Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra


Quinta-feira, 16.01.20

Coimbra: O Tesouro da Sé de Coimbra, em 1906 3

 

Illustração Portugueza. p. 85 01.jpgIllustração Portugueza, 3, Primeiro semestre, 2.ª série, p. 85

Do século XII, a croça do báculo de S. Bernar¬do, em cobre dourado, e o belo cálice românico que na orla da base tem a legenda: «Geda Menendiz me fecit in onorem sci michaelis e MCLXXXX»;

Cálice românico.jpgCálice românico

Do século XIV, o relicário de coral e prata, a imagem da Virgem com o Menino ao colo e a cruz de ágata, objetos que pertenceram á Rainha Santa, e todos eles marcados com as armas de Portugal e de Aragão;

Relicário de coral e prata 01. Pertenceu à RainhRelicário de coral e prata que pertenceu à Rainha Santa

Do século XV, a grandiosa cruz processional cuja reprodução acompanha estas linhas;

Cruz gótica(1).jpgCruz processional

Do século XVI, a custódia tão sumptuosamente decorativa de D. Jorge d'Almeida, uma caldeirinha de prata com o brasão do mesmo Prelado, uma riquíssima coleção de cálices, e a bacia e gomil também aqui reproduzidos em gravura; do século XVII, a grande custódia e a cruz-relicário do Bispo D. João Manuel, o relicário de Santa Comba e uma grande cruz de azeviche; finalmente, do século XVIII, o jogo de sacras em prata e lápis-lazúli.
Na secção dos paramentos, figura, em primeiro lugar, a capa da abadessa de Lorvão, com sebastos soberbamente bordados, e na das tapeçarias um pano flamengo, representando Marte o Vénus surpreendidos por Vulcano, e uma alcatifa persa, em seda, verdadeira maravilha de brilho e cor.
Referindo-se ao Tesouro da Sé, escrevia há meses o sr. Joaquim de Vasconcelos: «Quem subscreve «estas linhas teve ensejo de visitar repetidas vezes os museus capitulares de alguns dos cabidos mais ricos da Europa; pode comparar sem prevenções e julgar do valor das obras expostas por experiência própria e por algum estudo, adquirido durante longos anos de pacientes investigações; não hesita, contudo, em afirmar que o Museu de Coimbra rivaliza com os mais opulentos».
O mesmo ilustre crítico escrevera também na «Arte e Natureza em Portugal»: «A criação do Museu é um exemplo preclaro, dado aos restantes prelados portugueses, que podem e devem abrir, os tesouros das catedrais ao estudo. O senhor Bispo-Conde soube achar em Coimbra o artista erudito, competente para a difícil obra da Sé Velha. Temos fé que encontrará, sem sair de Coimbra, o arqueólogo sagaz e bem informado, que deve inventariar num índice impresso, luminoso, manuseável o barato as incomparáveis riquezas do museu diocesano».

Castro, E. O Thesouro da Sé de Coimbra. In Illustração Portugueza, 3, Primeiro semestre, 2.ª série, Lisboa, 1906, p. 84-87.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:48

Terça-feira, 14.01.20

Coimbra: Mártires de Marrocos

MÁRTIRES DE MARROCOS. NOTAS ICONOGRÁFICAS.

