Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 06.06.19

Coimbra: Entrada do bispo D. Miguel da Anunciação na cidade de Coimbra

Nota: Este assento foi transcrito pelo Doutor Manuel Augusto Rodrigues como documento anexo da publicação abaixo referenciada.

Assento da primeira entrada publica do Sr. Bispo Conde
Em 17 de Junho de 1741, tendo escrito o Ex.mo nosso Prellado, Sr. D. Miguel da Anunsiasão ao R.do Cabido que pelas tres horas e meya da tarde determinava fazer a sua entrada publicamente nesta cidade … o que asim se observou, sahindo o R.do Cabido acompanhado de todo o Clero, Confrarias, e Irmandades do Santissimo desta cidade … indo tambem os Reitores de S. Francisco da Ponte, e do Convento de S. Domingos … e a qual se encaminhou pela rua de San Cristovam [Rua Joaquim António de Aguiar, anteriormente Rua do Correio], rua das Fangas [R. Fernandes Tomás], e da Calsada [Rua Ferreira Borges], ruas de Coruche [R. Visconde da Luz], e Sta. Sofia [R. da Sofia], the as portas de Santa Margarida [início da R. da Figueira da Foz],

Itinerário para a entrada do bispo.jpg

Itinerário para a entrada do bispo

aonde da parte de fora estava um Taburno com quatro degraus de altura, immediato às duas portas, e da parte do monte, e no meyo do dito o Solio do Sr. Bispo Conde, ficando aos seus lados os asentos para o R.do Cabido entre o qual foram alguns Conegos Doutoraes vestidos de sobrepelis, e murça.

Capela do Loreto 4.JPG

Capela de N. S. do Loreto, na atualidade

… Pouco depois de ter chegado o R.do Cabido chegou ao dito Citio o Sr. Bispo Conde, o qual sahio da Capella de N.ª. S.ª do Loretto, onde os seus Criados o vestiram, e ajudaram a montar a Cavallo em huma mula preta com gualdrapa, e arreyos cobertos de pano roixo, e dahi abalou no meyo de quatro Conegos deputados pelo R.do Cabido pera o virem acompanhando, os quais vinham todos montados em suas mullas com gualdrapas pretas, e elles com vestidos talares de murça negra; atras do dito Sr. vinha montado a Cavallo loam de Saa Pereira rogado pera seu caudatario, e o estribeiro do dito Sr. adiante dos quatro Conegos vinham os Capellaes, e Pagens do Sr. Bispo Conde, adiante destes, os ministros da cidade a que se seguião os fidalgos della, e alguns nobres … e seriam perto de quatro horas quando se chegou adonde estava o R.do Cabido e apeando-se o Sr. Bispo Conde ajoelhou em huma almofada posta sobre huma alcatifa estendida na rua junto ao Taburno, e ahi lhe deu a beijar a Cruz pequena de esgalhos …Logo vieram dous Conegos a servir de Diaconos asistentes, que alli o vestiram Pontificialmente, e o Rdo Deam lhe meteu o anel no dedo: Expedida na rua de Santa Sofia a Nobreza, Fidalguia e Ministros da Cidade, os foram seguindo as Irmandades, Confrarias, Clero e as ditas Religiões, que sahindo da rua de Santa Margarida [R. da Figueria da Foz], de dous a dous, foram passando por diante do Sr. Bispo Conde, e pondo-lhe hum joelho em terra. Seguia-se em ultimo lugar o Clero da Freguesia da See, Capellães, e muzicos delIa cantando hymnos, e logo o R.do Cabido se seguia fazendo inclinasam profunda ao dito Senhor paseando-se por elle dous a dous. Desceu o Ex.mo Prellado do seu solio, e montando em hum cavallo ruço com gualdrapa e arreyos cobertos de cettim branco, abalou pera as portas da, Cidade [portas de S.Margarida] adonde o vereador mays velho lhe representou da parte do senado e da cidade a alta estimação … Logo o receberam os Camaristas debaixo do Pallio, pegando na outava Vara hum veriador do anno antecedente, e chegando asim ao Terreiro de Sam Sam [Praça 8 de Maio], onde haviam feito paragem outo cavaleiros fidalgos, se entregaram a estes as ditas varas da ponte das portas da Igreja de Santa Crus, e dahi o acompanharam, e conduziram the as portas da See,


as portas da See.jpg

as portas da See

aonde da parte de dentro estava huma alcatifa estendida, sobre que parou o Sr. Bispo Conde, e o R.do Deão lhe deu agoa Benta, e incenso pera o dito Senhor fazer … sahio da See o dito Senhor pera o Seu Paço acompanhado do Cabido, Clero e Nobreza.

