Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A' Cerca de Coimbra



Quinta-feira, 09.03.17

Coimbra: Cemitério da Conchada, ou o caminho para a sua existência 2

Depois de bastantes hesitações sobre a escolha do terreno para o cemitério de Coimbra, a câmara adotou o alto da Conchada na quinta do Pio por indicação de peritos, nomeados em comissão pelo governo civil em 12 de Agosto de 1851. Outra comissão demarcou o terreno, que deveria ser expropriado, em 25 de Setembro do mesmo ano.

...“As nove freguesias da cidade tem nas suas igrejas, nos claustros da Sé Nova, e nos péssimos cemitérios de S. Pedro e Salvador, 972 sepulturas; e, tendo sido de 302 por ano o termo médio dos óbitos nos últimos dez anos, devem ter-se aberto as sepulturas com intervalos de 38 meses e meio (Costa Simões – Relatório da gerência municipal de Coimbra nos dois annos decorridos desde o 1.º de janeiro de 1856 até ao último de dezembro de 1857).

... Com todos estes trabalhos do meu plano do cemitério, começou a construção no cunhal SO, do mesmo cemitério em 30 de Setembro de 1852.

Cemitério da Conchada, planta.jpg

Cemitério da Conchada, planta primitiva

... Entrando, mais tarde ... na presidência da Câmara, para o biénio de 1856 e 1857, encontrei construída uma porção e muro do mesmo cunhal SO, a maior parte da muralha que sustenta o tabuleiro norte e os alicerces em quase todo o perímetro do cemitério.

Durante a minha gerência ativei os trabalhos; e, no fim do primeiro ano, tinha já concluído toda a muralha que sustenta o tabuleiro inferior, quase toda a que devia sustentar o tabuleiro imediato, grande parte dos muros de topo daquele primeiro tabuleiro, parte dos muros do tabuleiro sul e o respetivo movimento de terras. Estavam construídos os alicerces da capela e de todo o perímetro do cemitério, e ainda outras obras de menor custo por todos os tabuleiros e alameda contígua. A estrada ficou aberta ao transito em toda a sua extensão, desde o largo da Fonte Nova, por Montarroio, cerca da Graça, até ao cemitério.

Nestas alturas uma grande trovoada, em Dezembro de 1856, fez desabar uma parte da muralha norte; e arruinou quase todo o paredão do segundo tabuleiro.

Coincidiu este facto com desinteligências que, pouco antes, se tinham levantado entre a câmara e o governador civil ... e daí por diante as influências políticas ... procuravam por todos os meios o descrédito de tudo o que se tinha feito em favor do cemitério.

Pretendeu-se que a fosse a câmara responsável por todos os prejuízos causados por aquele desabamento.

... Malogrado este meio de agressão à câmara, recorreu-se ao descrédito do plano do cemitério ... o presidente da nova câmara propôs que se abandonasse o cemitério em construção, e que se adotasse novo plano em novo local.

Contra o cemitério em construção alegou-se: 1.º que era absurdamente grande e mal colocado; 2.º que ficaria excessivamente caro.

Simões, A.A.C. 1882. Dos Hospitaes da Universidade de Coimbra. Coimbra. Imprensa da Universidade, pg. 112-113, 119-122

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Rodrigues Costa às 14:18



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031