A história e a lenda dos Mártires de Marrocos estão intimamente ligadas a Coimbra.
Por decisão de S. Francisco de Assis partiram da Itália com destino ao norte de África, para que convertessem os muçulmanos, os frades Beraldo, Oto, Pedro, Adjuto, Acúrsio e Vidal. Em 1219 rumaram à Península Ibérica, passando por Aragão, onde Vidal adoeceu, pelo que apenas entraram no nosso país os outros cinco. Foram acolhidos em Coimbra por D. Urraca, esposa de D. Afonso II. Continuando caminho, partiram para Alenquer, onde estava D. Sancha, a piedosa irmã do rei, que os acolheu e aconselhou a serem prudentes. Daqui passaram os cinco frades a Sevilha, onde a sua pregação irritou os mouros, que por pouco os não mataram. Chegados a Marrocos foram recebidos pelo infante D. Pedro, irmão de D. Afonso II, refugiado em África por questões com o rei português. Também D. Pedro lhes deu conselhos de prudência, mas os frades, levados por entusiástico fervor iniciaram corajosamente as suas pregações, sofrendo contínuas peripécias e tormentos, de que D. Pedro os livrou por mais de uma vez, até o miramolim de Marrocos, irritado com a constância dos frades, os mandar prender, depois de em vão os tentar demover das suas atividades. Quando saíram da prisão, voltaram a pregar na praça pública. Os mouros espancaram-nos e arrastaram-nos pelas ruas, levando-os de novo à presença do miramolim que se enfureceu ao ouvir as respostas atrevidas dos franciscanos, fendeu-lhes os crânios com uma cimitarra e, a seguir, degolou-os.
Estava-se a 16 de janeiro de 1220. Os corpos dos mártires, lançados fora das muralhas e despedaçados, puderam ser recolhidos durante a noite pelos criados de D. Pedro. Quando o infante voltou à Península, trouxe consigo os restos mortais dos cinco frades, que imediatamente enviou para Coimbra (D. Pedro seguiu para a Galiza). Foram recebidos com toda a solenidade em 10 de dezembro de 1220 pelo próprio D. Afonso II. Organizou-se o cortejo que seguia para a Sé, mas a mula que levava o caixão das relíquias – contam os relatos lendários – parou junto ao mosteiro de Santa Cruz e dali não se mexeu enquanto não abriram as portas da igreja. Entrou e foi ajoelhar junto do altar-mor, significando que os restos dos mártires deviam ficar naquele lugar, como realmente assim aconteceu. Na verdade, o depósito das relíquias em Santa Cruz poderá dever-se ao facto de ter sido um cónego de Santa Cruz, D. João Roberto, que acompanhou D. Pedro no norte de África, ajudou a recolher e a conservar os restos dos frades, e depois os acompanhou no regresso a Portugal.
De que forma o culto dos mártires, que rapidamente se desenvolveu, se traduziu em representações artísticas?
A mais antiga representação que chegou até nós deve-se ao mosteiro de Lorvão, onde se encontrava a irmã do rei, a rainha D. Teresa, após o regresso de Leão.
A seu pedido foram para Lorvão parte das relíquias e a corda com que os mártires andaram arrastados pelas ruas.

1.Marrocos Arqueta de L.º.jpg

Arqueta do Mosteiro de Lorvão

Para as conter se fez uma arca relicário esculpida em calcário, onde se veem os cinco frades sob arcadas, em variados gestos, tendo na extremidade o Miramolim, sentado, de atitude interpelante. A cena representa a disputa dos mártires com o miramolim, dentro do palácio do rei: um passo da história que a iconografia não voltaria a repetir, pois as representações seguintes todas se centram no martírio, à exceção das de Alenquer, onde uma pintura seiscentista representa a aparição dos mártires a Santa Sancha, logo após o martírio (o acolhimento dos frades por D. Sancha, em azulejo, na portaria do convento, está muito degradado e quase irrecuperável).
O culto dos mártires, em Santa Cruz, já no século XV tinha conhecido considerável desenvolvimento. O prior D. Gomes Ferreira mandou lavrar uma caixa de prata para conter as relíquias, com cenas do martírio, mas que infelizmente não chegou até nós. Erigiu-lhes também uma nova capela na igreja, pronta em 1458.

4.Relicário de L.º.jpg

Relicário do Mosteiro de Lorvão, séc. XVI

A degolação dos mártires é tema para iluminuras de alguns códices, mas a primeira representação conhecida disponível para os fiéis deve-se mais uma vez ao mosteiro de Lorvão, no começo do século XVI, onde a abadessa D. Catarina d’Eça mandou fazer um relicário de prata dourada em que mandou pintar com realismo a impressionante cena da tragédia.

2.Mártires_de_Marrocos_Convento_de_Jesus Setúbal

Mártires de Marrocos. Convento de Jesus (Setúbal)

Da mesma época e um pouco posteriores são dois relicários de Santa Cruz, representado bustos de frades franciscanos, de rosto imberbe e com grande tonsura. É também a época da pintura em tábua com a cena do martírio feita para os conventos de S. Francisco de Évora e de Jesus de Setúbal (agora em museus).
A partir do século XVII e XVIII, multiplicam-se os exemplos do tema, em relevos e escultura de vulto, sobretudo disseminados por conventos franciscanos. Destaca-se o altar na igreja de S. Francisco do Porto, com as figuras de vulto inteiro, tal como no convento de Santo António, de Aveiro, ou em Mafra. A devoção atinge também igrejas rurais e urbanas.

5.Ig.de Santa Justa.jpg

Mártires de Marrocos. Igreja de Santa Justa (Coimbra)

6.Travassô.jpg

Mártires de Marrocos. Igreja de Tarvassô

Na igreja de Santa Justa, de Coimbra, incluíram no retábulo D. Pedro II um relevo com a cena cruenta do martírio e em Travassô as figuras são de vulto, incluindo a do miramolim, a que se junta um relicário.