Rodrigues, M.A. 1982. D. Miguel da Anunciação e o Cabido da Sé de Coimbra. Separata do Boletim do Arquivo da Universidade de Coimbra, vol. V.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:04

Terça-feira, 04.06.19

Coimbra: O bispo D. Miguel da Anunciação

Natural de Lisboa, onde nasceu a 28 de Fevereiro de 1703, descendente de uma família nobre (seu pai era Tristão da Cunha e Ataide, primeiro conde de Povolide, e sua mãe pertencia à família dos Távoras), viria a escolher Coimbra para lugar dos seus estudos. Foi porcionista do Real Colégio de S. Paulo e frequentou Cânones na Universidade.

D. Miguel da Anunciação. Pascoal Parente.jpg

D. Miguel da Anunciação. Pintura de Pascoal Parente

Mas depois resolveu entrar para o Mosteiro de Santa Cruz, tendo recebido o hábito a 26 de Abril de 1728, sendo em 1737 eleito geral da congregação.
Em 1739 era apresentado no bispado de Coimbra por D. João V, recebendo a sagração episcopal em Santa Cruz no dia 9 de Abril de 1741.
… Deixou várias Pastorais e atribui-se-lhe uma obra (com o pseudónimo de Pedro Bembo) sobre o sigilismo, intitulada Fundamentos... (Madrid,1768), impressa numa tipografia clandestina de S. Martinho do Bispo.
… Ao tempo de D. Miguel da Anunciação as coisas no Cabido não funcionavam da melhor maneira. Havia discórdias constantes entre o Cabido e os beneficiados, como aliás, embora em menor proporção, noutras diocese do reino.
… a questão só terminou quando Pio VI, pela Bula Christus Dominus Dei Filius, de 20 de Junho de 1778, a pedido do bispo de Coimbra, extinguiu e aboliu perpetuamente as meias conezias e tercenárias da sé de Coimbra e mandou erigir outra nova ordem de benefícios em que aqueles ficassem.

Seminário 01.jpg

Seminário de Coimbra

Seminário. Pormenor. Fachada.jpg

Pedra-de-armas de D. Miguel da Anunciação conservada no Seminário maior de Coimbra.
In: Santos, M.M.D. 2010. Heráldica eclesiástica - Brasões de Armas de Bispos-Condes, pg. 140

…. A acção pastoral de D. Miguel da Anunciação foi notável. Visitou amiúde a diocese e incrementou imenso a prática da vida cristã. A ele se deve a criação do Seminário Maior de Coimbra. um dos monumentos mais grandiosos levantados na cidade. e a publicação de várias pastorais. Foi ele o criador da Academia Litúrgica do Mosteiro de Santa Cruz.
Tendo publicado em 8 de Novembro de 1768 uma pastoral-em que condenava a leitura e o uso de certos livros· de autores franceses, isso serviu de pretexto para que em 8 do mês seguinte fosse preso e levado para Pedrouços, onde esteve detido até 1777.
… A 21 de Fevereiro de 1777, três dias antes de morrer, D. José por seu próprio punho escreveu uma ordem em que perdoava ao prelado e autorizava a sua libertação. A 7 de Julho dirigiu D. Maria I a D. Miguel da Anunciação uma carta muito honrosa.
A entrada solene em Coimbra teve lugar no dia 22 de Agosto de 1777. Foi um momento alto da vida de D. Miguel que se via de novo na diocese que Bento XIV lhe atribuira.
Enquanto estivera detido governou a diocese como bispo coadjutor e futuro sucessor, D. Francisco de Lemos de Faria Pereira Coutinho, reformador-reitor da Universidade.
… D. Miguel da Anunciação veio a falecer no convento de Semide em 29 de Agosto de 1779, tendo sido sepultado em Santa Cruz.

Rodrigues, M.A. 1982. D. Miguel da Anunciação e o Cabido da Sé de Coimbra. Separata do Boletim do Arquivo da Universidade de Coimbra, vol. V.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:37

Quinta-feira, 23.05.19

Coimbra: Mitra Episcopal de Coimbra 2

Originalmente não estava diferenciado o património do bispo e do cabido da Sé de Coimbra. Se inicialmente não existia uma distinção clara entre o que estava na posse da Mitra e o que era administrado pelo cabido, com o tempo esta destrinça formaliza-se, dando, inclusive, origem a conflitos entre ambas as partes, mas concretizando-se finalmente em 1210 numa divisão de rendas do bispado em 2/3 para a Mitra e 1/3 para o Cabido … Da parte atribuída à Mitra, retirava o bispo uma parte para sua sustentação e a outra era destinada a obras necessárias na Sé e para esmolas.
… A administração e a defesa jurisdicional do património episcopal eram feitas por um conjunto de funcionários que diretamente apoiavam o prelado diocesano, como o seu mordomo, procurador, prebendeiro, ecónomo, tabelião privativo, escrivão da receita e despesa e recebedores de rendas e era apoiado pelo escrivão da Câmara Eclesiástica.
A Mitra pagava vencimentos a ministros e oficiais do Juízo Eclesiástico (provisor, vigário geral, promotor, escrivão das armas, solicitador, porteiro, homens da vara, aljubeiro) e do Tribunal da Inquisição, e também a procuradores e agentes da Mitra em Coimbra, Porto e Lisboa, para resolverem questões administrativas e judiciais. Na Sé de Coimbra, pagava ao guarda da Sé, sineiro e guarda-livros e a todos os membros da capela de música (mestre da capela, subchantre, organista, mestre de oboé, charameleiros, etc.).
O bispo D. João de Melo fundou em 1690 um recolhimento para mulheres convertidas que veio a designar-se posteriormente «Recolhimento do Paço do Conde», quando em 1696 ficou instalado no antigo paço do conde de Cantanhede.

