Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra



Terça-feira, 17.01.17

Coimbra e as prisões que aqui existiram: o Aljube e a Cadeia da Universidade

 

O Aljube do Bispo, ou apenas Aljube, estava localizado na Alta, em frente da entrada do Paço Episcopal.

Tinha capacidade para 14 a 20 presos e possuía, como a prisão da Portagem, uma pequena capela em frente, encostada à igreja de S. João de Almedina.

Foi convertido em prisão oficial para os presos comuns depois da vitória liberal, mas já anteriormente se recorria a esse espaço, quando a sobrelotação da Portagem o impunha. Além disso, era regularmente utilizado como local de detenção das mulheres presas por ordem da Universidade.

Em 1835 decidiu-se ...  remover para aqui os presos com culpas mais leves e ainda todas as mulheres detidas na Portagem, mas só dois anos depois foram ordenadas obras de restauro.

Em Fevereiro de 1838 obteve-se licença do Vigário Capitular para efetuar reparações e para a Câmara Municipal poder lá instalar todos os presos que fosse possível. Em Novembro a prisão estava pronta e foi nomeado o carcereiro. Um ano depois foram também para aí transferidos, provisoriamente, os estudantes detidos na cadeia da Universidade.

Em 1841 o Aljube encontrava-se novamente carente de obras e em finais de 1846 ou inícios de 1847, os estudantes, que aí permaneciam, denunciaram a total falta de condições: os alojamentos destinados não eram próprios nem para os piores criminosos e os universitários estavam misturados com os presos políticos e com os ladrões ...

 

... A cadeia da Universidade era destinada à população académica detida à ordem do Conservador da Universidade, a quem pertencia a jurisdição do foro privativo da Universidade, e do reitor (ou vice-reitor) que detinha a autoridade policial.

Esta cadeia, localizada por baixo da sala dos capelos até à reforma pombalina, transitou depois para as caves da biblioteca.

Existe, de Janeiro de 1779, um requerimento do carcereiro informando que a mudança dos presos acabou de se fazer. O seu ordenado era então de 36 réis ao dia mais as carceragens pagas pelos presos, 380 réis.

No ano seguinte, nova petição do carcereiro declara a cadeia insegura e sem dispor de cloaca.

Em 1782 lamentava-se a falta de duas ou três casas de segredo, de algumas grades e de duas latrinas e em 1787 surgem novas queixas sobre a falta de segurança.

O decreto de 25 de Novembro de 1839, com o Regulamento da Polícia Académica, manda alojar os estudantes presos num compartimento decente da cadeia do Aljube, enquanto se não aprontar uma casa de detenção própria. Como vimos, os alunos aí detidos não consideravam estar acomodados com o mínimo de decência ... “duas janellas de grades sinistras, que deixam passar á vontade pelas portas crivadas de fendas as injurias do tempo, quatro paredes immundas, um tecto afumado, e de barrotes descarnados, um soalho carcomido, a vizinhança de uma latrina, eis ahi a cadêa dos estudantes!”, escreve-se na Revista Académica, nº 22, s. d., p. 352. 36

Só em 1855 se ordenou a instalação da cadeia da Universidade no extinto Colégio de S. Boaventura, o da Alta.

Lopes, M.A. 2010. Cadeias de Coimbra: espaços carcerários, população prisional e assistência aos presos pobres (1750-1850). In Araújo, M.M.L., Ferreira, F.M. Esteves, A. (orgs.) Pobreza e assistência no espaço Ibérico (séculos XVI-XIX), [Porto], CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memória”, 2010, pp. 101-125. Pg. 8-9, 10-11

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 10:18



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031