7.Santa Cruz.jpgMártires de Marrocos. Igreja de Santa Cuz (Coimbra)

É obviamente em Santa Cruz de Coimbra que se conserva o maior número de elementos históricos e iconográficos relativos a este culto, designadamente o livro da confraria dos Santos Mártires de Marrocos, a casula da festividade e a campainha, que anda ligada a procedimentos de caráter etnográfico. Na capela de Santo António representa-se em azulejo a chegada dos franciscanos a Santa Cruz. Notável é também o grupo escultórico com os mártires agrilhoados em atitude fervorosa, já da segunda metade do século XVIII.
Embora os santos Mártires de Marrocos se encontrem representados em diversos países, é em Portugal que conhecem as mais numerosas e originais representações, em quadros, esculturas, peças de ourivesaria e gravuras, constituindo um dos temas típicos da iconografia portuguesa, sem rival no estrangeiro.
Nelson Correia Borges

In: Correio de Coimbra n.º 4769, de 2020.01.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:23

Quinta-feira, 09.01.20

Coimbra: O Tesouro da Sé de Coimbra, em 1906 2

Illustração Portugueza. p. 86 01.jpg

Illustração Portugueza, 3, Primeiro semestre, 2.ª série, p. 86

A primitiva instalação constava apenas de duas salas: na primeira, estavam as tapeçarias e os paramentos; na segunda, as peças de ouro e prata.

Capa da Abadessa de Lorvão.jpg

Capa da Abadessa de Lorvão

No entanto os últimos conventos iam acabando, e, à proporção que acabavam, ia a coleção crescendo. Não sem o obstáculo de alguns respeitáveis pedregulhos, cuja remoção não foi das mais fáceis, de Lorvão, de Semide, de Santa Clara, de Tentúgal e de Vila Pouca vinha correndo para o Tesouro da Sé uma rutilante enxurrada de alfaias preciosas, relicários, cibórios, turíbulos, cálices, gomis, frontais e dalmáticas, numa estranha confusão em que o ouro, a prata, as pedrarias e os esmaltes se misturavam com o veludo, a seda, a tartaruga, o coral e a malaquite.

Exposição de vários objetos religiosos.jpg

Exposição de vários objetos religiosos

A acumulação tornara-se excessiva. Ousadamen¬te, se rasgou en¬tão uma ampla galeria contigua às duas salas, e ao longo dela se dispuseram, em vitrines, os objetos mais preciosos. Entro estes, alguns há que lu¬ziriam como estrelas de primeira grandeza nos mais ricos museus do estrangeiro. Dadas as di¬mensões naturalmente estabelecidas para este ar¬tigo, apenas mencionarei as peças mais notáveis pe¬la beleza e pelo valor histórico.

Castro, E. O Thesouro da Sé de Coimbra. In Illustração Portugueza, 3, Primeiro semestre, 2.ª série, Lisboa, 1906, p. 84-87.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:26

Terça-feira, 07.01.20

Coimbra: O Tesouro da Sé de Coimbra, em 1906 1

Na Illustração Portuguesa de 1906, Eugénio de Castro publicou um artigo que, em parte se reproduz, onde é relatada a forma como, em conjunto com António Augusto Gonçalves, foi levada a cabo a tarefa de exposição e de catalogação Thesouro da Sé de Coimbra. Trabalho que constituiu o embrião do Museu Nacional Machado de Castro, onde as peças aqui referidas atualmente se encontram.
Por razões de facilitar a leitura atualizou-se a grafia do artigo.

Eugénio de Castro.jpg

Eugénio de Castro

O Thesouro da Sé de Coimbra

Illustração Portugueza. p. 84 01.jpgIllustração Portugueza, 3, Primeiro semestre, 2.ª série, p. 84

… os nossos primeiros críticos d'arte, Joaquim de Vasconcelos, Ramalho Ortigão, Sousa Viterbo, António Augusto Gonçalves e outros, fixaram já, e repetidas vezes, com palavras de rasgado louvor, a singular importância d'esta opulenta coleção, enaltecendo ao mesmo tempo os méritos do seu instituidor, que, afortunadamente, tem dedicado uma boa parte da sua inteligência, energia e bom senso proverbiais ao culto da beleza artística, reatando assim a luminosa tradição, por tantos anos quebrada, daqueles grandes Prelados, D. Jorge de Almeida, D. João Soares, D. Afonso de Castelo Branco e D. João Manoel, que, chamando arquitetos, escultores, ourives, entalhadores, bordadores e tecelões, encheram de preciosidades a velha Sé, com a magnífica prodigalidade d'um enamorado príncipe italiano da Renascença.