D. João de Melo 01.jpg

D. João de Melo

Paço do Conde. Recolhimento.jpg

Recolhimento do Paço do Conde

… O bispo D. Miguel da Anunciação fundou o Seminário de Jesus, Maria, José, que teve estatutos confirmados por breve do papa Bento XIV de 18 de Dezembro de 1748.

D. Miguel da Anunciação. Pascoal Parente.jpg

D. Miguel da Anunciação

Esteve inicialmente localizado, em 1741, em casas da freguesia de S. João de Almedina e depois em casas na freguesia de S. Martinho do Bispo, ficando definitivamente instalado em edifício próprio construído entre 1748 e 1765.

Seminário 01.jpg

Seminário de Coimbra

O bispo de Coimbra tinha a sua residência no paço episcopal também designado Paço do Bispo, local onde estava instalado o cartório da Mitra. O edifício teve origem em casas compradas na freguesia de S. João de Almedina em 1164, por D. Miguel Salomão, e sofreu diversas alterações nos episcopados de D. Jorge de Almeida e de D. Afonso Castelo Branco, estando nele localizado, desde 1912, o Museu de Machado de Castro. … Possuiu também paço episcopal em Coja e em Arganil, e a quinta de recreio de S. Martinho do Bispo que também foi designada quinta da Mitra.
… Os bens da Mitra eram compostos de rendas dominiais (recolhidas em foros, pensões, rações e laudémios) e rendimentos eclesiásticos (dízimas e primícias). A administração destes bens não deixou de atravessar alguns períodos conturbados, em sede vacante, em que o bispado era administrado por um vigário capitular, sobretudo nos períodos das duas grandes vacaturas, entre 1646-1670 e 1717-1739.

Bandeira, A.M.L., Silva, A.M.D., Mendes, M.L.G. 2007. Mitra Episcopal de Coimbra: descrição arquivística e inventário do fundo documental. Acedido em 2019.04.29, em https://www.uc.pt/auc/fundos/ficheiros/DIO_MitraEpiscopalCoimbra  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:08

Terça-feira, 21.05.19

Coimbra: Mitra Episcopal 1

A Mitra Episcopal de Coimbra representa essencialmente o conjunto de bens patrimoniais que estavam destinados ao sustento e provisão do bispo de Coimbra.
A diocese de Coimbra teve sede, primitivamente, em Conímbriga, no período de romanização da Península Ibérica, depois em Emínio (Aeminium), durante o domínio dos Suevos, tendo sido nestes períodos sufragânea de Mérida e depois de Braga, e por fim ficou sedeada na cidade de Coimbra, enquanto diocese isenta.
Os limites geográficos do bispado ficaram definidos em 1253, pela bula Provisionis nostrae de Inocêncio IV, de 12 de Setembro, tendo sido retirados a Coimbra os territórios entre o rio Douro e Antuã que foram anexados ao bispado do Porto.

Inocêncio IV 03.jpg

Inocêncio IV

A área geográfica do bispado de Coimbra sofreu alterações com a criação do bispado de Leiria, pela bula Pro excellenti apostolicae sedis de Paulo III, de 22 de Maio de 1545, no reinado de D. João III, que ditou a saída de seis paróquias (Caranguejeira, Colmeias, Espite, S. Simão de Litém, Souto da Carpalhosa e Vermoil) da diocese de Coimbra que passaram a pertencer ao novo bispado.

Paulo III 01.jpg

Paulo III

Idêntica situação ocorreu aquando da criação da diocese de Aveiro, desmembrando localidades diversas do bispado de Coimbra, por breve de Clemente XIV de 12 de Abril de 1774.

Clemente XIV 01.jpg

Clemente XIV

Com a nova circunscrição diocesana ditada pela bula Gravissimum Christi de 30 de Setembro de 1881, na diocese de Coimbra foi integrada parte dos bispados de Leiria e Aveiro, que só voltaram a ser restaurados pelo papa Bento XV em 1918 (Leiria) e 1938 (Aveiro).

As doações patrimoniais à Sé de Coimbra são anteriores à fundação da nacionalidade. A necessidade de sustentação dos bispos, cónegos e mais prelados esteve na origem de várias doações, nomeadamente, a importante doação do Mosteiro da Vacariça, em 1094, por D. Raimundo e D. Urraca, e do mosteiro do Lorvão, em 1109, que apenas por sete anos esteve na posse da Mitra.

