7 às 10 da manhã e da 1 às 5 da tarde, e ocupava o espaço onde atualmente se encontram as primeiras casas a sul das Escadas de Santiago, com as frentes ocidental para a atual Praça do Comércio e oriental para a Rua Ferreira Borges.

Porém, pouco depois do terramoto de 1755, por essa casa ser excessivamente alta e a «fugida lhe não poder ser fácil», as vereações voltaram a fazer-se no segundo pavimento da Torre de Almedina … até que, em 1755 … feitas umas indispensáveis reparações, voltasse a Câmara para a Casa da Cidade.

Mas, o incêndio provocado pelos soldados de Massena, a 3 de Outubro de 1810 … forçou a Câmara a regressar à Torre de Almedina.

Informação adicional

Na Torre de Almedina funcionaram os Paços do Concelho no período que vai de Outubro de 1810 até à inauguração do atual edifício, a qual teve lugar a 13 de Agosto de 1879.

 

Loureiro, J. P. 1967. Coimbra no Século XIX. Separata do Arquivo Coimbrão, Vol. XXIII. Coimbra, Câmara Municipal de Coimbra. Pg.8 e 9

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:01

Sexta-feira, 11.12.15

Coimbra: O Despertar, um jornal da Cidade

Hoje, pouco se sabe de concreto relativamente à fundação de O Despertar, em 1917.
Sem dúvida que houve reuniões preparatórias … Numa dessas reuniões assentou-se na escolha do Diretor – o Dr. José Pires de Matos Miguens – e deu-se o nome do novo periódico: O Despertar. Quem lhe deu o nome foi o colaborador Ezequiel Correia…
… Coimbra despertara, havia tempos, e transformava-se, graças à colaboração de dois grupos: de um lado, os gestores de origem universitária …; e do outro, os enérgicos burgueses das casas comerciais da Praça Velha ou da Calçada … Depois, houve uma paralisação: as forças nacionais, ou se empenhavam na Guerra, ou corriam o risco de serem submergidas pelos faciosismos que surgiram e se digladiavam.
Era preciso ressurgir – e lutar contra a miséria moral e material que espreitava a Grei.
Aqui e além, esse esforço começava.
Era o despertar dum povo, no nosso caso, duma cidade. De Coimbra.
Era O Despertar.

No seu curto programa, Magna Carta do jornal, estabelece-se que o Despertar:
- Só tem uma norma: a da Correção;
- É independente, alheio às forças partidárias;
- Louvaria, e reprovaria com altivez, o que lhe parecesse merecer reprovação;
- Punha, acima de tudo, os legítimos interesses de Coimbra.

… em 3.XI.1934, a empresa passou às mãos de João Henriques … e o jornal estava arriscado a um colapso fatal se, nesse momento, António de Sousa, que lá trabalhava, não tomasse … o encargo de continuar a publicação de O Despertar.
E assim foi. Tomou conta da Administração desta empresa que, se não é ruinosa, é empobrecida. Foram anos de sacrifício e de devoção: o espirito de cruzada e de apostolado dos homens de 1917, herdou-o ele e continuou, intemeratamente.

… Há dois tipos fundamentais de jornais: o noticioso e informativo e o de esclarecimento e orientação … Entre estes dois tipos extremos, encontram-se numerosos tipos intermediários de jornais, principalmente na chamada Imprensa de Província ou Imprensa Regional, quase sempre eclética.
O Despertar pertence ao grupo dos jornais ecléticos.

Machado, F. F. 1967. Um Jornal de Coimbra: O Despertar. 1917-1967. Coimbra, Edição de O Dspertar. Pg. 3 e 4, 7 e 8, 11

 

Crentes no futuro, como no início, em 1917 eis “O Despertar”, quase a entrar no seu 98.º ano de publicação ininterrupta, rumo ao centenário. Com os olhos postos no futuro mas fiel aos valores dos seus fundadores e continuadores. A Honra e a Dignidade não têm preço, nem hiatos, nem prazos de validade. A Verdade tem hoje – em todas as linhas e páginas do jornal – a mesma forma que teve ontem e a que terá amanhã.

Acedido em 06.12.2015, em http://odespertar.com/pt/index.php/estatuto-editorial

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:37

Quinta-feira, 19.11.15

Coimbra, Mercado D. Pedro V 1

Coimbra tinha, na primeira metade do século XIX, três mercados que satisfaziam as necessidades alimentares dos seus habitantes: um, com raízes seculares, na Praça de S. Bartolomeu (hoje oficialmente denominada Praça do Comércio, e igualmente conhecida por Praça Velha); o mercado de Sansão, em frente da fachada principal do Mosteiro de Santa Cruz e da sua Igreja (atual Praça 8 de Maio) e ainda um mercado semanal às terças-feiras no antigo Largo da Feira, frente à Sé Nova, reminiscência da chamada Feira dos Estudantes, instituída no século XVI por D. João III, para a comunidade da Universidade, após a sua transferência definitiva para a cidade.
… resolveu a Câmara, em 13 de Junho de 1840, que as vendedeiras de cereais de Sansão passassem para o então denominado Pátio de Santa Cruz, situado no local que é hoje o início da Rua Olímpio Nicolau Rui Fernandes …
Pouco depois, em 6 de Maio de 1857, nova alteração surgiu, com a mudança do mercado dos cereais para a antiga horta do mosteiro … continuando a existir a velha praça em S. Bartolomeu
… Era, ao tempo, consensual a necessidade da construção de um mercado, pois a velha praça instalada em S. Bartolomeu não satisfazia as condições mínimas …as opiniões dividiam-se quanto à sua localização. Alvitravam-se dois locais: a horta de Santa Cruz e a Sota, na velha Baixa Coimbrã … sendo decidido pela Câmara da presidência do Dr. Manuel dos Santos Pereira Jardim, em 5 de Janeiro de 1866 … escolher o terreno da horta de Santa Cruz, em detrimento da Sota … iniciam-se em Outubro de 1866 as obras, com a escavação de 3.695 metros cúbicos de terras, para nivelamento dos terrenos … em 21 de Outubro de 1867 aprovado o regulamento, data em que se decidiu dar ao novo empreendimento o nome de Mercado D. Pedro V … de facto, no dia 17 de Novembro de 1867, era, finalmente inaugurado o novo mercado que tanta polémica levantara … O novo mercado seria contemplado com um candeeiro a gás, a que em breve se juntariam mais quatro.
… logo em 1872 temos notícias de reparações …Até ao fim do século XIX, foi o mercado alvo de pontuais reparações, cobertura de barracas, ou instalação de esgotos … em 12 de Janeiro de 1899, viria a ser tomada a tão útil e necessária decisão de mandar vedar o recinto do mercado.

Andrade, C.S. 2001. Mercado D. Pedro V. Uma História com História. Texto publicado em suplemento especial no Jornal de Coimbra de 14 de Novembro de 2001

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:50


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2020

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829

Posts mais comentados