D. M.el Correia de B. Pina. Bispo de C.a e conde d

D. Manuel Correia de Bastos Pina, Bispo de Coimbra e conde de Arganil

… Encerrada a Exposição da Arte Ornamental, que se realizou em Lisboa no ano de 1882, e onde a diocese conimbricense tivera brilhante representação, lembrou-se o senhor Bispo-Conde de fundar junto da sua catedral um museu de arte religiosa, constituído pelas chamadas pratas da Sé, e que sucessivamente devia ser aumentado com peças provenientes dos conventos em via de supressão. Nesta, como em todas as empresas do senhor Bispo-Conde, não intervieram delongas. Estudado o projeto, deu-se-lhe imediata execução. No mesmo dia se escolheram salas adequadas e se encomendaram as vitrines; no mesmo dia se chamaram ferreiros que vieram chapear as janelas e portas do futuro tesouro, e se rebuscaram pedaços de talha antiga para guarnecer prateleiras. Todo este «fervet opus» se exaltava sob a vigilância contínua do senhor Bispo-Conde, que dirigia os trabalhos, que a pensar neles adormecia, que com eles sonhava, e com eles se sentava á mesa, entusiasmado e decerto por ver tudo rapidamente concluído, como se tudo aquilo, que para os outros era, fora seu, com a mesma ansiedade do particular que assiste à edificação do palácio onde conta passar uma regalada e luxuosa existência.

Castro, E. O Thesouro da Sé de Coimbra. In Illustração Portugueza, 3, Primeiro semestre, 2.ª série, Lisboa, 1906, p. 84-87.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:19

Quinta-feira, 19.12.19

Coimbra: Tascas antigas que ainda vão existindo

Com esta entrada termina a série sobre tascas de Coimbra da responsabilidade de Carlos Ferrão que geraram um número significativo de visualizações e comentários. Ficamos à espera de mais colaborações

- O TAPA
Localização: Rua das Rãs

Tapa-1.jpg

O Tapa, na atualidade

O Tapa mantém-se vai para 70 anos, na Rua das Rãs, em plena baixa da cidade. Local muito pequeno, bom para pausas de trabalho ou uma paragem de passeio, beber um copo e andar.
Ganhou o nome, porque nos seus primeiros tempos o copo era acompanhado por uma azeitona que o taberneiro fazia questão de oferecer, retirando-a do pote com uma pequena concha que suportava apenas uma unidade. Ninguém bebia sem um tapa.
Atualmente, tem menu de petiscos e seguindo os princípios da boa dieta mediterrânica há sempre sopa!

Tapa-2.jpg

O Tapa, publicidade

O lema da casa é: Vir a Coimbra e não ir ao Tapa é o mesmo que ir a Roma e não ver o papa.

- A SENHORA ALEXANDRINA, depois CAROCHA, depois JOÃO BRASILEIRO, hoje RESTAURANTE MONDEGO
Localização: Praça do Comércio n.ºs 109-111

Tasca da Alexandrina, ao fundo.jpg

Tasca da Alexandrina, ao fundo, ao lado da torre da Igreja de S. Bartolomeu

Perto da Igreja de S. Bartolomeu, em frente da capelinha do Senhor dos Passos, a senhora Alexandrina, já era matrona madura e muito sabida, começou por se estabelecer com um café, que veio com os tempos a transformar-se em café-restaurante.
A sua ajudante de campo era uma sobrinha que não dava trela a qualquer, mantinha um ar sério e grave.
Tinham uma criada de ordens, a celebrada Marocas, aquela Marocas traquinas… A Marocas era pau para toda a colher, sempre com aqueles sorrisos cativantes metia os fregueses ... na despesa e o caso é que caiam como patos, saindo dali a arrastar-se, envenenados com o absinto requentado no preço, e espatifado na manipulação caseira. Se ficavam mais um momento embalados pelos enguiços da Marocas, retiravam-se depenados. Não era a senhora Alexandrina que lhe incutisse esse espirito de ferrar a unha, a Marocas pagava-se do luxo dos deleites.
A patroa costumava sentar-se numa poltrona na cozinha, que ao mesmo tempo servia de casa de jantar, e a seu lado, por vezes um pouco afastada, a delicada da sobrinha entretida em idílios aéreos com algum estudante idolatrado, meio sentado a seus pés, expondo-lhes as suas paixões assolapadas, que viravam de rumo, apenas ele transpunha os umbrais da porta da rua, fineza que ela retribuía com igual constância!
Mais do que um café, era um autentico club da rapaziada mística, académicos, militares e futricas; palestrava-se, faziam-se sermões laudatórios em cima das mesas, ou recitavam-se poesias improvisadas, onde se testemunhou que Adelino Veiga (o poeta operário), desde tenra idade dos 15 anos, aí iria versejar com facilidade e espontaneidade.
A senhora Alexandrina faleceu em fevereiro de 1886, a sobrinha tinha falecido antes e a Marocas retirou-se para a Beira Alta onde voltou a ter o nome de Maria e ficou o resto da sua vida a recordar algumas das suas paixões!

Passou depois a ser conhecido pelo "Carocha", por atenderem a clientela duas galantes raparigas, tão morenas, como atenciosas, filhas do proprietário, o "Pai Carocha"! Com novo dono, que mal um cliente entrasse dizia sempre: "obrigadinho", ficou conhecido pelo "Obrigadinho".