Raimundo de Borgonha 01.jpg

D. Raimundo

No entanto, as propriedades de Santa Comba Dão, Couto do Mosteiro, Midões, Vila Cova e parte da Pedrulha, que eram do dito mosteiro do Lorvão, mantiveram-se na sua posse.
Em 1082, o conde D. Henrique e D. Teresa doam à Sé de Coimbra os castelos de Coja e Arganil, altura em que os bispos de Coimbra passam a designar-se Senhores de Coja.


D. Henrique e D. Teresa. Iluminura da Genealogia d

D. Henrique e D. Teresa

A partir do reinado de D. Afonso V, o bispo de Coimbra passa a acumular o título de conde de Arganil, na sequência do reconhecimento da participação do bispo D. João Galvão nas campanhas do Norte de África (conquista de Tânger e Arzila), em 1471… concedeu também a este prelado, por provisão régia de 18 de Agosto de 1472, a vedoria mor das obras e alcaidaria-mor das comarcas da Beira e Ribacôa, razão pela qual se intitulava alcaide-mor de Avô.

Bandeira, A.M.L., Silva, A.M.D., Mendes, M.L.G. 2007. Mitra Episcopal de Coimbra: descrição arquivística e inventário do fundo documental. Acedido em 2019.04.29, em
https://www.uc.pt/auc/fundos/ficheiros/DIO_MitraEpiscopalCoimbra 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:02

Quinta-feira, 09.05.19

Coimbra: Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra 2

Entretanto, o Reitor, D. Francisco de Lemos (1735-1822), consciente do tempo que levaria a pôr de pé tal equipamento mandou construir para uso das aulas um pequeno observatório interino (de caracter provisório) no terreiro do Paço das Escolas.… A solução para o definitivo Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra (OAUC) passava por fixar a sua localização no topo Sul do Paço das Escolas.
…. No espaço de quatro anos (17881792) são conhecidos quatro projectos arquitectónicos (três deles em menos de meio ano): uma primeira versão em 1788; uma segunda versão em Setembro de 1790; uma terceira em Novembro de 1790; e uma quarta versão em Fevereiro de 1791 e Setembro de 1792 (que corresponde à versão construída).
… A forma final do edifício – o projecto final do OAUC é aprovado pela Junta da Universidade em 5-2-1791, estando em 1799 concluído o edifício – será constituída por um corpo horizontal com um piso e cobertura plana, e uma torre com três pisos definida a partir do vão central, também com cobertura plana.

Planta do Observatório Astronómico que a Univers

Planta do Observatório Astronómico que a Universidade mandou fazer dentro no seu pátio no anno de 1791. [BGUC Ms. 3377-44]

Prospecto ou vista do pátio a Universidade.jpg

Prospecto ou vista do pátio a Universidade. [BGUC Ms. 3377-44]

Prospecto ou fasia da rua da Trindade.jpg

Prospecto ou fasia da rua da Trindade e Expecato emtrior por A B. [BGUC Ms. 3377-45

Este edifício é um bom exemplo do desfasamento entre as ambições iniciais da Reforma Pombalina e a nova realidade. Pensado no seu início como um edifício destacado de todos os estabelecimentos científicos, o Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra acabava no mais modesto de todos eles. Abdicava-se da carga simbólica e da função urbana iniciais e concentrava-se a atenção na criação de um estabelecimento astronómico [Martins & Figueiredo 2008].

Figueiredo, F.B. 2013. O Observatório astronómico (1772-1837). Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra. Acedido em 2018.10.28, em http://hdl.handle.net/10316.2/38513. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:14

Terça-feira, 07.05.19

Coimbra: Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra 1

A ideia de criar um Observatório Astronómico surge desde logo nos Estatutos Pombalinos (1772) a propósito da Faculdade de Mathematica e da respectiva cadeira de Astronomia (4.º ano). A sua criação tinha dois objectivos distintos, a leccionação e o desenvolvimento da ciência astronómica. Os Estatutos Pombalinos encaravam a ciência como a força motriz para uma mudança de mentalidades essencial à modernização do país e a astronomia desempenhava um papel fundamental pelas “consequências tão importantes ao adiantamento geral dos conhecimentos humanos, e à perfeição particular da Geografia, e da Navegação”. Por isso o Observatório Astronómico era representativo desse modo de ver a ciência, constituindo simultaneamente um meio para o seu desenvolvimento.
… Hoje, a maior parte dos muitos visitantes que franqueiam a Porta Férrea da Universidade e olham, ao entrar no Pátio das Escolas, à sua esquerda e se aproximam do varandim para desfrutar a imensa vista sobre a baixa da cidade e do rio Mondego, não faz ideia que aí era durante muitos anos (quase 150) o Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra (OAUC) – um edifício de configuração rectangular, “constituído por três corpos contíguos em que o central é três vezes mais alto do que os laterais.” [Bandeira 1943-1947, p.129] –, e que foi demolido aquando das obras de requalificação da Universidade de Coimbra nos anos 50 do século XX.