Alexandrina-1.jpg

Tasca do João Brasileiro

Seguidamente entra em cena o Sr. João que vindo do Brasil deu o nome ao estabelecimento de “João Brasileiro” e que não deixou durante a sua gerência que o seu sotaque se perdesse o mesmo fazendo acontecer à qualidade do serviço.
Atualmente é o restaurante "Mondego", sossegado, acolhedor e informal.

Painel de azulegos representando o Calvário.jpg

Painel de azulegos representando o Calvário aplicado na frontaria do edifício


Carlos Ferrão 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:43

Terça-feira, 17.12.19

Coimbra: Cerca do Colégio de S. Agostinho

Extrato de uma comunicação apresentada no ciclo de conferências comemorativo dos 900 anos de Almedina.

A Cerca de S. Agostinho, quando ali nasci, estaria, praticamente, como quando em 1834 o Mosteiro de Santa Cruz foi extinto. Constituía um anexo do Colégio da Sapiência ou de S. Agostinho. Era, então, chamada Cerca dos Órfãos ou simplesmente Cerca.

Imagem mais antiga da Cerca.jpgImagem mais antiga da Cerca que se conhece

Já não conheci, obviamente, o passadiço e casas anexas que ligavam o Colégio da Sapiência à Cerca.

Passadiço do Colégio.jpeg

Passadiço do Colégio para a Cerca

Disposta em socalcos era um mundo fantástico, cheia de segredos e de subterrâneos.

Cerca outra imagem.jpg

Outra imagem antiga da Cerca

A casa onde nasci estava em parte sobre o que poderá ser uma cisterna, pois ainda me lembro de ver parte de uma abóbada feita em tijolos, e quando se deitava água por um buraco ouvia-se cair no fundo.
Sobre os restos da antiga muralha que a separava da Couraça dos Apóstolos corria um cano vindo da fonte que existiu em frente ao Laboratório Chimico, o qual lançava água num pequeno tanque. Dali ia, por um outro cano enterrado, ia para a leira do jardim, onde vertia para um outro pequeno tanque. Leira do jardim onde existiam arbustos e flores que só ali se viam.
Encostadas ao muro do lado nascente que a separava da cerca dos Jesuítas, existiam duas capelas, com vestígios de pinturas murais. A de cima com bancos de pedra embutidos na parede e a de baixo, com bancos de madeira.
Sobrepujava a capela de baixo uma imagem de pedra que hoje já não existe. Arruado da colunata.jpg

O arruado da colunata e ao fundo a capela de baixo onde ainda se pode vislumbrar a estátua de S. Agostinho.

Ligando diretamente a capela de baixo à entrada da Cerca estava uma colunata, a que chamávamos o arruado, uma longa fila de pilares que sustentavam uma latada cheia de roseiras.
A meio da colunata, na parede, havia o que parecia uma porta de pedra. Tinha um buraco e, hoje, penso deveria ser por onde passava a ligação da referida possível cisterna, ao tanque da leira mais abaixo.
A ligação entre os socalcos era feita por escadas de pedra, uma delas com lindos balaustres também em pedra.

Cerca leira de cima.jpg

A leira de cima da Cerca … uma pálida imagem do passado

Na leira mais elevada, no muro sobranceiro ao arruado, havia uma série de bancos de pedra separados entre si por pequenos alegretes. Na leira junto ao muro sobre a Rua do Colégio Novo havia uma pedra com uma data. Era ali que os meninos do Colégio dos Órfãos, raramente, brincavam. Recreio que estava separado, por uma porta de madeira, da leira que o prolongava e de uma outra leira que era a mais baixa.
Ali existia uma mina que devia ter cerca de 50 metros de extensão cuja água vertia para um tanque de grandes dimensões.
Como se pode constatar o aproveitamento da água, tinha ali um exemplo da luta de séculos do Mosteiro de Santa Cruz pelo controlo desse bem essencial.
Na Cerca – que estava e está na posse da Misericórdia de Coimbra – eram então produzidos vegetais e fruta destinados à alimentação das meninas e meninos do Colégio dos Órfãos, hoje Colégio de Caetano.
Rodrigues Costa 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:55

Quinta-feira, 12.12.19

Coimbra: Tascas que já não existem 5

- TASCA DO PINTO
Localização: Rua do Cabido

Tasca do Pinto.jpg

Tasca do Pinto

Localizada no extremo da Rua do Cabido, junto ao Largo de S. Salvador, no centro nevrálgico da Alta, sempre teve com a comunidade universitária.
A Tasca do Pinto, O Pinto, ou O Pintos, como mais normalmente é designada, embora o nome oficial seja Casa Pinto, Comidas & Petiscos, primeiramente tinha como fregueses funcionários da Universidade e dos Hospitais da Universidade, que gradualmente foram sendo substituídos por estudantes.
Os HUC e algumas faculdades foram transferidos para outras zonas da cidade, os funcionários da Reitoria e das faculdades que ficaram foram perdendo o hábito de aí virem, mas deixaram uma marca da sua passagem. Foram os insistentes pedidos de ‘uma sopinha’ que fez juntar as refeições ao tradicional serviço de vinhos e petiscos.
A taberna que nos anos 40, O Espanhol aí criara num armazém de lenha para uso doméstico, viera substituir uma outra destruída pelo Estado Novo quando arrasou parte da 'alta' para edificar o complexo universitário.

Tasca do Pinto 5.JPG

Tasca do Pinto, cartaz assinado por clientes

O casal Luís Pinto e Adelina tomou-a de trespasse em 1978, poucos meses após regressar de Moçambique, e conferiu uma nova identidade, à antiga taberna, transformando-a num ex-libris da 'alta'.
Coimbra que na sua vida viram apenas para tomar o comboio na partida para Moçambique, ficou na ideia deste casal do concelho de Meda, e para ela rumaram na esperança de dar um melhor futuro às filhas.

Tasca do Pinto 11.JPG

Tasca do Pinto, decoração

A Queima das Fitas, em maio, e a Latada, em outubro/novembro, em que a Universidade festeja a entrada de novos estudantes, eram momentos marcantes na taberna do Pinto. O movimento intenso de estudantes, que contava também com familiares e antigos estudantes que a frequentaram há 10, 20 e mais anos.
Nas paredes das duas salinhas, ornamentadas com meia dúzia de mesas, ficaram testemunhos da passagem – fotos, recortes de jornal, ou até desenhos e pinturas, algumas delas a evocar o tempo passado na Taberna do Pinto.
Por cima do balcão, tal como bandeiras desfraldadas, dezenas de pontas de gravatas negras testemunham a passagem por aí de estudantes a festejar o rasganço do traje académico, quando terminam o curso.
Acabaram as tradicionais pipas de vinho, tal como o progresso as fez desaparecer de outras tascas da cidade, mas o vinho continuava a ser servido ao copo, a acompanhar os já confecionados petiscos que faziam crescer a água na boca: a sardinha frita de escabeche, a sardinha albardada, o carapau frito ou as iscas de fígado.
Nas refeições faziam honras da casa, o arrozinho de pimentos e a bifaninha, bem temperada com alho, sal, um pouco sal, colorau e vinho branco.
A vida do casal Adelina e Luís, estava dentro daquelas portas!


- TASCA DA PALMIRA, depois MIJA-GATO
Localização: Rua do Carmo
Pelos anos vinte e trinta do século XX, ao fim do dia, quando as oficinas se iam fechando a tasca da Palmira era passagem obrigatória dos mestres serralheiros Daniel Rodrigues e Albertino Marques. Era raro o dia que não aparecesse também o pintor Álvaro Eliseu e o canteiro João Machado Júnior para petiscar, beber um copo e cavaquear.

Tasca do Mija-Gato-1.jpg

Tasca do Mija-Gato

Mais tarde este lugar de encontro na rua do Carmo, com uma mudança de proprietários passou a chamar-se “Mija-Gato”, com a iconografia do nome estampado no vidro das portas texanas.
O espaço foi recentemente comprado pelo proprietário do adjacente Restaurante Cantinho dos Reis.

Carlos Ferrão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 11:24

Terça-feira, 10.12.19

Coimbra: Peças levadas do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra

Numa entrada publicada há algum tempo que teve por base uma comunicação da Senhora Dr.ª Ana Paula Machado, Conservadora no Museu Nacional de Soares dos Reis, do Porto, abordava a existência de uma série de 24 placas de esmalte pintado “subtraídas” ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra.
Prometi, então, voltar a este tema.

Cena da Verónica.jpg

Cena da Verónica, integra a série de vinte e seis placas de esmalte pintado

A razão dessa promessa decorreu de, na referida publicação, essa série de placas ser classificada como datando do 1.º terço do Século XVI e como sendo uma das séries sobreviventes mais completa pelo que constitui hoje uma referência incontornável entre as suas congéneres europeias; mais à frente, a autora refere que este conjunto não encontrou na última revisão de programas e percursos do Museu Soares dos Reis, enquadramento adequado, estando presentemente em reserva.
Quer isto dizer, traduzindo para uma linguagem entendível por não especialistas, que as referidas peças estão, há largos anos, devidamente acondicionadas e guardadas, longe dos olhares do público.
Confesso que, ao aperceber-me desta situação, senti uma grande revolta, tendo mesmo escrito uma petição, dirigida ao Ministério da Cultura, que teria d ser, obviamente, apoiada pelo Bispado e pela Câmara de Coimbra, no sentido de solicitar o regresso das referidas placas, ora acondicionadas num qualquer caixote, ao local de onde haviam sido retiradas, isto é, ao Santuário do Mosteiro de Santa Cruz.