Observatório Astronómico.jpg

Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra

Porém, este edifício não foi aquele que a Reforma Pombalina previu edificar. O sítio que se determinou primeiramente para a construção do Observatório foi o Castelo da cidade [Lemos 1777, p.260], que se situava na vertente da Alta de Coimbra oposta ao Paço das Escolas, onde hoje é o Largo D. Dinis (no cimo das Escadas Monumentais).
… O Castelo era constituído por duas torres: a de menagem quadrada, de construção afonsina, a que se chamava Torre Nova; e uma segunda, de configuração pentagonal que embora fosse de construção mais recente, pois havia sido erguida nos tempos de D. Sancho I, era designada por Torre Velha [Lobo 1999, p.4].

Planta do Castelo. Elsden, 1773.jpg

Planta do Castelo e Casas a ele contíguas em a Universidade de Coimbra (Elsden, 1773). [BGUC, Ms.3377/41]

Alçado do Observatório do Castelo.jpg

Alçado do Observatório do Castelo (Elsden, c.1773). [MNMC, Inv. 2945/DA 23]

Em 1775 (a partir do mês de Setembro) quando estava realizado o essencial do piso térreo, com o edifício erguido até ao 1.º piso, “a uma altura não inferior a 8 metros”, as obras param. O elevado custo dos trabalhos atingido em cerca de dois anos e meio, e quando estava ainda por realizar parte significativa da obra, é a principal causa para a interrupção de tão ambicioso projecto.

Figueiredo, F.B. 2013. O Observatório astronómico (1772-1837). Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra. Acedido em 2018.10.28, em http://hdl.handle.net/10316.2/38513 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:44

Quinta-feira, 28.03.19

Coimbra: Igreja de Santa Justa

É uma das várias igrejas de Coimbra que tiveram de mudar de local, para fugir às inundações das cheias do Mondego. A igreja medieval situava-se no largo que é hoje conhecido por Terreiro da Erva – onde ainda se podem ver vestígios da capela mor e nave lateral –, no coração do território dos seus mesteirais: os oleiros de branco e de vermelho e os pintores de louça e azulejos – gerações de artífices que, durante séculos, fizeram de Coimbra um dos mais importantes centros ceramistas do país, com louça exportada para os quatro cantos do mundo e de que hoje pouco se sabe e nada resta, perdida a última oportunidade de estudar os seus vestígios com as demolições da famigerada viela central.
As cheias do Mondego foram sempre em crescendo. A de fevereiro de 1708 obrigou à trasladação do Santíssimo e da imagem do Santo Cristo para a igreja de Santiago, de barco! Logo se tratou de construir nova igreja. O local escolhido foi a encosta sobranceira ao Arnado, bem longe das investidas do bazófias. A primeira pedra foi lançada pelo bispo D. António de Vasconcelos e Sousa em 24 de agosto de 1710.

Igreja de Santa Justa, fachada principal.JPG

Igreja de Santa Justa, fachada principal

A fachada da igreja é monumental, pela sua situação altaneira. Flanqueada por duas torres, está amplamente rasgada de janelas que enchem de luz o interior. Inclui um retábulo da segunda metade do século XVI, trazido da igreja velha. Sobre o frontão das janelas intermédias situam-se quatro nichos com esculturas dos séculos XV e XVI incluindo as santas Justa e Rufina, padroeiras dos oleiros. Junto à base das torres encontram-se duas lápides epigrafadas com a história da igreja.

Igreja de Santa Justa, interior.jpgIgreja de Santa Justa, interior

O interior é de arquitetura sóbria, mas bem delineada, de nave única, coberta por abóbada de arco um pouco rebaixado. Divide-se em cinco tramos, sendo o primeiro ocupado pelo coro alto. Neles se rasgam arcos, formando capelas à face. A capela-mor, de um só tramo mais profundo, é mais estreita que a nave, encontrando-se o altar em plano mais elevado.

Igreja de Santa Justa, a imagem do Santo Cristo do

Igreja de Santa Justa, a imagem do Santo Cristo dos Oleiros

Os primeiros arcos a seguir ao coro alto são preenchidos na parte superior por pinturas do início do século XVIII, envolvidas em molduras de talha dourada, representado a Virgem com o Menino e o Batismo de Cristo. No arco, do antigo lado do Evangelho, encontra-se a imagem do Santo Cristo dos Oleiros, do século XV.

Igreja de Santa Justa, interior pormenor.JPGIgreja de Santa Justa, interior pormenor

Os arcos dos tramos seguintes abrigam retábulos. Os quatro primeiros enquadram-se no rococó coimbrão, embora de forma mais original: as colunas têm grinaldas de flores envolventes e entrecruzadas e, no terço inferior, caneluras em espiral. Sobre os altares da nave, oito telas da época joanina, mostram os passos da paixão de Jesus, cujos símbolos se exibem também no coroamento da fachada exterior. Os capuchinhos, que em tempos detiveram esta igreja, fizeram nela algumas alterações, como a ablação das mesas dos altares da nave e a substituição das imagens antigas por outras do século XX.
Os retábulos junto à capela-mor têm diferente linguagem. O do lado norte é adaptação de outro, seiscentista, vindo da igreja antiga. Tem colunas espiraladas, revestidas de vinha, uvas, meninos e aves debicando. Na predela há um relevo com a degolação dos Mártires de Marrocos. O retábulo fronteiro, da época joanina, também de colunas espiraladas, mas com grinalda no cavado. É dedicado às Almas do Purgatório, tema não muito comum na diocese.

Igreja de Santa Justa, altar-mor pormenor.JPGIgreja de Santa Justa, altar-mor pormenor

A capela-mor é dominada pelo magnífico retábulo de talha dourada, de grande aparato, saído, certamente, de oficinas do Porto. Data dos primeiros decénios do século XVIII. Estrutura-se em colunas retorcidas sobre mísulas e reveste-se de acantos, flores, aves e profusão de crianças e anjos. Um grande sacrário, com quatro colunas salomónicas por lado, em diagonal, serve de base à escultura do Padre Eterno, com a pomba simbólica e anjos. Aos lados dispõem-se as imagens das titulares: as santas Justa e Rufina. Encima este conjunto escultórico o camarim onde se ergue o trono eucarístico, com baldaquino.
Desconhecem-se nomes de arquiteto, artistas e artífices. A mesma esponja que apagou a memória da atividade dos oleiros parece ter atingido também esta igreja. Mas as obras valem por si e basta o retábulo-mor para ombrear com outras obras-primas da arte em Coimbra.

Nelson Correia Borges
In: Correio de Coimbra N.º 4732, de 21.03.2019

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 16:54

Quinta-feira, 28.02.19

Coimbra: Estalagens Coimbrãs e do seu termo 2

Ao longo do texto de Carneiro da Silva As Estalagens Coimbrãs e do seu termo, para além das três estalagens mencionadas na entrada anterior, são ainda referidas:

- Estalagem de Santa Clara, primeira
… nas reuniões da Câmara de 22 de julho de 1642 e na de julho de 1644, se discutiram os problemas que o estalajadeiro … criava na sua «Estalagem de Santa Clara» … por estar notificado não usasse de venda nem de agasalho pessoa alguma em sua casa, de «mau viver», e ele fazia o contrário.

- Estalagem de Santa Clara, segunda

Panorâmica do Bairro de Santa Clara aa.JPG

Panorâmica do bairro de Santa Clara. Notar a estrada para Lisboa, e no extremo esquerdo da gravura [não identificada] o que foi segunda estalagem de Santa Clara

Em 1674, Cosme Francisco Guimarães, morador em Sansão, pagava o foro de 200 reis de explorar aquela estalagem no Rossio de Santa Clara [a qual fora construída] «para substituir outras que se tinham arruinado com as cheias perto da ponte.»

- Estalagem na Rua da Sofia
Na passagem do século XVI existiu na Rua da Sofia, na vizinhança da entrada da Rua Nova [uma estalagem que] Diogo Marmeleiro de Noronha … fizera … para agasalho dos passageiros e caminhantes com muito gasalhos e camaras fechadas para fidalgos e pessoas graves.

- Estalagem da Quinta da Portela
Em 16 de Dezembro de 1624 «Diogo Marmeleiro de Noronha me enviou dizer por sua petição que ele queria fazer junto à sua Quinta e lugar da Portela uma estalagem que seria de grande comodidade dos passageiros que caminhavam por aquela estrada que era das mais seguidas da dita cidade por ser a de Madrid e por naquela paragem passar uma barca o rio Mondego, que quando no inverno com alguma cheia não podia passar a dita barca, e os que então caminhavam ficavam dormindo pelos pés das árvores sem terem nenhum agasalho pelo que me pedia lhe fizesse mercê de lhe privilegiar a dita estalagem e mandar passar seu privilégio».

Para além destas surgem, ainda, as seguintes outras referências a estalagens:

- Estalagem das Cardosas
No Paço do Conde … onde hoje está [esteve] uma casa de brinquedos, e onde serviu uma Mariana que há muito deve atender os viandantes do céu.

- Estalagem do Lopes ou Hospedaria do Caes Novo
Situava-se nas imediações do atual Banco de Portugal, visto que tinha outra entrada pela Rua do Sargento-Mor, e ter particularidade de ser pouso de estudantes endinheirados, acabados de chegar, até se mudarem para o seu território da Alta.

Na parte final do texto o Autor refere ainda que Camilo esteve hospedado na «Marquinhas do Leite Morno», na Rua Larga … e que pelos séculos XVII, XVIII e XIX existiram no burgo as estalagens «do Galego» … do «Fernando» mais conhecida pela «Estalagem do Inferno» a do «Raimundo da Teodora» … a do «Francisco Lopes de Carvalho», próximo da ponte, e a hospedaria do «João de Aveiro» que um incêndio destruiu em 1902.
Aqui e ali, muitas vezes nas proximidades das estalagens, existiam também as «albergarias».