Acabei por arquivar a petição, porque já não acredito na eficácia desta forma de participação cívica.
Sinceramente, por esta e por outras razões similares, estou cansado de lutar contra os moinhos de vento da ignirância, do imediatismo da política e do desinteresse dos decisores políticos – de todos os quadrantes – pela nossa história, pelo nosso património e pela nossa cultura.
Peço desculpa pelo meu desabafo.

Em ordem a este tema pretendo hoje chamar a atenção para um estudo – a que voltarei – de Rocha Madail, e no qual colhi as seguintes informações:

casa das reliquias de Santa Cruz.JPG

«Casa das reliquias» de Santa Cruz

Os esmaltes, que o próprio Diretor interino da Academia de Belas Artes do Porto em 1864 aceitava «terem estado na banqueta do Altar do mesmo Santuário» de Santa Cruz de Coimbra, são vinte e seis preciosíssimas laminas de cobre esmaltado com viva policromia e ouro, medindo 8x10 cm cada, agrupadas em políptico sobre tabuleiro de madeira, e representando cenas da vida de Cristo.
Trabalho das célebres oficinas de Limoges da primeira metade do século XVI, o seu finíssimo desenho segue muito de perto outros tantos passos da coleção conhecida por «pequena Paixão de Cristo», de Albrechr Durer.
Joaquim de Vasconcelos ocupou-se deles no fasciculo 9 da «Arte Religiosa em Portugal», e o Sr. Dr. Armando de Matos dedicou-lhe desenvolvido estudo de identificação em 1934 na revista «Museu»; por informação que então lhe fornecemos, extraída do presente inventário, já nessa data ficou incontroversamente regista a sua proveniência, que Joaquim de Vasconcelos suspeitava ser a «casa das reliquias» de Santa Cruz.

Igreja de Santa Cruz. Santuário 06.jpg

«Casa das reliquias» de Santa Cruz, pormenor 1

 

Igreja de Santa Cruz. Santuário 06 a.jpg

«Casa das reliquias» de Santa Cruz, pormenor 2

Fico com a esperança de que este meu lamento incentive outros, mais jovens e com mais força, a lutarem pela devolução das peças ao local de onde nunca deviam ter saído.

. Madail, A. G. R. 1938. Inventário do Mosteiro de Santa Cruz à data da sua extinção em 1834.
. Machado, A.P. A propósito de três itens de inventário. In: O Património Artístico das Ordens Religiosas entre o Liberalismo e a atualidade, n.º 3. 2016. Pg. 161-172

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:39

Quinta-feira, 05.12.19

Coimbra: Tascas que já não existem 4

- COVA FUNDA DO CAREQUINHA
Localização: Av. João das Regras, um pouco mais a jusante, da antiga ponte de ferro.

Cova Funda-1.jpg

Cova Funda, publicidade

À saída da Ponte de Santa Clara, ficava a taberna de Manuel Claro, o conhecido "Carequinha", que possuía magnificas e aprazíveis retiros. O seu proprietário era um homem com muita piada que se tornou popular por mascarar-se todos os anos pelo Carnaval percorrendo as ruas da cidade.

Cova Funda-3.jpg

Cova Funda, publicidade

A Cova Funda do “Carequinha” era construída em madeira, género barracão, tinha umas pequenas vitrinas onde expunha brinquedos de lata e de celuloide, bijutarias, alguns artigos religiosos e pequenos livros de histórias que vendia ali e também na Feira de São Bartolomeu. Quem ficasse encantado com o canto dos canários do “Carequinha”, era também ali que os vendia com ou sem gaiola. A taberna, ficava na cave ao fundo de uma escadaria, espaçosa tinha mesas de pinho e bancos. A Cova Funda era um estabelecimento característico, de certa originalidade, em que o cliente encontrava belos petiscos, saborosas frutas, ótimos vinhos das melhores procedências do país e interessantes distrações proporcionadas pelo seu proprietário, Sr. Manuel Fernandes Claro.
Nos dias das feiras dos 7 e 23 a casa estava particularmente cheia, mas era um local muito escolhido para se organizarem almoços de datas comemorativas de formatura e outros.
A Cova Funda do “Carequinha” como era conhecida a casa, acabou em 1951.

- ZÉ NETO
Localização: Rua das Azeiteiras
No princípio, era uma taberna e casa de pasto.
Um dia, em 1956, para melhor receber os clientes, Zé Neto decidiu transformar a taberna e abrir um restaurante.