Silva, A.C. As Estalagens Coimbrãs e do seu termo. Separata da Munda. 1988.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:38

Quinta-feira, 21.02.19

Coimbra: Convento do Louriçal, um convento a conhecer 2

A IGREJA DO CONVENTO DO LOURIÇAL

Só a proteção régia de D. Pedro II e sobretudo de D. João V teria permitido a edificação de uma igreja e dependências adjacentes do convento do Louriçal com o esplendor que ali se pode observar. D. Pedro II mandou ao Louriçal o arquiteto João Antunes para traçar a planta da primeira edificação, sendo encarregado das obras Francisco de Lousada Ribadaneira. A igreja era de pequena dimensão, pelo que D. João V decidiu ampliá-la, encarregando Carlos Mardel do novo projeto e António Andrade do Amaral de dirigir os trabalhos. Mardel terá seguido o projeto de João Antunes com as necessárias adaptações às novas dimensões da igreja. Em 27 de Outubro de 1739 estavam as obras concluídas e procedeu-se à inauguração.
O corpo da igreja encontra-se deslocado em relação ao núcleo das dependências conventuais. O acesso faz-se por uma porta lateral, como é habitual nos conventos femininos, encimada por um medalhão com a adoração do Santíssimo Sacramento.

Ig.Conv.Louriçal.jpg

Igreja do Convento do Louriçal
O interior, de nave única retangular, com os ângulos da cabeceira cortados, coberta de abóbada de berço, é um exemplar notável da arquitetura da época de D. João V. A capela-mor, separa-se da nave por arco cruzeiro com as armas reais, encostando em vigorosa cornija, que percorre todo o espaço da nave, e tendo na parte superior um nicho de volutas ao estilo de João Antunes, com uma imagem de S. Miguel. Uma abóbada de caixotões em meia laranja cobre a luminosa capela-mor. Aqui se encontra o túmulo de madre Maria do Lado. A abóbada do corpo da igreja é decorada com pinturas já ao gosto rococó, onde se mostra a adoração do Santíssimo Sacramento e o êxtase de S. Francisco e Santa Clara.
O corpo da igreja tem dois altares laterais e dois colaterais. Todos têm retábulos de mármores polícromos, lavrados e esculpidos por João António Bellini de Pádua, estatuário italiano que ao tempo trabalhava em Portugal. Compõem-se de colunas laterais com anjos nos remates.


Igreja do Convento do Louriçal, altar-mor.JPG

Igreja do Convento do Louriçal, altar-mor

O altar-mor destaca-se pelo trono e baldaquino onde permanentemente se expõe a custódia eucarística.
No topo da igreja, junto à porta de entrada, situam-se os coros, alto e baixo, defendidos por grades de pontas. O coro alto, de teto abobadado, é revestido de azulejos com cenas bíblicas. O coro baixo, acessível aos visitantes, também se encontra revestido de azulejos, com cenas da vida de Santo António.
Toda a igreja é azulejada, desde o solo até à cornija, numa sucessão de quadros e motivos decorativos verdadeiramente invulgar. Valentim de Almeida será o seu autor. O pintor azulejista mostra aqui um nível superior, de traço perfeito e perfeito domínio da técnica da aguada. Os quadros apresentam ciclos sequenciais. Na nave, ao nível inferior, o ciclo da vida de S. Francisco de Assis, com oito quadros; ao nível superior, separado por leve cornija, o ciclo da Paixão da Cristo, formado por dez painéis. Na capela-mor, preenchendo os tímpanos das paredes norte sul, situa-se o ciclo da vida da Virgem, com quatro painéis, e, nos restantes espaços, o ciclo da vida de Santa Clara, com doze painéis.

Igreja do Convento do Louriçal.JPG

Igreja do Convento do Louriçal, imagem

O coro baixo, também completamente azulejado, apresenta grandes cenas enquadradas por motivos arquitetónicos e decorativos, formando outro ciclo, agora dedicado a Santo António. Nesta sala se encontra, deitada na sua naveta, uma formosa imagem de Nossa Senhora da Boa Morte, oferecida ao convento pelo rei D. José.
A igreja do convento do Louriçal ilustra bem o conceito de arte total, tão caro do barroco. A arquitetura, a pintura, a escultura, os relevos, a azulejaria cristológica, mariana e de exaltação da Ordem Franciscana, formam um conjunto plástico coerente, em que o tema unificador é o Santíssimo Sacramento.
Entrámos ali num fim de tarde, quando as freiras entoavam no coro o ofício de vésperas, com o Santíssimo Sacramento exposto no trono. Apanhados entre os dois fortíssimos focos espirituais, sentimos quão grande é a diferença entre uma casa religiosa em pleno uso das suas funções e tantas outras dispersas por este país fora, abandonadas, degradadas, vazias ou adaptadas sabe Deus a que fins!NELSON CORREIA BORGES

In: Correio de Coimbra, n.º 4727, de 14 de Fevereiro de 2019.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 21:23

Terça-feira, 19.02.19

Coimbra: Convento do Louriçal, um convento a conhecer 1

Breve explicação: o Convento do Louriçal, embora já esteja para lá do distrito de Coimbra, sempre esteve muito ligado à nossa Cidade e integra a sua diocese, razões pelas quais aqui publicamos este belo texto que traça a sua história.

O CONVENTO DO LOURIÇAL
O desejo do ser humano de se retirar da sociedade para se dedicar a um ideal de perfeição divina é transversal a todas a grandes religiões. No cristianismo as primeiras manifestações deste ideal datam da segunda metade do século III e surgem com características bastante semelhantes em diferentes partes do mundo cristão. Conheceram várias experiências importantes: o movimento anacorético e o cenobitismo egípcio, os protótipos sírios e orientais, o monaquismo com feição própria da Gália, da Irlanda e da Península Ibérica. Foi o monaquismo beneditino que trouxe a racionalização e humanização das primitivas estruturas, criando um tipo de complexo monástico que os cistercienses aperfeiçoaram e as restantes ordens religiosas adaptaram às suas características. Mesmo as ordens mais voltadas para a intervenção na sociedade organizaram as casas de forma a propiciar aos seus membros um constante estado de intimidade com os mistérios divinos, quer sob a forma individual e privada, quer litúrgica ou coletiva.

Convento Louriçal vista exterior.JPG

Convento do Louriçal, vista exterior e portaria

O convento do Louriçal é um exemplo disso, mas fruto de condições específicas que estão na origem do seu aparecimento nesta vila do concelho de Pombal e outrora ela própria sede de um concelho, extinto em 1855.
A sua história está intimamente relacionada com a da fundadora, a madre Maria do Lado. Maria de Brito, que na religião adotou o nome de Maria do Lado, nasceu no Louriçal em 1605, numa família da pequena nobreza local. De educação profundamente religiosa, aderiu à Ordem Terceira Franciscana em 1626 e ficou muito impressionada com a profanação e vandalização do sacrário da igreja de Santa Engrácia, em Lisboa, em 1630. A necessidade sentida de desagravar este desacato levou-a a instituir as Religiosas Escravas do Santíssimo Sacramento fundando no Louriçal o Recolhimento de Terceiras em 1631. Maria de Brito faleceu em 1632. Recebeu o nome de Maria do Lado já no seu leito de morte, por devoção à chaga lateral que Cristo recebeu na cruz. A sua vida, povoada de visões místicas, provocou a veneração popular, pelo que, logo em 1633, se iniciou o processo de beatificação que teve interrupções várias e atualmente se encontra reaberto e em curso.
A comunidade sofreu vários contratempos com as invasões francesas e a extinção das ordens religiosas em 1834. Na implantação da República o edifício foi ocupado por forças militares e as freiras expulsas. Em 1927, cinco antigas religiosas, ainda vivas, decidiram comprar o convento e regressar, restaurando assim a comunidade.
Inicialmente o Recolhimento funcionava na casa de Maria do Lado, o que condicionou toda a organização espacial.

Convento do Louriçal, porta da Igreja.JPG

Convento do Louriçal, porta da Igreja

A construção da igreja iniciou-se em 1640. Não seria mais que uma simples capela. Só em 1688 se pensa e aprova transformar o Recolhimento em Convento. D. Pedro II dá o apoio régio, mandando ao Louriçal o arquiteto João Antunes para desenhar o projeto dos edifícios, cuja primeira pedra se lança em 9 de março de 1690. Foi, porém, D. João V, por um voto feito em 1700, quem ordenou a edificação do que existe. Sob a sua proteção integrou a comunidade na Regra de Santa Clara, dando assim origem às Clarissas do Desagravo.
Para quem esteja habituado a observar em planta a orgânica de mosteiros e conventos, com o claustro como motivo ordenador, em cujos lados se erguem a igreja, o dormitório, o refeitório e outras dependências, a solução adotada no Louriçal é irregular. O claustro, do tipo de arcadas sequentes sobre pilares, tem um só piso e ao centro do espaço reticulado, a fonte de traçado curvilíneo fortemente escultórico. Bordejam-no várias dependências utilitárias, designadamente o refeitório, abobadado em arco abatido. Todo este conjunto de edifícios se encosta em diagonal à zona da capela-mor da igreja. A torre campanário situa-se ao lado dos coros. Para além deste núcleo estende-se a cerca, onde se encontra uma capela de meditação.

A portaria, com portal de bom desenho, rematado por volutas envolventes das armas reais, ergue-se próximo da cerca o que acentua o caracter diferenciado da planta do convento.
Voltaremos ao Louriçal, para a obra de arte total que é a igreja.

NELSON CORREIA BORGES

In: Correio de Coimbra, n.º 4723, de 17 de Janeiro de 2019.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:22


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031