Zé Neto-1.jpg

O Zé Neto. pintura de S. Harrison, 1965 (Coleção Particular)

Eram vários os fatores que tornaram o "Zé Neto" um local de referência. A qualidade e frescura dos produtos, a cozinha familiar e, claro, a presença simpática e diária do Senhor Zé Neto, um homem simples, que faleceu em 2017 com 89 anos e que muito acarinhava todos os que visitavam a sua casa.

Zé Neto-2.jpg

O Zé Neto

O ambiente familiar e acolhedor, manteve-se com a sua única filha, D. Esmeralda, licenciada em Engenheira Química, que abdicou da carreira para apoiar os pais no restaurante, e garantia na cozinha, a melhor comida tradicional portuguesa, que marcava todos os clientes e os obriga a voltar.
A sala sempre foi pequena, mas nunca faltou espaço para acolher os amigos que se reuniam em jeito de tertúlia, onde as conversas fluíam entre uma petinga frita ou jaquinzinhos, a famosa açorda de coentros e um bom copo de vinho tinto.
A 3 de Agosto de 2019, foi o último dia que o número 10 da rua das Azeiteiras abriu as portas para servir os clientes.
A alma da Baixa da cidade ficou mais pobre. O Restaurante “Zé Neto” fechou!

Carlos Ferrão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:37

Terça-feira, 03.12.19

Coimbra: Por portas travessas. Histórias de miúdos da velha Baixa de Coimbra

Com esta entrada pretendo chamar a atenção de todos aqueles que, como eu, se assumem como coimbrinhas, sejam salatinas, chibatas ou da baixa, para um livro recentemente reeditado, com o título Por portas travessas. Histórias de miúdos da velha Baixa de Coimbra. É um relato, escrito na primeira pessoa, das vivências de infância e juventude do Carlos António Pinto dos Santos, nado e criado na Rua das Padeiras.
Estou convicto que o gostarão de ler.

Por portas travessas, Capa.jpg

Por Portas Travessas, capa
.

A cabra equilibrista

O toque alegre do pandeiro atrai a nossa atenção. Chegam e instalam-se no largo, mas não há um apresentador que nos diga quem são, de onde vêm, em que cama de estrelas dormiram, que estradas tomarão ao amanhecer de outro dia.
O espetáculo desenrola-se à altura dos nossos olhos que captam, ao pormenor, o esforço abnegado dos artistas em conquistar mais do que a mera simpatia da assistência.
O profissionalismo surpreendente da cabra, a esmerar-se no seu número de equilíbrio, girando as quatro patas sobre a pequena base; a agilidade do macaco, fazendo por ignorar a tensão da corrente que o agarra àquela forma de vida; o som virtuoso do pandeiro a marcar o ritmo dos acrobatas.

A cabra equilibrista.jpgO Homem do pandeiro, a cabra Lolita e a macaca
(Na Alta era chamada de Dona Fabela)

A Lolita, equilibrista, ė a estrela da companhia. Altiva no seu papel, sabe da vida que hoje é estrela, amanhã pele de pandeiro.
Mas o macaco, que se limita a levar as mãos à cabeça, a dar cambalhotas no chão e a saltar para os ombros do homem, dá-lhe a graça do palhaço pobre que vive das gargalhadas infantis.
A carreira artística, que lhes roubou a quietude e os largos horizontes só alcançáveis do alto das montanhas e do cimo das árvores, é uma opção antinatural ditada pela necessidade de sobreviverem juntos por estradas e lugares que lhes são estranhos. O homem pouco fala, mas parece ter um sotaque raiano, e o macaco parece interrogar-nos com o olhar, sobre o porquê de o chamarmos de Barnabé.
Entregues ao seu ofício, mal se dão conta do prestígio que é estar ali, em representação de uma antiga arte de rua que não se rende.

Termina o espetáculo. Ninguém recusa as palmas e, respondendo à nossa súplica silenciosa para que desabe uma chuva de prata sobre quem tanto precisa e merece, caem, condescendentes, umas quantas moedas pretas no púcaro empunhado pelo macaco, deixando-nos abalados e pensativos sobre o poder efetivo das preces.
O homem do pandeiro agradece descobrindo a cabeça, volta a colocar o chapéu, pega no banco às costas e os três, seguidos pela miudagem, dirigem-se rua abaixo ao encontro de um mundo mais generoso, que pode estar ali mesmo, ao virar da esquina.
E é assim até ao fim do dia. Talvez até ao fim da vida.

Santos, C.A.P. 2018. Por portas travessas. Histórias de miúdos da velha Baixa de Coimbra. 2.ª edição. Coimbra, Edição de autor

O livro pode ser adquirido pela módica quantia de 5,00 €. Para o fazer basta contactar o autor Pinto dos Santos (Toni) nas redes sociais. É uma excelente sugestão de oferta de Natal, para quantos viveram Coimbra.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 09:40


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2020

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829